Foto: Divugação / Aresc

A Agência de Regulação dos Serviços Públicos de Santa Catarina - Aresc foi a quinta colocada no país em uma chamada pública promovida pelo Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR). O objetivo da chamada é fomentar a aplicação da metodologia Acertar para melhorar a qualidade da informação sobre o saneamento básico no Brasil.

“É resultado de um trabalho exercido com capacidade técnica e transparência nos serviços de regulação e fiscalização no saneamento básico junto aos nossos municípios conveniados” comemora o presidente interino da Aresc, Içuriti Pereira da Silva.

O programa de certificação Acertar seleciona 10 agências reguladoras para dar suporte financeiro a fundo perdido, no total de R$ 3 milhões, para financiar a implementação das certificações nacionais.

Cada órgão regulador pode indicar até seis prestadores de serviços a serem certificados. A Aresc ficou classificada em primeiro lugar no Estado para receber a assistência técnica, que será implantada em cinco prestadoras de serviço: Conasa (Água de Itapema), Emasa de Balneário Camboriú, Águas de Bombinhas, Águas de Camboriú e Semasa de Itajaí.

A gerente de Fiscalização de Saneamento Básico da Aresc, Luiza Burgardt, explica que foram escolhidas as concessionárias que passaram ou estão passando pelo processo de revisão tarifaria da agência reguladora. Assim, possuem implementados processos de auditoria interna e, consequentemente, maior maturidade regulatória e estruturação de dados. “Iremos ganhar experiência com a assistência técnica do MDR para posteriormente aplicar a metodologia Acertar nos demais prestadoras de serviço que não foram contemplados", acrescenta a gerente.

Trajetória do Programa

Em 2015 foi realizada uma parceria entre a Associação Brasileira de Agências de Regulação (ABAR) e o Governo Federal, dando origem a um Projeto de Cooperação Técnica com o Banco Mundial no âmbito do Programa Interáguas. Um dos projetos do Programa foi o Acertar, que incidiu numa metodologia para melhorar a qualidade da informação sobre o saneamento básico no Brasil, mais especificamente das informações do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS, implementado desde 1995 e administrado pelo Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR). Com a finalidade de resolver as limitações identificadas, a ABAR, por meio do Grupo de Indicadores da Câmara Técnica de Saneamento, propôs que as Agências poderiam ser as entidades responsáveis pela auditoria e certificação do SNIS, em uma parceria mutuamente benéfica com o Governo Federal.

Como as Agências Reguladoras do setor apoiam-se no SNIS para suas atividades de regulação e fiscalização dos serviços, é muito relevante que esses dados sejam precisos. O Acertar propõe a execução padronizada, por parte das agências reguladoras, da auditoria e certificação dos dados do SNIS, tornando-os mais sólidos e confiáveis.

Mais informações para a imprensa
Flávia Grechi
Assessoria de Comunicação
Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc)
E-mail: comunicacao@aresc.sc.gov.br 
Fone: (48) 3664-4211
Site: www.aresc.sc.gov.br


Imagens: Acervo/ Casan

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) iniciou a fase pré-operacional do Sistema de Esgotamento Sanitário de Concórdia. Passado o período de ajustes, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) está concluída e tem capacidade de tratar até 60 litros por segundo – praticamente cinco milhões de litros/dia.

O sistema, formado por 57 quilômetros de redes, quatro elevatórias de bombeamento e a unidade de tratamento, vai proporcionar cobertura de 42% ao município. Serão atendidos 25 mil moradores dos bairros Jardim, Vista Alegre, Centro, Imigrantes, São Miguel, Liberdade, Floresta, Imperial, Sunti, Nazaré e Nações. A população beneficiada já pode fazer a conexão de seus imóveis à rede coletora.

O Governo de Santa Catarina e a Casan investiram R$ 45,6 milhões, obtidos junto à Caixa Econômica Federal, na implantação do sistema de Concórdia, um dos maiores e mais complexos do Estado.

Solo rochoso

A complexidade da obra ficou por conta da geografia local e das características do solo rochoso, que exigiram até o uso de explosivos para assentar tubulações a dois, três e até quatro metros de profundidade. “A implantação de rede acabou sendo mais lenta em Concórdia, principalmente, devido às dificuldades de terreno”, lembra o engenheiro Fábio Krieger, Diretor de Expansão e Operação da Companhia.

