Foto: Dóia Cercal - Secom

Santa Catarina começa a partir desta semana a executar um cronograma de ações para intensificar a vigilância e a vacinação contra a febre amarela. O objetivo é acompanhar a circulação do vírus pelo estado, a partir das notificações das epizootias (morte de macacos), bem como realizar busca ativa de pessoas não vacinadas, antes do período de maior incidência da doença, que ocorre de dezembro a maio. São ações já desenvolvidas rotineiramente pelo Estado, mas que agora fazem parte do “Plano de Ação de Enfrentamento da Febre Amarela”, enviado aos municípios.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a medida é preventiva e busca sensibilizar as equipes municipais de vigilância epidemiológica e atenção primária à saúde. “A proposta é intensificar as ações nos próximos meses, mapeando com as equipes municipais as pessoas que ainda não foram vacinadas para febre amarela e locais com a ocorrência de morte ou adoecimento de macacos”, explica Helton de Souza Zeferino, secretário de Estado da Saúde.

Desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema de dose única da vacina, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). “O Estado já é área de recomendação para vacinação desde o segundo semestre do ano passado. Mas ainda assim, a cobertura está abaixo da meta. O ideal é que 95% do público-alvo seja imunizado. Atualmente, Santa Catarina vacinou apenas 75% dessas pessoas”, explica Lia Quaresma Coimbra, gerente de Imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), da SES.

João Fuck, gerente de Zoonoses da DIVE/SC, explica que o vírus se desloca rapidamente e, por isso, a importância da ação. “O vírus já circula em Santa Catarina. Por meio de estudos, podemos estimar que a velocidade de deslocamento pelos corredores ecológicos é de três quilômetros por dia. Pelos casos humanos e epizootias confirmadas pela doença, o vírus já está na região Norte e Vale do Itajaí, com possibilidade de expansão para a região Sul”, explica.

Os macacos sinalizam a circulação do vírus. Eles vivem no mesmo ambiente que o mosquito transmissor da febre amarela e são os primeiros a ficar doentes. A morte ou o adoecimento dos primatas é um alerta para que os gestores e profissionais de saúde adotarem medidas de prevenção, uma vez que a doença nestes animais precede os casos humanos. “Por isso, queremos aumentar a sensibilização para a notificação. Quando um macaco doente ou morto for encontrado, é importante que a população comunique a Secretaria Municipal de Saúde o quanto antes, para que as ações sejam desencadeadas e novos casos em humanos sejam evitados”, afirma Maria Teresa Agostini, diretora da DIVE/SC.

Plano de Ação de Enfrentamento da Febre Amarela
O cronograma das atividades para intensificação das ações foi encaminhado e explicado para os municípios em uma videoconferência realizada na quinta-feira, 29. O Plano de Ação de Enfrentamento da Febre Amarela é dividido em três partes: Vigilância de Epizootias, Imunização e Vigilância de Casos Humanos. As atividades de intensificação seguem até o final de novembro, envolvendo visitas dos agentes comunitários de saúde e agentes de combate as endemias para conhecimento da realidade e direcionamento das ações.

- Vigilância de Epizootias: identificar áreas com registro de mortes de macacos e intensificar a vacinação nesses locais. Além de sensibilizar a população para a importância da notificação de macacos mortos ou doentes.

- Imunização: identificar áreas com pessoas não vacinadas, bem como imediatamente após a notificação da epizootia, delimitar o raio de 300 metros para imunização das pessoas não vacinadas. Realizar ações de educação com a população. No dia 19 de outubro, acontece o Dia D, da Campanha de Multivacinação, e o enfoque será febre amarela.

- Vigilância de Casos Humanos: notificar, realizar a investigação clínica e ambiental e coletar amostras para diagnóstico. Sensibilizar profissionais de saúde sobre a suspeita e manejo clínico de febre amarela.

