Uma intensa e histórica onda de calor é registrada no sul do Brasil. O fenômeno traz reflexos para Santa Catarina, onde as temperaturas podem seguir perto dos 40ºC até pelo menos o próximo sábado, 22, em regiões como o Oeste e o Extremo Oeste. Com a previsão de que o verão siga com temperaturas bem elevadas, a Celesc reforça a importância de que os clientes adotem medidas para o uso consciente de energia elétrica, pois é neste período que a população intensifica o uso de eletrodomésticos que combatem o calor e de eletroportáteis que facilitam a rotina diária. 

Conforme a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), caso equipamentos como ar-condicionado, geladeira, ventilador e outros eletrodomésticos sejam usados sem moderação durante a estação mais quente do ano, pode haver um acréscimo nas faturas de energia dos consumidores. Utilizar o ar-condicionado na temperatura adequada (23ºC) e optar por um modelo econômico, manter a borracha de vedação da geladeira em bom estado e utilizar o modo “stand by” dos equipamentos eletrônicos são algumas das medidas que podem fazer a diferença.

Essas e outras orientações estão sendo compartilhadas pela Celesc, desde o início de dezembro de 2021, em sua Campanha de Verão 2021/2022, cujo slogan é “Economize energia, compartilhe essa ideia”, que vem sendo veiculada nos canais oficiais de comunicação da empresa durante a alta temporada. 

Confira abaixo algumas dicas de economia de energia para este período de grande calor:

Ar-condicionado - Além de regular a temperatura adequada em 23ºC, confortável e que garante o bom funcionamento do motor, dê preferência para modelos Split e Inverter com selo Procel. Eles são mais eficientes e gastam menos energia. Na hora de instalar, escolha a parede do ambiente que tem mais sombra. Vai fazer o aparelho “trabalhar” menos para manter o ambiente em temperatura agradável. 

Geladeira - Para reduzir o consumo do aparelho, ajuste o termostato de acordo com a época do ano, mantenha a borracha de vedação em bom estado, não deixe a porta aberta por muito tempo, não guarde alimentos quentes e nem seque roupa na parte de trás. Outra dica é colocar a geladeira distante dos equipamentos que são fontes de calor, como o fogão e o forno elétrico. 

Ventilador - Ventiladores podem ser bons aliados para aplacar o calor gastando menos que o ar-condicionado. No chão, no teto ou na parede, eles são uma opção mais em conta para refrescar os ambientes. Observe a quantidade de vento que o modelo é capaz de produzir. Na etiqueta é informada a vazão do ventilador e o índice de energia consumida. Se dois modelos consomem a mesma quantidade de energia, opte por aquele de maior quantidade de vento gerado, porque será capaz de ventilar mais que o outro. 

Modo stand by - O modo “stand by” - ou modo de espera - também consome energia do aparelho eletrônico. Desligá-los enquanto não estão sendo usados faz a diferença no valor da fatura no fim do mês. Uma dica que pode fazer a diferença é programar os aparelhos para desligarem a cada duas horas. 

Ranking de consumo - Uma dica para economizar é saber o consumo de energia de cada aparelho. Por exemplo, uma air fryer de 1500 W ligada por 30 minutos equivale ao consumo de 25 lâmpadas Led de 6W ligadas por 4 horas. 

Chuveiro elétrico - Hábito como o uso demorado do chuveiro elétrico lidera o consumo de energia na maioria das residências e pode representar um acréscimo de 25% a 35% no valor total da conta de luz. Utilize o aparelho no modo verão e evite banhos demorados, pois, além de economizar luz, economiza água. Além disso, feche a torneira do chuveiro quando não estiver usando ou enquanto estiver se ensaboando. Se possível, opte pelo sistema solar de aquecimento de água para o banho quente.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: imprensa@celesc.com.br 
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 

 

 Foto: Ascom/Celesc

Em um estado com regiões onde há forte presença de áreas de reflorestamento de eucaliptos e pinus, os perigos e danos provocados pela vegetação na rede elétrica são motivo de alerta. A Celesc reforça constantemente os trabalhos de limpeza e poda dessas áreas, a fim de amenizar a situação, mas o problema segue como principal causa das interrupções de energia no território catarinense.

Em 2021, 14,7% das quedas no fornecimento registradas foram motivadas por esse tipo de acidente. No mesmo ano, o investimento da Celesc com poda e roçada nas áreas de concessão da empresa foi de aproximadamente R$ 20,3 milhões. O diretor de Distribuição da Celesc, Sandro Levandoski, ressalta que esse índice é bem maior em algumas regiões, podendo chegar a 30%. Ele reforça a necessidade da participação da comunidade para que seja respeitado o limite de afastamento de árvores da rede elétrica.  

“A Celesc investe, anualmente, um valor significativo em ações para amenizar o problema, mas isso não é suficiente diante da demanda no estado. A população, em especial os agricultores, tem uma participação muito importante nesse processo, com o respeito ao afastamento previsto em lei. Com as ações da Companhia e o envolvimento da sociedade, poderíamos ter uma convivência muito mais harmoniosa entre a vegetação e a rede elétrica, garantindo que o fornecimento não sofresse tantas interrupções motivadas por esse problema”, destaca o diretor Sandro Levandoski. 

Gladimir Jeremias, gerente do Núcleo Planalto, acrescenta que, além da interrupção do fornecimento de energia e dos consequentes prejuízos aos consumidores, a presença de vegetação próxima à rede elétrica também representa insegurança à população.  

“É um problema que vai além da falta de energia elétrica. Há os riscos para a população que está próxima a esses locais, principalmente quando ocorre a derrubada da floresta. Quando uma árvore cai sobre a rede, pode provocar um curto-circuito ou mesmo um incêndio, colocando em risco pessoas e também animais”, enfatiza.

O gerente da Unidade Concórdia, Gilvan Menoso, região que registrou o maior número de interrupções de energia provocadas por vegetação na rede no ano passado (35,65%), complementa que a situação é agravada quando há ocorrência de eventos climáticos. 

