Foto: Arquivos/SDE 

Santa Catarina está com as inscrições abertas para a seleção de artesãos em uma das mais conceituadas produções artesanais do país. A 13ª edição do Salão do Artesanato - Raízes Brasileiras, que acontece de 9 a 13 de outubro no Pavilhão da Bienal, em São Paulo, vai expor trabalhos que refletem originalidade e cultura de todos os estados brasileiros.

Com 11 edições realizadas em Brasília, o evento ocorre pela primeira vez na cidade mais globalizada do país e conta com o apoio do Programa do Artesanato Brasileiro. Artesãos com produção individual, cooperados, associações e outros órgãos de fomento poderão participar da Feira, que ocupará os 19 mil m2 do pavilhão de exposição.

A Gerência de Produtividade, Trabalho e Renda, vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), está com edital aberto aos interessados, onde serão selecionados 15 trabalhos, sendo 12 para artesãos e três para entidades representativas (associações, cooperativas, núcleos produtivos) e grupos informais.

Poderão participar candidatos com 18 anos ou mais e que estejam cadastrados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (SICAB), conforme edital. As inscrições serão realizadas no período entre 28/08/2019 e 10/09/2019. 

Interessados podem acessar o edital aqui.

“O artesanato está implícito no DNA da humanidade, mantendo aceso muitas das histórias, mitos, lendas e atividades que dão ao país uma identidade tão própria e diversa. A Secretaria apoia ações da economia solidária, que contribuem no fomento do desenvolvimento sustentável do nosso Estado”, destaca o secretário da SDE, Lucas Esmeraldino.

Raízes Brasileiras

Peças artesanais de decoração, vestuário, joias, bijuterias, acessórios, brinquedos, instrumentos musicais e utilitários vão encantar os visitantes pela riqueza de detalhes, qualidade de acabamento e identidade cultural que representam. Na Praça dos Mestres será possível ver artesãos de vários estados fazendo suas peças ao vivo. O salão terá um palco destinado às apresentações culturais de grupos folclóricos de música e danças típicas e uma praça de gastronomia com pratos típicos de todas as regiões brasileiras. Será um evento que mostrará toda a diversidade cultural do Brasil, em cores, sons e sabores.

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sds.sc.gov.br

 Vencedores do Prêmio Boas Práticas em Gestão Pública Udesc Esag  em 2018 – Foto: Carlito Costa/Ascom/Udesc Esag 

Gestores públicos municipais e estaduais, de organizações da sociedade civil e privadas, além de pesquisadores da área, participarão do encontro Conexão Santa Catarina – São Paulo: Boas Práticas em Gestão Pública, na capital paulista, entre os dias 8 e 10 de outubro. As palestras, debates e visitas técnicas têm como objetivo promover intercâmbio de boas práticas entre gestores públicos dos dois estados. 

Os participantes catarinenses são representantes de 15 iniciativas vencedoras do Prêmio Boas Práticas em Gestão Pública Udesc Esag 2018, promovido pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) – por meio do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag)  e instituições parceiras

O prêmio reconheceu boas práticas em três modalidades: educação em transparência pública, tecnologias de informação para a transparência e qualidade na gestão pública. Cada modalidade foi dividida em categorias que selecionaram as melhores práticas de órgãos públicos municipais e estaduais, organizações da sociedade civil e empresas. 

Parcerias

O encontro em São Paulo é promovido pela Udesc Esag, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal do ABC (UFABC). A realização do evento conta ainda com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e do Sindicato dos Fiscais da Fazenda do Estado (Sindifisco-SC). 

Para a Sulivan Fischer, que coordenou a comissão organizadora da última edição do Prêmio Boas Práticas em Gestão Pública, o encontro em São Paulo é uma oportunidade valiosa para os participantes. "O ganho vem na forma de aprendizagem, troca de experiências, possibilidade de replicação de boas práticas e parcerias para o desenvolvimento de novos projetos", destaca a professora da Udesc Esag. 

Prêmio Boas Práticas

Entre as instituições premiadas em 2018 e que participam do encontro em São Paulo, em outubro, estão organizações de vários tipos. Há órgãos públicos municipais e estaduais, uma agência intermunicipal de regulação, uma associação de municípios, uma organização da sociedade civil, uma fundação privada e uma empresa, todos com ações ligadas à gestão pública. Veja aqui a lista das práticas premiadas com a participação no evento.