Febre Amarela em SC
Até o momento, o Estado já registrou duas mortes por conta da doença. A primeira foi no dia 28 de março deste ano, com um homem de 36 anos, da localidade de Pirabeiraba, em Joinville, sem registro de vacina no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI). A outra, registrada no final de junho, foi de um homem de 40 anos, residente de Itaiópolis, também no Norte do Estado e sem registro de vacina.

Além disso, Santa Catarina já tem o registro de cinco mortes de macacos por febre amarela, localizados nos seguintes municípios: Garuva (1), Indaial (1), Jaraguá do Sul (1) e Joinville (2).

A vacina é a melhor forma de prevenção à febre amarela. Por isso, todos os moradores de Santa Catarina com mais de nove meses devem se imunizar. A dose está disponível nas mais de mil salas de vacina do Estado.

Informações adicionais para imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
Assessoria de Imprensa
Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
Instagram: @divesantacatarina Facebook: Dive Santa Catarina
Fone: (48) 3664-7406/(48) 3664-7402/(48) 3664-7385
Site: www.dive.sc.gov.br

LOGO AGOSTOLILAS REDESSOCIAIS

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social  (SDS), dentro das programações do Agosto Lilás, participa nesta sexta, 30, do 1º Congresso Nacional dos Clubes de Mães, realizado em Turvo, no Centro de Eventos Professora Iria Angeloni Carlessi. Eu Posso Mais! é o título da ação que a Secretaria realiza durante o evento, com a participação da secretária Maria Elisa da Silveira De Caro.

Cerca de 500 mulheres dos  estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e do Paraná participam do evento, que é realizado no formato de feira e congresso, promovendo palestras, exposições, negócios, diversão, gastronomia, lazer e muita cultura. As atividades acontecerão de forma simultânea, criando um universo de possibilidades contadas por mulheres que têm em comum o artesanato e espírito cooperativismo.

“As mulheres dos clubes de mãe são nossas parceiras na divulgação dos temas do Agosto Lilás. Contamos com todas como multiplicadoras de informações em seus municípios, onde são respeitadas pelo grande vínculo que constróem com a sociedade onde vivem”, explica a secretária.

Informações adicionais para a imprensa:
Secretaria de Desenvolvimento Social
Assessoria de Comunicação
Email: ascom@sst.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-0753 / 3664-0916 / (48)98843-3496
http://www.sds.sc.gov.br/
https://www.facebook.com/sdegovsc/
https://twitter.com/Social_SC  


Foto: Ricardo Wolffebüttel / Secom

O material metálico usado no trabalho de restauração da ponte Hercílio Luz terá um destino nobre com a conclusão dos trabalhos na Velha Senhora. Todo o aço que serviu de sustentação para a restauração do cartão postal servirá de base para a construção de até 835 pequenas pontes no interior do Estado. O número foi divulgado esta semana após um levantamento realizado pelo consórcio responsável por fazer o plano de corte, o beneficiamento do material, os projetos básicos e a montagem dos kits. 

Segundo o chefe da Defesa Civil, coronel João Batista Cordeiro Júnior, no momento estão sendo recebidas as demandas com as necessidades dos municípios. Até o momento, cerca de 50 prefeituras já procuraram o Governo do Estado com interesse nos kits. As pontes terão até 12 metros de comprimento e substituirão pontes precárias, em sua maioria feitas de madeira.

“Estamos recepcionando as demandas dos municípios e avaliando a precariedade das estruturas. Como contrapartida, a obrigação dos municípios é fazer as cabeceiras, montar a logística para buscar os kits e fazer a execução”, conta Batista.

Para receber os kits, os municípios precisam atender a alguns requisitos, sendo os principais deles: as rodovias que receberão as pontes precisam estar oficialmente na malha rodoviária municipal e a administração precisa ter uma Defesa Civil instituída. As exigências constarão de uma Instrução Normativa que está sendo elaborada pelo Governo do Estado.