“Além do que registramos como queda de energia provocada especificamente por vegetação na rede elétrica, podemos considerar que boa parte das interrupções provocadas por eventos climáticos e de causa não identificada também estão relacionadas a esse problema. Isso significa que o percentual do desabastecimento ligado à vegetação pode chegar a algo em torno de 70% na nossa região”, diz.

Ainda segundo ele, o aumento das chuvas e de temporais em 2021 se refletiu em um maior número de desligamentos causados pelo contato da vegetação com a rede elétrica.

Na Unidade São Bento do Sul, o gerente Carlos Alberto Becker Júnior cita que ações da Celesc vêm gerando resultado: “Temos intensificado a limpeza, dedicando mais horas a esse trabalho, além de realizar vistorias nos trechos onde há maior incidência. Com esse planejamento, já observamos uma redução no número de ocorrências, mas o problema da vegetação segue sendo a maior causa de interrupção de energia”, comenta.

Por Região

Veja abaixo o índice de interrupções acidentais no fornecimento de energia elétrica por contato de vegetação com a rede elétrica, entre janeiro e dezembro de 2021, nos municípios das regiões atendidas pelos Núcleos e Unidades da Celesc:

O que diz a Lei

A Lei nº 17.588, que estabelece limites para o plantio de árvores exóticas e nativas próximo à rede elétrica, está em vigor desde 30 de outubro de 2018. De acordo com suas diretrizes, seja em área urbana ou rural, a faixa mínima de segurança para o plantio de plantas de grande porte é de 30 metros (15 metros de cada lado) para espécies folhosas, como o eucalipto, e de 15 metros (7,5 metros de cada lado) para espécies coníferas, como por exemplo o pinus. Ambas são muito utilizadas em reflorestamentos.

A poda e roçada das áreas públicas dentro das faixas de segurança são de competência da distribuidora de energia, e o destino correto do material cortado é de responsabilidade das administrações municipais.

Já a poda de vegetação em área particular é dever do proprietário. Dessa forma, ao perceber que os galhos estão crescendo muito, o dono do imóvel ou representante deve providenciar a poda preventiva. O serviço deve ser realizado por pessoa habilitada e equipada de forma segura. Caso haja interrupção no fornecimento de energia motivado por vegetação em propriedade particular, o acesso da distribuidora ao local é permitido, mesmo sem prévio aviso ou anuência do proprietário.

Vale destacar que tanto em áreas particulares quanto públicas, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil entram em ação apenas quando a queda (ou possível queda) de árvores representa risco de vida à população. Em caso de dúvida, pode-se ligar para os Bombeiros e solicitar uma visita ao local para avaliação. São eles que decidem se devem agir ou se indicam profissionais gabaritados para fazer a poda preventiva da árvore.

Siga as medidas de segurança:

 - A Celesc deve ser informada quando houver corte de árvores de grande porte próximas à rede elétrica
- Caso um fio arrebente e caia, deve-se considerar a rede energizada, isolar a área e não permitir que ninguém se aproxime. O proprietário também deve pedir auxílio à Celesc pelo telefone 08000 48 0196.
- O cuidado com a operação de máquinas agrícolas também é de extrema importância. Sempre que forem realizados serviços próximos à rede elétrica, deve-se verificar se não há possibilidade de encostar alguma parte móvel da máquina nos fios.
- As queimadas nas proximidades da rede também são definitivamente perigosas, sendo primordial não acontecerem no local. Mesmo que o fogo não chegue perto dos fios, postes ou torres, o calor pode provocar curtos-circuitos.
- O proprietário da área de reflorestamento pode sofrer ações judiciais por descumprimento da lei, podendo ser responsabilizado pelos danos causados a terceiros e à Celesc. 

Informações adicionais para imprensa:
Heda Wenzel
Assessoria de Comunicação
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc
E-mail: imprensa@celesc.com
(48) 3231-6226
Site: www.celesc.com.br

  Foto: Caio Cezar/Celesc

O ano de 2021 foi novamente atípico e repleto de incertezas. Além dos efeitos remanescentes da pandemia de coronavírus e das intempéries climáticas que atingiram o estado, a escassez hídrica impôs novos desafios para o setor energético em Santa Catarina. Mesmo assim, a Celesc superou as expectativas e seguiu firme no compromisso de fornecer energia elétrica com qualidade e segurança.   

Apenas no último ano, os investimentos da empresa em obras, melhorias, materiais e equipamentos, além de serviços, somaram cerca de R$ 608 milhões. Desse total, estão sendo destinados aproximadamente R$ 225 milhões para a instalação de redes elétricas de média e baixa tensão e R$ 185 milhões para melhorias no sistema elétrico de alta tensão (subestações e linhas de transmissão, com benefícios para o atendimento de todas as regiões do território catarinense). 

Em 2021, os recursos para manutenção do sistema elétrico somaram R$ 129 milhões e, destes, R$ 20 milhões foram destinados à limpeza de faixa, poda e roçada de vegetação. Esse é um dos investimentos mais importantes para o Verão, tendo em vista que a vegetação que alcança a rede elétrica em temporais é causa de 35% das ocorrências no sistema.  

A rede elétrica também foi inspecionada com “termovisores”, equipamentos que permitem, por meio da análise da temperatura local, identificar preventivamente pontos de desgaste (em chaves, emendas e conexões), possibilitando a substituição de itens antes da falha. A inspeção foi realizada em 85% dos troncos de alimentadores que somam mais de 7,5 mil quilômetros de rede.   

 Foto: Caio Cezar/Celesc

Com gestão estratégica e o trabalho incansável dos seus mais de 7 mil empregados (próprios e terceiros), a Companhia fechou 2021 com excelentes indicadores de continuidade de energia. O DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) ficou abaixo de 10 horas, e o FEC (Frequência Equivalente de Interrupção de Energia) ficou abaixo de 7,00, considerando uma janela móvel de doze meses (em novembro/2021 o DEC registrado foi de 9,91 e o FEC 6,68).  

