Foto: Julio Cavalheiro / Arquivo / Secom

Os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referentes a 2019 indicam que Santa Catarina segue acima da média nacional no Ensino Fundamental e melhorou o desempenho entre os alunos do Ensino Médio, nível que historicamente representa os maiores desafios para a Educação. O levantamento foi divulgado na manhã desta terça-feira, 15. Realizado a cada dois anos, o Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação (MEC), para o medir o desempenho do sistema educacional brasileiro.

O desempenho de Santa Catarina no Ensino Médio era de 4,1 em 2017 e subiu para 4,2 em 2019, alcançando o melhor índice em oito anos nessa faixa etária e dentro da média nacional. O índice calculado pelo INEP varia de 0 a 10 e considera as taxas de aprovação dos alunos com o resultado dos alunos no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

O crescimento se deve ao melhor desempenho dos alunos na prova do Saeb em 2019, em que houve avanço de nota tanto na avaliação de português quanto de matemática. A implementação e ampliação do Ensino Médio Inovador e Ensino Médio Integral em Tempo Integral estão entre os fatores que contribuíram para o resultado positivo.

O secretário de Estado da Educação de Santa Catarina, Natalino Uggioni, ressalta que a expectativa é avançar ainda mais nos próximos levantamentos, já que houve pouco tempo para que as ações iniciadas pela gestão em 2019 impactassem no resultado do Ideb. “A Educação é um investimento de longo prazo, por isso criamos ações para o Estado de Santa Catarina que reflitam na melhoria da educação pelos próximos anos”, frisa Uggioni.

As ações citadas pelo secretário incluem investimentos de R$ 125 milhões em mobiliário, livros e equipamentos de tecnologia, como lousas digitais, computadores e projetores para apoio ao aprendizado dos alunos. Dentro do mesmo investimento, também está a entrega de laboratórios equipados para as disciplinas de matemática e ciências da natureza. Também há ações no campo pedagógico, como a implantação do Novo Ensino Médio, a chamada de 4 mil servidores efetivos em dois anos e os programas de formação continuada dos professores.

Anos iniciais do Ensino Fundamental acima da meta estipulada

O desempenho entre os alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental alcançou índice de 6,5, seguindo o desempenho registrado há dois anos. O resultado esteve acima da média nacional, de 5,9. Além disso, superou a meta de desempenho 6,3, estipulada pelo INEP para 2019 com base no desempenho histórico de Santa Catarina no Ideb.

Já nos anos finais do Ensino Fundamental houve oscilação de 5,2 para 5,1 no desempenho dos alunos de Santa Catarina, apesar do índice permanecer acima da média nacional, de 4,9. O desempenho é reflexo do cenário nacional da educação nessa faixa etária, considerando que apenas sete estados conseguiram atingir a meta para o Ideb de 2019 e nenhum chegou a 6, índice estipulado como meta para Santa Catarina pelo INEP.

Ações para a evolução do quadro

A Secretaria de Estado da Educação (SED) vislumbra a evolução do quadro e a melhoria na aprendizagem pela implementação de um conjunto de ações. Essas iniciativas englobam a gestão e o monitoramento da educação, a garantia de formação continuada aos professores e a prática educacional fundamentada no Currículo Base do Território Catarinense, lançado em 2019 para o Ensino Fundamental e em elaboração em 2020 para contemplar também o Ensino Médio.

Na gestão da Educação, o Sistema de Inteligência de Dados Educação na Palma da Mão, desenvolvido na SED, ampliou as perspectivas de diagnóstico e monitoramento de frequência e desempenho escolar na rede estadual. O uso e aprimoramento contínuo do sistema permitiu que, durante a pandemia, a SED possa monitorar a atividade escolar de aluno por aluno, com os dados fornecidos pela rede de ensino.

Mesmo com a suspensão de aulas presenciais, a implementação do Currículo Base do Território Catarinense para o Ensino Fundamental e a formulação da versão para o Ensino Médio continuam, materializadas em formações continuadas on-line para todos os professores da rede. Apenas nos dois primeiros ciclos de formação do ano ministrados pela Diretoria de Ensino, são 60 webinars com interação entre os docentes de março a novembro. Além de estimativa de pelo menos 55 horas de cursos certificados, que já abrangem mais de 25 mil professores em atividade na rede.

