Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

Em Santa Catarina já é possível acionar a PM usando um aplicativo



Oportunidades

Próximos eventos

 Fotos: Maurício Vieira/Secom

Cerca de 200 pessoas, entre deficientes visuais, representantes de instituições especializadas no atendimento a este público e entidades atuantes em áreas relacionadas a à temática em Santa Catarina, se reuniram para discutir, avaliar e elaborar políticas públicas para o segmento. O evento, realizado nos dias 21 e 22 no Hotel Cambirela, em Florianópolis, foi promovido pela Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE).

Apresentações culturais marcaram a cerimônia de abertura, com exibição do grupo de dança da Associação Catarinense para Integração do Cego (ACIC) de Florianópolis; do musicista Élder Luiz Ruas, profissional da Associação Camponovense de Apoio aos Deficientes Auditivos e Visuais (ACADAV) de Campos Novos, e também da pedagoga e musicista da FCEE, Juliana Buratto. 

A palestra de abertura, com o tema “Modelo Biopsicossocial com ênfase na Deficiência Visual”, foi ministrada por Moisés Bauer Luiz, assessor jurídico do Ministério Público do Rio Grande do Sul e presidente do Comitê Brasileiro das Organizações Representativas de Pessoas com Deficiência (CRPD). Na apresentação, Bauer Luiz narrou sua trajetória pessoal na educação e explanou sobre o modelo de avaliação das deficiências biopsicossocial, baseado no conceito de deficiência da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotada pela ONU em 2006, abordando também o instrumento único de avaliação das deficiências em desenvolvimento pelo Governo Federal.  

O presidente da FCEE, Rubens Feijó, destacou o pioneirismo da conferência no estado e a relevância das proposições discutidas. “Os deficientes visuais em Santa Catarina foram ouvidos e os encaminhamentos do evento serão muito importantes para esse segmento da população”, afirmou, destacando o êxito do encontro e a grande representatividade dos deficientes visuais. Cerca de 50 instituições especializadas, associações e conselhos municipais provenientes de todas as regiões do estado marcaram presença, representando os mais de 190 mil deficientes visuais de Santa Catarina.  

Já o presidente da Federação Catarinense de Entidades de e para cegos (FECEC), Jairton Fabeni Domingos, parabenizou a organização do evento pela ótima recepção e apoio. “Há muito tempo esperávamos por uma Conferência deste nível na área da Deficiência Visual e estamos muito satisfeitos”, afirmou Domingos.

A coordenadora da Comissão Organizadora da Conferência, Juliana Buratto, afirmou que um dos destaques do evento foi a participação das pessoas com deficiência visual em todos os momentos, incluindo o planejamento e a estruturação das discussões. Buratto também destacou que a pioneira proposta do evento será expandida, de modo que outras unidades federativas organizem conferências estaduais e ajudem a construir um documento nacional com propostas de políticas públicas.

No segundo dia do evento, as discussões foram divididas nos eixos temáticos: Prevenção e Saúde; Inclusão Socioprofissional; Educação e Tecnologia; Acessibilidade; Financiamento, Parcerias e Projetos. Após as votações de proposições divididas por eixos, uma Plenária proporcionou a votação das emendas, encaminhamentos e definições que irão compor o “Relatório Final da I Conferência Estadual em Deficiência Visual” e a “Carta Compromisso Adílson Ventura”. Ambos documentos servirão de base para o trabalho de uma comissão, eleita com objetivo de dar continuidade às ações necessárias para implementar as políticas públicas de inclusão na área da deficiência visual. 

 Coordenadora da Comissão Organizadora da Conferência, Juliana Buratto


Informações adicionais para a imprensa:
Aline Buaes
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Educação Especial - FCCE
E-mail: imprensa@fcee.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4943 / 99115-8918
Site: www.fcee.sc.gov.br

 

 Foto: Antonio Prado/Fesporte

Valeu a pena esperar. Foi inaugurada oficialmente nesta sexta-feira, 22, a pista sintética de atletismo de Timbó. Com 400 metros de extensão (dimensões oficiais), a nova estrutura já começou a ser usada nas disputas da modalidade dos Jogos Escolares da Juventude (JEJ), evento organizado pelo Comitê Olímpico do Brasil, no Vale do Itajaí.

