Fotos: Julio Cavalheiro/Secom

Esportes, lazer e muita diversão marcaram o início das atividades das Arenas de Verão em diversos pontos do Litoral Catarinense. Já estão abertos ao púbico, desde o último final de semana, os espaços de São Francisco do Sul, Piçarras, Navegantes, Penha, Barra Velha, Laguna, Araranguá e Arroio do Silva.

Além das oito arenas já em operação, outras quatro serão entregues durante o mês de janeiro. A Arena de Balneário Rincão será aberta esta semana em função do calendário de outros eventos do município. A de Palhoça, inicialmente prevista para Enseada do Brito, será montada na Pinheira nos próximos dias. A mudança foi decidida pela prefeitura. As montagens das Arenas de Balneário Barra do Sul e Imbituba estão programadas para a próxima semana.

As arenas são montadas pelo governo do Estado, e a gestão de cada espaço é realizada pelas prefeituras parceiras do projeto. As competições terão a organização das Federações de Vôlebol (FCV) e Beach Tênis (FCT). A Fundação Catarinense de Fesporte (Fesporte) está investindo cerca de R$ 5 milhões neste projeto.

Arte: Secom

Além do estímulo à prática de atividades físicas nas comunidades, as Arenas passam a ser um atrativo turístico importante nos 12 municípios durante a temporada de verão. “Feliz pela entrega e por ver as Arenas em atividade. É gratificante ver as comunidades e turistas aproveitando as Arenas. Também sou muito grato ao Governo do Estado e aos prefeitos que acreditaram na ideia e trabalharam para que tudo isso virasse realidade. A resposta dada por todos os municípios parceiros foi sensacional”, destacou o presidente da Fesporte, Kelvin Soares.

A primeira etapa do Circuito Aberto de Vôlei de Praia ocorre no próximo final de semana (22 e 23/01), simultaneamente nos municípios de São Francisco do Sul e Araranguá. As inscrições podem ser realizadas no site da Federação.

As Arenas de Verão comportam de 300 a 500 pessoas e ficarão montadas até o dia 6 de março. Além das quadras, as estruturas têm banheiros, tendas para sombra, tenda “Espaço Relax” com redes, puffs e sofás, tenda “Espaço Kids” com brinquedos infantis, pergolados para descanso, academia ao ar livre equipada com aparelhos e objetos para prática de exercícios, palco e ombrelones.

A programação e horários de funcionamento das Arenas estão sendo divulgados nos canais de comunicação (site e redes sociais) dos municípios parceiros. O governo do Estado ressalta que é preciso respeitar todos os protocolos de prevenção à transmissão da Covid-19 e doenças respiratórias.

 

Informações adicionais para a imprensa:
André Luiz Lino
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Esporte - Fesporte
Fone: (48) 3665-6127
E-mail: andre@fesporte.sc.gov.br 
Site: www.fesporte.sc.gov.br

 Foto: Julio Cavalheiro/Secom

Todo mundo tem direito a um bom banho de mar. Essa é a premissa do Projeto Praia Acessível, iniciativa do Governo do Estado de Santa Catarina que atende a pessoas com diferentes graus de deficiência física e mental em 68 praias de 23 cidades litorâneas. A lista dos locais acessíveis está disponível no aplicativo CBMSC Cidadão.

::: Confira mais imagens no álbum

Para esta temporada, a Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur) destinou um investimento recorde em acessibilidade para os banhistas. Realizado desde 2013 por iniciativa do Corpo de Bombeiros Militar (CBMSC), o projeto Praia Acessível agora dispõe de 150 cadeiras de rodas anfíbias e 19 mil estrados, distribuídos nos balneários catarinenses. O investimento foi de R$ 750 mil, o mais alto até o momento para o programa. É a maior iniciativa do gênero no Brasil. 

“Estamos oferecendo equipamentos, em parceria com o Corpo de Bombeiros, em praias e rios, para humanizar e dar dignidade para as pessoas aproveitarem com segurança o nosso verão. É algo muito significante, que nos deixa muito felizes e nos enche de orgulho”, diz o presidente da Santur, Renê Meneses.

A iniciativa é apadrinhada pela primeira-dama do Estado, Késia Martins da Silva, que também coordena a Rede Laço no Estado. Segundo ela, o objetivo é propiciar as melhores experiências para as pessoas com deficiência. 