A premiação para os primeiros e segundos lugares de cada modalidade e categoria previa a participação do autor principal em evento nacional relacionado ao tema do prêmio. Já o vencedor geral levou uma viagem de intercâmbio à França, realizada ainda em 2018, com visitas técnicas a organizações públicas e de inovação em Paris e Nice, com apoio da Fundação Escola de Governo ENA' e Embaixada da França no Brasil.

A premiação é realizada a cada dois anos e já teve duas edições (2016 e 2018). A terceira edição, agora a cargo de uma rede de instituições e rebatizada de Prêmio de Boas em Gestão Pública de Santa Catarina, está prevista para 2020.

Saiba mais sobre o Prêmio Boas Prática em Gestão Pública em udesc.br/esag/premio.

Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
Jornalista Carlito Costa
E-mail: comunica.esag@udesc.br
Telefone: (48) 3664-8281

Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

O espírito empreendedor do catarinense está evidente nos resultados da primeira fase do Programa Centelha fazendo o Estado ser destaque no país. Foram submetidas 1.222 ideias, envolvendo 3.079 participantes. Ao fim do processo, serão selecionados 28 projetos que receberão R$ 60 mil e acompanhamento técnico. O valor total investido no programa em Santa Catarina é R$ 1,68 milhão. 

“Estamos muito contentes com o resultado da primeira fase do Programa Centelha, vimos um engajamento de várias regiões do Estado com seus empreendedores motivando e auxiliando o desenvolvimento de ideias”, enaltece o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen.

O chefe do órgão ainda lembra do bom resultado em nível nacional atingido pelo programa: “São resultados muito expressivos, claro que nem todos os Estados já concluíram o processo que tem prazos distintos, mas Santa Catarina é até o momento o estado com mais ideias submetidas nessa primeira fase”. 

O vizinho Rio Grande do Sul, por exemplo, conseguiu chegar ao fim da primeira fase com 784, ideias submetidas.

Florianópolis e Lages em destaque
Os 3.079 participantes representam 110 municípios catarinenses. Florianópolis, com 288, e Lages, com 151, lideram em número de projetos inscritos. Em seguida aparece Blumenau com 140, Joinville com 97, Criciúma com 50, Chapecó com 39, Tubarão com 33, Joaçaba com 28 e Rio do Sul com 27 fecham a lista dos dez melhores posicionados. “Pudemos acompanhar uma boa disputa nos últimos dias entre Lages e Blumenau”, lembra Holthausen.

Quando se fala em região, o destaque vai para o Oeste e Sul com 27 cidades envolvidas em cada uma delas. Do Vale do Itajaí aparecem 26 municípios, 12 do Norte e as regiões de Florianópolis e Serrana com nove municípios cada. 

Ao longo do processo de submissão foram realizados eventos, com a colaboração de parceiros, em diversos municípios com a intenção de envolver o maior número possível de catarinenses. 

Saúde e bem-estar com maior número de propostas 
O setor de Saúde e Bem-estar foi o que recebeu o maior número de propostas, foram 324, seguida de perto por Tecnologia da Informação e Telecomunicações. Também aparecem em destaque Comércio e Varejo, Meio Ambiente e Bioeconomia, Economia Criativa e Agronegócio. Soluções para a Administração Pública está em 88 propostas.

Idade média dos participantes
A maioria dos proponentes, 389, tem entre 31 e 40 anos. Depois aparece a faixa mais jovem, entre 18 e 24 anos, com 338 participantes. São ainda 280 pessoas entre 25 e 30 anos; 127 entre 41 e 50; 67 com idades entre 51 e 60; 16 entre 61 e 70 anos e cinco com idades acima de 70 anos.

200 ideias passam de fase
O gerente de Tecnologia e Inovação da Fapesc, Jefferson Fonseca, explica que todas as 1.222 propostas passam pelo crivo de dois avaliadores. “Um é de caráter mais técnico e o outro de caráter mais mercadológico. Serão avaliados a inovação que a ideia apresenta, a solução do problema e se tem um impacto social dentro do ecossistema catarinense”, ressalta. No total, 230 avaliadores se cadastraram de forma voluntária e irão contribuir com o Programa Centelha.