Como particularidade ao Ensino Médio, o secretário Natalino Uggioni reforça que a necessidade de atualização no contexto nacional mobilizou a mudança pelo Novo Ensino Médio. Com a adesão de 120 escolas da rede estadual de ensino em SC em 2020, o modelo contempla ampliação de carga horária, aprofundamento de trilhas de aprendizagem, inserção de projeto de vida e outras formas de agregar significado à jornada do estudante até seu ingresso no mundo do trabalho.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) alterou prazos do Edital nº 03/2020 do Vestibular de Inverno - Processo Seletivo Especial, em especial a data de divulgação do listão de aprovados. Confira a retificação.

Com isso, a lista da primeira chamada será publicada a partir de 14 de outubro no site do processo seletivo, em vez de 28 de setembro. São oferecidas1.040 vagas por 37 cursos de graduação gratuitos.

A mudança ocorreu para que seja possível fazer a conferência manual completa das informações enviadas pelos candidatos, principalmente de quem optou pelo ingresso na modalidade que leva em consideração a média final geral de conclusão do ensino médio.

Além da data de divulgação do listão, a retificação prorroga o prazo para deferimento ou indeferimento da inscrição, para correção de dados por parte dos candidatos e para interposição de recursos.

A Udesc optou por realizar um processo seletivo especial neste Vestibular de Inverno devido à impossibilidade de realizar provas presenciais durante a pandemia de Covid-19. Para participar da seleção da Udesc, o candidato escolheu um dos critérios abaixo:

  • Nota geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): apenas para candidatos que prestaram a prova do Enem em 2016, 2017 ou 2018;
  • Média final do Vestibular da Udesc: apenas para candidatos que prestaram a prova do Vestibular de Inverno 2019 ou do Vestibular de Verão 2020 da Udesc e que não foram reprovados ou eliminados. Todos os candidatos que foram classificados ou aprovados em lista de espera puderam se inscrever, com livre escolha de curso e opção dentro do Programa de Ações Afirmativas;
  • Média final geral de conclusão do ensino médio: apenas para candidatos que já concluíram o ensino médio.

Os aprovados deverão iniciar as aulas pela Udesc no segundo semestre letivo de 2020 da universidade.

Municípios com vagas

Confira onde há oportunidades de estudo da Udesc:

  • Balneário Camboriú (Cesfi): Administração Pública e Engenharia de Petróleo;
  • Chapecó (CEO): Enfermagem e Zootecnia;
  • Florianópolis (Cefid): Educação Física (Bacharelado), Educação Física (Licenciatura) e Fisioterapia;
  • Florianópolis (Esag): Administração, Administração Pública e Ciências Econômicas;
  • Florianópolis (Faed): Geografia (Bacharelado), História (Licenciatura) e Pedagogia;
  • Ibirama (Ceavi): Ciências Contábeis, Engenharia Civil e Engenharia de Software;
  • Joinville (CCT): Ciência da Computação, Engenharia (Civil, de Produção e Sistemas, Elétrica e Mecânica), Física (Licenciatura), Matemática (Licenciatura), Química (Licenciatura) e Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas;
  • Lages (CAV): Agronomia, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Florestal e Medicina Veterinária;
  • Laguna (Ceres): Ciências Biológicas (Biologia Marinha e Biodiversidade) e Arquitetura e Urbanismo;
  • Pinhalzinho (CEO): Engenharia Química;
  • São Bento do Sul (Ceplan): Engenharia de Produção - Habilitação Mecânica e Sistemas de Informação.

Distribuição de vagas

Para cada um dos três critérios do Vestibular de Inverno 2020 da Udesc - Processo Seletivo Especial, há vagas específicas em cada curso oferecido. No curso de Medicina Veterinária, por exemplo, são oferecidas 30 vagas. Dessas, dez serão disputadas por candidatos que optarem pela avaliação da nota geral do Enem, outras dez pela média final do Vestibular da Udesc e as dez restantes pela média final geral de conclusão do ensino médio.

O edital ainda respeitará as políticas de ações afirmativas da Udesc, com reserva de 30% das vagas para candidatos com todo o ensino médio na rede pública e para candidatos negros.

