Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

Pesquisa auxilia restauradores de obras de arte em todo mundo

Pesquisa auxilia restauradores de obras de arte em todo mundo

Pintada no fim do século 19, a obra Sagrada Família está submetida aos cuidados dos restauradores do Ateliê de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Atecor) da Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

Oportunidades

Próximos eventos


Foto: Divulgação / SST

Com 20 anos de trabalho dedicados a sua pequena empresa e com o apoio diário da família para dar conta da demanda, a empreendedora Veronilde Casagrande Crussaro, que trabalha com bolachas artesanais, se viu obrigada a reforçar sua equipe para um pedido especial.

Moradora da cidade de Faxinal dos Guedes, ela foi a vencedora da licitação de bolachas artesanais adquiridas da agricultura familiar pela Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST), por meio da Diretoria de Segurança Alimentar e Nutricional (Disan). Os biscoitos foram oferecidos em um seminário realizado pela Diretoria de Estado da Assistência Social em Chapecó.

A ação da compra dos produtos da pequena empresa deixou a proprietária muito feliz. “Nós também vendemos para a merenda escolar aqui na nossa região. Mas, receber pedidos de eventos grandes como este, de uma Secretaria de Estado, nos empolga”, ressaltou Veronilde. No cardápio, bolacha de laranja, de milho, de polvilho com côco e a tradicional caseira foram oferecidas aos participantes do evento.

A secretária da SST, Maria Elisa De Caro, explica que o projeto de compra de produtos para eventos da Secretaria tem como foco o desenvolvimento social e econômico de agricultores familiares, urbanos, periurbanos, povos e comunidades tradicionais, populações indígenas e quilombolas. “Queremos priorizar também os produtos da agrobiodiversidade catarinense. Trata-se de uma ideia muito interessante. Esta foi a primeira compra e já deu bons resultados, sendo os produtos aprovados por quem comeu e quem apenas conheceu o projeto”, resumiu Maria Elisa.

O intuito é que a aquisição destes produtos seja priorizada ainda em outras secretarias do Estado. “Já levamos o assunto para a pauta da reunião do colegiado, também foi muito bem visto por todos e deve ser adotado nas outras pastas em breve. Não podemos deixar de destacar que também vai gerar economia”, pontuou a secretária.

Na avaliação da diretora da Disan, Naianne Hoffmann, as compras feitas diretamente da agricultura, além de estimular circuitos mais curtos de comercialização é uma importante ferramenta para a promoção da alimentação adequada e saudável, já que são alimentos mais frescos e minimamente processados. “Queremos sensibilizar todos os gestores do Estado para que adotem esta inovação em suas secretarias e municípios”, disse ela.

Mais informações à imprensa:
Kênia Pacheco
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação - SST
(48) 3664-0753 / (48) 99984-17-99
E-mail: ascom@sst.sc.gov.br
Site: www.sst.sc.gov.br

  


Foto: Divulgação / Epagri 

O melhoramento de pastagens é uma preocupação constante de extensionistas e pesquisadores da Epagri. Nesse caso, o olhar atento do técnico pode ser um diferencial na identificação de novos materiais. Foi o que aconteceu com o extensionista Pedro Chiminello, do Escritório Municipal da Epagri em Witmarsum. Na sua rotina de trabalho ele percebeu que uma nova pastagem missioneira-gigante, nativa do município de Dona Emma, apresentava bons resultados. Em 2012 ele iniciou a multiplicação do material, que recebeu o nome do município onde foi identificado. Passou então a recomendar a missioneira-gigante Dona Emma para o sistema Silvipastoril, com bons resultados.

O Sistema Silvipastroril alia a criação de gado com produção de madeira, proporcionando, entre outras vantagens, sombra para os animais e renda extra aos agricultores. A missioneira-gigante é uma das principais espécies recomendadas em sistemas integrados de produção, se adaptando bem às condições de sombra no cultivo consorciado com eucalipto.