Dessas ideias, 200 passarão de fase. “Essa próxima fase será avaliada a proposta de empreendimento, ou seja, como se pretende transformar essa ideia em dinheiro”, conta o gerente. 

Ainda haverá uma terceira etapa, para a qual passarão 100 propostas e 28 serão contempladas e contratadas. 

 Fábio Zabot Holthausen | Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

O Programa Centelha
A intenção do Programa Centelha é estimular a criação de empreendimentos inovadores, a partir da geração de novas ideias, e disseminar a cultura do empreendedorismo inovador em todo território nacional, incentivando a mobilização e a articulação institucional dos atores nos ecossistemas locais, estaduais e regionais de inovação do país. 

“Programas como o Centelha dão a oportunidade de tirar do papel aquela ideia inovadora e colocar em prática soluções que vão trazer mais qualidade de vida à população. Esta é a missão da Fapesc, vinculada à SDE (Secretaria de Desenvolvimento Econômico), e que tem um papel fundamental de incentivar ações para ciência, pesquisa e inovação que por meio de repasse de recursos dissemina o conhecimento em todas as regiões do Estado”, complementa o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino. 

Dos R$ 1,68 milhão em recursos, R$ 1,1 milhão vem da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e R$ 580 mil da Fapesc.

O Centelha é promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela FINEP, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), operada pela Fundação CERTI e executada em Santa Catarina pela Fapesc.

Informações adicionais para imprensa:
Francieli Oliveira
Assessoria de Imprensa
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de SC - Fapesc
E-mail: francieli@fapesc.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-4812 / 9.9927-4159
Site: www.fapesc.sc.gov.br 

 


Fotos: Ricardo Wolffenbüttel / Secom
 
Um dos espaços mais procurados pelos visitantes do Centro Histórico de Laguna, o Museu Casa de Anita está pronto para voltar a receber o público. A restauração foi concluída pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a reabertura oficial foi realizada na tarde desta sexta-feira, 30. Presente na solenidade, o governador Carlos Moisés destacou a importância da Heroína de Dois Mundos na história e como exemplo para quem vive nos dias atuais.

:: MAIS IMAGENS NA GALERIA DE FOTOS

Durante o ato, o governador e o chefe da Casa Civil, Douglas Borba, assinaram a liberação de emendas impositivas de deputados estaduais para Laguna. São R$ 350 mil para a pavimentação e drenagem da Rua Manoel Antônio Duarte, emenda da deputada Ada Faraco de Luca; R$ 250 mil para a revitalização da Praça Francisco Pinho, emenda do deputado Valmir Comin;  R$ 150 mil para a construção de uma praça na comunidade de Ponta da Barra, da emenda do deputado José Milton Scheffer, e R$ 173,2 mil para a reforma da Escola de Educação Básica Nininha Guedes dos Reis, da emenda do deputado Ismael dos Santos.

"Cada pedacinho de Laguna tem um pouco da história de Santa Catarina e do Brasil, e tudo isso temos que preservar. A Anita Garibaldi representa o exemplo de quem luta por um mundo melhor e o protagonismo que a mulher exerce na sociedade", declarou Moisés, acrescentando que a participação das mulheres na política precisa ser ampliada. O governador também parabenizou a reforma do Museu Casa de Anita e a atenção que Santa Catarina vem recebendo do Governo Federal. "Os ministros do nosso presidente têm trazido boas notícias e investimentos para o nosso estado", lembrou.

Ministro da Cidadania exalta equipe técnica no Estado

O ministro da Cidadania, pasta à qual o Iphan é vinculado, Osmar Terra, também compareceu à reabertura. "Anita é uma inspiração única na história brasileira. Lutava por uma causa, que era a de melhorar o mundo em que vivia. Fico muito feliz de estar aqui falando desse símbolo e exemplo para o povo brasileiro", declarou o ministro.

Aproveitando a passagem por Santa Catarina, Terra enalteceu o fato de Governo Federal e Governo do Estado terem optado por compor equipes técnicas na gestão pública. "Estamos muito otimistas de que vamos viver um grande momento na política brasileira a partir de agora", declarou. "Santa Catarina é o melhor estado do Brasil em qualidade de vida, desenvolvimento. Apesar das dificuldades que o país vive, Santa Catarina consegue avançar nos indicadores como nenhum outro está conseguindo", acrescentou Terra.