Ou seja, levando em conta o mesmo exemplo de Medicina Veterinária, das dez vagas a serem disputadas por quem optar pela avaliação da nota geral do Enem, duas serão para candidatos que se declararem de escola pública, uma para candidatos que se declararem negros e as sete restantes para não optantes. O mesmo ocorre para as vagas oferecidas nos outros dois critérios do processo seletivo especial.

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas na página oficial do vestibular e com a Coordenadoria de Vestibulares e Concursos (Covest), pelo e-mail vestiba@udesc.brAcompanhe as notícias do vestibular pelo Facebook, pelo Instagram, pelo Twitter e pela Udesc em Rede.

Confira todas as ações desenvolvidas pela Udesc no combate à pandemia do novo coronavírus no site udesc.br/coronavirus.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010  


Foto: Divulgação/SED

Com foco no ensino inovador, 307 escolas da rede estadual de ensino receberam, na última semana, lousas digitais adquiridas pela Secretaria de Estado da Educação (SED) para uso de alunos e professores. A expectativa é de que 141 mil estudantes poderão aprender de forma mais interativa e interessante com os equipamentos, durante as atividades virtuais ou no retorno das atividades presenciais.

As entregas de lousas digitais, que devem seguir na próxima semana e fazer com que o equipamento esteja em todas as escolas da rede estadual, são parte do esforço da SED em intensificar as entregas de materiais e equipamentos durante o período de suspensão de aulas presenciais. O objetivo é equipar as unidades de ensino para que os alunos encontrem um ambiente com mais recursos pedagógicos quando retornarem para as atividades presenciais.

O investimento está incluído no eixo Educação Inovadora do Programa Minha Nova Escola, do Governo do Estado. Em menos de dois anos, já foram aplicados R$ 39 milhões para adquirir equipamentos tecnológicos para todas as escolas da rede estadual, incluindo lousas digitais, computadores, notebooks e tablets. Também houve investimento de R$ 86,7 milhões para aquisição de laboratórios de química, física, matemática e biologia para escolas, além da compra de mobiliário e materiais escolares.

Gestores comemoram entrega das lousas às escolas

Para Karla Scarpato, diretora da EEB Professor Padre Schuler, em Cocal do Sul, a chegada das lousas vai tornar as aulas mais dinâmicas e criativas, o que vai impactar também na participação dos alunos. Segundo ela, é importante que a escola e a educação acompanhem o avanço da tecnologia “porque, aliada às ferramentas de trabalho que temos na escola, a lousa pode facilitar e otimizar o trabalho, tornando o processo de ensino e aprendizagem muito mais rápido, ágil e, principalmente, interativo".

Em Chapecó, a diretora da EEB Professora Zitta Flach, Keila Dillmann, destaca que a chegada das lousas digitais muda o processo de ensino na escola: "se antes a sala de aula tinha apenas quadro branco, pincel e apagador, agora tem uma tecnologia complementar, que agrega na interação entre professor e alunos". O objetivo, conforme a gestora, é de qualificar o ensino e tornar as aulas mais prazerosas e diversificadas.

Já Reginalda Rossi, gestora da EEB Udo Deeke, na cidade de Treviso, logo pensou na inovação para as aulas de ciências. Segundo a gestora, a tecnologia versátil das lousas facilita a prática pedagógica, possibilitando, por exemplo, uma visualização mais realista do corpo humano.

Saiba como as lousas digitais irão contribuir com o ensino

O coordenador de tecnologias educacionais e inovação da Diretoria de Ensino da SED, Luiz Alessandro da Silva, elenca alguns benefícios das lousas digitais: facilitar a prática pedagógica dos professores, que podem projetar e usar conteúdos de diversas formas; potencializar a aprendizagem, trazendo recursos diferenciados para aproximar os alunos dos conhecimentos adquiridos em sala de aula; estimular o aprendizado e o trabalho em grupo; permitir que o professor opere softwares, apresente e edite imagens, mostre vídeos, navegue na Internet, entre outras atividades.

“A lousa digital é um exemplo de tecnologia educacional que pode ser incorporada rapidamente ao plano de aula para reforçar os conteúdos curriculares transmitidos em sala, dando mais dinamismo para o processo de ensino e aprendizagem. Por ser um recurso versátil e de fácil manuseio, oferece uma série de benefícios tanto para os professores como para os alunos, que ficam mais atentos às aulas e curiosos com a utilização”, destaca Luiz Alessandro.

