Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

Vigas de metal retiradas da Hercílio Luz serão usadas na construção de outras pontes

Oportunidades

Próximos eventos


Fotos: Aires Mariga / Epagri

Governo do Estado, produtores rurais e iniciativa privada trabalham juntos para obter a Indicação Geográfica (IG) do Mel de Melato da Bracatinga, dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina e da Maçã Fuji da Região de São Joaquim. Os três produtos têm origem na Serra catarinense e podem se tornar um patrimônio regional, valorizando a produção local e estimulando outros setores, como o turismo. O primeiro passo para obtenção da IG foi dado nesta terça-feira, 17, quando a Epagri entregou os documentos de delimitação geográfica das Indicações Geográficas, que farão parte de um dossiê a ser encaminhado para análise do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Com a Indicação Geográfica, os produtores poderão utilizar um selo de origem em seus produtos, que dará aos consumidores a garantia da qualidade diferenciada do mel, vinho ou maçã. "Esse é o primeiro passo para o reconhecimento de cadeias produtivas importantes para todo o estado, em especial para a região Serrana. Os produtos catarinenses já são reconhecidos pela sua qualidade em todo o mundo e a Indicação Geográfica vem para coroar o trabalho dos técnicos e produtores", destaca o secretário adjunto da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo Miotto.

A Indicação Geográfica é uma certificação, concedida pelo INPI, que garante que apenas um produto tem determinadas propriedades porque sua produção é influenciada por características ambientais ou culturais da região. Santa Catarina já tem as IGs Vales da Uva Goethe e Banana Corupá. As IGs do Queijo Artesanal Serrano e a da Erva-mate do Planalto Norte Catarinense estão em avaliação no INPI.

Valorização Regional

A expectativa é de que os três projetos de Indicação Geográfica sejam entregues ao INPI em dezembro. O analista do Sebrae, Alan Claumann, explica que o IG abre oportunidades para valorização das cadeias produtivas, dos produtores e do saber fazer. "Na Serra catarinense notamos uma quantidade enorme de produtos singulares que compõem aquele território. Além disso, o IG abre uma oportunidade para aumentar o fluxo de pessoas, como já acontece com o champagne, o vinho do porto e tantas outras regiões no mundo".

Mel de Melato da Bracatinga
O Mel de Melato da Bracatinga é um tipo diferente de mel. Ele não é produzido pelas abelhas a partir do pólen das flores, mas de um resíduo alimentar da cochonilha, que é um inseto que se aloja no caule da bracatinga, árvore nativa da Mata Atlântica. Em Santa Catarina, 95% da produção desse mel é exportada. A Alemanha é o principal país comprador. A região delimitada pelos pesquisadores da Epagri para essa IG compreende 111 municípios catarinenses, que representam 45% da área do Estado. A IG vai se estender por 8,5% do território do Paraná, na região do Vale do Iguaçu, e vai alcançar ainda 7% da área do Rio Grande Sul, na região conhecida como Campos de Cima da Serra.

Maçã Fuji da Região de São Joaquim
Além de São Joaquim, os municípios de Bom Jardim da Serra, Painel, Urubici e Urupema estão entro da área delimitada pelos pesquisadores da Epagri para compor a IG da Maçã Fuji da Região de São Joaquim. Esses municípios produzem uma maçã Fuji que se destaca por ser mais vermelha, maior e com formato perfeito. Isso porque acumulam mais horas de frio, o que deixa o desenvolvimento da fruta mais lento e uniforme. Além das horas de frio, serviram como critérios para delimitação dessa IG a altitude superior a 1.100 metros e outras características ambientais que unificam os municípios compreendidos. A IG é uma demanda da Associação dos Produtores de Maçã e Pera de SC (AMAP).

Vinhos de Altitude
Para a IG dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina, a Epagri delimitou 23,2% da área do Estado, onde a altitude é superior a 900 metros. São ao todo 41 propriedades, espalhadas por 32 municípios. Além das caraterísticas ambientais, essa IG leva em conta sobretudo a notoriedade das regiões produtoras. Desde 2008 a Epagri conta com um cadastro das vinícolas produtoras de vinhos de altitude no Estado. Esse levantamento foi atualizado em 2013 e novamente em 2019 para apoiar a delimitação da IG, que foi solicitada pela Vinho de Altitude – Produtores e Associados.