Economia e durabilidade

Outro ponto destacado por Batista no reuso das estruturas metálicas é a economia. Cada kit terá um custo de aproximadamente R$ 5,8 mil, ao passo que um kit de concreto para uma ponte de seis metros custa aproximadamente R$ 50 mil. Além disso, as estruturas de madeira demandam uma manutenção mais cara do que as estruturas metálicas:

“Faremos pontes preventivas também. Quando a Defesa Civil faz uma obra, executa sempre visando a resiliência. Os vão não serão menores que as margens dos Rios, para evitar represamento de água sobre a estrutura. Serão pontes sustentáveis”.

A expectativa da Defesa Civil é que os primeiros kits comecem a ser entregues dentro de 80 dias.

>>> Leia mais:

Última transferência de carga é concluída com sucesso e Ponte Hercílio Luz volta a estar suspensa

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

 Crédito: Yasmin Stähelin/PGE

Estão abertas as inscrições para submissão de artigos com vistas à publicação na Revista da Procuradoria Geral do Estado de Santa Catarina (Revista PGE 2019 - Edição nº 8). Os trabalhos devem ser encaminhados até o dia 6 de outubro de 2019, observando-se as normas de publicação e os parâmetros de editoração disponíveis no regulamento. Acadêmicos com ou sem vinculação com a advocacia pública, servidores públicos e procuradores de todas as regiões do Brasil podem enviar trabalhos para publicação.

A proposta da revista é compilar estudos com temas de interesse da advocacia pública, além de trabalhos da instituição, para propiciar aos leitores um melhor entendimento da defesa do interesse público promovida pela Procuradoria.  A obra será dividida em quatro seções: artigos, estudos de caso, estatísticas e peças históricas. Os artigos podem ter, por base, estudos, petições, pareceres, monografias, teses e dissertações.

Na seção estudos de casos serão aceitas experiências de vitórias judiciais e administrativas tanto de procuradores do Estado de Santa Catarina quanto de outras unidades da Federação. Já em estatísticas, números que traduzem a atividade da PGE e de seu corpo funcional. Na última seção, são peças produzidas por procuradores do Estado de Santa Catarina em processos judiciais relacionados a fatos históricos relevantes para a administração pública.

A revista tem periodicidade anual e o acesso ao fascículo estará disponível no formato impresso e também em formato PDF no site da Procuradoria Geral do Estado de Santa Catarina. A publicação também conterá uma ficha de catalogação, contando com o International Standard Serial Number (ISSN).

A Revista PGE é edita pelo Centro de Estudos (Cest) da Procuradoria. A Comissão Editorial é formada pelos procuradores do Estado Weber Luiz de Oliveira (coordenador), Bruno de Macedo Dias, Felipe Wildi Varela e João Paulo de Souza Carneiro.  A previsão de lançamento é para o mês de dezembro de 2019.

COMO ENVIAR OS TRABALHOS

Prazo: 6 de outubro de 2019
Formato: arquivo em word (.doc)
Endereço: revistapge@pge.sc.gov.br
Edital: http://sistemas.pge.sc.gov.br/wp-content/uploads/2019/06/Edital-de-chamada-para-submiss%C3%A3o-de-artigos_Revista-PGE-2019.pdf
Regulamento: http://sistemas.pge.sc.gov.br/wp-content/uploads/2019/06/Regulamento-Revista-PGE-2019-Port-087-19.doc.pdf
Mais informações sobre a Revista PGE: http://www.pge.sc.gov.br/index.php/institucional/centro-de-estudos/revista-da-pge

Informações adicionais para imprensa:
Maiara Gonçalves
Assessoria de Comunicação
Procuradoria Geral do Estado
comunicacao@pge.sc.gov.br
(48) 3664-7650 / 99131-5941 / 98843-2430


Indicação geográfica da erva-mate do Planalto Norte Catarinense foi premiado na categoria Manejo Florestal Sustentável - Foto: Divulgação / Epagri

A Epagri conquistou três troféus na 26ª edição do Prêmio Expressão de Ecologia, reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente. A entrega será realizada nesta sexta-feira, 30, na sede da Fiesc, em Florianópolis. A Empresa também será homenageada pelos 16 troféus já recebidos em todas as edições, o que a torna a instituição mais vezes premiada na história do concurso.