A Coordenadoria de Tecnologias Educacionais está planejando uma série de webinars para os professores até o fim do ano, com foco em como preparar uma aula usando esses recursos tecnológicos. Antes disso, haverá treinamentos técnicos nas escolas para que os profissionais da educação aprendam a utilizar os equipamentos.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 


Foto: Divulgação/Udesc

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) abriu nesta quarta-feira, 9, as inscrições do Processo Seletivo nº 04/2020 para 34 vagas de professor substituto em sete municípios: Balneário Camboriú, Chapecó, Florianópolis, Ibirama, Joinville, Laguna e São Bento do Sul.

Acesse a página oficial para conferir o edital e se inscrever. As oportunidades são temporárias, com prazo de até quatro anos, em diversas áreas do conhecimento. Os salários variam conforme titulação e horas contratadas.

As inscrições podem ser realizadas até 18 de setembro pelos candidatos doadores de sangue e/ou medula, com isenção da taxa, e até 23 de setembro pelos demais candidatos, por pagamento de boleto, no valor de R$ 100.

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail comodo.proen@udesc.br.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010  


Fotos: Sicilia Vechi / SED

O secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni, entregou a reforma da Escola de Educação Básica Professora Zulma Becker, no município de Santo Amaro da Imperatriz. O ato ocorreu na manhã desta sexta-feira, 4, e contou com a presença do secretário adjunto, Vitor Fungaro Balthazar, de autoridades do município, da diretora da unidade de ensino, Elaine Machado Silveira, de representantes dos alunos, da Associação de Pais e Professores e da Coordenadoria Regional de Educação. A obra teve investimento de R$ 650 mil, com recursos do Governo do Estado.

A reforma incluiu troca de telhado, mudança do piso, implantação do laboratório de tecnologia com computadores e lousa digital, alteração das instalações elétricas, regularização de projetos e adequações para garantir mais acessibilidade.

“Além de realizar a entrega destas melhorias em infraestrutura e recursos tecnológicos, queremos parabenizar a gestão pela dedicação e pela participação da comunidade escolar, fundamentais para alcançarmos uma educação de qualidade. Quando nossos alunos puderem voltar à escola, em total segurança, vão encontrá-la preparada, com um plano de contingência desenvolvido especialmente para a educação, a fim de garantir a saúde na retomada”, ressaltou Uggioni.

A estudante Maria Luiza, do 8º ano, representou os alunos no evento. “Sentimos saudades da escola. Considero estudar aqui uma grande oportunidade, pela qualidade do ensino e as lições que vamos levar por toda a vida”, declarou.

Última reforma havia sido realizada há 20 anos

As melhorias na estrutura beneficiarão os 373 estudantes, matriculados em 14 turmas do primeiro ao nono ano do Ensino Fundamental. A diretora da escola comemorou a entrega da reforma, algo que era esperado há 20 anos pela comunidade escolar. Elaine destacou que, se antes a unidade não tinha nenhum computador para uso dos alunos, agora tem uma sala de tecnologia equipada com computadores e lousa digital para aumentar ainda mais a qualidade de ensino da escola.

“Eu acredito que os alunos e professores vão receber as mudanças com bastante alegria quando voltarem a frequentar a escola. A gente esperava há muito tempo por uma reforma, já que a última havia sido em 2000, e agora a nossa escola pode reviver. Ela está praticamente novinha, o que traz uma energia muito boa para motivar os alunos e professores a fazerem um trabalho ainda melhor”, comemorou a diretora.

A gestora frisou o comprometimento do corpo docente e de toda a equipe técnica com o processo de ensino e aprendizagem, o que fez a unidade alcançar a primeira colocação do Ideb nos anos finais do Ensino Fundamental entre as estaduais catarinenses.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 

 



Pelo segundo ano seguido, a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) foi classificada entre as melhores universidades do mundo no ranking da organização Times Higher Education (THE). A lista de 2020 avaliou 1.527 universidades de 93 países. Acesse o ranking.

"A presença da Udesc no ranking global da THE pelo segundo ano consecutivo é um excelente indicativo de que nossa universidade está se firmando cada vez mais no cenário internacional", destaca o reitor, Dilmar Baretta.

Para que a intituição avance ainda mais nesse contexto, Baretta anuncia reforço nas ações de ensino, pesquisa, extensão, inovação e intercâmbio em parceria com diversas instituições de outros países. 