O grande destaque do ano foi, novamente, o Programa Celesc Rural, por meio do qual foram realizadas cerca de 1.000 obras para substituir redes monofásicas nuas por redes monofásicas ou trifásicas com cabos protegidos, atingindo 1.500 quilômetros do território catarinense. O investimento no programa já soma cerca de R$ 280 milhões, incluindo as obras concluídas, em andamento e licitadas. Ao todo, serão beneficiadas 220 mil propriedades rurais catarinenses em cerca de 3 mil quilômetros no estado. As melhorias proporcionadas pelo Celesc Rural possibilitam ao produtor a instalação de equipamentos mais potentes e modernos para a realização de suas atividades, contribuindo para o aumento da produção e trazendo uma nova realidade ao agronegócio, setor que faz de Santa Catarina referência mundial.

 Foto: Arquivo/Celesc

A substituição de redes monofásicas por trifásicas ocorre nas localidades em que é constatado grande crescimento da carga instalada. Os cabos protegidos também estão sendo instalados nas regiões com áreas de reflorestamento. Esses cabos contam com capas protetoras e garantem maior robustez na rede, aumentando o isolamento do sistema e minimizando a atuação de fatores externos. Assim, a combinação da instalação de cabos protegidos e de religadores automáticos aumentam substancialmente a confiabilidade da distribuição de energia elétrica, garantindo um serviço com menor interrupção possível ao consumidor rural. Essas ações aumentam a confiabilidade da distribuição de energia elétrica.   

Importante também destacar em 2021 a inauguração da ampliação da PCH Celso Ramos, um investimento de R$ 40 milhões de reais para aumentar a capacidade instalada, que passou de 5,62 MW para 13,92 MW e a construção da 1ª Usina Solar da Celesc, que opera com 28 kWp de potência instalada. A Usina Solar Celso Ramos, classificada como microgeração, injetará energia na rede de distribuição da companhia e que se transformará em créditos para a Celesc Geração.  

Destaque ainda para o resultado da Revisão Tarifária Periódica da Celesc Distribuição deste ano, com efeito médio ao consumidor de 5,65%, considerando consumidores de toda a área de concessão da empresa. O reajuste ficou bem abaixo das empresas de porte similar e dos índices de inflação. Importante frisar a ação judicial promovida pela Companhia, visando repassar, de forma extraordinária, a cobrança de PIS/COFINS sobre a base de cálculo do ICMS, que totalizou um repasse de quase R$ 800 milhões ao consumidor - a melhor revisão tarifária da Companhia: o reajuste foi de 5,65% (abaixo da inflação do período). As glosas sobre os investimentos da Companhia passaram de 15% para 0,12%. Caso não fosse realizado o repasse de valores decorrentes deste crédito pela Celesc aos consumidores, o efeito do reajuste na tarifa seria superior a 14%.  

A empresa, que acaba de completar 66 anos, mantém o reconhecimento pelo setor e consumidores como uma das melhores distribuidoras de energia elétrica do país. A comemoração ocorre no momento em que projetos e programas para melhorar a qualidade de vida dos catarinenses ganham destaque. A empresa foi finalista do Prêmio ANEEL de Qualidade  nas categorias Região Sul e Brasil entre as 31 concessionárias que atendem mais de 400 mil unidades consumidoras (UCs). A premiação tem como objetivo destacar as distribuidoras mais bem avaliadas, resultantes de pesquisa de opinião realizada com os clientes de energia elétrica em todo o Brasil.  

A Celesc também foi reconhecida no Prêmio ABRADEE como a terceira melhor distribuidora de energia elétrica avaliada pelos clientes, entre as 31 concessionárias de todo o país que atendem mais de 500 mil unidades consumidoras (UCs). 

Investimentos 2019 a 2021  

Os investimentos da distribuidora nos últimos três anos já somaram R$ 1,7 bilhão, sendo 1,2 bilhão só na área de distribuição. De 2019 a 2021 foram construídas 7 subestações, 9 linhas de distribuição e ampliação e melhorias em outras 14 subestações. Neste período, cerca de 929 MVA foram inseridos no sistema de distribuição em novas subestações e em ampliações de subestações, o que corresponde a aproximadamente dobrar a capacidade de distribuição para o consumo de todas as indústrias do estado de SC. Cerca de R$ 38 milhões foram investidos em veículos (2019-2021), 512 eletricistas contratados + 260 técnicos (2019-2021). 

Ainda em 2021, o trabalho de combate às fraudes e irregularidades também foi intenso. Em parceria com as Polícias Civil e Militar, o Instituto Geral de Perícias e o Ministério Público, as ações estratégicas realizadas para enfrentar esse tipo de perda envolveram os Núcleos e as Unidades da Celesc em todo o estado, com equipes exclusivas para a fiscalização. 

Os excelentes resultados técnicos e econômico-financeiros da Companhia posicionam a Celesc como empresa de ponta no setor elétrico, assim como os indicadores técnicos que estão atendendo o contrato de concessão. Atualmente, são cerca de 160 mil quilômetros de redes elétricas, 4,7 mil quilômetros de linhas de distribuição, 1,7 milhão de postes, 188 mil transformadores e 176 subestações da Celesc, além das 254 lojas de atendimento.  

Para 2022, foram aprovados R$ 1,067 bilhão em novos investimentos para garantir a excelência na prestação dos serviços de distribuição e geração de energia para atender 3,2 milhões de unidades consumidoras em 285 municípios de Santa Catarina e no município de Rio Negro, no Paraná.  

Destaques de 2021  

A cidade de Araranguá é a primeira com medição inteligente de energia - Um projeto pioneiro, que dá o primeiro passo para inserir Santa Catarina no mapa das smartcities (cidades inteligentes), começou a ser desenvolvido em julho pela Celesc, em Araranguá, no sul do Estado. Com investimento aproximado de R$ 23 milhões, o projeto-piloto irá substituir medidores de energia convencionais por equipamentos inteligentes, que disponibilizam dados sobre a qualidade da energia que chega ao cliente, permitindo a melhor gestão do seu consumo e perdas, bem como a realização de alguns serviços comerciais de maneira remota, proporcionando a identificação instantânea de ocorrências na rede elétrica, dando mais agilidade aos atendimentos.  