O prêmio se propõe a divulgar ações ambientais de empresas da região Sul do Brasil e incentivar que outras sigam o mesmo caminho. Em 2019, a Epagri foi premiada nas categorias Agropecuária, Reciclagem e Manejo Florestal Sustentável. Foram 113 projetos inscritos na 26ª edição e 23 premiados.

Apicultura conectada

Na categoria Agropecuária, a Epagri venceu com o projeto “Uso de tecnologias digitais para preservação das abelhas e fortalecimento da apicultura como geração de renda e preservação ambiental”. O projeto desenvolveu a plataforma digital Apis On-Line, que fornece informações em tempo real para a cadeia produtiva.


Colmeias conectadas a estações meteorológicas fornecem dados em tempo real - Foto: Ciram/Epagri

O Apis On-Line reúne dados coletados por seis unidades apícolas de referência, que são colmeias conectadas a estações agrometeorológicas que medem chuva, molhamento foliar, temperatura, umidade relativa do ar e outras variáveis. Sensores instalados dentro da colmeia medem temperatura e umidade do ar e uma balança de precisão pesa o mel produzido. Os dados são transmitidos automaticamente e inseridos na plataforma. Com base neles, os pesquisadores podem observar quais condições meteorológicas influenciam a produção de mel.

A iniciativa permitiu difundir informações estratégicas para mais de 17 mil usuários entre 2017 e 2018. O projeto envolveu pesquisadores, extensionistas, apicultores, meliponicultores, associações e indústrias.

Armadilhas artesanais

Na categoria Reciclagem, o projeto vencedor foi “Confecção de armadilhas artesanais de baixo custo para a captura de insetos-praga”, desenvolvido pela Estação Experimental da Epagri em Caçador. A iniciativa buscou reutilizar, adaptar, desenvolver e calcular os custos de armadilhas artesanais de baixo custo, confeccionadas com garrafas do tipo PET.

A solução da Epagri, feita com garrafas reutilizadas, pode ser usada para controlar os insetos de forma mais sustentável, evitando o uso excessivo, indiscriminado e exclusivo de agrotóxicos para o controle de pragas.

As armadilhas adesivas coloridas para insetos consistem em superfícies de coloração amarela ou azul impregnadas com uma substância adesiva. O uso está baseado em estudos que indicam que os comprimentos de onda emitidos por determinadas superfícies coloridas atraem diferentes espécies de insetos.

Erva-mate com identidade

O projeto “Indicação geográfica da erva-mate do Planalto Norte Catarinense” foi premiado na categoria Manejo Florestal Sustentável. Nessa região, a erva-mate é produzida em sistema agroflorestal, contribuindo para a manutenção de grande parte da floresta de araucária. A Epagri se uniu a outras instituições para pleitear uma indicação geográfica (IG) para esse produto.


No Planalto Norte, a erva-mate é produzida em sistema agroflorestal, contribuindo para a manutenção de araucária Foto: Sérgio Teixeira /Arquivo / Secom

A IG é uma certificação, concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), que garante que um produto só tem aquelas propriedades porque é influenciado por características ambientais ou culturais de determinada região. O projeto da Epagri realizou estudos que subsidiaram o dossiê para o pedido da IG, cujo processo está em andamento.