Universidades brasileiras

Liderada pela britânica Universidade de Oxford pelo quinto ano seguido, a nova lista tem 52 universidades brasileiras, seis a mais do que no ano passado. Após escalar do nono ao sétimo lugar em 2019, o Brasil subiu mais uma posição e é o sexto país com maior número de instituições no ranking, na frente de Itália e Espanha.

A Udesc foi classificada na faixa de mais de 1.001, mesmo resultado obtido do ano passado (a partir da posição 200, a classificação é feita em grupos). Dentre as 52 universidades brasileiras ranqueadas – sendo 35 federais, 11 estaduais e seis particulares – a Udesc está na 14ª posição. 

Dimensões avaliadas

O levantamento da THE é elaborado a partir de 13 indicadores que abordam cinco dimensões: ensino, pesquisa, citações de artigos científicos, transferência de tecnologia e internacionalização.

Para o ranking deste ano, foram analisadas mais de 80 milhões de citações em mais de 13 milhões de publicações científicas e aplicados questionários com 22 mil acadêmicos em todo o mundo.

Outros rankings

A Udesc também ganhou destaque neste ano em dois outros rankings elaborados pela THE: no Latin American University Ranking, levantamento de melhores instituições de ensino superior da América Latina, a universidade estadual foi classificada na 92ª colocação, melhorando sua posição em relação ao ano anterior. A lista foi divulgada em julho.

Já no Golden Age University Rankings, que avalia instituições entre 50 e 75 anos de existência, a Udesc foi classificada no estrato 250-300. Foi a primeira vez que a instituição figurou na lista, divulgada em junho. No mês seguinte, a Udesc recebeu uma moção de aplauso dos deputados da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc) pela conquista.

Saiba mais no site da THE.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010  


Foto: Renan Medeiros / Arquivo / Secom

Os mais de 500 mil alunos da rede estadual de ensino serão avaliados por semestre e não por trimestre, no letivo de 2020, em função do modelo especial adotado por causa da pandemia do novo coronavírus. A proposta foi repassada aos mais de 2.500 gestores, servidores técnico-administrativos e equipe pedagógica das escolas estaduais, no fim da tarde desta segunda-feira, 31.

O secretário da SED Natalino Uggioni participou da abertura da reunião virtual e destacou a importância das orientações: “São ações como essa reunião de hoje que têm fortalecido nosso alinhamento com as equipes gestoras das regiões e das escolas”. A definição desse processo de avaliação, conforme o secretário, aponta para uma retomada de atividades presenciais diferente de como eram as aulas em fevereiro e que compreende um período de resgate e reforço na aprendizagem.

Em 2020, a frequência dos alunos será medida a partir da realização e entrega das atividades não presenciais. Os estudantes que apresentarem mais dificuldades, cujas médias em todas as disciplinas estejam abaixo de 6 no semestre, apenas terão acesso às notas com a solicitação dos pais ou responsáveis, para que seja realizada uma recuperação do processo de aprendizagem. As escolas têm autonomia para buscar o melhor formato de recuperação para os alunos que necessitarem.

Na visão da diretora de Ensino em exercício, Maria Tereza Paulo Hermes Cobra, a proposta é que a avaliação seja ainda mais democrática, responsável e inclusiva neste momento atípico pelo qual a educação catarinense passa: “Enquanto rede estadual estamos dando um passo na continuidade desse movimento comprometido com o estudante e com o percurso pedagógico definido pelo nosso professor”, pondera.

A avaliação semestral terá como referência os períodos de fevereiro a agosto e de setembro a dezembro. E o fechamento das notas e conceitos do primeiro semestre será realizado até o dia 18 de setembro, quando devem ter ocorrido os conselhos de classe escolares. Eles darão ainda mais suporte à avaliação em 2020. De maneira colegiada, os professores poderão compartilhar experiências para ampliar o conjunto de estratégias diversificadas e proporcionar acesso e aprendizagem aos estudantes.

As instruções documentadas foram enviadas formalmente às 36 Coordenadorias Regionais de Educação na semana passada e, após a disseminação das informações, têm sido acolhidas sugestões sobre os casos específicos, para que a SED realize as adequações necessárias no Sistema de Gestão Educacional de Santa Catarina (Sisgesc).