Inauguração Subestação em Chapecó, no Oeste Catarinense - Em 23 de Julho, a Celesc inaugurou uma subestação (Chapecó III) na cidade de Chapecó, localizada no Oeste de Santa Catarina. Com isso, a Companhia busca garantir um fornecimento de energia elétrica de qualidade pelos próximos 20 anos na região.  

Lançamento Política de Diversidade e Inclusão - Em setembro, por meio de sua área de responsabilidade Social, a Celesc fez o lançamento da Política de Diversidade e Inclusão. Participaram do evento representantes do BID, Ethos, Abradee, Childhood Brasil, Abrinq, ODS Santa Catarina, entre outras instituições. Nesse sentido, a Celesc reforça sua posição, como Empresa, para disseminar internamente a cultura de diversidade, trazendo mais dinamismo e produtividade, e, ainda, atuando como indutora do desenvolvimento catarinense, ajudando a construir uma sociedade mais justa e humana.  

Campanha Nacional “Consumo Consciente Já”- Com a intenção de unir esforços para que todos contribuam com a segurança do fornecimento de energia elétrica no momento da pior crise hídrica dos últimos 91 anos, o Ministério de Minas e Energia (MME), a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee) e suas associadas, lançaram, em setembro, a campanha nacional “Consumo Consciente Já”, veiculada nos canais oficiais da Celesc, emissoras de rádio, TV e mídias digitais, contendo dicas simples, mas efetivas, para que a população possa contribuir com essa importante causa para todos.   

Projeto Eletroposto Celesc - O projeto Eletroposto Celesc é uma parceria da Celesc Distribuição com a Fundação CERTI, com financiamento do programa de P&D da ANEEL, para a difusão do conceito da mobilidade elétrica no estado de Santa Catarina e no país ao estabelecer uma infraestrutura de recarga veicular que engloba mais de 680 km de extensão cobertos com 8 estações de carregamento rápido e mais 22 estações semirrápidas em cidades de todas as regiões do estado de Santa Catarina. Além disso, trabalhamos com o objetivo de integração dos três Estados da região Sul, abrindo caminho para interligação a nível Mercosul através da Argentina. Com isso, o projeto proporcionará infraestrutura de recarga que abrange 75,0% do Estado.

   

Investimento em tecnologia com instalação de novos totens de atendimento em SC - Visando aprimorar a prestação de serviços aos clientes, a Celesc investiu em 85 novos totens de auto e vídeo atendimento, que foram instalados em 49 lojas da empresa espalhadas por todas as regiões de Santa Catarina. Os novos equipamentos são mais modernos e abrem possibilidade para novas funcionalidades como pagamento com cartão e segunda via de fatura. A instalação foi concluída no mês de setembro.  

Chamada Pública Seleção de Projetos - Este ano, a Celesc selecionou 31 projetos para receber os incentivos fiscais referentes à Chamada Pública para Projetos Culturais e Esportivos, referente ao exercício de 2021. Nesta edição, o investimento foi de R$ 3,2 milhões em iniciativas de todas as regiões do estado, sendo R$ 2,6 milhões para 22 projetos culturais e R$ 659 mil para 9 projetos esportivos. Serão atendidas propostas aprovadas pela Lei Federal de Incentivo à Cultura nas modalidades artes cênicas, música e audiovisual, e pela Lei de Incentivo aos Esportes na modalidade de Desporto Educacional. 

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: imprensa@celesc.com.br 
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 

 Foto: Divulgação/Celesc

A Celesc preparou uma série de ações específicas para atender a alta da demanda no setor de energia elétrica por conta da temporada de verão em Santa Catarina e, assim, garantir ainda mais confiabilidade ao sistema. A organização da operação é feita ao longo do ano, e incluiu contratação de equipes de reforço, realocação de pessoal para áreas com mais movimento, além de aquisições de transformadores, torres e a ampliação da capacidade das subestações.

As ações integram a operação Verão Mais Seguro, força-tarefa lançada na manhã desta segunda-feira, 20, em Florianópolis, pelo Governo de Santa Catarina. A mobilização envolve mais de 20 órgãos do Estado, entre os quais a Celesc, e conta com investimentos que superam os R$ 100 milhões.

A vinda de milhares de turistas para o litoral catarinense, somado ao número de habitantes das cidades, o crescimento abrupto do consumo provocado pelo uso intensivo de eletrodomésticos, refrigeradores, sistemas de climatização e a incidência 35% maior de temporais, ventanias e descargas atmosféricas no verão, criam um cenário sazonal desafiador para a Companhia, que trabalha em três grandes frentes: reforço do sistema, manutenção preventiva e ampliação do número de equipes para atendimento de emergências. O efetivo de trabalhadores para a Operação será de mais de 1200 profissionais, entre eletricistas e atendentes comerciais, para fazer frente às ocorrências em campo entre os meses de dezembro e março nas regiões do litoral.

Especificamente para a temporada 2021/2022, estão sendo contratadas, por meio da Operação Verão Mais Seguro, mais 10 equipes com caminhões pesados que atuarão nas regiões de Florianópolis, Joinville, Itajaí e Tubarão. As regiões costumam concentrar o maior número de turistas, tendo as praias como principal destino. A frota também contempla 33 caminhonetes novas, com cesto aéreo para atendimento emergencial e tração 4X4 de cabine dupla, distribuídas para todos os Núcleos da Celesc. Além disso, a distribuidora também realizará a realocação de equipes leves para as regiões litorâneas, a fim de reforçar a capacidade de atendimento nesses locais. 

Também com foco na operação, foram adquiridos dois novos transformadores móveis (subestações volantes) totalizando um acréscimo de 80 MVA, demanda suficiente para atender a população de municípios como de Porto Belo e Itapema somados, além de mais seis torres modulares para linhas de alta tensão, trazendo um maior dinamismo no restabelecimento da rede em caso de ocorrências na Alta Tensão.