Conheça os vencedores: https://editoraexpressao.com/vencedores

Acesse os 113 projetos participantes: https://editoraexpressao.com/participantes2019

Serviço

  • O que: Entrega do Prêmio Expressão de Ecologia com homenagem à Epagri
  • Quando: nesta sexta-feira, 30 , das 13h30 às 17h
  • Onde: na sede da Fiesc, em Florianópolis - Rod. Admar Gonzaga, 2765

 

Informações para a imprensa
Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992 / 3665-5147
Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407

 

 Foto: Doia Cercal/Secom

Proprietários de veículos com placas que terminam em 8, que optarem por pagar o IPVA em cota única, devem quitar a dívida até a próxima segunda-feira, 2 de setembro. Em 2019, os catarinenses estão pagando, em média, 3,2% a menos do imposto em comparação ao ano passado. O índice representa a desvalorização dos veículos em relação a 2018 de acordo com a tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), utilizada pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC) como base de cálculo. Em Santa Catarina, o tributo varia entre 1% e 2% do valor venal do veículo.

::: Para pagar o IPVA 2019, clique aqui.

A quitação do imposto é um dos requisitos para licenciar o veículo. O não pagamento também implica em Notificação Fiscal, com multa de 50% do valor devido, mais juros SELIC ao mês ou fração. Para saber qual o valor do IPVA do seu carro, acesse a tabela disponível aqui.

Tributação
Dos 5 milhões de veículos em circulação no Estado, 3,3 milhões são tributados. Os demais têm isenção e/ou imunidade (veículos antigos, táxis e portadores de deficiência). Motocicletas até 200CC estão isentas, condicionada a que não lhe tenha sido aplicada penalidade por infração de trânsito, no ano anterior, no caso 2018.

-> IPVA mais caro é do automóvel I/LAMBORGHINI AVENT S (ano de fabricação 2018): R$ 77.440,68

IPVA em Santa Catarina - Alíquotas vigentes
- 2% para veículos de passeio, utilitários e motor-casa, nacionais ou estrangeiros;
- 1% para veículos de duas ou três rodas e os de transporte de carga ou passageiros (coletivos), nacionais ou estrangeiros;
- 1% para veículos destinados à locação, de propriedade de locadoras de veículos ou por elas arrendados mediante contrato de arrendamento mercantil.

Alíquotas de IPVA nos Estados vizinhos
- Rio Grande do Sul: 3% 
- Paraná: 3,5%, 
- São Paulo: 4%

CALENDÁRIO DE PAGAMENTO 

Informações adicionais:
Assessoria de Comunicação da Secretaria da Fazenda
Michelle Nunes
Fone: (48) 3665-2575/ (48) 9929-4998
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Sarah Goulart
E-mail: sgoulart@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2504/ (48) 98843-8553
Site: www.sef.sc.gov.br 
FACEBOOK: 
facebook.com/fazendasc


Foto: Divulgação / FCEE

Estão abertas as inscrições para novas turmas, na modalidade a distância (EaD), de dois  cursos oferecidos pela Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE) para profissionais que atuam no atendimento a pessoas com deficiência. Um aborda a temática do Currículo Funcional Natural com base na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) e o outro trato do tema Deficiência Intelectual e Envelhecimento.

As duas capacitações são gratuitas e direcionadas para profissionais (professores, assistentes sociais, enfermeiros, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos, técnicos de enfermagem, terapeutas ocupacionais entre outros) que atuam nos Centros de Atendimento Especializados em Educação Especial conveniados com o Estado. Mais informações no site da Fundação na seção “Cursos e Capacitações”

O primeiro curso, Currículo Funcional Natural com base na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: Um Olhar Ampliado, ocorre de 24 de setembro a 22 de outubro.

Já o segundo curso aborda uma temática que vem sendo estudada cada vez mais nos últimos anos, diante do panorama atual de aumento na expectativa de vida das pessoas com Deficiência Intelectual. A FCEE vem realizando pesquisas e frequentes capacitações sobre o tema do envelhecimento para qualificar o processo de cuidado das pessoas com deficiência intelectual, as particularidades presentes no seu envelhecimento e o consequente envelhecimento de seu cuidador e/ou familiares.