“É uma honra ser madrinha de um projeto tão importante para o turismo acessível de Santa Catarina. Nosso objetivo é proporcionar experiências incríveis no litoral catarinense às pessoas com deficiência. É gratificante ver o empenho dos voluntários, das famílias e, principalmente, o sorriso no rosto de quem pode novamente entrar no mar”, conta Késia. 

Movimento intenso na Praia do Sonho

Na Praia do Sonho, em Palhoça, o movimento não para. Desde as 8 horas, a equipe de guarda-vidas civis voluntários, coordenada pelo sargento Claudio Luiz Andrade, atende a dezenas de pedidos. Com acesso facilitado, os carros podem parar ao lado do posto dos bombeiros. De lá, os guarda-vidas usam a cadeira anfíbia, com largas rodas adaptadas, para levar os participantes da areia até o mar. Já dentro da água, eles são tirados dos carrinhos e conseguem desfrutar da liberdade do contato direto com o oceano, com a segurança de estarem acompanhados de profissionais especializados enquanto usam um flutuador.

Na manhã desta quarta-feira, 29, foi a vez do jovem Luiz David Arruda voltar ao mar após mais de quatro anos. Com 21 anos de idade, ele possui problemas de mobilidade desde bebê. Nascido de forma prematura aos cinco meses de gestação, Luiz sofreu uma parada cardíaca ainda na maternidade, o que afetou a sua coordenação motora. Uma cirurgia realizada em 2017 acabou por piorar a situação. Desde então, ele estava acamado.

O reencontro com a praia encheu de esperança a mãe de Luiz, Denise Arruda. Ela agradeceu o trabalho dos bombeiros e ressaltou a importância da iniciativa. “Estou emocionada. Foi muito bom poder ver a alegria do meu filho em entrar no mar novamente. Tudo que a gente quer é que ele se recupere. Acho que esse mergulho vai ajudar”, afirma Denise.

Com 30 anos de profissão, o sargento Andrade é o coordenador do projeto Praia Acessível em Palhoça. Ele participa da iniciativa desde o começo, ajudando no aperfeiçoamento do programa. Andrade conta que, como bombeiro militar, já atuou nas mais diversas situações, como o atendimento a pessoas traumatizadas, incêndios de grandes proporções, entre outras. Mas nada lhe rendeu tanta satisfação quando ajudar quem quer – e até então não conseguia – entrar no mar.

“É indescritível. Ao realizar esse ato simples, de proporcionar um banho de mar, nós recebemos de volta o sentimento mais puro de alegria. Nada gera mais satisfação do que isso. É um trabalho muito recompensador”, conta Andrade. 

Quem também voltou ao mar depois de muito tempo nesta quarta-feira foi Anselmo Mendes, de 39 anos. Velho amigo do sargento Andrade, ele possui problemas para se locomover e ajudou no projeto Praia Acessível desde o começo. Atuou como “piloto de testes” dos carrinhos desenvolvidos pelos bombeiros e os seus feedbacks ajudaram a tornar a experiência ainda melhor. 

Para o guarda-vida civil voluntário Paulo Ricardo Corrêa, a Praia do Sonho é ideal para os mergulhos por possuir um mar calmo, com poucas ondas. Ele diz que também ajuda os banhistas na Praia de Cima. Na sua opinião, a energia positiva que os banhos de mar provocam transcende o mero dever profissional.

“São diversas histórias que a gente escuta e se emociona. Chega a dar aquele nozinho na garganta muitas vezes. O pouco que a gente faz traz muita felicidade para essas pessoas, com sorrisos e alegria genuínos. Para muitos, é a primeira vez que eles entram no mar. Chego a ficar sem palavras, mas é tudo uma troca, pois a gente também aprende muito com eles”, atesta Corrêa.

Onde encontrar o Projeto

No aplicativo CBMSC Cidadão, disponível para as plataformas IOS e Android, na área de praia, podem ser conferidas as condições do mar, os endereços dos postos guarda-vidas e também em quais praias de Santa Catarina as cadeiras estão disponíveis. As informações do aplicativo são atualizadas todos os dias.