Primeiro semestre é diagnóstico para (re)planejar percurso

Na avaliação do ano letivo de 2020, o fechamento do primeiro semestre representa o diagnóstico do percurso formativo dos estudantes. O período serve para orientar o (re)planejamento de estratégias pedagógicas que viabilizem ampliação do acesso e aprendizagem de todos os estudantes ao longo do segundo semestre. Isso exige a intensificação da busca ativa pelas escolas e a garantia de recuperação paralela aos estudantes que, por diversos motivos, não participaram das atividades escolares no primeiro semestre.

De acordo com o conceito, as notas referentes a esse período do ano letivo podem mudar. Médias publicadas ou que estiverem em aberto, no primeiro semestre, poderão ser reconsideradas até o final de 2020, junto com a divulgação da média anual. Os processos avaliativos de cada escola deverão ser amplamente comunicados às famílias, com os objetivos esclarecidos dentro do atual contexto de pandemia.

Como explica a diretora Maria Tereza, neste momento é necessário avaliar o que foi desenvolvido desde o início do ano letivo. “A avaliação escolar possibilita verificar se o que foi planejado e ensinado foi aprendido pelo estudante, ou seja, ela auxilia na identificação de avanços e lacunas para (re)definição de estratégias que permitam dar continuidade ao processo de ensino-aprendizagem”.

Preocupação com aumento de abandono escolar

As orientações elaboradas pelo grupo de trabalho da SED para a rede estadual de ensino consideram a realidade apresentada pelas 36 regiões de ensino catarinenses, em os estudantes vêm sendo acompanhados individualmente pelas escolas, por meio das entregas de atividades on-line e impressas elaboradas pelos professores, desde o dia 6 de abril, quando iniciou o regime especial de atividades não presenciais na rede estadual de SC.

A SED determinou que os critérios e mecanismos de avaliação considerem os objetivos de aprendizagem alcançados e busquem evitar um aumento de reprovação e abandono escolar em meio ao contexto da pandemia. Além da avaliação efetuada por cada professor, as escolas deverão preencher um roteiro avaliativo para todas as turmas, detalhando qualitativa e quantitativamente o aproveitamento dos alunos, por meio de um questionário com 15 perguntas.

Orientações do Conselho Nacional e Estadual de Educação

O regime especial de atividades escolares não presenciais em Santa Catarina, instituído pela portaria nº 924/2020, define a manutenção das atividades pedagógicas sem a interação de estudantes e professores nas dependências escolares, no âmbito da rede pública estadual, para cumprimento do calendário letivo do ano de 2020. Todas essas definições da rede estadual seguem as orientações do Conselho Nacional de Educação (pareceres CNE nº 5 e 11) e do Conselho Estadual de Educação (pareceres CEE nº 146, nº 179, nº 301 e as resoluções nº 009, nº 019 e nº 049).​

Informações adicionais para imprensa:
Sicilia Vechi
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0353 / (48) 3664-0353 / 99132-5252
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / Udesc

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) lançou sua nova edição do Catálogo dos Grupos de Pesquisa. Acesse a publicação digital. O catálogo apresenta 201 grupos certificados pela universidade no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A nova publicação visa dar maior visibilidade às pesquisas e ações científicas desenvolvidas pela instituição, além de evidenciar sua interação com a sociedade e o quanto contribui no avanço das fronteiras do saber científico.

O catálogo foi produzido pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG), com apoio da Secretaria de Comunicação (Secom). A publicação tem 222 páginas e distribui os grupos de pesquisa em oito grandes áreas:

  • Ciências Agrárias (37 grupos)
  • Ciências Biológicas (6 grupos)
  • Ciências da Saúde (25 grupos)
  • Ciências Exatas e da Terra (21 grupos)
  • Ciências Humanas (30 grupos)
  • Ciências Sociais Aplicadas (26 grupos)
  • Engenharias (38 grupos)
  • Linguística, Letras e Artes (18 grupos)

As informações listadas de cada grupo incluem as listas de pesquisadores e líderes, linhas de pesquisa e repercussões, além das datas de certificação do CNPq.

Evolução

A pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Udesc, Letícia Sequinatto, destaca a evolução da universidade nessa área: com apenas um curso de pós-graduação stricto sensu em 1995, avançou para os atuais 50 cursos, sendo 35 mestrados e 15 doutorados.