 Foto: Maurício Vieira/Arquivo/Secom

O presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, reforça que o trabalho para garantir a confiabilidade do sistema na alta temporada é realizado durante todo o ano, e recebe o impacto direto dos aportes que vêm sendo feitos pela Companhia. Apenas em 2021, os investimentos da empresa em obras, melhorias, materiais e equipamentos, além de serviços, somam cerca de R$ 608 milhões. Desse total, aproximadamente R$ 225 milhões para a instalação de redes elétricas de média e baixa tensão, e R$ 185 milhões para melhorias no sistema elétrico de alta tensão (subestações e linhas de transmissão, com benefícios para o atendimento de todas as regiões do território catarinense). Nos últimos três anos, foram construídas sete subestações, com uma ampliação de capacidade de 126,7 MVA.

Também foram substituídos 2.500 quilômetros de cabos nus por cabos protegidos em linhas de alta tensão de 138 e 69 kV. A instalação de religadores trifásicos e monofásicos na rede distribuição e implementação de recursividade automática foram outras ações realizadas para melhorar o sistema. Os investimentos da distribuidora nos últimos três anos já somaram R$ 1,7 bilhão. E para 2022 foram aprovados R$ 1,067 bilhão em novos investimentos.

“A Celesc está preparada para garantir a segurança e a confiabilidade do sistema de energia elétrica para os catarinenses e para os turistas que vierem para o Estado durante a temporada de verão. Isso é reflexo, tanto das ações específicas, com a contratação de equipes e incremento de estrutura, por exemplo, quanto dos investimentos constantes feitos pela empresa, que se refletem numa melhoria da qualidade dos nossos serviços ao longo de todo o ano”, destaca Poleto.

Prevenção 

Em 2021, os recursos para manutenção do sistema elétrico somam R$ 129 milhões e, deste total, R$ 20 milhões foram destinados à limpeza de faixa, poda e roçada de vegetação. Esse é um dos investimentos mais importantes para o verão, tendo em vista que a vegetação que alcança a rede elétrica em temporais é causa de 35% das ocorrências no sistema.

A rede elétrica também foi inspecionada com “termovisores”, equipamentos que permitem, por meio da análise da temperatura local, identificar preventivamente pontos de desgaste (em chaves, emendas e conexões), possibilitando a substituição de itens antes da falha. A inspeção foi realizada em 85% dos troncos de alimentadores que somam mais de 7,5 mil quilômetros de rede.  

Campanha de Verão da Celesc estimula novos hábitos 

Para alertar os consumidores sobre o uso consciente da energia, especialmente em meio à atual escassez hídrica que assola o Brasil, e estimular novos e melhores hábitos de consumo, a Celesc iniciou no último dia 4 de dezembro a Campanha de Verão 2021/2022, contendo dicas de economia de energia em seus canais oficiais de comunicação.

Com slogan “Economize energia, compartilhe essa ideia”, a campanha tem o tom de voz leve e bem-humorado. Os eletrodomésticos são os protagonistas dessa campanha: por meio de ilustrações educativas, eles indicam boas práticas domésticas para redução do gasto com eletricidade no final do mês de forma descomplicada e educativa.

Monitoramento em subestações recebe reforço 

 Foto: Divulgação/PCSC

Nos últimos anos, a distribuidora tem investido em vigilância eletrônica e presencial, em alguns casos, com a presença de guardas particulares. A medida foi necessária devido ao  aumento do número de furtos qualificados, principalmente nas subestações. Em 2020,  foram mais de 1.800 ocorrências relacionadas ao furto qualificado em instalações da Celesc. Esse ano, até novembro de 2021, esse número já chegou a mais de 2.300 ocorrências nas mais diversas regiões do Estado.

Para combater esse tipo de crime, a Celesc solicitou o apoio da Polícia Civil.  A instituição já determinou que sejam intensificadas as ações para o combate aos furtos e aos receptadores.

Entre as consequências estão o risco às instalações e à continuidade do fornecimento de energia elétrica, prejudicando a população catarinense de maneira geral, a produção dos diferentes setores (indústria, comércio e serviços), o funcionamento de hospitais, policlínicas e postos de saúde, escolas e creches, os órgãos públicos, a iluminação pública, entre outros pontos. 

Transformadores Móveis (Subestações Volantes) 

O transformador de potência é um dos equipamentos mais importantes do sistema de distribuição, sendo responsável por transferir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro. Em muitas situações, resultantes de contingências ou aumento de demanda por períodos pré-determinados, as redes de transmissão e distribuição não têm condições de realizar operações ou manobras, por estarem operando próximo ao limite de carregamento ou não terem condições de realizar obras de expansão, em função da relação entre a necessidade e o tempo de obra. Nesses casos, são utilizados transformadores ou subestações móveis que possibilitam a minimização dos transtornos e corte de cargas, decorrentes das condições impostas anteriormente. 

 Aquisição de dois novos transformadores móveis (subestações volantes),totalizando um acréscimo de 80 MVA, demanda suficiente para atender a população de municípios como de Porto Belo e Itapema somados. 

Com essas duas aquisições a Celesc soma o total de 14 Subestações Moveis aptas para entrar em operação sempre que o Sistema Elétrico demandar, trazendo agilidade e dinamismo na recomposição da rede de Distribuição no caso de contingências.  

Informações adicionais para imprensa:
Heda Wenzel
Assessoria de Comunicação
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc
E-mail: imprensa@celesc.com
(48) 3231-6226
Site: www.celesc.com.br


Fotos: Divulgação / PCSC 

A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou a operação Apolo nesta terça-feira, 21, em combate aos furtos e à receptação de fiação elétrica no Estado. Em balanço parcial, foram apreendidos fios de cobre em Mafra e em Porto Belo. Em Mafra foram 514 quilos de fios. Além disso, em Porto Belo duas pessoas foram conduzidas para a Delegacia de Polícia.

O trabalho de fiscalização contou com a atuação de policiais civis e equipes da Celesc em 28 municípios de todas as regiões catarinenses. A ação faz parte de uma intensificação contra esse tipo de delito no Estado, que vem causando transtornos à população e riscos no fornecimento de energia, além de prejuízo.

Pela Polícia Civil de SC, há um inquérito em andamento na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) sobre as apurações dos crimes. A operação também conta com trabalhos da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil. Em Florianópolis, a ação contou com o apoio da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais.