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 

 Foto: Ascom/PCSC

A Polícia Civil de Santa Catarina está promovendo ações da operação Verão Mais Seguro nas cidades que mais recebem turistas durante a temporada 2021/2022. Houve incremento de efetivo para os trabalhos de investigação e de atendimentos nas delegacias. Outra iniciativa é a entrega de pulseirinhas de identificação de crianças aos pais e ou responsáveis, além de adesivos simulando um distintivo de policial mirim para as crianças. 

O objetivo é garantir a segurança da população catarinense e orientar os pais sobre os cuidados que devem ter com as crianças nos ambientes abertos e nas aglomerações. A diretora de Polícia da Grande Florianópolis, delegada de polícia Michele Alves Correa Rebelo, explica que a ação está ocorrendo no litoral Norte e Sul do Estado e nas praias de Grande Florianópolis.

“Estamos entregando as pulseiras com o objetivo de auxiliar os pais e orientá-los sobre como proceder no caso de desaparecimento, em que a criança deverá ser encaminhada a uma unidade policial ou para algum policial que esteja presente no local”, explica a delegada.

Na operação do ano passado, foram entregues 44 mil pulseirinhas. A expectativa é que o número aumente. Até o momento, a Polícia Civil já providenciou 50 mil e, provavelmente, mais unidades precisarão ser produzidas até o fim do verão.

Os policiais civis que estão atuando nas praias fazem parte da operação Verão Mais Seguro, que começou no dia 22 de dezembro e vai até março e tem como objetivo incrementar o efetivo policial nos locais que mais recebem turistas durante a temporada. Esses policiais também estão atuando nos plantões policiais nas delegacias e contribuirão para todo o trabalho que é realizado pela Instituição durante o período.

“Nesse período de verão muitas festas clandestinas ocorrem, assim como ocorrências de perturbação de sossego. Dessa forma, a Polícia Civil estará efetiva, 24 horas por dia, atuando para que os turistas tenham um verão seguro”, finaliza Michele.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 

 Foto: Julio Cavalheiro/Secom

O último relatório de balneabilidade do ano - quarto da temporada 2021/2022 - divulgado nesta quarta-feira, 29, pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), mostra que 182 dos 231 pontos analisados estão próprios para banho no estado. Ou seja, 78,8%. Se considerarmos apenas Florianópolis, por exemplo, esse percentual sobe para 83,9% - na Capital, dos 87 locais onde há coleta, 73 estão em condições de receber banhistas. 

::: Confira o relatório desta quarta, 29

As análises são realizadas nos municípios de Balneário Camboriú, Balneário Barra do Sul, Barra Velha, Biguaçu, Bombinhas, Florianópolis, Garopaba, Gov. Celso Ramos, Imbituba, Itajaí, Itapema, Itapoá, Jaguaruna, Joinville, Laguna, Navegantes, Palhoça, Penha, Balneário Piçarras, Porto Belo e São José. 

Todos os dados e o histórico das coletas podem ser acessados na íntegra no site: balneabilidade.ima.sc.gov.br ou pelo aplicativo Praia Segura.

Como é feito?

O IMA conta com apoio do Corpo de Bombeiros para a realização das coletas. Posteriormente, as amostras são levadas para o laboratório central do IMA, em Florianópolis. Para dizer se um ponto é próprio ou impróprio para banho, o IMA analisa a presença da bactéria Escherichia coli, presente em fezes de animais e humanos. 

O Instituto ressalta que os critérios para a análise de balneabilidade do Estado estão de acordo com o que estabelece na legislação. A Resolução CONAMA nº 274, de 29 de novembro de 2000, determina que o Índice de Balneabilidade seja calculado a partir das densidades de Escherichia coli. 

Os aspectos levados em consideração são: condições de maré; incidência pluviométrica das últimas 24 horas; temperatura da amostra e do ar no momento da coleta; e imediata condução para pesquisa em crescimento bacteriano.

A água é considerada:

Própria: quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas, no mesmo local, houver no máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.

Imprópria: quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local, for superior que 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros.