 

Mais informações para imprensa:
Aline Buaes
Assessoria de Comunicação FCEE
(048) 3664-4943/ 991158918
Email: imprensa@fcee.sc.gov.br

 Foto: Eduardo Guedes de Oliveira/Agência AL

O Governo do Estado apresentou nesta quarta-feira, 28, à Comissão de Finanças e Tributação da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), o Relatório de Gestão Fiscal do 1º quadrimestre de 2019 e o Relatório Resumido da Execução Orçamentária do 1º semestre de 2019. O objetivo da audiência pública é demonstrar e avaliar o cumprimento das metas fiscais no período, conforme prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

“Os números estão melhorando, pois medidas importantes foram tomadas, como a economia de despesas, eliminação de desperdícios e crescimento da receita. Ainda assim, temos desafios grandes, já que a receita é insuficiente para pagar todas as despesas do Estado. Nosso planejamento é que, no processo gradativo de recuperação as contas, as despesas e a receita estejam equilibradas até 2021”, ponderou o secretário de Estado da Fazenda (SEF), Paulo Eli.

::: VEJA A APRESENTAÇÃO DA ADUIÊNCIA PÚBLICA

O resultado orçamentário dos primeiros seis meses de 2019 apresentou um superavit de R$ 1,19 bilhão, com receita líquida de R$ 13,65 bilhões e despesa liquidada de R$ 12,53 bilhões. No mesmo período no ano passado, as contas do Governo haviam apresentado deficit de R$ 220 milhões. A arrecadação própria foi de R$ 14,33 bilhões, crescimento de 17% em comparação ao primeiro semestre de 2019, com destaque para o ICMS, que registrou R$ 11,75 bilhões.  

“Tivemos um aumento expressivo na arrecadação, principalmente pela revisão dos benefícios e retirada de diversos produtos da Substituição Tributária. Contudo, é importante salientar que os gastos com previdência subiram 7,1% e o pagamento da dívida pública, com amortização e juros, teve crescimento superior a 20% em relação a 2018”, ressaltou Eli.

Segundo ele, hoje há poucos recursos para investimentos e infraestrutura. “Isso porque há sete, oito anos, a despesa pública foi muito superior ao IPCA. Em 2012, por exemplo, o IPCA foi de 5,8% e a despesa subiu 21,8%”, exemplificou. 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é responsável por medir a variação dos preços de produtos e serviços para o consumidor final e representa o índice oficial da inflação no país. No primeiro semestre de 2019, o Estado registrou crescimento de despesa de 1,5%, enquanto o IPCA foi de 2,2%. “Há um comprometimento do Estado, nesta gestão, de manter a despesa abaixo do índice de preços”, afirmou a secretária adjunta da SEF, Michele Roncalio.

A Despesa com Pessoal, embora tenha diminuído em relação à Receita Corrente Líquida (RCL) na comparação com dezembro de 2018, continua dentro do Limite Prudencial, com 47,71%. “Estamos trabalhando para encerrar este ano abaixo do Limite Prudencial, ou seja, inferior a 46,55% da RCL”, reforçou o secretário da SEF. 

A Dívida Consolidada Líquida se manteve estável, representando 84,41% da RCL. Já o Resultado Primário e o Resultado Nominal apresentaram superavit no primeiro semestre com de R$ 2,17 bilhões e R$ 1,74 bilhão, respectivamente.

Os mínimos constitucionais prevêem que o Estado deve aplicar até o final do exercício 25% da Receita Líquida de Impostos (RLI) em Educação e 12% na Saúde. “Na Educação, o governador Carlos Moisés determinou que aplicássemos 25% excluindo os inativos. Hoje, estamos investindo 24,62% sem inativos e 26,74% incluindo os inativos. Já na Saúde, estamos aplicando 12,26% da RLI, sem contar as dívidas e restos a pagar de gestões anteriores”, disse a secretária-adjunta da SEF.

