Empresários e lideranças da agroindústria catarinense estiveram reunidos na manhã desta segunda-feira, em Florianópolis, para celebrar a abertura do mercado japonês à carne suína do Estado

 

 

Santa Catarina tem oito frigoríficos habilitados a exportar carne suína ao mercado japonês. A lista das indústrias foi elaborada pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e aprovada pelo governo japonês. Para marcar essa conquista catarinense, na segunda-feira, 10, às 10h, no auditório da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis, o Governo do Estado promove o painel sobre a Carne Suína Catarinense e o Mercado Japonês, com a presença de lideranças nacionais e catarinenses da suinocultura.

suinos 20130609 1688845928

O painel é uma parceria com o Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados no Estado de Santa Catarina, Sindicarne, e a Fiesc. Estão confirmados a presença do cônsul-geral do Japão para a região Sul do Brasil, Yoshio Uchiyama, do secretário Kentaro Morita, da Embaixada do Japão no Brasil e a vice-cônsul Nana Kawamoto, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipesc), Rui Vargas, e representante do Mapa em Santa Catarina, Luiz Gustavo Balena Pinto, além de dirigentes das agroindústrias, federação, sindicatos e associações vinculadas à suinocultura catarinense.

Foram habilitados para atender o mercado japonês os frigoríficos BRF (Campos Novos e de Herval D’Oeste), Seara (Seara e de Itapiranga), Pamplona (Rio do Sul e de Presidente Getúlio), Aurora (Chapecó) e o Sul Valle (São Miguel do Oeste). “É o passo decisivo para o início das exportações da carne suína catarinense para o mercado japonês. Esses frigoríficos atendem requisitos solicitados pelas missões japonesas que estiveram no Estado nos últimos anos”, comemorou o secretário da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues.

No final do mês, o governador Raimundo Colombo e o secretário João Rodrigues, além de empresários da suinocultura, vão acompanhar a presidente Dilma Rousseff em visita oficial ao Japão. A comitiva brasileira deve se reunir com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e participar de uma reunião com empresários japoneses. A viagem está prevista para os dias 27 e 28 de junho.

Mercado
O Japão é o maior importador mundial de carne suína in natura, totalizando US$ 5,1 bilhões em 2012, equivalentes a 1,2 milhão de toneladas, o que representa cerca de 31% das compras mundiais, em valor. Em 2012 os principais fornecedores de carne suína in natura para o Japão foram Estados Unidos (US$ 2,1 bilhões), União Europeia (US$ 1,4 bilhão) e Canadá (US$ 1,1 bilhão). No ano passado, o Brasil – que é o quarto maior exportador de carne suína in natura do mundo – vendeu o produto para 63 mercados, totalizando US$ 1,5 bilhão (581 mil toneladas) e Santa Catarina lidera as exportações, vendendo 180 mil toneladas no valor de US$ 492 milhões. A abertura de um mercado desse porte estima o secretário da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, pode somar no longo prazo 350 mil toneladas por ano.

Programa Com a Palavra, o Governador
No último programa Com a Palavra, o Governador, que foi ao ar na sexta-feira, Raimundo Colombo falou, entre outras coisas, sobre o mercado da carne suína.

Informações adicionais
Ney Bueno
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Telefone: (48) 3239-4137 ou (48) 8843-4996

Em visita à Feira de Exposição e Agronegócios do Vale de Braço do Norte, Feagro, o Vice-Governador do Estado, Eduardo Pinho Moreira, acompanhado do secretário de Desenvolvimento Regional, Roberto Kuerten Marcelino, repassou R$ 40 mil ao evento.

Segundo o Vice-Governador, a feira é importante para o desenvolvimento do agronegócio da região e principalmente do Estado. “Agora, com a região nomeada Vale Catarinense da Produção do Gado Jersey, a expectativa é que o evento aumente a cada ano, não somente em questão de público, mas em números de negócios fechados”, enfatizou Pinho Moreira.

A expectativa para este ano é que o recorde mundial de gado Jersey na pista seja superado. “Em Madison, nos Estados Unidos foi batido o número de 290 animais na pista, e este ano a Feagro deve consagrar-se com o novo título”, explicou o secretário Marcelino.

A Feagro recebeu 50 mil visitantes e movimentou cerca de R$ 15 milhões em negócios no ano passado. A organização do evento espera que, em 2013, os números sejam maiores. A feira tem o título de maior expositor de gado Jersey da América Latina em número de animais e busca agora bater o recorde mundial, que pertence à exposição de Medson - EUA.

A agropecuária é um segmento fundamental da economia de Santa Catarina, pois representa cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. 


Mais informações

Secretaria de Desenvolvimento Regional de Braço do Norte
Chênia Cenci

Famílias e pequenos produtores rurais da região de Xanxerê serão contemplados com obras que vão amenizar os efeitos da estiagem. O Governo do Estado, por meio do Programa  Pacto pro Santa Catarina, vai autorizar a construção de 801 cisternas para atender famílias carentes afetadas pela seca. 