Informações adicionais à imprensa:
Carolina Carvalho 
Assessoria de Imprensa IMA
Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina
E-mail: comunicacao@ima.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-4177 / (48) 99105-1272
Site: www.ima.sc.gov.br  

WhatsApp Image 2021 12 29 at 07.09.18 Fotos: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

Mesmo com a movimentação intensa no Terminal Rodoviário Rita Maria na tarde desta terça-feira, 28, a servidora pública Polliana Corrêa Morais, 36 anos, esperava à vontade pelo ônibus que a levaria a Garopaba, no Litoral Sul catarinense. Com a flexibilização das atividades sociais em decorrência do avanço da vacinação contra a Covid-19, o coração da malha rodoviária catarinense recebeu, desde o dia 15 de dezembro, mais de 100 mil passageiros. O número já ultrapassou o do mesmo período em 2019, antes da crise sanitária.

“Vejo que tem diversos fiscais orientando pessoas a usarem máscara, dispersando aglomerações. Há álcool gel por toda parte, está tudo muito limpo e organizado”, elogiou Polliana.

Além disso, a gerência do Terminal proibiu a permanência de passageiros nas plataformas de embarque e desembarque e distanciou cadeiras usadas para a espera pelos ônibus, no saguão. O uso de máscara é exigido em toda a estrutura.

:: Mais fotos no álbum 

Nas últimas duas semanas, 5.380 ônibus passaram pelo Rita Maria. O número leva em consideração apenas viagens nacionais - intermunicipais e interestaduais - já que até ontem a estrutura não estava recebendo veículos vindos de outros países. A maior parte dos visitantes é de São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Joinville, Araranguá e Blumenau.

Mais informações para imprensa:
Bianca Backes
Vanessa Pires
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade
(48) 3664-2008 / 9-84148268
ascom.sie@gmail.com

 Foto: Bruna Matos/DIVE

A Secretaria de Saúde de Santa Catarina (SES/SC) começou a enviar nesta terça, 28, para todos os municípios catarinenses, uma remessa de 461.885 mil unidades de Teste Rápido de Antígeno (TR-AG) para Covid-19. Com os testes, as cidades vão poder ampliar a estratégia de testagem para diagnóstico e conduta rápida frente aos casos de coronavírus, especialmente durante a temporada de verão, quando há aumento no fluxo de pessoas.

O superintendente de vigilância em saúde de Santa Catarina, Eduardo Macário, ressalta que essa é uma das estratégias da operação Verão Mais Seguro, do Governo de Santa Catarina. “A ideia é que parte desses testes sejam utilizados em centros de testagem montados em locais de grande circulação de pessoas como aeroportos, rodoviárias e pontos turísticos, oferecendo aos turistas e à população em geral a possibilidade do rápido diagnóstico em locais de fácil acesso”, explica o superintendente.

O secretário de Estado da saúde, André Motta Ribeiro, encaminhou um ofício aos principais municípios que são destinos turísticos litorâneos, com a recomendação para implantação da estratégia e com a solicitação para que os locais de testagem voluntária sejam oficializados. Os municípios são: Florianópolis, Palhoça, Governador Celso Ramos, Bombinhas, Itapema, Porto Belo, Balneário Camboriú, São Francisco do Sul, Itapoá, Balneário Barra do Sul, Barra Velha, Piçarras, Penha, Navegantes, Itajaí, Garopaba, Imbituba, Laguna, Jaguaruna, Balneário Rincão, Araranguá, Arroio do Silva, Passo de Torres.

As cidades poderão destinar a outra parte dos testes para os hospitais que realizam atendimentos pelo SUS, como forma de auxiliar na triagem inicial dos pacientes suspeitos. As secretarias municipais que necessitarem uma quantidade adicional de testes poderão solicitar à Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC).

Teste Rápido de Antígeno (TR-AG)

Os testes rápidos de antígeno fornecem o resultado em 15 minutos e devem ser aplicados para o diagnóstico da Covid-19 em pessoas com e sem sintomas. Eles são indicados para a utilização em locais de grande circulação, onde as pessoas são convidadas a fazê-lo voluntariamente.

A testagem é feita com uma amostra coletada pelo swab (cotonete longo) do nariz. O exame consegue detectar se a pessoa está infectada pelo coronavírus de forma prática, sem a necessidade de estrutura laboratorial.

O superintendente explica que, em caso de resultado positivo, a pessoa é encaminhada para uma unidade de saúde e orientada a fazer o isolamento social “Desta forma, identificamos os casos com maior rapidez, isolando o paciente e rastreando os contatos, evitando assim a disseminação da doença”, finaliza o superintendente.