Workshop

Nos dias 30 e 31 de outubro a Epagri promove o Workshop Catarinense de Indicação Geográfica (IG), na sede da Assembleia Legislativa, em Florianópolis. O evento tem entrada gratuita e terá uma mostra dos produtos que já contam ou que estão em processo de obtenção de IG. 

Informações adicionais:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural
imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48)-3664-4417/(48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/


Foto: Márcio Henrique Martins / FCC

O trabalho feito desde o início do ano com os alunos da Escolinha de Arte da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) será apresentado a partir do dia 19 de setembro, às 18h, no Espaço Lindolf Bell do Centro Integrado de Cultura (CIC). A 62ª edição da exposição anual da Escolinha estará aberta à visitação até o dia 13 de outubro, de terça-feira a domingo, das 10h às 21h.

Participam da exposição as obras de modelagem em argila, pintura, desenho e fotonovelas criadas pelos alunos, todos com idades entre 5 e 12 anos. Além das 230 crianças selecionadas pela Escolinha por meio de sorteio público, participam da mostra também os alunos da creche Nossa Senhora de Lourdes, no Bairro Agronômica, em Florianópolis, atendidos dentro do projeto Escola na Escolinha.

Os trabalhos expostos foram elaborados a partir de vivências que os pequenos artistas tiveram em visitas mediadas às exposições em cartaz no Museu de Arte de Santa Catarina (Masc). Serviram de inspiração obras de nomes como Rodrigo de Haro, Eli Heil, entre outros que figuram no acervo do Museu.

A Escolinha de Arte de Florianópolis foi criada em agosto de 1963, quando suas atividades ficavam no mesmo espaço do Museu de Arte Moderna de Florianópolis, hoje Museu de Arte de Santa Catarina (Masc). A proposta, que já tem mais de meio século, oferece cursos gratuitos de Artes Visuais, Música e Teatro a crianças com idades entre 5 e 12 anos.

Serviço:

O quê: 62ª Exposição da Escolinha de Arte de Florianópolis
Abertura: 19 de setembro de 2019, às 18h
Visitação: até 13 de outubro de 2019. De terça-feira a domingo, das 10h às 21h.
Onde: Espaço Lindolf Bell - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita

Informações adicionais para a imprensa
Fernanda Peres
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Cultura - FCC
E-mail: fernanda@fcc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2571/ 98802-1822
Site: www.fcc.sc.gov.br


Imagem: FCEE

As instituições especializadas em educação especial de Santa Catarina já podem se inscrever para aderir ao Modelo de Repasse Direto (MRD), modalidade de convênio baseada no repasse de verbas para contratação direta, pela instituição, de professores e demais profissionais. Essa modalidade é uma opção ao tradicional sistema de ceder professores temporários para as instituições. O edital do Governo do Estado, publicado pela Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE), é referente ao ano de 2020. As instituições têm até o dia 29 de novembro para enviar a documentação. 

Os valores repassados a cada instituição, via MRD, são baseados na análise de número de educandos matriculados e enturmação. No lugar de contratar e ceder professores, o Governo do Estado, através da FCEE, repassa os recursos financeiros e cada instituição parceira define a contratação dos profissionais, seguindo os critérios estabelecidos em convênio e na Política de Educação Especial de Santa Catarina.

Uma das novidades do edital para o ano de 2020 é a possibilidade de permanência na instituição dos profissionais efetivos já lotados no local. A FCEE também mantém o compromisso de capacitação continuada e qualificação dos profissionais das instituições conveniadas.

Atualmente o Governo do Estado, através da FCEE, possui convênio com 217 instituições especializadas em educação especial, que atendem pessoas com deficiência, com atraso global do desenvolvimento, Transtorno do Espectro Autista e altas habilidades/superdotação. Em 2016, teve início o processo de transição para a modalidade de Repasse Direto, com adesão voluntária das instituições. Uma das primeiras a aderir ao novo modelo foi a APAE de Florianópolis, que conseguiu melhorar a gestão de pessoas, além de ampliar e qualificar os atendimentos.