A empresa contratada para a obra enfrentou outros empecilhos, como a necessidade de construir uma ponte na estrada de acesso à Estação de Tratamento e horários reduzidos de obras nas áreas centrais, para amenizar transtornos ao comércio.

"O sistema de esgotamento sanitário melhora os níveis de saúde e de qualidade de vida para toda a região", diz a engenheira Roberta Maas dos Anjos, Diretora-Presidente da Companhia.

Esclareça suas dúvidas

Quando devo fazer a conexão do imóvel ao Sistema da Casan?
A partir deste mês de junho, os moradores dos 11 bairros beneficiados (Jardim, Vista Alegre, Centro, Imigrantes, São Miguel, Liberdade, Floresta, Imperial, Sunti, Nazaré e Nações) estão autorizados a providenciar o direcionamento do esgoto residencial à Caixa de Inspeção (CI) instalada em frente aos imóveis.

Em algumas localidades há também casos em que a conexão deve ser realizada pelos fundos do terreno, compartilhando a Caixa de Inspeção (CI) instalada em frente ao imóvel do vizinho.

Veja aqui o Mapa de Esgoto de Concórdia

O que é a Caixa de Inspeção (CI)?
A CI é o local onde o morador deve conectar o seu esgoto residencial. É também o ponto que marca até onde a Casan terá responsabilidade sobre o sistema de esgoto. Na área interna do imóvel, cabe ao proprietário providenciar as adaptações para que possa contar com o serviço de coleta e tratamento.

Existe algum Manual a seguir para a correta ligação?
Há um conjunto de orientações a serem seguidas e que podem ser visualizadas neste link. Você pode também acessar o folder que explica como fazer essa conexão.


O que faço com a fossa séptica de minha casa?
Após direcionar o fluxo do sistema individual de esgoto para a Caixa de Inspeção (CI), a Casan recomenda desativar e aterrar fossa e sumidouro, para evitar formação e acúmulo de gases. Um dos benefícios dos bairros que receberam rede é que os imóveis dessas áreas não precisarão mais acionar serviços Limpa-Fossa, como era recomendado.


Qual profissional contratar para essa ligação?
A Companhia já realizou um curso gratuito para profissionais (encanadores, instaladores hidráulicos e pedreiros) da cidade. Nomes e contatos desses profissionais podem ser obtidos AQUI

Posso contratar outros profissionais que não os que fizeram o curso?
Sim. O proprietário não precisa necessariamente contratar esses profissionais habilitados, tendo total liberdade para escolher instaladores de sua preferência e confiança. Assim que passar o período de isolamento social, a Companhia ministrará outro curso de capacitação no município.

Até quando devo fazer essa ligação?
O quanto antes. A Casan está ciente das restrições geradas pelo combate à Covid-19 e que a cidade enfrenta um surto de contaminados. Todo o cuidado, portanto, é necessário. Mas o quanto antes o morador fizer a ligação, melhor é para a saúde do bairro, dos moradores da rua e imóvel beneficiado. Com essas ligações executadas, a Casan poderá colocar a Estação em funcionamento e avaliar a sua operação, realizando inclusive eventuais ajustes.

Há algum Comunicado oficial da Companhia com relação ao início da operação do sistema?
A Casan está veiculando Publicidade Legal nas emissoras de rádio da cidade e vai enviar nas faturas dos meses julho, agosto e setembro a seguinte mensagem autorizando as conexões:


Caro(a) usuário(a): informamos que a rede coletora de esgotos
está implantada e a caixa de ligação disponível ao seu imóvel.
Solicitamos a ligação para contar com coleta e tratamento.
Dúvidas podem ser esclarecidas no site 
www.casan.com.br e
na Central de Atendimento 0800 643 0195.

Os moradores também receberão em suas residências um comunicado informando sobre a autorização de conexão ao Sistema de Esgoto da Casan e o folder que mostra como fazer essa ligação.

Há algum telefone ou endereço local para esclarecer dúvidas?
Para mais informações e esclarecimentos a Casan conta com o telefone local (49) 3904-5900 e com sua Central de Atendimento 0800 643 0195

Quando começa a cobrança pelo serviço de esgoto?
Ainda não há data para se iniciar a cobrança em Concórdia.