Informações adicionais para a imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
NUCOM - Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
www.dive.sc.gov.br
www.instagram.com/divesantacatarina
www.facebook.com/divesantacatarina

 Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom 

Dez arenas esportivas vão agitar o litoral catarinense neste verão. As estruturas montadas pelo Governo do Estado estarão à disposição de 14 de janeiro a 5 de março para a prática de vôlei de praia e beach tênis. Os municípios que receberão os espaços são Araranguá, Arroio do Silva, Balneário Rincão, Laguna, Palhoça, Navegantes, Penha, Balneário Piçarras, Barra Velha e São Francisco do Sul.

O projeto é coordenado pela Fundação Catarinense de Esporte em parceria com as prefeituras. O investimento nas estruturas é de aproximadamente R$ 4,2 milhões. Além das prefeituras, são parceiros do projeto as Federações de Voleibol (Vôlei de praia) e Tênis (Beach Tênis).

Além das atividades esportivas, o projeto irá proporcionar lazer e bem estar. Espaços kids, Zen, gamer e academia estão previstos no projeto. As arenas também terão banheiros e espaços climatizados.

“O projeto Arena de Verão segue um conceito de eventos de praia já conhecido, mas traz muitas novidades e espaços diferenciados. Cada município terá liberdade para organizar a programação de lazer que desejar, junto com as atividades esportivas que estamos programando”, destaca o presidente da Fesporte, Kelvin Soares.

Mais informações e inscrições estarão disponíveis nos canais digitais das entidades envolvidas no projeto.

Informações adicionais para a imprensa:
André Luiz Lino
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Esporte - Fesporte
Fone: (48) 3665-6127
E-mail: andre@fesporte.sc.gov.br 
Site: www.fesporte.sc.gov.br




Foto: Divulgação / PCSC

A Polícia Civil reforçou o atendimento às vítimas de violência doméstica em Florianópolis, com a Sala Lilás, no Norte da Ilha. O espaço é destinado ao acolhimento e ao atendimento especializado para mulheres, crianças, adolescentes e idosos vítimas de violência, no Bairro Canasvieiras.

O reforço ocorre durante o Verão Mais Seguro, um conjunto de ações para a temporada 2021/2022 e que conta com incremento de efetivo policial nos locais mais visitados durante esta estação.

O delegado de polícia Luis Felipe Fuentes, da 6ª Delegacia de Polícia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), explica que a ação é importante, pois o número de pessoas que reside no Norte da Ilha aumenta durante a temporada e, devido às condições do trânsito, o deslocamento até a região central de Florianópolis se torna difícil nesta época do ano.

A Sala Lilás está instalada no prédio da 7ª Delegacia de Polícia da Capital, na Rodovia Tertuliano Brito Xavier, n. 315, em Canavieiras. O horário de atendimento da sala é das 10h às 19h, diariamente.

O espaço recebeu reforço de efetivo de policiais civis que participam do Verão Mais Seguro. Além disso, as vítimas de violência doméstica podem ser atendidas na 6ª DPCAMI da Capital, localizada na Rua Delminda da Silveira, n. 811, na Agronômica, que também conta com reforço de efetivo durante a temporada.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 

 


Foto: Julio Cavalheiro / Secom 

O verão em Santa Catarina será de chuvas abaixo da média em boa parte do estado e temperaturas acima da média principalmente no Oeste. Segundo o boletim de previsão climática da Epagri/Ciram, esta região deve enfrentar nos próximos três meses chuva abaixo da média climatológica. No Meio-oeste, Planalto Sul, Planalto Norte e Alto Vale do Itajaí a chuva fica próxima a abaixo da média. Já no Litoral, Médio e Baixo Vale do Itajaí a chuva deve permanecer próxima a acima da média.

O documento ressalta que a chuva será mal distribuída em todas as regiões neste verão. Os dias ensolarados do Oeste ao Planalto seguirão frequentes. Por outro lado, no Litoral e Vale do Itajaí a variação de nebulosidade será mais presente, com episódios de chuva devido à circulação marítima (transporte de umidade do mar para continente), especialmente em janeiro.