A nova pista foi aprovada por treinadores e atletas. A estrutura, segundo os envolvidos nos Jogos, não fica devendo em nada em comparação com as melhores do Brasil. A obra custou R$ 1.277.291,81, em investimento do Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte e a Fundação Municipal de Esportes (FME) de Timbó.

Na cerimônia de entrega da pista, antes das competições dos JEJ, estiveram presentes o gerente de Esporte de Base e Inclusão da Fesporte - ex-atleta com participação em três olimpíadas, Sérgio Galdino; os marchadores olímpicos timboenses Alessandro Bágio e Alessandra Picagevicz; além do prefeito de Timbó, Jorge Kruger, e o presidente da FME municipal, Márcio Elisio.

Em suas palavras Galdino agradeceu ao presidente da Fesporte, Rui Godinho, e ao governador Carlos Moisés pelo empenho para tornar uma antiga demanda da região em realidade. “Esta pista em Timbó será um dos grandes legados que o evento deixará para a comunidade local. Eu, o Bágio e a Alessandra fomos atletas olímpicos, frutos dos Jogos Escolares e esta pista será importante para revelar novos atletas. Era um sonho de todos, que hoje torna-se realidade”, destacou Galdino.

As disputas do atletismo prosseguem até segunda-feira, dia 25. Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), com apoio da Prefeitura Municipal de Blumenau e do Governo do Estado de Santa Catarina por intermédio da Fesporte.

Informações adicionais para a imprensa
Antônio Prado
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Esporte - Fesporte
Fone: (48) 3665-6126/ (48) 99949-5255
E-mail: prado@fesporte.sc.gov.br
Site: www.fesporte.sc.gov.br

 

 Foto: James Tavares/Arquivo/Secom

No dia 25 de novembro, comemora-se em todo o país o Dia Nacional do Doador de Sangue. Para celebrar a data, homenagear e agradecer às pessoas que dedicam parte de seu tempo  de forma voluntária para salvar vidas, o Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina (Hemosc) preparou uma semana especial. Neste ano, o tema da campanha no estado será “Quando você doa sangue, a esperança cresce”.

A data foi instituída em junho de 1964, por meio do decreto Lei nº 53.988. Foi escolhida também por marcar o dia da fundação da Associação Brasileira de Doadores Voluntários de Sangue (ADVS). Na programação estão previstas comemorações durante toda a semana de 25 a 29 de novembro pelos sete hemocentros da rede Hemosc, localizados em Florianópolis, Lages, Joinville, Criciúma e Joaçaba, e pelas duas Unidades de Coleta, situadas em Tubarão e Jaraguá do Sul. 

Durante o período, as instituições estarão decoradas para receber os heróis anônimos e entregarem uma singela lembrança. Além disso, simbolizando o carinho e reconhecimento, será servido um lanche especial aos doadores.

Doações 

Apenas no primeiro semestre de 2019, o Hemosc registrou 64.069 doações de sangue que geraram 90.682 transfusões em Santa Catarina. No ano de 2018, foram registrados  150.440 candidatos à doação.

Informações:

- Florianópolis (48) 3251-9811
- Lages – (49) 3289 - 7011
- Joaçaba – (49) 3527 - 2219
- Chapecó – (49) 3700-6411
- Criciúma – (48) 3444 - 7414
- Blumenau – (47) 3222 - 9800
- Joinville – (47) 3481 - 7413
- Tubarão – (48) 3621 - 2405
- Jaraguá do Sul – (47) 3055 - 0454


Foto: James Tavares / Arquivo / Secom

Eliminar os criadouros do mosquito é o principal objetivo do Dia D de mobilização contra o Aedes aegypti em Santa Catarina, que será neste sábado, 23. A Secretaria de Estado da Saúde (SES) por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) reforça que os cuidados básicos para a prevenção das três doenças dengue, zika e febre de chikungunya, começa dentro de casa.

“É importante promover a limpeza de calhas, de piscinas, e de outros locais que possam acumular água, além de descartar corretamente o lixo”, afirma João Fuck, gerente de zoonoses da Dive.