"Hoje, são 32 programas em que a Udesc é a coordenadora da proposta e mais quatro em que participa. Além disso, a universidade tem quatro cursos de especialização, que, por meio das pesquisas que desenvolvem, contribuem para o crescimento da produção científica e a integração com a sociedade", afirma Letícia.

"De 2012 para 2020, houve um crescimento de 70% no número de grupos de pesquisa certificados pela Udesc. É um aumento significativo, que representa o fortalecimento da pesquisa na instituição, fruto principalmente da qualificação dos docentes, da captação de recursos externos, da ampliação das redes de pesquisa e notoriamente do Programa de Apoio a Pesquisa (PAP), que ocorre em parceria com a Fapesc. Esse conjunto de fatores favoreceu a produtividade técnico-científica docente e consequentemente o número de cursos de pós-graduação", ressalta a pró-reitora.

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail cpe.reitoria@udesc.br.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010  


Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

Dois centros da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), de Laguna e de Balneário Camboriú, firmaram parceria para oferecer a nova edição do Pré-Vestibular Comunitário pelo ambiente virtual de aprendizagem Moodle. As inscrições para 120 vagas gratuitas, sendo 60 de cada unidade, estarão abertas até 21 de setembro. Para se inscrever, acesse o formulário de Laguna ou o formulário de Balneário Camboriú.

A iniciativa conjunta do Centro de Educação Superior da Região Sul (Ceres) e do Centro de Educação Superior da Foz do Itajaí (Cesfi) busca atender um número ainda maior de alunos.

"Por conta da pandemia, o curso pré-vestibular de Laguna ofereceu aulas virtuais [no primeiro semestre] e, sabendo de nossa iniciativa, o cursinho de Balneário Camboriú entrou em contato. Acabamos nos aproximando e decidindo unir forças para trabalhar em conjunto", conta a técnica universitária Ana Elise Cardoso Inacio, da Direção de Extensão da Udesc Laguna.

Enquanto o curso de Laguna é coordenado por Ana Elise, com o apoio da diretora de Extensão, Michelle Benedet, a iniciativa de Balneário Camboriú é coordenada pela técnica universitária Anna Paola Pio, com o apoio do diretor de Extensão, Luiz Filipe Reinecke.

Aulas online

As vagas se destinam prioritariamente aos alunos de escola pública ou alunos de escola particular com bolsa integral que já tenham concluído ou que estejam cursando o terceiro ano do ensino médio.

"As aulas ocorrerão de forma síncrona, de segundas a sextas-feiras, no ambiente virtual de aprendizagem Moodle, e serão totalmente gratuitas com material incluso", explica Ana Elise. Os estudantes selecionados participarão do cursinho entre 28 de setembro e 18 de dezembro.

Construção de parcerias

Segundo o diretor de Extensão da Udesc Balneário Camboriú, a ideia é estabelecer uma rede de colaboração entre os centros da universidade. "Além da parceria entre Ceres e Cesfi, estão sendo realizadas reuniões com a Udesc Lages para que haja integração entre os três cursos de pré-vestibular", destaca Luiz Filipe Reinecke.

A junção dos cursos permite maior oferta de vagas na modalidade a distância e contribui para a troca de experiências entre os centros e o aprimoramento da iniciativa. "Estamos construindo uma agenda de formação dos professores para auxiliar na preparação de aulas do ensino a distância", afirma Reinecke. 

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas nos sites dos cursinhos (Udesc Laguna Udesc Balneário Camboriú) e pelos e-mails dex.ceres@udesc.br dex.cesfi@udesc.br.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010  


Imagens: Divulgação / SED

Uma pesquisa do Instituto Datafolha sobre a educação não presencial constatou que 96% dos alunos da rede pública da região Sul do Brasil receberam atividades remotas, acima do alcance nacional de 82%. O percentual de estudantes da região Sul que fizeram alguma das atividades enviadas pela escola na semana anterior ao levantamento foi de 90%, enquanto a média brasileira foi de 68%. A pesquisa foi encomendada pela Fundação Lemann, Itaú Social e Imaginable Futures.