“Esta ação faz parte de uma fiscalização estadual conjunta entre a Polícia Civil e a Celesc para a repressão aos furtos e a receptação de fiação elétrica. Estamos intensificando os trabalhos de inteligência visando identificar alguns locais suspeitos e a partir daí realizando os trabalhos in-loco. Essa ação vai continuar sendo feita pelo Estado”, ressaltou o delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Flávio Ghizoni Júnior.

“As ocorrências relacionadas aos furtos podem deixar milhares de unidades consumidoras sem energia, incluindo hospitais, portos, residências e grandes indústrias, como foi o caso recente de tentativa de furto da Subestação Itajaí-Fazenda onde 53.000 Unidades Consumidoras ficaram sem energia, episódio onde a empresa já teve que investir mais de R$ 9 milhões para recomposição da citada subestação”, disse o presidente da Celesc Cleicio Poleto Martins. Poleto informa que só em 2021 foram mais de 2.300 ocorrências relacionadas a furto qualificado em instalações da Celesc.

De acordo com o delegado da Delegacia Fazendária da Deic, Pedro Mendes, que participa da fiscalização na Grande Florianópolis, a ação ocorre em todo o Estado a partir de locais identificados pela inteligência.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 

 


Foto: Maurício Vieira/Secom
 
A Celesc iniciou as obras para a construção de duas novas linhas de distribuição que vão se conectar à nova Subestação de Fronteira Ratones, no Norte da Ilha, em Florianópolis. As duas linhas possuem tensão de 138 kV, e terão aproximadamente cinco quilômetros de extensão. O investimento da empresa para executar a obra é de R$ 61 milhões.
 
Os trabalhos para a construção das linhas da Celesc iniciaram assim que a licença ambiental de instalação foi concedida pela Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), no último dia 15 de outubro. A expectativa é de que elas estejam aptas para entrar em operação a partir de abril de 2022. As linhas de distribuição estão sendo construídas com um trecho de aproximadamente 2,7 quilômetros de extensão, em circuito aéreo, e em um trecho de aproximadamente 2,16 quilômetros em circuito isolado e subterrâneo.
 
Segundo o diretor de Distribuição da Celesc, Sandro Levandoski, a implantação da Subestação Ratones e das linhas associadas irá eliminar os riscos de corte de carga no atendimento à Ilha de Santa Catarina, tanto em regime normal de operação quanto em casos de contingências, garantindo mais confiabilidade no abastecimento para a capital do estado. Além disso, a entrada em operação da subestação, que operará em tensões de 230 e 138 kV, representará um aumento na capacidade nos sistemas de energia elétrica que atendem à Ilha de Santa Catarina, passando dos atuais 1.284 MVA para 1.584 MVA - um aumento de aproximadamente 23% de capacidade instalada.
 
Esse reforço representará uma diminuição dos carregamentos das linhas e equipamentos no restante dos sistemas elétricos da região metropolitana, melhorando o atendimento em toda a Grande Florianópolis.
 
A ampliação e reconfiguração dos sistemas elétricos com a nova subestação também contribuirá para a redução nas perdas técnicas da Celesc. Esse ganho representará uma diminuição de perdas anuais de cerca de 5,0 % no sistema de alta tensão e de aproximadamente 1,2% no total de perdas técnicas da Celesc Distribuição, representando uma economia de aproximadamente R$ 4,5 milhões por ano.
 
Sobre a Subestação Ratones e as linhas de distribuição associadas
 
A Subestação Ratones 230/138kV será uma nova subestação de fronteira da Rede Básica do SIN (Sistema Interligado Nacional) com a Celesc Distribuição, e está sendo construída na região Norte da Ilha de Santa Catarina, no bairro de Ratones, em Florianópolis.
 
Os empreendimentos em construção viabilizarão o terceiro ponto de conexão entre os sistemas elétricos de abastecimento da região insular da capital catarinense e o SIN. A ISA CTEEP, maior transmissora privada de energia do País, é a responsável pela ampliação da subestação Ratones e construção de uma linha de transmissão de 230kV com dois circuitos de 28 km cada, incluindo trechos aéreos, submarinos e subterrâneos. Cabe à Celesc a construção das linhas de distribuição em 138.000 Volts que vão se conectar a ela.
 
“Os estudos que deram origem à SE Ratones foram executados em conjunto pela equipe de planejamento da Celesc e a Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), órgão vinculado ao Ministério de Minas e Energia (MME)”, explicou o engenheiro Ricardo Hinnig da Silva, gerente da Divisão de Planejamento do Sistema Elétrico da Celesc.
 
Mais conexões com a Rede Básica
 
A Subestação Ratones é mais uma das obras de rede básica de fronteira, fruto do trabalho de planejamento de longo prazo da Celesc, em parceria com os demais agentes do setor elétrico. Além dela, estão em fase de implantação mais cinco novas subestações de Rede Básica de Fronteira em Santa Catarina: SE 230/138/69kV Tubarão Sul, SE 525/230/138kV Joinville Sul; SE 230/138kV Jaraguá do Sul; SE 525/230/138kV Itajaí 2 e SE 230/138kV Indaial. Todas essas obras trazem relevantes benefícios para o estado, garantindo o atendimento adequado para a sociedade catarinense. 

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800 048 0120
Site: www.celesc.com.br


Foto: Júlio Cavalheiro/Secom

Uma parceria entre a Celesc e o Procon de Santa Catarina passa a oferecer a clientes da distribuidora a oportunidade de parcelar dívidas referentes à conta de energia elétrica em até 24 vezes. Um termo de cooperação entre as instituições foi firmado nesta quarta-feira (17), dando início ao programa 'Limpa Nome'. A intenção é que o consumidor seja beneficiado com a possibilidade de renegociar as dívidas com a oferta de condições facilitadas, nos moldes do que é feito durante a Semana Nacional de Conciliação, que neste ano ocorreu entre os dias 8 e 12 de novembro, com a participação da Celesc.

O diretor Comercial da Celesc, Vitor Guimarães, explicou que, com o 'Limpa Nome', os consumidores de energia elétrica de Santa Catarina com débitos pendentes com a Celesc terão mais tempo para quitar os débitos com vantagens especiais, com prazo até 17 de dezembro para regularizar sua dívida junto a Celesc.