Outro ponto importante: essa limpeza precisa ocorrer, pelo menos, uma vez por semana, isso porque os ovos do mosquito se transformam em adultos em aproximadamente sete dias. “Ao eliminar depósitos e recipientes que possam acumular água, ajudamos a evitar a proliferação do mosquito”, ressalta.

Situação de Santa Catarina

Até o dia 9 de novembro, foram registrados 25.747 focos do mosquito Aedes aegypti. Eles estão concentrados em 184 municípios, dos quais 94 são considerados infestados. O Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), realizado em novembro, indica que 11 municípios apresentam alto risco de transmissão de dengue, zika e febre de chikungunya; 39 apresentam médio risco e 44 apresentam baixo risco de transmissão das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, conforme dados divulgados nesta quinta-feira, 21, no Boletim.

Até essa mesma data foram confirmados 1.898 casos dengue, desses, 1.689 são autóctones, 141 importados, 54 indeterminados (sem a definição do Local Provável de Infecção - LPI) e 14 em investigação de LPI.

Ações conjuntas e coordenadas entre diversos setores são fundamentais para o controle do mosquito Aedes aegypti no estado. “As ações precisam se estender ao longo do ano. Cada um fazendo a sua parte para garantir saúde para todos”, finaliza Maria Teresa Agostini, diretora da Dive/SC.

Informações adicionais para a imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
www.dive.sc.gov.br


Fotos: Robson Valverde / SES

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) iniciou os trabalhos para a implantação de uma cooperação técnica internacional na área de Atenção Primária à Saúde. Técnicos da Agencia de Calidad Sanitaria de Andalucia (ACSA) da Espanha e da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) estiveram em Florianópolis, nesta semana, para reuniões com o secretário Helton de Souza Zeferino, o secretário adjunto André Motta Ribeiro e equipe técnica da SES.

Foi traçado um panorama do atendimento do estado para implantar ações de qualificação na Atenção Primária. O representante da ACSA ainda visitou uma unidade básica de saúde (UBS), uma unidade de pronto atendimento (UPA) e uma unidade hospitalar estadual.

“A gestão atual da Secretaria de Estado da Saúde estipulou como uma das metas estratégicas a qualificação da Atenção Primária”, destaca o secretário Helton, ressaltando que o trabalho da ACSA, localizada em Andaluzia, na Espanha, estava próximo do projeto idealizado pela SES.

“Começamos a trabalhar no plano de cooperação entre Espanha e Brasil, em específico Santa Catarina. Essa cooperação busca o processo de acreditação, que nada mais é do que a criação de parâmetros de qualidade para que a população catarinense possa ser ainda melhor atendida na atenção primária, com um nível de atendimento equitativo. Isso nos traz muita esperança para os próximos meses”, explica Zeferino.

Victor Reyes Alcázar, representante da ACSA, destacou que foram dias intensos, para ficar a par da situação de Santa Catarina. “É um projeto importante, a acreditação na atenção primária. Visitamos várias unidades, conversamos com muitos interlocutores para que possamos definir um plano de trabalho em conjunto e elaboração de um projeto piloto”, afirmou Victor.

Sobre Atenção Primária à Saúde

A Atenção Primária à Saúde (APS) é conhecida como a porta de entrada dos pacientes no sistema público de saúde, ou seja, o atendimento inicial. Seu objetivo é orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves para níveis de atendimento superiores em complexidade. A APS funciona como um filtro capaz de organizar o fluxo dos serviços nas redes de saúde, dos mais simples aos mais complexos.

No Brasil, há diversos programas governamentais relacionados à atenção básica, sendo um deles a Estratégia de Saúde da Família (ESF), que leva serviços multidisciplinares às comunidades por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), por exemplo. Consultas, exames, vacinas, radiografias e outros procedimentos são disponibilizados aos usuários nas UBSs.

Mais informações para a imprensa:
Fabrício Escandiuzzi
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Saúde - SES
Fone: (48) 3664-8820 / 99913-0316
E-mail: imprensa@saude.sc.gov.br
Site: portalses.saude.sc.gov.br

 

Página 1 de 617

Conecte-se