Os meteorologistas destacam que nesta época do ano, sobretudo em janeiro, é alta a incidência de temporais com raios, granizo e ventania em SC. Por vezes ocorrem acumulados significativos de chuva em curto espaço de tempo. Por isso, a Epagri/Ciram recomenda o acompanhamento diário dos boletins e informações disponibilizados no site.

A temperatura deve ficar entre próxima a acima da média climatológica em SC entre janeiro e março, sendo o Oeste a região com maior probabilidade de temperatura acima da média. No Litoral o calor deve ficar próximo à média climatológica.

As massas de ar quente serão frequentes e duradouras, com pelo menos três ondas de calor, caracterizadas por dias consecutivos de temperatura alta, inclusive no período noturno. Essas massas de ar devem ser mais secas no Oeste, aumentando o risco de incêndios na região.

Médias históricas

Em janeiro e fevereiro o regime de verão já está estabelecido e as chuvas convectivas (de curta duração) ocorrem com mais frequência entre a tarde e a noite, e por vezes na madrugada. A média mensal de janeiro é de 150 a 210 mm do Oeste ao Planalto e no Litoral Sul, e de 170 a 250 mm na Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Litoral Norte. Em fevereiro, a média mensal é de 150 a 190 mm no Oeste e Meio-oeste, de 130 a 170 mm nos Planaltos Sul e Norte e Vale do Itajaí, e de 170 a 250 mm no Litoral.

Em março as chuvas de verão (convectivas) diminuem e, principalmente a partir da segunda quinzena, as frentes frias chegam com maior frequência ao Sul do Brasil, sendo responsáveis pela maior parte da chuva em SC, com média mensal variando de 110 a 150 mm do Oeste ao Planalto e Vale do Itajaí, e variando de 130 a 210 mm no Litoral do Estado.

 No verão diminuem as condições atmosféricas para formação de ciclones extratropicais no litoral Sul do Brasil, com condições mais favoráveis à formação dos ciclones subtropicais no litoral do Sudeste.

O fenômeno La Niña deve continuar atuando durante os meses de verão, com pico máximo em janeiro, perdendo força e entrando em neutralidade nos meses de outono, que começa no dia 20 de março, às 12h33.

:: Confira AQUI a íntegra da previsão climática

Mais informações para a imprensa:
Gisele Dias
Assessoria de imprensa 
Epagri
Fone: (48) 3665-5147 / 99989-2992
E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
Site: www.epagri.sc.gov.br


Foto: Mauricio Vieira / Secom  

Com o verão e o período de férias, as pessoas aproveitam os dias quentes na praia, piscina ou parques, circulam mais e ficam mais expostas a vírus e bactérias. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) alerta para os cuidados que a população precisa ter para evitar doenças típicas da estação, como dengue, febre amarela, viroses e intoxicação alimentar. Também é preciso redobrar os cuidados com animais peçonhentos.

Insolação e desidratação

A exposição ao sol é um fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele. Por isso, é preciso cuidado, como usar protetor solar e evitar exposição ao sol entre as 10h e às 16h.

A insolação ocorre quando há excesso de exposição ao sol e ao calor intenso. O quadro gera dores de cabeça, falta de ar e febre. Além disso, a insolação pode ser acompanhada de queimaduras solares, bolhas e dor intensa.

Também é essencial não se esquecer de se hidratar. Isso ajuda nas atividades das células, na digestão, no funcionamento dos rins, regulação da pressão arterial, entre outras atividades. O indicado é beber, pelo menos, dois litros de água por dia.

Intoxicação alimentar



O calor possibilita a proliferação de vírus e bactérias e, portanto, é preciso tomar cuidado com o armazenamento e transporte dos alimentos. “As doenças diarreicas agudas são causadas pelo aumento do consumo de alimentos e bebidas contaminadas, contato com água imprópria para banho e aumento na circulação de vírus, bactérias e parasitas”, explica Fábio Gaudenzi de Faria, médico infectologista da Dive.

As causas das doenças diarreicas também estão relacionadas ao preparo e acondicionamento incorreto de alimentos, ao consumo de bebidas (água, sucos, gelo) de procedência duvidosa e à ausência de cuidados com a higiene pessoal (lavagem das mãos).

“Tente evitar o consumo de alimentos na praia, consuma preferencialmente o alimento que você preparou em casa ou, então, procure locais que tenham um sistema de refrigeração, uma estrutura mais adequada para venda e armazenamento desses alimentos’’, sugere o médico.