Os pesquisadores Jefferson Flaresso, Joseli Stradiotto Neto e Murilo Dalla Costa, da Estação Experimental da Epagri em Lages (EEL), visitaram sistemas silvipastoris com a variedade de missioneira-gigante Dona Emma e ouviram relatos sobre as vantagens do cultivo do material. Foram coletadas mudas que serão avaliadas para verificar se é uma nova variedade. Também serão feitas análises da qualidade da forrageira, com o intuito de determinar a concentração de proteína bruta e digestibilidade e se esses atributos são semelhantes ou não aos do cultivar SCS315 Catarina Gigante.

Em março de 2017 a Estação Experimental da Epagri em Canoinhas lançou o cultivar SCS315 Catarina Gigante, que é uma variedade da pastagem missioneira-gigante. O cultivar, desenvolvido em parceria com a EEL, tem excelente aceitação pelos animais, se adapta a diferentes condições de clima e de solo, pode ser cultivado em solos de médias fertilidade, tem alta resistência ao frio e geadas e dá uma excelente resposta na produção de leite e carne.  Além disso, é resistente à praga cigarrinha-das-pastagens e tem outras singularidades que fazem dele um pasto altamente indicado para o Estado.

Na avaliação do pesquisador Murilo, é possível que o novo material coletado em Dona Emma tenha caraterísticas ainda superiores ao Catarina Gigante. Segundo ele, a missioneira-gigante Dona Emma possui uma boa capacidade de crescimento, emissão de estolões e perfilhos e boa capacidade de competição com outras espécies, sendo inclusive superior ao cultivar lançado pela Epagri em 2017. O pesquisador conta que relato de produtores, como Gotlib Schenke e Marcus Cipriani, indicam que essa variedade é bem consumida pelos bovinos.

“Esse é mais um exemplo de como trabalhos de extensão em parceria com a pesquisa tem potencial para render bons resultados práticos e informações de interesse para a pecuária de Santa Catarina”, finaliza Murilo.

Informações e entrevistas
Murilo Dalla Costa, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Lages, pelo fone (49) 3289-6431

Informações para a imprensa
Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992 / 3665-5147
Cinthia Freitas, jornalista: (48) 3665-5344
Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407


Foto: Rodolfo Espínola / Agência AL

A Assembleia Legislativa (Alesc) aprovou por unanimidade, na tarde desta quarta-feira, 22, o Projeto de Lei Complementar (PLC) que institui a Reforma Administrativa do Governo de Santa Catarina. Com isso, o Executivo formaliza a criação de uma estrutura mais enxuta e eficiente, que irá gerar economia estimada em R$ 500 milhões durante os quatro anos de mandato. A redação final traz alterações construídas na base do diálogo com os parlamentares, mas mantém o objetivo fundamental da proposta: fazer um governo mais moderno e transparente, que entregue serviços com mais qualidade para os catarinenses.

“A Reforma representa o nosso jeito transparente de governar. Torna o Estado mais célere e sem estruturas duplicadas. A Assembleia Legislativa tomou uma decisão muito sábia, que vem ao encontro do interesse dos catarinenses. Votou em favor do Estado de Santa Catarina”, ressaltou o governador Carlos Moisés.

A Reforma Administrativa foi um trabalho que iniciou durante o período de transição, com diagnóstico das estruturas atuais de governo. Com o início do mandato, o modelo entrou em uma fase de teste. A lei deve ser sancionada no começo de junho.

Para o secretário da Casa Civil, Douglas Borba, o tramitação na Alesc permitiu que os deputados pudessem fazer contribuições, aprimorando o projeto de lei. “Foi o primeiro grande trabalho de união entre os poderes. O Estado tem um déficit de R$ 2,5 bilhões para esse ano e precisamos equalizar isso com uma visão de Estado, não de disputa por poder. Chegamos a um denominador comum que preserva o princípio básico da redução de gasto e do enxugamento da máquina para que a gente possa ter um serviço melhor custando menos ao erário público”, destacou. A avaliação é que o processo respeitou a prerrogativa dos parlamentares, com um debate importante para Santa Catarina.

O secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca, observa que a nova estrutura prioriza a atividade-fim das principais áreas de atendimento à população: “Com a aprovação, o Governo agora implementa de maneira formal o que já vinha acontecendo na prática. O Estado testou nos primeiros meses essa estrutura, o que nos garantiu entregar à Alesc a melhor proposta. O objetivo da Reforma era reduzir a estrutura, reorganizar os processos e qualificar o trabalho com mais governança, integridade, controle e transparência. Agora a lei nos permite acelerar a implementação dessas estruturas e conseguir de forma muito rápida entregar os resultados que o cidadão espera deste Governo."

PRINCIPAIS PONTOS DA REFORMA ADMINISTRATIVA

Redução
O projeto extingue duas secretarias de Estado, seis secretarias Executivas, duas autarquias, uma sociedade de economia mista e cinco conselhos, além das 20 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs). O conjunto das ações da reforma resulta em uma diminuição de 1/3 do total dos cargos em comissão e funções de confiança, com a extinção de 2.054 de posições nessas condições, o que gera economia e valoriza os servidores públicos nos exercícios dos postos de chefia do Executivo.

Principais estruturas extintas
— As 20 Agências de Desenvolvimento Regional previstas na Lei nº 16.795
— Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra)
— Departamento de Transportes e Terminais (Deter)
— Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte
— Secretaria de Planejamento
— Secretaria Executiva de Supervisão de Recursos Desvinculados
— Secretaria Executiva de Assuntos Estratégicos
— Secretaria Executiva de Gestão dos Fundos Estaduais
— Secretaria Executiva de Habitação e Regularização Fundiária
— Secretaria Executiva do Programa SC Rural

Reorganização
Com a extinção da Secretaria de Turismo, Esporte e Cultura (SOL), há mudanças na vinculação das fundações e autarquias do setor. A Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur) torna-se uma autarquia estadual e, assim como a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e a Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte), ganham autonomia e ficam vinculados ao Gabinete do Governador.

Na Segurança Pública, a Reforma Administrativa formaliza o modelo inovador e pioneiro no país e institui o Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial. O formato prevê o revezamento anual das chefias de Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militares, Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias na presidência.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) também fica vinculado ao Gabinete do Governador.

A Casa Civil assume o papel de atendimento e interlocução com as prefeituras das 295 cidades do Estado por meio da Central de Atendimento aos Municípios. Além disso, uma parceria firmada com a Federação Catarinense de Municípios (Fecam) permitirá a criação de Núcleos de Gestão de Convênios (NGC) em todas as regiões de Santa Catarina.

Principais mudanças nas nomenclaturas
— Secretaria de Estado da Casa Civil vira Casa Civil
— Secretaria de Estado de Comunicação em Secretaria Executiva de Comunicação
— Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania em Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa
— Secretaria de Estado da Agricultura e Pesca em Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural
— Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação em Secretaria do Desenvolvimento Social
— Secretaria de Estado da Infraestrutura em Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade

Qualificação
O projeto da Reforma Administrativa também cria novas estruturas de controle e governança para o estado. A lei autoriza a criação da Secretaria Executiva de Integridade e Governança, que irá desenvolver indicadores de resultado para áreas estratégicas e permitir ao governador acompanhar o rumo dos trabalhos e estabelecer metas de melhoria das atividades. A Controladoria Geral do Estado (CGE), que vai zelar pela transparência no Executivo, também será criada.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br


Foto: Divulgação / Dive

O bloqueio vacinal contra a raiva, em Gravatal e região, no Sul do Estado, imunizou 3.873 animais contra a doença (3144 cães e 729 gatos) em 1.567 imóveis visitados. o balanço foi divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive) vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV) da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O trabalho de vacinação de cães e gatos começou no dia 9 de maio em Gravatal, município que teve registro de um caso de raiva humana. A partir dali, em um raio de até cinco quilômetros, todos os animais encontrados receberam a vacina. “A ação aconteceu casa a casa. As equipes percorreram também as regiões dos municípios de Capivari de Baixo e Pescaria Brava, que estavam dentro do raio delimitado”, explica João Fuck, gerente de Zoonoses da Dive.