Transparência

Pela primeira vez, o Governo do Estado enviará à Alesc o orçamento real na Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2020, com prazo de entrega até 30 de setembro. “Isso significa que entregaremos os números de receita e despesas do Estado com transparência, diferentemente de outros anos. Contaremos com a Comissão de Finanças da Alesc para nos ajudar a trabalhar como vamos cobrir o deficit, previsto para R$ 1 bilhão no próximo ano”, concluiu Eli.

Informações adicionais:
Assessoria de Comunicação da Secretaria da Fazenda
Michelle Nunes
Fone: (48) 3665-2575/ (48) 9929-4998
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Sarah Goulart
E-mail: sgoulart@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2504/ (48) 98843-8553
Site: www.sef.sc.gov.br 
FACEBOOK: 
facebook.com/fazendasc

 Fotos: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

O projeto Novos Talentos/SC Games, coordenado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), comemorou 10 anos de atuação em grande estilo. Alunos participaram da primeira edição da SC Criativa Weekend SC, em parceria com o Senac, que reuniu cerca de 100 crianças e adolescentes do estado em uma intensa maratona de games com mais de 20 horas de duração.

Simultaneamente, nas cidades participantes, equipes criaram jogos digitais inéditos com base em temáticas que envolveram a economia criativa local. O evento reuniu participantes de 9 a 15 anos, nas cidades de Palhoça, Criciúma, Blumenau e Chapecó.

Secretário da SDE, Lucas Esmeraldino ressaltou a importância da economia criativa para Santa Catarina e para os jovens: “Temos como missão assegurar a continuidade da competitividade do nosso Estado e, para isto, a SDE estimula ações que visem o desenvolvimento das nossas crianças e adolescentes. O mercado de games segue crescendo e oferece um mundo de oportunidades. O SC Games cumpre um papel importante em formar e encaminhar jovens para este setor”.

O projeto Novos Talentos/SC Games, desde 2009, já formou mais de 1.670 alunos, principalmente, crianças e adolescentes provenientes de escolas públicas da Grande Florianópolis, abrindo o leque de oportunidades no concorrido mercado de games, entretenimento digital e cinema de animação.

A Game Jam - reunião de desenvolvedores com objetivo de criar um jogo em curto intervalo de tempo - ocorreu nas faculdades Senac com o desafio de desenvolver um jogo segundo a temática da economia criativa local: moda, em Criciúma; gastronomia, em Blumenau; tecnologia, em Chapecó; e patrimônio cultural e histórico, em Palhoça. As equipes tiveram o auxílio de mentores especializados para auxiliar no processo de criação.

Para a coordenadora do SC Games, Márcia Battistella, a interação com crianças que nunca tiveram contato com o mundo dos games foi fundamental. “Os nossos alunos já têm esta expertise de realizar Game Jam. Foi uma grande troca, onde nossos alunos puderam mostrar como é possível produzir um game”, relata a coordenadora, que também teve a oportunidade de mostrar o trabalho realizado na Grande Florianópolis.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da SDE, Sandro Yuri Pinheiro, ressaltou que o evento cumpriu o papel de estimular crianças e jovens a vislumbrar a tecnologia como uma área rica e em constante crescimento. "A inovação é nossa maior obra na Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável. O Governo do Estado está desenvolvendo uma rede de Centros de Inovação, um ecossistema para estimular e conectar todos os atores, como academia, setor produtivo e governos. E o SC Games vem na formação destas crianças”, avalia. 

"Tudo o que nós planejamentos como metodologia foi alcançado, tendo em vista que a maior parte dos participantes nunca tinha desenvolvido um jogo antes. O trabalho desempenhado pelos mentores, tanto os convocados pelo SC Games como pelo Senac, contribuiu de forma direta com este balanço positivo. Atingimos também o objetivo de trabalhar a economia criativa aliada ao desenvolvimento de jogos digitais”, analisa Luis Fernando Albalustro, coordenador do programa Senac Criativo.