Mais informações para a imprensa:
Gerência de Comunicação Social da Casan
Fones: (48) 3221-5034 | 3221-5035 | 3221-5036
Arley Reis 
E-mail: areis@casan.com.br
Ricardo Stefanelli 
E-mail: ristefanelli@casan.com.br
Fone: (48) 9136-9345
www.casan.com.br

 

 


Fotos: Mauricio Vieira / Secom

As melhorias no sistema de esgotamento sanitário levam mais saúde e qualidade de vida aos catarinenses. Em Criciúma, no Sul do Estado, o sistema de saneamento básico está sendo ampliado no Bairro São Luiz. Como o trabalho da Casan exige intervenções que muitas vezes danificam as ruas, o Governo do Estado irá repassar R$ 8 milhões ao município para a repavimentação asfáltica. Significa que além do tratamento de esgoto adequado, ao final do trabalho, a população receberá de volta as vias em boas condições para circulação.

“As obras de saneamento básico são essenciais, mas as intervenções provocam transtornos. Eles precisam ser corrigidos com rapidez para que a população não sofra. Uma ação complementa a outra”, destacou o governador Carlos Moisés.

>>> Mais fotos na galeria 

O anúncio dos recursos para a repavimentação de ruas em Criciúma ocorreu na tarde desta terça-feira, 2, em reunião com o prefeito Clésio Salvaro e a presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, na Casa d’Agronômica.

“Ficamos muito felizes com esta ação do Estado para o município. A parceria e o diálogo são muito importantes para avançarmos com eficiência e qualidade”, agradeceu o prefeito Clésio.

A obra

Com investimento de quase R$ 16 milhões - financiados pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) - as obras de ampliação do esgotamento sanitário em Criciúma estão sendo realizadas no Bairro São Luiz. Os trabalhos estão 44% concluídos e elevarão o índice de cobertura de tratamento do esgoto para 45% no município.

“É uma obra grande, pela qual mais de 10 mil pessoas serão beneficiadas”, salientou a presidente da Casan

Características da obra

  • Ligações domiciliares – 2.443 unidades
  • Rede coletora – 39.870 metros
  • Emissários – 1.993 metros
  • Estações Elevatórias de Esgoto – 1 unidade (vazão 50 L/s)
  • Estação de Tratamento de Esgoto – Ampliação da vazão em 45 L/s, passando a vazão final de tratamento para 135 L/s.

Pauta da reunião

Além das obras de ampliação da rede de esgotamento sanitário, o prefeito Clésio Salvaro e vereadores de Criciúma também apresentaram ao governador Carlos Moisés demanda envolvendo o abastecimento de energia elétrica por cooperativas de eletrificação para parte de consumidores domésticos e industriais. As lideranças pedem que o modelo seja mantido no município. O chefe da Casa Civil, Amandio João da Silva Junior e o deputado Rodrigo Minotto também acompanharam a reunião.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Divulgação / PMMC

Diante da situação de estiagem em Santa Catarina, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), com a atuação conjunta entre as esferas governamentais, Comitês de Bacias e gestão municipal, autorizou a captação de água emergencial de mil metros cúbicos do Rio Canoinhas para o Passa Quatro. O processo possibilitou o retorno normalizado do abastecimento da cidade de Monte Castelo, no Norte catarinense.

A ação autorizada, em tempo recorde, por meio da Secretaria Executiva do Meio Ambiente (Sema), vinculada à SDE, foi a solução encontrada para mitigar o problema da falta de água na cidade, afetada drasticamente pela seca e com o abastecimento público e animal já comprometidos.
“Este momento delicado exige ações rápidas e com a eficácia necessária para a manutenção dos serviços essenciais à comunidade. Estas práticas são possíveis, graças ao trabalho em conjunto dos setores envolvidos, os quais não têm medido esforços para garantir que a população catarinense seja minimamente afetada, pelos efeitos da crise hídrica que enfrentamos ”, destaca o secretário Executivo do Meio Ambiente, Leonardo Porto Ferreira.

O gerente de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos da SDE, Vinicius Tavares Constante, explica que a cidade emitiu um decreto de emergência devido à escassez hídrica, sendo que o manancial para o abastecimento havia secado. “Autorizamos o município a fazer essa captação de maneira emergencial, considerando não uma transposição de bacia, mas sim uma captação em outro curso, pois a água vai direto para o ponto onde é alimentado o sistema de abastecimento de Monte Castelo. Da mesma forma, emitimos a dispensa de outorga e o IMA licenciou. O processo seguiu em consonância com todas as diretrizes e a legislação”, enfatiza.