A oportunidade é destinada aos consumidores pessoa física ou jurídica, com débitos vencidos que estão em cobrança administrativa ou judicial. O limite mínimo para a negociação é de R$ 450,00, considerando o valor atualizado da dívida. As condições especiais serão oferecidas para dívidas de até 120 salários-mínimos. Os clientes que se enquadrarem nesses critérios poderão parcelar em até 24 vezes, com isenção de juros e multa, referentes ao período da dívida. O valor mínimo de cada parcela é de R$ 50,00. A entrada é estipulada em 10% do valor da dívida. Também é possível pagar no cartão de crédito, sem necessidade de entrada, de cinco a 12 vezes.

“Nós estamos tentando resgatar o crédito do consumidor não somente perante a Celesc, mas no comércio em geral, porque estes débitos ativos geram restrições a estas pessoas”, explicou o diretor do PROCON, Tiago Silva. Para participar do programa, o titular da fatura deverá procurar as lojas de atendimento da Celesc e ter em mãos documento original de identificação e CPF.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: imprensa@celesc.com.br 
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 


Foto: Arquivo/Aresc

A ANP (Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis) autorizou, no último dia 5, a construção do Terminal Gás Sul (THS), na Baía de Babitonga, porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina. O empreendimento da empresa New Fortress Energy, que recentemente comprou a Golar Power LNG, aguardava autorização da agência desde fevereiro e está previsto para entrar em operação no primeiro trimestre de 2022. Em maio deste ano, o terminal recebeu também a Licença Ambiental de Instalação, emitida pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA) de Santa Catarina.

Outra opção de ampliação da oferta de Gás Natural ao Estado é via Gasoduto de Transporte Bolívia-Brasil (Gasbol), o gasoduto que abastece Santa Catarina. Recentemente, a TBG, empresa que opera o gasoduto, informou a possiblidade de ampliação de até 4 milhões de metros cúbicos por dia de Gás Natural, projeto que aguarda aprovação pela ANP.

A ampliação é importante porque o Gasbol atualmente opera no limite de capacidade na zona denominada SC2, que abrange os pontos de entrega das estações de recebimento catarinenses, de Biguaçu até Nova Veneza. Desde a sua construção, há mais de 20 anos, não houve nenhuma ampliação da capacidade total, que hoje é de até 30 milhões de metros cúbicos e abastece outros estados brasileiros, como o Mato Grosso do Sul, toda a região Sul e parte de São Paulo. Também é interligado ao sistema de gasodutos de transporte da NTS no Sudeste, podendo, portanto, enviar gás para outras regiões. A ampliação do gasoduto poderá aumentar a capacidade total em 13%.

Terminal de GNL

A autorização da ANP ao terminal na Baía da Babitonga prevê ainda a construção do gasoduto de transporte entre Itapoá-Garuva, de 33 km de extensão, interligando o terminal de regaseificação de GNL (Gás Natural Liquefeito) da New Fortress ao Gasbol.

O projeto do Terminal Gás Sul consiste em um navio FSRU amarrado a dolfins (estruturas marítimas acima do nível do mar, sem conexão com infraestrutura em terra) na Baía de Babitonga, a 300 metros da costa. O GNL será transferido por navios metaneiros. O empreendimento tem capacidade de regaseificação prevista de 15 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia, o que poderá ampliar em 179% a oferta do insumo ao estado.

Informações complementares:

Fernanda Kleinebing
Gerência de Marketing e Comunicação – SCGÁS
(48) 99623-9891/ 3229-1256 / 3229-1112
gemac@scgas.com.br


Fotos: Divulgação/Celesc

Com o objetivo de promover maior eficiência energética em instituições que prestam serviços sociais em Santa Catarina, a Celesc instalou uma usina fotovoltaica que atenderá toda a estrutura da APAE Florianópolis, localizada no bairro Itacorubi. A iniciativa é originária da Chamada Pública do Programa de Eficiência Energética Celesc/Aneel 2018, e a companhia destinou R$ 559,13 mil em recursos na implantação desse projeto. 

A usina solar está instalada em um novo prédio da APAE, que abrigará o Centro de Atendimento ao Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) Dr. Álvaro José de Oliveira. A estrutura foi inaugurada na última sexta-feira,12. Já a usina entrará em operação até o fim deste mês. No mesmo terreno do novo prédio, funciona a sede da APAE da Capital e toda a sua estrutura, em uma área que compreende 5.500 metros quadrados. A usina solar instalada pela Celesc atenderá a todos os prédios. O projeto vai proporcionar à instituição uma economia de até 70% na conta de energia. 

“Para a Celesc, é de grande importância quando as APAEs, hospitais e outras entidades sociais participam das nossas chamadas públicas e são beneficiadas, proporcionando energia de qualidade e conforto à população atendida por essas instituições. Este projeto tem como objetivo dar eficiência total ao sistema de iluminação do novo prédio da APAE de Florianópolis”, afirmou o gerente de projetos do Departamento de Eficiência Energética da Celesc, Rodrigo José Hoffmann. 

Hoffmann explicou que o sistema de placas fotovoltaicas possui potência de 52,89 kWp e é composto de um inversor trifásico On Grid de 60 kW e 129 módulos solares policristalinos de 410 Wp. Além da instalação da usina solar, a companhia realizou a substituição de 492 lâmpadas de baixa eficiência e alto consumo por modelos de tecnologia a LED, que apresentam duração de aproximadamente 15 anos e menor consumo de energia em comparação a modelos de vapor de sódio, mercúrio ou de vapor metálico, consideradas energeticamente ineficientes por durarem, em média, cinco anos. 

Atualmente, a APAE Florianópolis atende a cerca de 640 portadores de deficiência intelectual e ou múltipla. Com a inauguração do prédio, esse número chegará a 890 pacientes, somados a 169 funcionários. 