Recuperação de um edifício histórico

Foram mais de R$ 610 mil de recursos federais investidos na recuperação total do edifício histórico, construído em 1.711. Além disso, de acordo com o Iphan, o local recebeu a estrutura para implantação de museu, como condições de acessibilidade, climatização, iluminação e equipamentos multimídia e de comunicação visual, contribuindo para a difusão da história e do legado de Anita Garibaldi.

De acordo com a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, houve um esforço das equipes técnicas do órgão para que a reforma tivesse saído do papel. "Estamos trabalhando com um forte apoio do ministro em todo o Brasil. É uma iniciativa do presidente Jair Bolsonaro para que nos dediquemos ao patrimônio histórico de todo o Brasil. É preciso que todos entendam o legado de Anita para o nosso país", afirmou Kátia.

O ato também teve a presença do diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida, da superintendente do Iphan em Santa Catarina, Liliane Nizzola, e do prefeito de Laguna, Mauro Candemil, além de representantes do Instituto Cultural Anita, de uma comitiva italiana, deputados, secretários de Estado e os ex-governadores de Santa Catarina e Paraná Eduardo Pinho Moreira e Cida Borghetti, respectivamente.

Na ocasião, também foi assinada a ordem de serviço para início da obra do Complexo Ferroviário, que conta com recursos de R$ 2,4 milhões e será a primeira obra do Ministério da Cidadania a ser contratada, com recursos do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD).

Em Laguna, foi entregue ainda esse ano, pelo Iphan, a obra de restauração da Casa Candemil, que sedia o Arquivo Público Municipal. Também estão em execução a primeira etapa da requalificação urbanística do Centro Histórico e as restaurações do Clube União Operária, da sede da Sociedade Musical Carlos Gomes e do Clube Blondin, somando investimentos de R$ 12,4 milhões, além do Complexo Ferroviário e do Clube do Congresso Lagunense, que contam com outros R$ 4,41 milhões advindos do FDD.

Bicentenário de Anita

O Estado também participa ativamente no fortalecimento da Memória de Anita Garibaldi. A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) atua nas tratativas envolvendo representantes catarinenses e de cidades italianas as comemorações do bicentenário da heroína. A atividade estava prevista desde o ano passado e é um dos marcos para iniciar as festividades, que se estenderão até 2021.

As comemorações dos dois séculos de Anita Garibaldi terão atividades culturais e simbólicas em Laguna e região, além do Uruguai, Itália e República de San Marino. Uma delas é o plantio de uma rosa híbrida que simboliza a heroína dos dois mundos.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC

 Foto: Maurício Vieira/Secom

Um acordo de cooperação técnica entre Santa Catarina e Roraima foi firmado, nesta quarta-feira, 28, para compartilhar uma ferramenta de gestão de pessoas no âmbito do executivo estadual. O software SIGRH - Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos -, desenvolvido pelo governo catarinense, será disponibilizado para uso da administração pública roraimense.

O convênio foi assinado pelo secretário de Estado da Administração (SEA), Jorge Eduardo Tasca, e pelo secretário da Gestão Estratégica e Administração de Roraima, Pedro de Jesus Cerino.  

Criado para atender as demandas catarinenses, o programa vai ser aprimorado em Roraima e adaptado aos recursos humanos daquela realidade. O objetivo da cooperação entre os estados é o compartilhamento de experiências, estratégias e melhorias adotadas no âmbito de gestão de pessoal como forma de aprimoramento da administração pública como um todo.

Durante o encontro para assinatura do acordo, que aconteceu na sede da SEA, no Centro Administrativo do Governo do Estado, em Florianópolis, o secretário catarinense enfatizou a importância do compartilhamento de informações entre as unidades federativas para evolução dos sistemas de gestão administrativos.

 “O que pudermos colaborar com outros segmentos, seja por meio da experiência técnica, em conhecimento institucional ou ferramentas de tecnologia e inovação na gestão pública, faremos. Pois os avanços alcançados são para benefícios de todos”, disse Jorge Tasca.