A falta de água para abastecimento da população de Monte Castelo já vinha sendo discutido durante as reuniões do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Canoinhas, que elaborou uma deliberação de apoio para que a captação fosse realizada e autorizada junto ao Governo do Estado.

“Temos tentado fazer isso há décadas, mas nunca havíamos conseguido executar. Quando a necessidade bateu à nossa porta, conseguimos com o apoio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Canoinhas, e também com trabalho junto à Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável. O Instituto do Meio Ambiente também autorizou. Fizemos então, um trabalho em conjunto, entre Prefeitura e Casan, em apenas quatro dias. Trabalhamos incansavelmente e estamos já há alguns dias sem sofrer qualquer risco de falta de água em função dessa atuação”, observa o prefeito Jean Carlo Medeiros de Souza.

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sde.sc.gov.br


Foto: José Dias / Casan 

Dados do quarto Boletim Hidrometeorológico Integrado apontam que pelo menos 222 cidades apresentam problemas no abastecimento público, devido à situação de estiagem que se prolonga no estado. O estudo coordenado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável em parceria com a Defesa Civil de Santa Catarina fez um levantamento em 270 municípios.

“O Boletim é resultado de um trabalho amplo e integrado com os órgãos governamentais e tem nos possibilitado avaliar com frequência e precisão os impactos da estiagem no estado. Com isso, conseguimos promover ações, agindo com celeridade e contornando situações mais críticas. Mas é importante frisar que neste momento contamos com apoio e conscientização da população no sentido de economizar água”, alerta o secretário da SDE, Lucas Esmeraldino.

>>> Acesse o boletim meteorológico 

Além da análise da distribuição da chuva no estado e da previsão para os próximos 15 dias, o Boletim Integrado indica a situação hidrológica atual em Santa Catarina, bem como a condições do abastecimento urbano em cada cidade, considerando as condições: normal, atenção, alerta e crítico. Conforme dados da última quinzena, é possível destacar que Santa Catarina tem 50% das cidades em estado de atenção, 21% em alerta e 11% crítico.

Integração

O Boletim conta ainda com a participação da Agência Reguladora de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc), Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento, Agência Intermunicipal de Regulação do Médio Vale do Itajaí e o Consórcio Intermunicipal de Saneamento Ambiental - Meio-Oeste. O estudo traz informações atualizadas, a cada 15 dias, divulgadas nos sites das instituições.

A gerente de Fiscalização da Aresc, Luiza Burgardt, lembra que Santa Catarina está há quase um ano com precipitações abaixo da média. “É por isso que todos os órgãos envolvidos neste Boletim Integrado, junto com os prestadores de serviços, estão alinhados com um único objetivo: mitigar esses impactos no abastecimento público. Ainda mais em tempos de pandemia, onde a água está sendo um importante aliado para o combate ao novo coronavírus. Por isso, saliento que o uso consciente da água é a melhor saída para diminuir a pressão nos mananciais de abastecimento e garantir disponibilidade para todos os catarinenses”, frisa.

Previsão

Para os próximos 15 dias, não se observa uma distribuição de chuva adequada e suficiente para normalizar o abastecimento urbano em um curto prazo. O que indica, tendo em vista os níveis baixos dos rios, a continuidade prolongada da estiagem no estado.

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sde.sc.gov.br


Fotos: Mauren Rigo/Casa Civil

Dois municípios do Alto Vale do Itajaí garantiram a continuidade dos serviços de saneamento com a celebração de parceria com a Casan. A assinatura dos Contratos de Programa foi realizada na manhã desta segunda-feira, 18, em Florianópolis, com a presença dos prefeitos de Agrolândia e de Vidal Ramos e de representantes do Governo do Estado e da Casan.