“O impacto dessa usina é excelente para a APAE. Além de ficarmos praticamente autossustentáveis em relação à energia, o que representará uma economia financeira importante, o projeto também oferece energia limpa, o que contribui com o meio ambiente. Estamos muito felizes de termos sido contemplados por esse projeto da Celesc”, destacou o presidente da APAE, Ricardo de Souza Mendonça. 

Programa de Eficiência Energética 

Os investimentos da Celesc no Programa de Eficiência Energética nos últimos dois anos superaram os R$ 40 milhões, beneficiando cerca de 40 instituições, como universidades, hospitais, obras de iluminação pública, indústrias e órgãos públicos. Além dessas instituições, mais de 10 mil clientes de baixa renda foram atendidos com ações visando à troca de lâmpadas e chuveiros eficientes.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: imprensa@celesc.com.br 
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 


Fotos: Divulgação / Celesc  

O cenário do estúdio de realidade virtual, no prédio da Administração Central da Celesc, em Florianópolis, tem apenas 20 metros quadrados e simula as mais diversas atuações de eletricistas em redes de distribuição de energia. Ao colocar um óculos de imersão em realidade virtual, o usuário é transportado para o ambiente de trabalho na rua: uma cesta aérea — equipamento acoplado em veículos no qual o eletricista é içado para realizar procedimentos no sistema elétrico —, que pode chegar a 12 metros de altura. A roupa antichamas, as botas, as luvas isoladoras, o talabarte e o cinto de ferramentas completam o equipamento necessário para deixar o contexto ainda mais próximo da experiência real.

O ambiente imersivo, que combina elementos físicos e virtuais, é capaz de simular 14 cenários diferentes e em cada um deles é possível configurar condições climáticas, agravantes técnicos e utilização de equipamentos, por exemplo. Toda a simulação é feita por um computador de alto desempenho que reproduz, no óculos de realidade virtual, uma situação na qual o eletricista em treinamento precisa executar um procedimento operacional. No plano físico, a tecnologia dispõe de acessórios utilizados em campo e a cesta aérea isolada. Outros elementos como postes, redes de distribuição e veículos, são criados diretamente no ambiente virtual.

Enquanto a operação é realizada, todos os movimentos do usuário são captados pelas câmeras instaladas. Os movimentos das luvas e da vara de manobra são transmitidos instantaneamente e projetados, conjuntamente com o cenário selecionado, em duas telas dispostas na sala. Desse modo, o instrutor e os demais profissionais em treinamento podem acompanhar e compartilhar informações sobre as tarefas. O propósito é esta capacitação complemente a presencial, pois é capaz de oferecer uma gama de condições personalizáveis que tornam a experiência do usuário mais completa e diversificada.

A tecnologia de realidade virtual desenvolvida e empregada no campo da capacitação laboral consolidou-se como uma grande aliada de profissionais de diversas áreas. “No caso do Estúdio RV Celesc, o recurso mais importante é a imersão digital com os elementos reais nos diferentes cenários”,onde torna-se possível simular procedimentos, vivenciar a realidade e repassar de uma grande quantidade de conhecimento em um curto espaço de tempo, destaca Eduardo Soldateli, engenheiro eletricista e de segurança do trabalho e coordenador do projeto que deu origem ao estúdio.

A iniciativa faz parte dos projetos de Pesquisa e Desenvolvimento da Celesc. O estúdio foi resultado de uma parceria firmada entre a Celesc e a empresa Matrix Engenharia em Energia, as responsáveis pela expertise do projeto na área de energia elétrica, e o Laboratório de Sistema Integráveis Tecnológico, desenvolvedora do sistema em realidade virtual.

O instrutor de operação de equipamentos, Júlio Lucena, aponta a importância da iniciativa para o setor elétrico. “A Celesc está sendo pioneira no desenvolvimento de uma tecnologia dessa magnitude porque nós temos um sistema onde a imersão é total. Acredito que a empresa dá um salto em inovação e em qualidade de treinamento, pois consegue agregar todas as situações que podem acontecer no dia-a-dia dos profissionais em um ambiente completamente seguro e controlado”, enfatiza o eletricista.

Homologação da tecnologia



O projeto está passando por um processo de correção e de aprimoramento das ferramentas para que possa ser homologado pela companhia. Após a homologação, que deve ser concluída até o fim de 2021, o objetivo é tornar o sistema de treinamento em realidade virtual um produto comercializável pela Celesc. Essa é a segunda etapa do projeto de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) chamada de “Pioneiro Cabeça de Série” que prevê um estudo para inserção da tecnologia no mercado.

Essa tecnologia pode oferecer benefícios ao usuário, ao consumidor e à empresa que implementar a modalidade de treinamento virtual. Para os consumidores, os benefícios poderão ser notados na agilidade e na segurança.

No caso do trabalhador, a grande vantagem proporcionada pela tecnologia será o ganho de conhecimento revertido em segurança e facilidade para executar as ações no ambiente de trabalho. Para o técnico eletrotécnico, Mauro Rodrigo Pereira, a experiência oferece um grande ganho profissional ao levar o treinando a experimentar a sensação da atuação em campo. “Pude operar equipamentos especiais e vivenciar situações de noite e chuva, por exemplo. Isso com certeza traz mais qualidade para o profissional que a Celesc coloca em ação”, relata Pereira.

Com o objetivo de ampliar a quantidade de pessoas que têm acesso a esse conteúdo, a distribuidora irá realizar lives para transmitir os treinamentos e criar um canal de comunicação com os funcionários, para que possam tirar dúvidas e trocar experiências.

Gamificação

Uma forte tendência no ramo da tecnologia é a gamificação de processos profissionais, ou seja, trazer elementos que remetem a um jogo para tornar a prática mais lúdica. Na Celesc, a proposta é implantar um aplicativo onde o eletricista possa realizar os procedimentos operacionais como em um jogo para celular para localização de falhas em redes de distribuição.

A grande vantagem desse sistema, ainda em fase de estudo, é conhecer o perfil do usuário, como numa rede social, saber quais as decisões que ele está tomando para gerar um relatório gerencial e direcionar as ações da empresa para atender o público com mais investimentos, capacitação, campanhas de prevenção de acidentes ou de segurança no trabalho, por exemplo.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: imprensa@celesc.com.br 
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br