O levantamento de julho foi o terceiro ciclo feito pelo Datafolha com objetivo de identificar se os estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública estão recebendo, acessando e realizando as atividades remotas durante a pandemia no Brasil. Elaborada a partir de entrevistas com pais ou responsáveis de estudantes, a pesquisa também aprofunda algumas percepções, como a região Sul ter mais alunos adaptados ao sistema e maior protagonismo dos professores.

Apesar de não detalhar as informações por estado, a pesquisa reforça os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Educação (SED) a partir dos levantamentos feitos em Santa Catarina junto às Coordenadorias Regionais de Educação e com apoio da plataforma Google Classroom. O levantamento feito em 7 de julho pela SED indicou que 522 mil de 537 mil alunos da rede estadual, correspondente a 97%, realizam as atividades não presenciais.

“A pesquisa confirma os bons números que temos alcançado em Santa Catarina, que está entre os maiores percentuais do país em alcance e participação nas atividades não presenciais. Seguimos trabalhando com o firme propósito de mantermos nossos alunos interessados nos estudos para que tenham vínculo permanente com sua escola e com seus professores, de modo a minimizarmos ao máximo o risco de evasão”, destaca o secretário de Estado da Educação, Natalino Uggioni.

Celular é a mídia mais usada para fazer as atividades

A pesquisa do Datafolha detalha ainda as mídias usadas pelos estudantes. A constatação é que 77% dos alunos da região Sul fizeram as atividades pelo celular, 76% por materiais impressos, 57% pelo computador e 26% pela TV.

Em relação aos professores, para 82% dos pais e responsáveis na região Sul, os docentes corrigem as atividades não presenciais, enquanto 74% percebem que os alunos recebem apoio dos professores para fazer as atividades. O índice está acima das demais regiões e da média nacional, em que 69% afirmaram que os professores corrigem as atividades e 65% que os professores apoiam os estudantes para tirar dúvidas.



Em SC, a SED criou capacitações e disponibilizou plataformas para que o docente possa escolher como deseja lecionar aos alunos durante o período em que estão distantes da sala de aula.

Além disso, houve aumento do índice de pais e responsáveis na região Sul que consideram que os estudantes estão motivados para fazer as atividades. O percentual era de 43% em junho e subiu para 55% na pesquisa de julho, atrás apenas da região Nordeste. O índice nacional é de 49%.

Um quarto dos alunos tem mais envolvimento com o sistema não presencial

Outro dado da pesquisa é que 24% dos alunos na região Sul estão mais envolvidos com as atividades escolares do que costumavam estar no período anterior ao isolamento social. Além do Sul ser a região com o maior percentual, supera o índice nacional, que é de 18%. Outros 17% seguem tão envolvidos quanto antes, 41% estão menos envolvidos do que estavam antes do isolamento social e 17% perderam o interesse.

A região Sul também tem o menor percentual de pais e responsáveis com medo do estudante desistir da escola, índice de 29%.

Dados de equipamentos por alunos na região Sul

Por fim, a pesquisa do Datafolha elenca o acesso dos estudantes a equipamentos para fazer as atividades remotas. Na região Sul, 98% dos alunos têm equipamentos com acesso à internet (computador, notebook, tv e celular), sendo que 66% têm para uso individual e 31% dividem o aparelho. Entre os estudantes da região, 59% possuem computador ou notebook, 63% TV com acesso à internet e 97% celular com acesso à internet.

O índice de estudantes com acesso à internet banda larga no domicílio é de 80% na região Sul, enquanto o índice nacional é de 64%. O dado é próximo do retrato da rede estadual de Santa Catarina, em que os pais e responsáveis de 18% dos alunos marcaram na matrícula não ter acesso à internet em casa, informação usada para desenvolver o sistema de atividades não presenciais no Estado.

Modelos de ensino remoto implementado em SC

O sistema de atividades não presenciais foi implementado a partir de 6 de abril no estado, com enturmações realizadas na plataforma on-line do Google Classroom e a entrega de atividades impressas na escola, adaptadas do plano de ensino pelos professores. Antes disso, os alunos ainda tiveram à disposição uma página com recursos digitais de aprendizagem para manter a aprendizagem e o vínculo com a escola.

Dados da pesquisa

A pesquisa Datafolha tem abrangência nacional, com 1.056 entrevistas de pais ou responsáveis de estudantes de escolas públicas municipais e estaduais brasileiras, com idade entre 6 e 18 anos.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br