A atividade, coordenada pela Dive, com a parceria da Gerência Regional de Saúde de Tubarão, contou também com a participação de profissionais e técnicos da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), dos municípios de Gravatal, Pescaria Brava, Capivari de Baixo e Tubarão, de professores e acadêmicos da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul).

Os animais precisam, ainda, receber a segunda dose da vacina. Por isso, os técnicos retornam à atividade na região em junho. Depois disso, o bloqueio vacinal é concluído.

A médica veterinária da Dive, Alexandra Schlickmann Pereira, lembra que a forma mais eficaz de proteção contra a raiva é a vacinação dos animais. Os proprietários precisam estar atentos. “O ideal seria ter um veterinário de confiança e ele indicar qual o calendário de vacinas mais adequado para o seu animal de estimação. Só garantindo a vacinação dos animais estaremos protegidos da raiva”, ressalta.

Raiva

Após 38 anos sem registrar casos de raiva humana no Estado, a Dive confirmou no início de maio, um óbito de uma paciente de 58 anos, residente em área rural do município de Gravatal, por conta da doença.

Já os últimos casos de raiva em cães e gatos em Santa Catarina foram registrados em 2006, nos municípios de Xanxerê (01 cão e 01 gato), Itajaí (01 cão), e em 2016, em Jaborá (01 cão).

A raiva é uma doença transmissível que atinge mamíferos como cães, gatos, bois, cavalos, macacos, morcegos e também o homem, quando a saliva do animal infectado entra em contato com a pele ou mucosa por meio de mordida, arranhão ou lambedura do animal. O vírus ataca o sistema nervoso central, levando à morte após pouco tempo de evolução. A raiva não tem cura estabelecida (há apenas três casos de cura conhecidos no mundo, um deles no Brasil) e a única forma de prevenção é por meio da vacina. 

Informações adicionais para imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
Assessoria de Imprensa
Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
Instagram: @divesantacatarina Facebook: Dive Santa Catarina
Fone: (48) 3664-7406/(48) 3664-7402/(48) 3664-7385
Site: www.dive.sc.gov.br


Foto: Divulgação / SEF

Auditores fiscais da Secretaria da Fazenda de Santa Catarina (SEF) realizaram a operação Com Nota Fiscal Vai Legal na região Serrana de Santa Catarina. O objetivo foi a verificação de obrigações tributárias no transporte de mercadorias e produtos extrativos, como emissão de notas fiscais e recolhimento dos tributos devidos.

As fiscalizações, que foram realizadas na segunda, 20, e terça-feira, 21, em Santa Cecília, e na última semana em Ponte Alta do Norte, contaram com apoio da Polícia Militar e da Associação de Municípios da Região do Contestado (Amurc). A ação faz parte do convênio entre SEF a Federação Catarinense de Municípios (Fecam), firmado em 2013.

“A integração das entidades é necessária na efetivação do combate às fraudes tributárias”, afirma o diretor de Administração Tributária da SEF, Rogério Mello.

Em Santa Cecília, foram abordados 63 veículos de carga. Destes, quatro receberam notificações por estarem sem documento fiscal, sendo uma carga de queijo, uma de vinho e duas de madeira. Já em Ponte Alta do Norte foram registradas seis irregularidades, principalmente em carregamentos de toras de madeira.

Informações adicionais para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Secretaria da Fazenda
Michelle Nunes
Fone: (48) 3665-2575/ (48) 9929-4998
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Sarah Goulart
E-mail: sgoulart@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2504/ (48) 98843-8553
Site: www.sef.sc.gov.br
facebook.com/fazendasc

Página 1 de 457

Conecte-se