Com esse instrumento jurídico, as cidades terão investimentos em água e esgoto nos próximos 30 anos, de acordo com o previsto nos Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB). No total, o Governo do Estado, por intermédio da Casan, vai aplicar R$ 24,2 milhões no saneamento dos dois municípios. Agrolândia, que tem como principal atividade econômica a agropecuária, vai receber R$ 22,6 milhões em saneamento básico. São R$ 2.033.686,55 em sistemas de água e R$ 20.621.709,69 previstos para a instalação do primeiro Sistema Público de Esgotamento Sanitário.

casan2

“Vamos entregar mais qualidade de vida para a população, em conjunto com a Casan, que tem prestado um excelente trabalho em nosso município”, disse o prefeito de Agrolândia Urbano José Dalcanale. Melhorias dos sistemas de captação, ampliação da capacidade de tratamento de água, do índice de hidrometração, da rede de distribuição e do atendimento à área rural estão entre as prioridades em abastecimento.

Já Vidal Ramos, com economia basicamente gerada pela produção agrícola, tem previsto R$ 1.627.614,35 em sistema de abastecimento de água. “Agradecemos o olhar do Governo do Estado para os municípios pequenos, que também terão condições de proporcionar mais qualidade de vida aos seus moradores”, destacou o prefeito Odilmar de Souza. A ampliação do Sistema de Abastecimento de Água é prioridade para a cidade, mas a avaliação das possibilidades de melhorias no atendimento na área de esgotamento sanitário está também prevista em ações e investimentos a serem buscados de forma conjunta entre Companhia e a Prefeitura.

casan4

Parcerias 

Com Agrolândia e Vidal Ramos, a Casan chega ao 48º Contrato de Programa firmado. Nos últimos 15 meses foram assinados 15 Contratos de Programa, uma ação que tem sido priorizada pela nova diretoria composta por profissionais do quadro funcional da própria Companhia. “Agradecemos o apoio permanente da Casa Civil e a confiança dos municípios na Casan”, destacou a engenheira sanitarista e ambiental Roberta Maas dos Anjos, presidente da Companhia.

O chefe da Casa Civil, Amandio João da Silva Junior, reforçou a importância da parceria firmada com os municípios. “Vivemos um momento em que as atenções estão voltadas ao combate da pandemia de coronavírus. Atos como os que aconteceram aqui hoje são extremamente importantes para mostrar que os demais serviços do Governo não podem parar. Vamos retomar o crescimento de nosso estado e assinar mais convênios como esse”, afirmou Amandio.

Informações adicionais para a imprensa:
Arley Reis 
Gerência de Comunicação Social
Companhia Catarinense de Águas e Saneamento
E-mail: areis@casan.com.br
Fone: (48) 3221-5036 
www.casan.com.br

 

 


Foto: Divulgação / Casan 

No momento em que o Sul do país passa por uma das estiagens mais severas das últimas décadas, dois municípios do Planalto Norte do Estado dão uma demonstração da solidariedade do povo catarinense.

Com água suficiente para abastecer seus 8,2 mil habitantes, o prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini, liberou a Casan para transportar, diariamente, cerca de 90 mil litros até a vizinha Monte Castelo, a 25 quilômetros de distância.

O transporte diário de água potável representa 10% da necessidade de Monte Castelo, município de 8,3 mil habitantes, que se abastece do Rio Passa Quatro, cujo volume está extremamente baixo, quase secando.

A segurança no sistema de abastecimento de Major Vieira deve-se à grande adutora para a captação no Rio Canoinhas, implantada pela Casan em parceria com a Prefeitura Municipal, após uma mobilização local pela obra.

As viagens dos caminhões-pipas se estenderão até a conclusão da obra que prevê a transposição de água bruta do Rio Canoinhas para o Passa Quatro. São 2.700 metros de rede que a Casan está implantando de forma emergencial com apoio fundamental do prefeito Jean Carlo Medeiros de Souza, de Monte Castelo, que conseguiu agilizar a liberação da obra, maquinário e bombeamento.

“O período é difícil, de estiagem forte em meio ao isolamento social, mas a harmonia entre o poder público dos dois municípios com a Casan facilita as soluções para o abastecimento e beneficia a população das duas cidades”, diz João Adoilso, chefe da Casan de Major Vieira. “Esse espírito de solidariedade nos estimula”, diz Tatiana Reva, chefe da Agência Casan de Monte Castelo.

Mais informações para a imprensa:
Gerência de Comunicação Social da Casan
Fones: (48) 3221-5034 | 3221-5035 | 3221-5036
Arley Reis 
E-mail: areis@casan.com.br
Ricardo Stefanelli 
E-mail: ristefanelli@casan.com.br
Fone: (48) 9136-9345
www.casan.com.br

 

 


Foto: Divulgação/Casan

Atenta aos efeitos da estiagem, a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) tem adotado medidas para reduzir a captação na Lagoa do Peri, no Sul da Ilha de Santa Catarina.