Nesta semana um representante da Cooperativa de Profissionais em Serviços Públicos (Coopesc) se reuniu com prefeitos, secretários de agricultura e assistência social de 14 municípios para tratar sobre a construção das cisternas na região. De acordo com Melimar Marquesi, as obras devem atender cerca de quatro mil pessoas.

Para que as famílias possam receber o benefício, elas precisam estar cadastradas no CAD - Único do Governo Federal e Estadual.   Cada cisterna tem capacidade de 16 mil litros e trata-se de uma tecnologia simples e de baixo custo, na qual a água da chuva é captada do telhado por meio de calhas e armazenada em um reservatório, capaz de garantir água para atender uma família de cinco pessoas em um período de estiagem de aproximadamente oito meses.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Regional, Carlos Augustinho Colatto, com estas construções a região será a segunda do estado com maior número de adesão. “O cadastramento já foi feito por todas as 14 prefeituras da nossa região e o próximo passo agora  será a  instalação dos equipamentos, os municípios que  se adiantarem e estiverem em dia com os itens exigidos pela Coopesc  serão os primeiros a serem atendidos”, afirma o secretário Colatto.

Contato:

Ana Elise Zogheib 

Secretaria de Estado de Des Reg Xanxerê 
E-mail: sdr-xanxere@xxe.sdrsc.gov.br 
Telefone: (49) 3382-2000

O Governo do Estado de Santa Catarina, por intermédio da Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (Codesc), em parceria com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi) e a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, assina em São Joaquim (SC), nesta segunda-feira (10), um protocolo de intenções para fortalecer cadeias produtivas sustentáveis, gerando renda e reduzindo o impacto ambiental da produção de dois produtos típicos da região: a erva-mate e o pinhão. No mesmo dia, haverá a inauguração do Escritório de Inovação de São Joaquim.

pinhao 20130610 1178065597

Para o governador Raimundo Colombo, essas parcerias são fundamentais para a manutenção da cadeia produtiva sem comprometer o meio ambiente. “Temos sempre que trabalhar em harmonia com a natureza para não pagar um preço tão alto pelo desenvolvimento. Na medida em que trabalharmos observando todas as normas ambientais vamos aumentar a nossa produtividade sem degradar a natureza”, afirmou o governador

Com a assinatura do documento, é dado mais um importante passo para colocar em prática um projeto elaborado pela Fundação Grupo Boticário e a Fundação Certi para o desenvolvimento regional e a redução dos impactos ambientais da produção de pinhão e erva-mate, produtos que integram a economia de Santa Catarina e que possuem relevância cultural nos três estados do Sul do Brasil. De acordo com dados de 2011 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Santa Catarina produziu 36.117 toneladas de erva-mate no período, gerando um valor de R$ 15,184 milhões. Já a produção de pinhão, no mesmo período, foi de 2.476 toneladas, com um retorno de R$ 2,785 milhões.

“A partir do diagnóstico realizado, foi desenhado um projeto para fortalecer as cadeias produtivas do pinhão e da erva-mate, de modo a reduzir o impacto negativo dessas culturas para o meio ambiente. Além de reduzir a pressão sobre a Floresta com Araucárias, também pretendemos gerar impactos positivos, promovendo a inovação e a agregação de valor a esses produtos, valorizando assim a produção menos impactante à natureza”, explica Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, instituição sem fins lucrativos de atuação nacional que tem como missão promover e realizar ações de conservação da natureza.

A iniciativa envolverá diversos atores das cadeias produtivas da erva-mate e do pinhão: produtores rurais; pequenas e médias indústrias – entre as locais e as de atuação nacional e internacional; redes de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos; além de investidores e representantes do poder público. Para integrar os diferentes atores envolvidos, o projeto prevê a incubação de uma nova instituição, que terá papel de facilitadora, promovendo o fluxo de informações, estratégias e boas práticas em toda a cadeia. “Em uma ponta serão organizados os produtores rurais, que passarão a receber orientação e apoio para adotarem práticas de produção com impacto reduzido para o meio ambiente. Com a adoção dessas práticas, eles passam a ter acesso a um mercado diferenciado, formado por uma coalizão de grandes empresas compradoras, interessadas em insumos sustentáveis e com rastreabilidade”, ressalta Malu.

A capacitação dos integrantes da instituição facilitadora será feita pela Fundação Certi, instituição de tecnologia aplicada e inovação, que desenvolve soluções para a iniciativa privada, governo e terceiro setor. “Buscamos desenvolver um ambiente de inovação, a exemplo do que acontece em outras regiões e setores econômicos, mas com foco no desenvolvimento de cadeias da sociobiodiversidade. É um modelo inovador de desenvolvimento regional, que pode ser aplicado a outros biomas brasileiros”, esclarece Marcos Da Ré, diretor do Centro de Economia Verde da Fundação Certi.

pinhao 20130610 1396774238

Serviço:
Assinatura do Protocolo de Intenções
Dia: 10/06/2013
Local: Secretaria de Desenvolvimento Regional de São Joaquim – SDR/SJ
Rua Getúlio Vargas, 8 - Centro - São Joaquim
Horário: 16h

Mais informações:
Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina – CODESC
Contato: Valéria Faria (vfaria@codesc.sc.gov.br) – (48) 3216-2179