Pelo acordo, a secretaria da Administração de Santa Catarina disponibiliza todo o sistema SIGRH para ser implantado por Roraima. Por outro lado, os aprimoramentos e adaptações tecnológicas e inovadoras no sistema que forem implementadas serão repassadas, de volta, sem custos para o governo catarinense.

Krislei Oechsler - SEA

Informações adicionais para imprensa
Krislei Oechsler
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Administração - SEA
E-mail: comunicacao@sea.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-1636 /(48) 99105-4085
http://www.sea.sc.gov.br 


Fotos: Patricia Zomer / SIE

Para garantir a ligação ao Sul da Ilha e ao novo terminal aeroportuário no dia 1º de outubro, a pista do lote 1B, que vai do Viaduto do Carianos ao loteamento Santos Dumont, está sendo pavimentada. O trecho tem aproximadamente 1,4 quilômetro e, inicialmente, será liberado para o tráfego em mão dupla (pista simples). 

:: MAIS IMAGENS NA GALERIA 

A pavimentação das pistas duplas do lote 1C, entre o Loteamento Santos Dumont e a interseção de Acesso ao Sul da Ilha, está sendo finalizada e a previsão é que seja concluída até a próxima semana. 

“Precisamos destacar os esforços dos operários que trabalham na obra para fazer cumprir os prazos acordados. Teremos a ligação com um trecho em pista simples para o aeroporto e para o Sul da Ilha no dia 1º de outubro e a obra concluída em março de 2020”, afirmou o secretário da Infraestrutura e Mobilidade, Carlos Hassler. 

Após a conclusão da pavimentação em cada lote, será realizada a sinalização dos trechos, a colocação do meio fio e a implantação das calçadas e ciclovias. 

No lote 1B, a empresa seguirá trabalhando na implantação da segunda pista dupla para conclusão da obra.

Mais informações para imprensa:
Patricia Zomer
Vanessa Pires
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade
(48) 3664-2008 / 9-9995-8494
ascom.sie@gmail.com


Fotos: Elisabety Borghelotti / GVG

A vice-governadora Daniela Reinehr visitou nesta sexta-feira, 30, em Esteio, no Rio Grande do Sul, a 42ª Expointer, considerada a maior feira do agronegócio a céu aberto da América Latina. Ainda pela manhã, acompanhou com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e demais autoridades a cerimônia de abertura e desfile dos Grandes Campeões.

Daniela destacou a importância do evento e da representação catarinense na feira. “Nosso país é visto como um grande produtor de alimentos. E temos um potencial para crescer ainda mais. A Expointer é uma das grandes feiras em que o produtor catarinense participa, troca experiências, mostra o seu potencial e tecnologias, além de fazer novos negócios e seguir incrementando cada vez mais neste setor, tão importante para o país".

Em seguida, esteve na Casa do Produtor Catarinense, instalada há 40 anos, dentro da Expointer, no Parque de Exposições Assis Brasil. Mantida pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), a casa funciona como ponto de encontro para produtores rurais e pesquisadores do setor do agronegócio.

"A Casa do Produtor do Catarinense apresenta as nossas tecnologias e expertises disponíveis neste importante setor do agronegócio, que representa 30% da economia do nosso Estado. Nós tivemos, inclusive, premiações para Santa Catarina no desfile dos campeões hoje (sexta) pela manhã", salientou.

Daniela ainda conheceu alguns estandes de produtores catarinenses que trouxeram animais da melhor genética para exposição. Além disso, passou por pavilhões que reúnem os mais modernos equipamentos e máquinas agrícolas, que garantem cada vez mais qualidade e inovação e tecnologias à cadeia produtiva do agronegócio.

Também participou da feira o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa. “A Expointer é a maior feira de agronegócio da América Latina, nela os produtores catarinenses têm oportunidade de ter acesso a novas tecnologias, novas metodologias a serem aplicadas no plantio, sem dúvidas é muito importante a presença do nosso estado”, afirmou.

Destacou que neste ano várias startups estiveram presentes, promovendo o debate sobre a inovação no agronegócio. “Nesse sentido é fundamental a participação para levar o que há de melhor para o Estado de Santa Catarina”, complementou.