Cerca de 50% do abastecimento dos bairros do Sul e do Leste da Ilha são realizados com ajuda de nove poços artesianos do Aquífero do Campeche, colocados em operação justamente para preservar a lagoa, que está meio metro abaixo de seu nível habitual.


Foto: Divulgação/ Casan

Outras ações são realizadas para preservar o manancial e, ao mesmo tempo, manter o abastecimento aos moradores:
- Avaliação diária do nível da lagoa e dos dados pluviométricos;
- Monitoramento e manutenção do nível estável da barragem de captação;
- Aumento na frequência de análises da quantidade de cloreto dos poços piezométricos (pontos de observação) para medir o nível freático e afastar qualquer hipótese de salinização;
- Reforço do abastecimento aos bairros Carianos e parte do Rio Tavares com água do Sistema Integrado da Grande Florianópolis (SIF), vinda do Continente.

Deve entrar em operação a partir de junho o novo sistema de flotação na Estação de Tratamento para ampliar os controles de qualidade da água justamente para reduzir eventuais efeitos das frequentes estiagens. O investimento nessa obra é de R$ 7,5 milhões.

Uso consciente de água tratada

A Casan reforça que é fundamental a colaboração dos moradores do Sul e do Leste da Ilha para redução do consumo de água tratada. Não usar mangueiras para lavar casas, pátios, calçadas e carros é uma das melhores contribuições, assim como reduzir o tempo no chuveiro ou somente acionar a máquina de lavar quando o equipamento estiver cheio de roupas.

A água tratada, mais do que nunca, deve ser reservada para a higienização.

Informações adicionais para a imprensa:
Ricardo Stefanelli 
Assessoria de Comunicação
Presidência da Casan
E-mail: rstefanelli@casan.com.br
Fone: (48) 3221-5034 / 99136-9345
www.casan.com.br


Fotos: Fernando Mendes / Divulgação 

Quase R$ 13 milhões em investimentos foram anunciados para Biguaçu, na Grande Florianópolis, neste sábado, 7. O chefe da Casa Civil, Douglas Borba, explicou que os recursos serão aplicados em obras que vão beneficiar diretamente o cidadão.

Da Casan, são R$ 7,6 milhões para revitalização de ruas e melhoria nos sistemas de água e esgoto. Já por meio do Programa Badesc Cidades, foram disponibilizados R$ 5,1 milhões em financiamento para que a Prefeitura Municipal possa executar a revitalização da Rua Treze de Maio, via que também integra o pacote de investimentos da Casan.

 “O Governo traz a Biguaçu um investimento de peso e que era aguardado por mais de uma década. A Treze de Maio, que é a rua mais movimentada do município e dá acesso ao interior, recebe investimento para restauração e para aumento da capacidade fluvial”, afirmou Borba.

A solenidade para entrega das ordens de serviço e assinaturas de convênios ocorreu junto ao salão da Igreja São Pedro e também contou com a presença do subchefe da Casa Civil, Matheus Hoffmann Machado, da diretora-presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, do presidente do Badesc, Eduardo Alexandre Corrêa de Machado, do prefeito de Biguaçu, Ramon Wollinger, entre outras autoridades e convidados. Onze dos 15 vereadores da Câmara também estavam presentes.

Redes de água, esgoto e repavimentações

Os recursos liberados pela Casan para Biguaçu serão usados em diversas melhorias para o município. Entre as principais, está a obra da Rua Treze de Maio, que começa na próxima semana, e recebeu R$ 1,1 milhão para ampliação da rede de água e realocação sob o passeio. A iniciativa vai beneficiar os moradores dos bairros Três Riachos, Prado e Saudade.

Por meio de convênio, o Governo do Estado repassou ainda R$ 3,8 milhões para a pavimentação asfáltica e sinalização das ruas Sete de Setembro e Justino Adalberto Leal, além de um total de 1.811 metros de rede de esgoto e o remanejamento de rede de água para a calçada.

No mesmo ato, a Casan anunciou o repasse de 5% da arrecadação das tarifas de água e esgoto do município para o Fundo Municipal de Saneamento, um aporte que deverá girar em torno de R$ 1 milhão ao ano.