As informações completas sobre o modelo e o edital estão disponíveis neste link. 

Mais informações para imprensa:
Aline Buaes
Assessoria de Comunicação FCEE
(048) 3664-4943/ 991158918
Email: imprensa@fcee.sc.gov.br


Case do Educação na Palma da Mão será apresentado durante o Consed em Goiânia - Foto: Doia Cercal / Secom

O secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni, participa da 3ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), em Goiânia, nesta quarta-feira, 18, para apresentar dois cases de sucesso  desenvolvidos em Santa Catarina. A convite do secretário de Educação Básica do MEC, Jânio Macedo, Uggioni compartilhará com secretários dos 27 estados e Distrito Federal os trabalhos envolvendo o sistema de inteligência de dados Educação na Palma da Mão e o processo de Revisão de Conformidades do Plano Estadual de Educação de Santa Catarina.

“É gratificante ver que nossa Secretaria e nosso Estado consolidam-se como referência em duas ações que estão diretamente ligadas à gestão. Sermos chamados para contar nossa experiência e passar nosso conhecimento para os demais secretários do país nos deixa orgulhosos, mas, principalmente, felizes pela possibilidade de compartilhar boas práticas”, afirma o secretário.

O sistema de inteligência de dados Educação na Palma da Mão foi desenvolvido pela equipe técnica da Secretaria de Estado da Educação. Ele permite o acesso on-line a dados sobre matrículas, frequência e desempenho escolar, por meio de visualização de gráficos, tabelas e mapas, no computador e na interface do smartphone. O sistema é alimentado por dados informados pelas escolas, por indicadores nacionais, fornecendo evidências e dando suporte à gestão e à tomada de decisões mais efetivas.

Já a Revisão de Conformidades do Plano Estadual de Educação é um processo que vem sendo realizado para avaliar as mudanças de estratégia necessárias para o cumprimento das metas do Plano Estadual de Educação (PEE). O documento foi desenhado em 2015 e as ações para o alcance das metas demanda atualização, para tê-lo sempre alinhado às necessidades atuais da educação catarinense.  O estudo está sendo realizado pela equipe técnica de Planejamento e Políticas Educacionais da SED.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Patrícia Antunes
(48) 3664-0347 / 988177973
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br 
www.sed.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / SAP

Detentos da Penitenciária Industrial de Joinville (PIJ) estão fabricando fraldas geriátricas. A nova oficina de trabalho é resultado de um convênio assinado entre a PIJ e a Secretaria de Saúde do município de Joinville. O projeto inicial prevê a fabricação de cinco mil unidades para suprir a demanda do Hospital São José.

Dependendo do andamento da oficina, o volume fabricado poderá ser dobrado para atender também a 1.084 pessoas cadastradas na prefeitura que precisam do produto, custeado pelo município.

De acordo com o convênio, a prefeitura ficou responsável pelo fornecimento de insumos, maquinário, treinamento e pagamento da mão de obra do sistema prisional. À unidade coube selecionar os internos aptos para a atividade, bem como garantir o funcionamento da oficina com segurança.

Para o diretor da Penitenciária Industrial de Joinville, João Renato Schitter, a atividade laboral é fundamental para a reabilitação social e econômica do detento. “Além disso há um incremento no Fundo Rotativo da unidade que reverte em melhorias para a Penitenciária”, destacou o diretor.

De acordo com a legislação, cada presidiário recebe um salário mínimo da instituição que o contrata, sendo que 75% ficam com o interno e os outros 25% voltam para o Fundo Rotativo, valor que é totalmente investido em melhorias na unidade prisional. Além do salário e da capacitação profissional, o detento ainda tem a remição de um dia da pena a cada três dias trabalhados.

Informações adicionais para a imprensa
Jacqueline Iensen
Assessoria de Imprensa
Secretaria da Administração Prisional e Socioeducativo (SAP)
E-mail: jacqueline.iensen@gmail.com
Fone: (48) 3664-5810 / (48) 99668-9634
Site: www.sjc.sc.gov.br 

Página 1 de 561

Conecte-se