Agronegócio em SC

Santa Catarina é o Estado brasileiro considerado o maior produtor de suínos, maçã, cebola, pescados, ostras e mexilhões. Além disso, é o segundo maior produtor de tabaco, aves, alho e arroz. Os números demonstram a diversidade da produção catarinense. O agronegócio é responsável por gerar 60 mil empregos diretos em frigoríficos e indústrias da carne do Estado. São 18 mil produtores integrados de suínos e aves. Para garantir a sanidade animal e vegetal, Santa Catarina conta com 63 barreiras fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina, que controlam a entrada e saída de animais e produtos agropecuários.

Informações adicionais para a imprensa:
Assessoria do Gabinete da Vice-Governadora
Elisabety Borghelotti
Fone: (48) 3665-2281 | (48) 98843-5460
E-mail: comunicacao@gvg.sc.gov.br


Foto: Nilson Teixeira / Arquivo / Epagri 

Santa Catarina é o terceiro maior produtor de tilápias do Brasil. Em 2018, os catarinenses produziram 36,4 mil toneladas do peixe. Em um ano, o Estado ampliou em 14% a produção de tilápias, principalmente nos municípios de Rio Fortuna, Massaranduba e Armazém.

O secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa, comemora os bons resultados do setor e acredita que a organização da cadeia produtiva e a profissionalização dos produtores pode ser um grande diferencial catarinense.

“A piscicultura tem um grande potencial de mercado. E Santa Catarina tem todas as condições de se destacar também nesse setor. Este será mais um ponto alto do nosso agronegócio. Temos alguns desafios, como a organização da cadeia produtiva e a transformação de milhares de produtores amadores em comerciais para que possam investir e acessar mais mercados”, destaca.

De acordo com o pesquisador da Epagri/Cedap, Fabiano Müller Silva, a tilápia é o peixe mais produzido no país e representa 75,9% da piscicultura catarinense. “O cultivo de peixes de água doce se mostra uma atividade muito importante para o agronegócio catarinense. O nosso desafio é manter o crescimento, fortalecendo e aproximando os diferentes elos da cadeia produtiva, principalmente na sedimentação do mercado avaliando o mercado para que o produtor consiga obter renda”, ressalta.

Produção de peixes em cultivo

Santa Catarina é o quinto maior produtor de peixes de água doce do Brasil. A produção de peixes em cultivo se adapta perfeitamente às características das propriedades rurais de Santa Catarina. A produção estadual chegou a 47,9 mil toneladas em 2018, um aumento de 10,6% em relação ao ano anterior.

O estado conta com aproximadamente 34 mil piscicultores, sendo que apenas 9% desse total atuam como produtores comerciais, ou seja, aqueles que usam tecnologia e se aprimoram na atividade. Embora em menor número, os produtores comerciais respondem por 70% da produção catarinense de peixes de água doce (33,5 mil toneladas).

Incentivo do Governo do Estado

A Secretaria da Agricultura mantém uma linha de apoio para o melhoramento da piscicultura em Santa Catarina. Os produtores contam com financiamento de até R$ 3.750,00 para aquisição de equipamentos.

O pagamento pode ser feito em duas parcelas anuais e sem juros. Se o produtor optar em quitar o financiamento no vencimento da primeira parcela, ele terá um desconto de 60% sobre o valor da segunda parcela.

Informações adicionais para imprensa:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br


Foto: Divulgação / Arquivo / Secom

O Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (IMA) passa a divulgar semanalmente o resultado da pesquisa de balneabilidade no ponto 11 da Beira-mar Norte. Além deste local em Florianópolis, a Praia Central de Balneário Camboriú, por determinação judicial, tem coletas todas as semanas durante a baixa temporada. De abril a outubro, os outros 227 pontos são analisados mensalmente e os relatórios divulgados na última sexta-feira de cada mês.

O IMA alterou a frequência das amostragens no ponto 11, em frente ao Monumento da Polícia Militar, visando proporcionar ainda mais informações e segurança à população com relação à qualidade da água no local.

Segundo os resultados das coletas de agosto, o ponto segue impróprio para mergulho, apesar de ter diminuído a quantidade de coliformes fecais nas últimas semanas. Para um local ser considerado próprio para banho, de cinco amostras consecutivas, no mínimo quatro devem ter até 800 E.coli por 100 mililitros.