Para o prefeito de Biguaçu, os anúncios representam um passo a mais no desenvolvimento do município. “A gente agradece a parceria do Governo do Estado, tanto por meio do Badesc como da Casan. Vamos receber um reservatório de água no Jardim Janaína e muitas outras melhorias para o cidadão. Hoje é um dia de união de forças para o bem de Biguaçu”, declarou Ramon Wollinger.

Reservatório e Estação de Tratamento

De surpresa, na sua fala, a diretora-presidente da Casan, Roberta Mass dos Anjos, autorizou oficialmente a licitação para construir mais um reservatório na cidade, com capacidade de 2,5 milhões de litros, e revelou também que a Companhia já encontrou outro terreno para instalar a Estação de Tratamento de Esgoto, já que a área anteriormente reservada gerou um impasse judicial.

“No ano passado, o município apresentou demandas para a Casan. E hoje, com uma gestão técnica, conseguimos entregamos um recurso para suprir o que o cidadão realmente precisa. Esses R$ 7,6 milhões são, principalmente, para o abastecimento de água, já que a cidade sofre muito com isso”, disse Roberta.

Informações adicionais à imprensa
Mauren Rigo
Assessoria de Comunicação
Casa Civil
E-mail: comunicacao@casacivil.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2005 / 98843-3497
Site: www.scc.sc.gov.br
www.fb.com/casacivilsc / @CasaCivilSC


Assessoria de Comunicação
Casan
(48) 3221-5034 / (48) 99136-9345
ristefanelli@casan.com.br
gcs@casan.com.br


Foto: Divulgação / Casan

O Governo do Estado renovou o contrato de programa com mais dois municípios catarinenses e vai investir, por intermédio da Casan, mais de R$ 42 milhões no saneamento de Ascurra e de Urupema. A assinatura foi feita nesta segunda-feira, 2, na sede da Casan, em Florianópolis.

“A Casan tem praticado a política deste governo, que não diferencia os municípios pelo porte, pela capacidade de arrecadação e muito menos pela bandeira política ou partidária”, disse o subchefe da Casa Civil, Matheus Hoffmann, representante do governo do Estado.

Com Ascurra e Urupema, a Casan chega ao 46º contrato de programa firmado, sendo que 13 foram assinados apenas nos últimos 12 meses.

“Agradeço a confiança dos prefeitos por firmar esse documento que é fundamental para o Estado e a Casan continuarem investindo na saúde e na qualidade de vida dos moradores, independentemente do tamanho dos municípios e do retorno econômico”, disse a diretora-presidente, Roberta Maas dos Anjos.

O investimento da companhia nos sistemas de água e de esgoto de Ascurra, município do Vale do Itajaí com 7.732 moradores, será de R$ 40.233.873,69 nos próximos 30 anos, e leva em conta o que está previsto no Plano Municipal de Saneamento Básico da cidade. 

O prefeito Lairton Possamai está confiante com as obras que irão melhorar o sistema de abastecimento de água da cidade.

Estação de Tratamento de Esgoto de Urupema será ativada

Em Urupema, cidade com 2.472 habitantes, a Casan prevê investir R$ 2.105.039,63 pelos próximos 35 anos, se comprometendo a colocar em operação a Estação de Tratamento de Esgoto instalada no município, mas que não opera devido à falta de rede, que será instalada pela Companhia.

O prefeito de Urupema, Evandro Frigo Pereira, acompanhado da vice-prefeita, Cristiane Pagani Almeida, lembrou que sua municipalidade faz parte do Sistema Casan há quase 40 anos, quando Urupema ainda era distrito de São Joaquim. 

"Estamos satisfeitos com essa parceria de décadas”, disse. “Há problemas a corrigir, mas há confiança mútua e hoje o dia é de celebrar a estabilidade da união e os investimentos que vão ajudar a capital do frio a se desenvolver”, concluiu.

Presente ao ato, o deputado estadual Jerry Comper disse aos prefeitos que tem testemunhado uma Companhia com perfil técnico, preocupada em atender com eficiência todos os municípios, sem distinção.

Informações adicionais para a imprensa:
Arley Reis 
Gerência de Comunicação Social
Companhia Catarinense de Águas e Saneamento
E-mail: areis@casan.com.br
Fone: (48) 3221-5036 
www.casan.com.br