A principal manifestação da doença é o aumento do número de evacuações, podendo ser acompanhadas de náusea, vômito, febre e dor abdominal. Em alguns casos, há presença de muco e sangue nas fezes. Aparecendo qualquer dos sintomas, procure imediatamente atendimento médico.

Dengue


Foto: Rodrigo Nunes / Ministério da Saúde

O verão, uma estação de chuvas e tempo quente, é propício para a reprodução e desenvolvimento do mosquito aedes aegypti. Por esse motivo, é preciso investir ainda mais em medidas de prevenção. “Uma vez por semana, é importante, que cada um vistorie sua casa, eliminando locais que possam acumular água e servir de criadouro para o mosquito, que transmite dengue, zika e chikungunya”, alerta João Augusto Brancher Fuck, diretor da Dive.

:: Dicas de prevenção:
- evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;
- guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
- mantenha lixeiras tampadas;
- deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
- plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
- trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
- mantenha ralos fechados e desentupidos;
- lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
- retire a água acumulada em lajes;
- dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;
- mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
- evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
- denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
- caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento.

Febre amarela

O período de maior transmissão da febre amarela ocorre entre os meses de dezembro a maio, devido às condições climáticas e ambientais favoráveis para reprodução do mosquito transmissor da doença (Haemagogus e Sabethes).

Os macacos não transmitem a febre amarela. Eles vivem no mesmo ambiente que os mosquitos e acabam sendo as primeiras vítimas do vírus. “Ao encontrar um macaco morto ou doente é importante notificar o serviço de saúde para que as equipes de vigilância se desloquem até o local para coletar uma amostra do animal e realizar o diagnóstico'' alerta Aysla Matsumoto, médica veterinária da Dive.

A vacina é a melhor maneira de prevenir a febre amarela. Todos os moradores de Santa Catarina, a partir dos nove meses de idade, devem ser vacinados contra a doença. A dose está disponível nos postos de saúde.

Acidentes com animais peçonhentos

O aumento da temperatura favorece a reprodução dos animais peçonhentos, como serpentes, escorpiões, aranhas e abelhas. “No verão as pessoas fazem mais atividades ao ar livre e aproveitam também para realizar a limpeza de habitações, quintais e terrenos. E isso coincide com o período em que há deslocamento dos animais peçonhentos para alimentação e reprodução”, explica Alexandra Schlickmann Pereira, médica veterinária da Dive.

:: Como evitar acidentes com animais peçonhentos:
- usar botas: isto evita até 80% dos acidentes durante o corte de vegetação, por exemplo, pois as cobras picam do joelho para baixo. Porém, antes de calçar as botas, verifique se não há aranhas, escorpiões ou outros animais peçonhentos na parte interna.
- proteger as mãos: não coloque as mãos em frestas, tocas, cupinzeiros, ocos de troncos, etc. Use um pedaço de madeira para verificar se não há animais nesses locais.
- acabar com os ratos: a maioria das cobras alimenta-se de roedores. Por isso, mantenha sempre limpos os terrenos, quintais e plantações evita atrair esses predadores.
- conservar o meio ambiente: os desmatamentos e queimadas, além de destruírem a natureza, provocam mudanças de hábitos dos animais, que se refugiam em celeiros ou mesmo dentro de casas. Evite matar os animais, pois eles contribuem para o equilíbrio ecológico.

Covid-19



A população também não pode se esquecer das medidas de prevenção à Covid-19. É importante manter a higienização constante das mãos, com uso de álcool em gel 70% ou com a lavagem com água e sabão, além de usar máscara e evitar ambientes sem ventilação e com aglomeração.

Ao tossir e espirrar, utilize a etiqueta da tosse: cubra o nariz e a boca com um lenço descartável ou com o antebraço.

Essas medidas além de prevenir a Covid-19, também ajudam a evitar outras doenças respiratórias, como o vírus Influenza.

A vacinação contra a Covid-19 segue em SC e todos os moradores com mais de 12 anos podem se informar no seu município sobre locais e horários para aplicação das doses.

Informações adicionais para a imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
NUCOM - Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
www.dive.sc.gov.br
www.instagram.com/divesantacatarina
www.facebook.com/divesantacatarina