Game Jam: equipes vencedoras

Depois de um final de semana inteiro de pesquisas, conhecimento e torcida dos pais, os vencedores da SC Criativa Weekend foram conhecidos no domingo, 25. Todos os participantes das equipes ganhadoras levaram para casa um tablet.

Em Criciúma, a moda foi o principal mote para o desenvolvimento dos games: o jogo da equipe vencedora, composta por Gabriela Gregório, João Carlos Pais, Miguel Cardoso, Nicholas Fabre e Paulo Bratti Machado, foi elaborado com base no reaproveitamento e reutilização de materiais nas criações.

Na cidade de Chapecó, os vencedores Heitor Franz, Leonardo Andrade, Bruno do Prado, Mateus Melo Tomé e Fabiano Sordi usaram a criatividade para transformar preceitos de biotecnologia em um jogo dinâmico e high tech.

Em Palhoça, o grupo Pokefilhos, formado por Arthur Leite, Gabriel Schmitz, João Henrique, João Pedro e Lucas Arnoni, levou o patrimônio histórico e cultural da Grande Florianópolis para as telas do computador, mostrando no jogo a invasão espanhola à ilha de Anhatomirim em 1777.

Já em Blumenau, a equipe Awareness, de João Murilo Kienen, Lucas Leite, Mariana Nowazick e Symon Sonntag, levou para casa o prêmio máximo, com um jogo que aliou a gastronomia ao bom condicionamento e aproveitamento de alimentos.

Setor de games

Segundo dados do Sebrae, atualmente, Santa Catarina é o quarto estado brasileiro com mais empresas no setor de games e jogos digitais, com uma diversidade de gêneros que vai do eSports a gamificação. Pesquisas divulgadas pela Newzoo, empresa especialista em análises no mercado do setor, revelaram que o Brasil representa hoje o 13º maior mercado de games no mundo, gerando uma receita anual de US$ 1,6 bilhão.

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sds.sc.gov.br

 

 Foto: Flávio Vieira Júnior/Defesa Civil

A Defesa Civil de Santa Catarina (DC) realizou o lançamento do Sistema de Ensino à Distância (EaD) da instituição. Os primeiros cursos serão de Condução de Veículos Oficias, que já está em andamento, e o de "Proteção e Defesa Civil", que terá início no começo de setembro e, inicialmente, será voltado para os coordenadores regionais do Estado. O evento foi transmitido por videoconferência para as 20 regionais da pasta.

"Há muitos anos a DC se preocupa em capacitar o público interno e externo com diversas ações como a Defesa Civil na Escola e Seminários Nacionais", diz o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, que exalta a ampliação de possibilidades com o EaD. "Estamos estendendo nossos horizontes e levando a Defesa Civil cada vez mais perto das pessoas, mostrando a importância da prevenção, mitigação no gerenciamento de riscos e desastres", completou.

A iniciativa tem como foco final capacitar líderes comunitários, professores das escolas públicas, voluntários, coordenadores estaduais e municipais de Defesa Civil. Por meio, da EaD, o órgão vai superar obstáculos, promovendo o processo de construção de conhecimentos evitando ou reduzindo desastres. "O principal propósito é proteger a vida e o patrimônio do cidadão catarinense, estabelecendo uma sociedade mais resiliente", finalizou.

Já o diretor de gestão de educação da DC, Alexandre Corrêa Dutra, falou sobre o Curso de Proteção e Defesa Civil, que será dividido em quatro lições: Sistema Nacional, Estadual e Municipal de Proteção e Defesa Civil; Gestão de Riscos; Gestão de Desastres; Gestão Administrativa, Financeira e Jurídica de Defesa Civil. Ele explicou que o objetivo é capacitar os coordenadores para atuar de forma eficaz nas ações de gestão de riscos e desastres. "Este momento é muito importante, porque a partir de agora iniciamos uma nova fase. A EaD vai levar nosso trabalho para todos os cantos de Santa Catarina", destacou.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br