As coletas realizadas no ponto 11 no mês de agosto apresentaram os seguintes resultados:

  •         06/08/2019 – 9.000 E.Coli NMP*/100ml
  •        12/08/2019 – 5000 E.Coli NMP*/100ml
  •         20/08/2019 – 500 E.Coli NMP*/100ml
  •         28/08/2019 – 97 E.Coli NMP*/100ml

A pesquisa de Balneabilidade é um trabalho realizado pelo IMA desde 1976, seguindo as normas da Resolução Conselho Nacional do Meio Ambiente. Começa com a coleta de amostras da água do mar em 229 pontos dos 500 quilômetros da costa catarinense. O IMA seleciona esses pontos de tal forma que todo o Litoral seja avaliado, concentrando as coletas justamente nos locais mais suscetíveis de poluição - os de maior fluxo de banhistas.

Os técnicos fazem as coletas da água do mar a até um metro de profundidade, na quantidade de 100 mililitros em cada ponto. O material coletado é submetido a exames bacteriológicos durante 24 horas. São necessárias cinco semanas consecutivas de coleta para se obter um resultado tecnicamente confiável.

Para as análises são levados em consideração aspectos como condições de maré, incidência pluviométrica nas últimas 24 horas no local, a temperatura da amostra e do ar no momento da coleta (parâmetro físico) e a imediata condução para a pesquisa em crescimento bacteriano.

Todas as informações das praias catarinenses podem ser acessadas em balneabilidade.ima.sc.gov.br.

Informações adicionais à imprensa:
Claudia Xavier
Assessoria de Imprensa IMA
Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina
E-mail: comunicacao@ima.sc.gov.br
Fone: (48) 3665 4177 / (48) 99172 8277
Site: www.ima.sc.gov.br 

 Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

Durante visita de trabalho em Imbituba na manhã desta sexta-feira, 30, o governador Carlos Moisés buscou detalhes sobre o planejamento de ações de crescimento das atividades portuárias. Recebido por Jamazi Ziegler, diretor-presidente da SCPar Porto de Imbituba, empresa pública responsável por administrar a infraestrutura e fiscalizar as operações do local, Moisés manifestou o interesse do Estado em promover o desenvolvimento do complexo portuário e da região. 

"Nós sempre entendemos o Porto como uma ferramenta para o desenvolvimento regional. O Porto tem muito potencial para crescer. As condições naturais são muito favoráveis. Precisamos trazer indústrias para aproveitar a logística, sempre considerando também a comunidade em volta", afirma Moisés.

::: VEJA MAIS IMAGENS NA GALERIA DE FOTOS

De acordo com o diretor-presidente da SCPar Porto de Imbituba, Jamazi Ziegler, a gestão do Porto dispõe de técnicos qualificados e a estrutura está praticamente pronta para receber os maiores navios que transitam pela costa brasileira. 

"Toda essa retroárea está pronta para receber grandes investimentos. Temos um amplo espaço para crescer. Um diferencial é que podemos receber vários tipos de carga, não ficamos restritos a granéis ou contêineres, por exemplo", explica. Ele frisa que toda expansão precisa seguir o planejamento estratégico do porto.

O presidente da SCPar, Gustavo Salvador Pereira, também acompanhou a reunião.

O Porto de Imbituba
O Porto de Imbituba movimentou 2,8 milhões de toneladas de janeiro a junho de 2019. O volume representa um incremento de 9,6% no movimento de cargas no Complexo Portuário do Sul Catarinense. No período, as cargas que apresentaram maior movimentação foram: a ureia (+2.165%), as toras de madeira (+989%), o milho (+435,4%) e a hulha betuminosa (+156,4%). O serviço de cabotagem de contêineres, navios que trafegam entre portos brasileiros, cresceu 30%.

Localizado em ponto estratégico no sul do Brasil, por ter acesso imediato ao mar aberto, o Porto de Imbituba é administrado desde 2012 pela SCPar Porto de Imbituba, empresa pública do Estado de Santa Catarina. Suas águas calmas, protegidas por um molhe de 850 metros, permitem manobras de atracação e desatracação rápidas e seguras. Considerado o Porto com a maior profundidade entre os Portos Públicos da Região Sul do Brasil, possui três berços de atracação.

No Porto de Imbituba, predominam as movimentações do complexo de grãos (soja e milho) e de coque de petróleo, além de volumes de contêineres, sal, madeiras, fertilizantes, soda cáustica, entre outros.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC