Foto: Ricardo Wolffenbuttel /Secom

Com a presença do governador Carlos Moisés e do ministro da Educação, Milton Ribeiro, o município de Blumenau inaugurou nesta sexta-feira, 14, um novo Centro de Educação Infantil. A unidade fica no bairro Passo Manso e tem capacidade para 94 vagas integrais ou 188 vagas parciais e foi construída com recursos do Governo Federal e da prefeitura, totalizando mais de R$ 1,5 milhão. Durante o evento foi destacada a parceria com o Governo do Estado em outras ações, como o enfrentamento da pandemia. 

O governador elogiou a estrutura e o trabalho conjunto que possibilitou concluir a obra. "Esse é o sentido de servir e, por isso, o Governo do Estado quer fortalecer a parceria com os municípios, com o Governo Federal, para que possamos fazer as entregas que os catarinenses precisam. Que nesta escola, na rede estadual de ensino e na educação de Santa Catarina esteja a chance de um futuro melhor para os homens e mulheres que ajudarão a construir a história", afirma Carlos Moisés. 

Em seu discurso, o ministro Milton Ribeiro destacou que parcerias como essa devolvem a esperança e ajudam a resgatar a qualidade do ensino público. "Falo isso porque sou grato à educação pública, mas, por decisões de gestão equivocadas, percebo que o sistema não tem mais a qualidade que tinha no tempo em que muitos de nós éramos estudantes da rede. O exemplo de hoje mostra que Blumenau vem fazendo bem esse caminho de recuperar a referência de qualidade na educação pública", enaltece Ribeiro. 

O prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt, agradeceu as presenças do governador e do ministro e reforçou o pedido de união para a realização de outras obras e a superação de desafios. "Hoje contamos com a participação do Governo Federal para cumprir nosso compromisso com a qualidade da educação infantil e a presença do Governo do Estado traz sempre a expectativa de parceria também em outros setores". 

Hildebrandt fez referência ao secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro,que estava presente no evento, pela condução do trabalho de enfrentamento à pandemia. "Há bem definidos os períodos antes e depois do André. Com ele à frente da Secretaria de Estado da Saúde tem debate, tem diálogo, tem ação e resultado", frisa o prefeito de Blumenau ao citar a importância do trabalho de ampliação de leitos de UTI para o tratamento da Covid-19 no município. 

Os secretários da Educação, Luiz Fernando Vampiro, e da Articulação Nacional, Lucas Esmeraldino, acompanharam a solenidade. Os deputados estaduais Coronel Mocellin, Ismael dos Santos e Ricardo Alba também estavam presentes.

CEI homenageia Elisabete Anderle 

O Centro de Educação Infantil inaugurado nesta sexta-feira, 14, em Blumenau, leva o nome de Elisabete Nunes Anderle. Ela era professora aposentada e faleceu de câncer em março de 2008, aos 60 anos. 

Elisabete Anderle foi secretária de Estado da Educação no período 2006/2007 e presidente da Fundação Catarinense de Cultura, período 2007/2008. Era viúva do renomado professor Jacó Anderle, ex-professor da UFSC e também ex-secretário de estado da Educação. Atuante em diversas organizações governamentais e não governamentais pela causa da infância e da juventude, Elisabete foi ainda militante em defesa dos direitos da mulher. 

Outros investimentos 

Com a parceria do Governo do Estado, ao longo desta semana, a Coordenadoria Regional de Educação (CRE) de Blumenau recebeu mesas para refeitório, aparelhos e suportes de televisão, além de computadores. O investimento totaliza mais de R$ 630 mil. Nas próximas semanas também está prevista a entrega da EBB Senador Evilasio Vieira. A SED aguarda apenas a aprovação e liberação pelos órgãos competentes,  da adequação de projeto solicitado pelo Corpo de Bombeiros e prefeitura. A estrutura conta com recursos de mais de R$ 11 milhões.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Divulgação / SED

O governador Carlos Moisés e o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, apresentaram ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, o panorama das atividades presenciais e demais ações da área em Santa Catarina. O encontro ocorreu na noite desta quarta-feira,13, em Blumenau e incluiu outras demandas para o Estado.

Entre as solicitações está o pedido de implementação de novas escolas cívico-militares em Santa Catarina, nos municípios de Lages, Jaraguá do Sul e Camboriú. Atualmente, Santa Catarina possui sete unidades neste modelo, duas delas implantadas em 2020, três em 2021 e mais duas em fase inicial de adesão.

Além de agradecer Milton Ribeiro pela parceria com o Estado, o governador Carlos Moisés ressaltou a importância e o resultado da implementação das escolas cívico-militares. "Esse modelo realmente tem dado muito certo em Santa Catarina. Havendo a possibilidade, o Estado é parceiro para avançar neste projeto."

Luiz Fernando Vampiro destacou os desafios enfrentados por Santa Catarina para a volta às aulas presenciais, que contou com o trabalho de 14 entidades. “Nós criamos em 2020 o plano de contingência para a Covid-19 em um trabalho elaborado por 15 entidades. Mesmo com a grave crise de Covid-19, nós conseguimos uniformizar desde a Educação Infantil, passando pela Educação Especial, o Ensino Fundamental, o Ensino Médio até às universidades, sejam elas públicas ou privadas. Todas respeitaram este documento.”

Outro pedido foi entregue ao presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Marcelo Lopes da Ponte. O documento menciona investimentos em áreas como o transporte escolar, os Centros de Educação Profissional (CEDUPs), a construção de quadras de esportes em escolas da rede estadual e ações relacionadas à Polícia Estadual de Alfabetização. 

O encontro também teve a presença do deputado estadual Ismael dos Santos, do secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, do secretário de Articulação Nacional, Lucas Esmeraldino, além de prefeitos, vereadores e outras autoridades.

Panorama de Santa Catarina

As aulas presenciais em Santa Catarina foram retomadas no dia 18 de fevereiro, data do início do ano letivo de 2021. Desde então, não houve nenhuma paralisação do ensino no estado. A Secretaria de Estado da Educação segue monitorando os casos de Covid-19 e adotando as medidas estabelecidas pela Nota Informativa nº 002/2021. Os estudantes podem optar pelo ensino 100% presencial, híbrido ou 100% remoto.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 / (48) 99698-4543
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

O governador Carlos Moisés reforçou em reunião com o colegiado estadual na manhã desta quarta-feira, 12, que Santa Catarina pretende priorizar a vacinação dos profissionais da Educação dentro do próximo grupo prioritário. De acordo com o Censo Escolar (Inep), a estimativa é que 195 mil professores e demais profissionais das instituições de ensino Básico e Superior poderão ser imunizados.

O chefe do Executivo estadual afirmou que a iniciativa é um reconhecimento ao esforço dos professores para manter o ensino e o ano letivo em dia, mesmo durante a pandemia. “Nós entendemos a necessidade e a importância da inclusão dos educadores no programa de imunização para que tenhamos ainda mais segurança. Nossos professores estão em sala de aula desde o dia 18 de fevereiro, diferente até de outros estados”, frisou Carlos Moisés.

O secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, afirma que a inclusão dos profissionais da área entre os grupos prioritários de vacinação é importante para dar continuidade ao atendimento presencial dos estudantes, que não foi interrompido durante todo o ano letivo de 2021 e segue protocolos rígidos de segurança e monitoramento.

Vampiro também explicou sobre os critérios utilizados para elaboração do Plano de Vacinação, com preferência aos profissionais que atuam com crianças que têm maior dificuldade de seguir os regramentos sanitários, principalmente o uso de máscaras e o distanciamento social. Informou ainda que o cadastro dos profissionais foi elaborado em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e da Federação Catarinense de Municípios (Fecam).

“A ação é muito importante, é fundamental. Desde o dia 18 de fevereiro estamos em aulas presenciais, somos precursores no país. Por isso os professores e os educadores merecem esse nosso respeito e a nossa responsabilidade em priorizá-los”, destacou o Vampiro.

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, salientou que Santa Catarina tem acompanhado o Plano Nacional de Imunização, que tem quatro fases. “Dentro dessas fases está a vacinação dos profissionais da área da educação e nada mais justo que para um estado que já iniciou educação presencial desde fevereiro que a gente atenda a esta demanda. A SES, por determinação do governador e em conversas com a SED, definiu incluir a categoria nos grupos prioritários e conforme calendários técnicos.”

Planejamento

Para imunização dos profissionais da Educação Infantil, serão necessárias cerca de 35 mil doses, na soma entre os que atuam em creches e na pré-escola (crianças de 4 a 6 anos). Para os momentos em que a quantidade de doses disponíveis for menor que a necessária, a SED prevê a possibilidade de subdivisão dos grupos por idade, o que permite o início rápido e a continuidade da aplicação das vacinas.

A definição da data de início da imunização depende do número de vacinas que devem chegar a Santa Catarina nos próximos dias, de acordo com o Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro. “A data é de acordo com a disponibilidade. Nós temos um problema hoje no mundo inteiro em relação ao quantitativo de doses e iremos à Brasília discutir isso com o Ministério da Saúde, para garantir doses para todas as fases prioritárias, incluindo a Educação do Estado de Santa Catarina.”

Critérios do Plano de Vacinação

1º grupo - Profissionais que atuam no atendimento presencial

  • Educação Infantil (professores e auxiliares);
  • Educação Especial;
  • Equipe técnica, administrativa e pedagógica (gestão, limpeza, alimentação, orientadores de convivência);
  • Ensino Fundamental (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras);
  • Ensino Médio (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras);
  • Ensino Superior.

2º grupo - Profissionais que atuam em Atividade Remota

(A ordem seguirá as etapas de ensino da vacinação do 1º grupo)

  • Profissionais que são do Grupo de Risco para a Covid;
  • Profissionais que atuam em atividade remota, EAD ou similares.

Cadastramento dos profissionais

Após apresentar a proposta para o Plano de Vacinação dos profissionais de Educação de Santa Catarina, a SED elaborou um sistema de cadastro junto às secretarias municipais para identificar a quantidade de doses necessárias para imunização de todo o grupo. O prazo para a realização dos cadastros terminou nesta terça-feira, 11, e até o fim desta quarta, 12, os dados serão organizados de forma segmentada de acordo com os seguintes critérios:

Totais gerais e por municípios

  • Atuação presencial/remota;
  • Área de atuação por ordem de vulnerabilidade conforme o desenho do Plano de Vacinação;
    Idade;
  • Quantos dos profissionais da Educação já tomaram a vacina e/ou fazem parte do grupo de comorbidades.

    Informações adicionais para imprensa:
    Gabriel Duwe de Lima
    Assessoria de Comunicação
    Secretaria de Estado da Educação – SED
    Fone: (48) 3664-0347 / (48) 99698-4543
    E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
    www.sed.sc.gov.br 

 


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Em reunião do colegiado estadual na manhã desta quarta-feira, 12, o governador Carlos Moisés e o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, anunciaram investimento para que todas as 1.064 escolas da rede estadual de ensino tenham vigilância humana. Também foi apresentado o Programa Aprendizagens na Cultura Digital, que prevê a distribuição de notebooks para uso pedagógico aos professores da rede estadual.

“É fundamental para o Governo do Estado manter a presença física de vigilantes em todas as escolas catarinenses, principalmente a partir das notícias mais recentes de violência contra alunos e professores. Buscamos uma educação de qualidade, aliado a isso, é necessário que as unidades sejam ainda mais seguras e acolhedoras para todos. Isso é o que faremos”, reforçou o governador. 

Um processo licitatório estava em curso e previa a contratação de vigilância humana em 566 escolas de Santa Catarina. A decisão de reformular a licitação e intensificar a segurança nas unidades escolares foi tomada após a tragédia em uma creche municipal em Saudades, no Oeste do Estado.

 “Temos toda a rede protegida com a vigilância eletrônica e agora, por determinação do governador, vigilância humana nas 1064 escolas para reforçar a segurança de alunos, professores e demais servidores. Será um investimento expressivo do Governo do Estado e muito importante para as escolas neste momento”, pontuou o secretário da Educação. 

Atualmente, o sistema de segurança da rede estadual conta com 234 postos de vigilância humana em escolas localizadas em áreas de vulnerabilidade social. Todas as unidades possuem videomonitoramento, sistema de alarme ou sensores de presença em ambientes onde estão guardados objetos de valor. O contrato que estabelece os atuais serviços foi prorrogado emergencialmente por mais seis meses, enquanto ocorre o trâmite da nova licitação. 

Além da contratação de vigilância humana em 566 escolas, o processo licitatório que será retificado também reforça a aquisição de equipamentos de segurança para as escolas, como sistema de alarme e sensores de presença. Para avaliar este processo, os técnicos da Secretaria de Estado da Educação (SED) consultaram as Coordenadorias Regionais de Educação para que o novo contrato atendesse todas as solicitações feitas pelas escolas.

Investimento em tecnologia para ensino de qualidade

No mesmo encontro, o secretário também entregou ao governador uma proposta de projeto de lei para instituir o Programa Aprendizagens na Cultura Digital, que prevê a distribuição de notebooks e acesso gratuito à internet aos docentes da rede estadual. A ação tem como objetivo melhorar as condições de trabalho dos professores e, consequentemente, a qualidade do ensino remoto em Santa Catarina durante a pandemia de Covid-19.

Os computadores distribuídos devem ser usados exclusivamente para atividades de docência, reforçando a cultura digital, potencializando as situações de aprendizagem e o desenvolvimento de habilidades e competências. Com os equipamentos, os professores poderão fazer atendimentos remotos, participação em cursos de formação continuada, planejamento e execução de atividades pedagógicas e outras responsabilidades profissionais. 

"Com a pandemia, viramos uma chave em Santa Catarina, com a adoção de tecnologias na rotina escolar. Estamos investindo em tecnologia para as escolas, mas ainda temos muitos professores que dividem os equipamentos usados para as atividades remotas entre a família. Com esse projeto de lei, mais de 30 mil profissionais a educação podem ser beneficiados com bons equipamentos para o trabalho pedagógico, reforçando esse processo de aprendizagem digital na rede estadual.

Os notebooks serão doados aos docentes que pertencem ao quadro do magistério da rede estadual, de forma que eles deverão apenas realizar a manutenção para uso do equipamento. Aos professores admitidos em caráter temporário que atuam em atividades de docência nas unidades da rede estadual, a distribuição dos notebooks será realizada por comodato.

Para que a ação seja concretizada, o projeto de lei apresentado nesta quarta-feira deve ser protocolado e aprovado pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 / (48) 99698-4543
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 


Foto: Divulgação/ FCEE

A Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE) informa que cinco novos cursos gratuitos e a distância estão com inscrições abertas. Voltadas para professores e profissionais da Educação Especial, de instituições especializadas e também da rede regular de ensino, as capacitações abordam temas como “Educação Física e Inclusão”, “Transtorno de Deficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) - Teoria e Prática”, “Sistema Braille Normas e Grafia”, “Atendimento da Pessoa com Deficiência Intelectual Adulta em Contextos Naturais” e “Ressignificando o Papel da Pedagogia nas Instituições Especializadas”.

Todos os cursos serão realizados na modalidade a distância e o prazo para inscrição é até 27 de maio. Editais e mais informações no site da FCEE

Confira os cursos com inscrições abertas e quem pode se inscrever:

Educação Física e Inclusão - 10 ª edição ocorre de 1º de junho a 7 de julho de 2021 e é voltado a professores de Educação Física das instituições conveniadas com a FCEE e da rede regular de ensino. O objetivo é capacitar para que possam atuar junto às pessoas com deficiência com mais conhecimentos sobre deficiências e Educação Física.

Transtorno de Deficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) - Teoria e Prática ocorre de 1º de junho a 4 de julho de 2021 e tem como objetivo qualificar o trabalho dos profissionais da educação por meio de conhecimentos teóricos e práticos relacionados ao TDAH, garantindo pleno desenvolvimento desses educandos no âmbito de ensino regular. O curso é voltado para professor regente, professor de Atendimento Educacional Especializado (AEE), professor de disciplina, Segundo Professor, Assistente Técnico Pedagógico e gestores de ensino que atuam diretamente ou orientam educandos com diagnóstico de TDAH.

Sistema Braille Normas e Grafia ocorre de 1º de junho a 13 de julho de 2021 e tem como objetivo capacitar professores que atuem diretamente com alunos com Deficiência Visual do ensino regular (rede estadual, municipal e privada), professores de AEE das referidas redes de ensino e professores de instituições especializadas em deficiência visual.

Atendimento da Pessoa com Deficiência Intelectual Adulta em Contextos Naturais ocorre de 1º de junho a 13 de julho de 2021. Tem como objetivo capacitar professores que atuam no Serviço de Atendimento Específico (SAE) dos Centros de Atendimento Educacional Especializado (CAESP) quanto ao atendimento prestado aos educandos com deficiência intelectual na fase adulta, em contextos naturais.

Ressignificando o Papel da Pedagogia nas Instituições Especializadas - 3ª edição ocorre de 04 de junho a 16 de julho de 2021 e tem como objetivo promover aprofundamento teórico e prático aos profissionais que atuam no assessoramento pedagógico (diretor, responsável pelo apoio pedagógico ou pedagogo) de instituições especializadas.

Informações adicionais para a imprensa:
Aline Buaes
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Educação Especial - FCCE
E-mail: imprensa@fcee.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4943 / 99115-8918
Site: www.fcee.sc.gov.br

 


Foto: Divulgação/Udesc


A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) abriu nesta sexta-feira, 7, as inscrições do Processo Seletivo nº 02/2021 para 59 vagas de professor substituto em Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Ibirama, Joinville, Lages, Laguna e Pinhalzinho. Acesse a página oficial para conferir o edital e se inscrever. As oportunidades são para período temporário em diversas áreas do conhecimento. Os salários variam conforme titulação e horas contratadas.

As inscrições podem ser realizadas até 17 de maio pelos candidatos doadores de sangue e/ou medula (Lei Estadual nº 10.567/1997), além de voluntários da Justiça Eleitoral e jurados que atuarem no Tribunal do Júri (Lei Estadual nº 17.998/2020), com isenção da taxa; e até 21 de maio pelos demais candidatos, por pagamento de boleto, no valor de R$ 100.

De acordo com o edital, a prova escrita poderá ser presencial ou virtual, conforme definido pela banca examinadora e divulgado no site do centro de ensino referente a cada vaga oferecida. No caso de provas presenciais, é preciso verificar no edital quais materiais poderão ser trazidos pelos candidatos, em virtude das medidas de segurança e higiene contra a Covid-19.

Mais informações
Mais informações podem ser obtidas diretamente com as direções de Ensino de Graduação dos centros. Os contatos telefônicos e de e-mail estão no item 3 do edital.

Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010


Foto: Mauricio Vieira / Secom

A governadora Daniela Reinehr e o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, assinaram nesta quinta-feira, 6, os termos de posse de 24 profissionais militares que atuarão em três Escolas Cívico-Militares da rede estadual de Santa Catarina. Eles foram designados para trabalhar na EEB Cel. Pedro Christiano Feddersen, em Blumenau, na EEB Professora Irene Stonoga, em Chapecó, e na EEB Prof. Jaldyr Bhering Faustino da Silva, em São Miguel do Oeste. A nomeação ocorreu em uma solenidade na sede da Secretaria de Estado da Educação, na Capital.

“É um contentamento muito grande. Estamos iniciando esse processo em que usamos as forças de segurança do Estado. Esse modelo das escolas cívico-militares têm sido um sucesso. Tenho certeza que é um programa que vai crescer muito, pela demanda que nós vemos e pela aceitação das comunidades”, destacou a governadora.

>>> Mais fotos na galeria 

Os militares nomeados nesta quinta-feira incluem quatro oficiais, que deverão prestar apoio na gestão escolar para que os profissionais da Educação dediquem-se às atividades didáticas e pedagógicas. Os demais atuarão como monitores para orientar alunos sobre disciplina, desenvolver ações de educação cívica, auxiliar na conservação da estrutura das escolas e oferecer apoio socioemocional em situações de bullying.

“Esse é um programa do MEC, mas que nós vamos nos tornar referência de aplicação. A comunidade tem aceitado muito bem. Tanto a Polícia Militar quanto o Corpo de Bombeiros são altamente bem avaliados e tê-los no apoio é um acréscimo à educação de Santa Catarina”, destaca o secretário Vampiro.

Os profissionais empossados fazem parte do Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública (CTISP), sendo 14 da Polícia Militar e 10 do Corpo de Bombeiros Militar. A EEB Cel. Pedro Christiano Feddersen terá atuação de nove militares, enquanto oito militares foram designados para trabalhar na EEB Professora Irene Stonoga e sete na EEB Prof. Jaldyr Bhering Faustino da Silva.

Para o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Dionei Tonet, o modelo cívico-militar tem grandes contribuições a dar para o Estado.

“A Polícia Militar é parceira desse processo. Colocamos nossos profissionais à disposição, com o intuito de que tenhamos uma sociedade mais justa e fraterna e que possamos construir uma segurança social”, declarou Tonet.

Santa Catarina tem sete escolas no modelo cívico-militar


EEB Prof. Angelo Cascaes Tancredo de Palhoça - Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Arquivo / Secom

As três escolas selecionadas nesta etapa estão na categoria “Recurso” do programa cívico-militar, em que o Governo do Estado disponibiliza militares da reserva para atuação nas escolas e o Governo Federal repassa recursos que devem ser investidos na infraestrutura e no trabalho pedagógico das unidades.

Além dessas unidades, há quatro escolas que aderiram ao modelo em Santa Catarina. A EEB Profª. Emérita Duarte Silva e Souza, de Biguaçu, e a EEB Prof. Angelo Cascaes Tancredo, de Palhoça, foram as primeiras do Estado a iniciar as atividades como parte do modelo em 2020. Essas unidades estão inseridas na categoria “Pessoal”, em que o Ministério da Defesa disponibiliza os militares e o Governo do Estado é responsável pelos investimentos na infraestrutura e materiais pedagógicos.

Há duas outras escolas nesta categoria em Criciúma e Tubarão, EEB Joaquim Ramos e EEB Henrique Fontes, respectivamente, que estão em fase de implementação após a adesão ao programa pela comunidade escolar. O regimento interno do programa das escolas cívico-militares do governo federal destaca que os profissionais do quadro militar devem atuar com base em cinco valores: honestidade, civismo, dedicação, excelência e respeito.

O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) iniciou a partir de uma iniciativa do Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Defesa. Trata-se de um projeto que tem como objetivo alcançar a gestão de excelência nas áreas educacional, didático-pedagógica e administrativa, contribuindo com a formação dos estudantes em todas as dimensões, como intelectual, física, afetiva, social, ética, moral e simbólica.

Informações adicionais para imprensa:
Gabriel Duwe de Lima
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0347 / (48) 99698-4543
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br 

 


Turma em Chapecó. Fotos: Divulgação/ SED

O ano letivo de 2021 teve a implantação de turmas bilíngues em tempo integral em três unidades da rede estadual: EEB Profª Lea Maria Aguiar Lepper, de Joinville, EEF São José, de Guaramirim, e EEB Marechal Bormann, de Chapecó. A iniciativa atende estudantes surdos do 1° ano do Ensino Fundamental, facilitando a apropriação dos conteúdos escolares na língua materna (Libras) e na modalidade escrita da Língua Portuguesa.

O diferencial do projeto é a construção de um ambiente linguístico que respeita os aspectos específicos da educação de estudantes com surdez, garantindo a presença do professor surdo em todo o processo de aprendizagem escolar, sem a necessidade de tradução ou adaptação. Para essa etapa inicial, nove professores foram contratados: três professores bilíngues (ouvintes e fluentes em Libras), três professores de Libras (surdos e fluentes em Libras) e três orientadores de convivência (ouvintes com fluência em Libras).

“As turmas bilíngues representam um importante passo para aperfeiçoar o desenvolvimento cognitivo e social dos alunos com surdez. A educação bilíngue garante o melhor aprendizado da Língua Brasileira de Sinais pelos estudantes, facilitando a compreensão dos demais conteúdos que são ensinados em sala de aula”, ressalta o secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro.

Para garantir o atendimento às especificidades do estudante surdo, a Secretaria de Estado da Educação (SED), em parceria com a Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE), ofertou em fevereiro uma formação on-line de 20 horas. O objetivo foi qualificar todos os profissionais envolvidos no projeto, de acordo com as diretrizes da educação bilíngue.

A iniciativa começou em 2021 com turmas de primeiro ano em uma matriz curricular específica. A proposta é que, a partir de 2022, o atendimento seja ampliado para o 2º ano e assim sucessivamente até o 5º ano. A ideia é que o estudante chegue ao fim dos Anos Iniciais fluente em Libras e tenha se apropriado do português na modalidade escrita.

Organização das aulas

Os estudantes frequentam a escola em cinco manhãs e três tardes da semana. O período em que não há atendimento aos alunos é dedicado ao planejamento das atividades e elaboração de materiais didáticos.

A professora e intérprete Aliane Padilha dos Santos Ristow atua no Ensino Bilíngue da EEB Marechal Bormann, em Chapecó, e destaca o trabalho que está sendo realizado: “Com pouco mais de um mês de aulas, já conseguimos perceber um avanço significativo nos nossos alunos. O período integral é muito importante, pois trabalhamos o Português na modalidade escrita, mas o foco é a própria língua de sinais, que é a língua dos alunos surdos”.

Ela destaca ainda as possibilidades de troca entre o professor ouvinte e o profissional surdo, os dois ao mesmo tempo em sala de aula. “Há alguns momentos em que nos revezamos, mas sempre buscando manter a curiosidade da criança em todo o processo”.

Para orientar e monitorar as práticas pedagógicas cotidianas, o planejamento, as aulas de Educação Física, Arte e espaços de convivência (pátio, refeitório, biblioteca, ginásio, entre outros), há o apoio do Orientador de Convivência Bilíngue, que também está com o estudante no horário do almoço e integra educadores, pais, estudantes e comunidade escolar.

Neusa Maria Souza Boldt atua como Orientadora de Convivência na EEB Profª Lea Maria Aguiar Lepper, em Joinville, e afirma que estar na escola colaborando e levando a Libras para educadores, pais e estudantes é um marco: “Só quem acompanha os surdos sabe o sofrimento e as barreiras que passaram e passam. Este projeto de educação bilíngue encaminha essas crianças para um futuro muito diferente”.


Aula em Joinville

Desenvolvimento da autonomia

Uma pesquisa da FCEE realizada na rede estadual entre 2009 e 2011 apontou que a atuação em tempo integral amplia as oportunidades de aprendizagem aos estudantes surdos: “Também qualifica o contato e interação com outros sujeitos surdos a fim de desenvolver competências mínimas para o aprendizado dos conteúdos curriculares e, consequentemente, a aquisição da língua portuguesa na modalidade escrita”, pontua o estudo.

Para a gerente de Gestão de Modalidades, Programas e Projetos Educacionais da SED, Beatris Clair Andrade, surdos que estudam em modelos de ensino bilíngues tendem a adquirir sua primeira língua mais precocemente: “Eles conseguem aprender melhor e mais rapidamente os conteúdos curriculares e o mundo que o rodeia, conseguindo se colocar de forma mais segura, desenvolvendo senso crítico e tendo uma participação social mais efetiva”, finaliza.

Contato das escolas:

Famílias interessadas em matricular crianças surdas nas turmas bilíngues podem entrar em contato com as escolas pelos e-mails abaixo:

EEF São José, Guaramirim: saojoseguar@sed.sc.gov.br
EEB Profª Lea Maria Aguiar Lepper, Joinville: seriedh23lmlepper@sed.sc.gov.br
EEB Marechal Bormann, Chapecó: marechalbormann@sed.sc.gov.br

Informações adicionais para imprensa:
Ana Paula Flores
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0353 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br

 


Fotos: Divulgação / SED

Alunos e professores da Escola de Educação Básica Vinte e Cinco de Maio, em Fraiburgo, desenvolveram o bem-sucedido projeto de uma horta circular na sede da instituição. A horta começou a ser montada em 2008, mas passou a se desenvolver mais a partir de 2014, com a criação do Curso Técnico em Agroecologia. Atualmente, o curso integra o Novo Ensino Médio e atende 50 estudantes de cidades da região, que ficam alojados na sede da escola.

A permanência dos alunos na unidade é um dos princípios da pedagogia da alternância (Tempo Escola e Tempo Comunidade). Essa proposta pedagógica possibilita aos educandos multiplicar o conhecimento e colocar em prática, diretamente na propriedade das famílias, o que aprenderam em sala de aula.

O coordenador do curso, professor Rodrigo Pinheiro, explica que no 1º ano os alunos ficam 45 dias na escola e 30 dias em casa. “A horta é um laboratório de práticas para os estudantes. Eles veem que a plantação não é produtiva apenas para o consumo próprio, mas que o excedente pode gerar renda para a família”.

Manutenção feita pelos próprios alunos



O espaço de 2.400 metros quadrados é mantido pelos próprios professores e alunos, que contribuem com atividades diárias como capina, limpeza de plantas invasoras, adubação e irrigação. O formato circular em modelo de mandala lembra o Sistema Solar. “No centro, que representa o sol, temos a composteira, que produz uma parte do adubo que é aplicado na horta”, detalha o professor.

A escola tem como princípio a produção orgânica e agroecológica dos alimentos. Ou seja, não há uso de adubos químicos e agrotóxicos. Dessa forma, para nutrir o crescimento das plantas, são usados adubos naturais, como pó de rocha basáltica e húmus de minhoca. Ainda fazem parte das práticas aprendidas pelos alunos as técnicas de manejo agroecológico como cobertura de solo, uso de plantas repelentes, caldas fungicidas e inseticidas feitos na escola.

Produção excedente é comercializada

Uma parte da produção fica na unidade, para consumo dos estudantes e outra é levada à feira da Agricultura Familiar, que ocorre todo sábado em Fraiburgo. Os recursos retornam para a escola e se destinam à compra de materiais para laboratório e investimento em aulas em campo.

Para o professor Rodrigo, o contato com o público final é essencial: “Os estudantes podem dialogar diretamente com os consumidores e assim desenvolver ainda mais o empreendedorismo na área rural”.

O gestor da escola, Agnaldo Cordeiro, explica que a unidade sempre esteve ligada à luta da comunidade pelo projeto de educação no campo: “Aqui discutimos as questões ambientais e provocamos transformação nas famílias. A horta e outras unidades didáticas motivam nossos jovens a serem empreendedores e a buscar o respeito ao nosso planeta, desenvolvendo a produção sem uso de agrotóxicos e adubos químicos”, finaliza.

Acesse aqui o vídeo completo produzido pela escola para apresentar o projeto.

Informações adicionais para imprensa:
Ana Paula Flores
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Educação – SED
Fone: (48) 3664-0353 
E-mail: imprensa@sed.sc.gov.br
www.sed.sc.gov.br

 


Foto: Divulgação/Udesc

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) publicou nesta sexta-feira, 23, o listão dos aprovados em primeira chamada para mais de 1,4 mil vagas em quase 50 cursos de graduação gratuitos do Vestibular de Verão - Processo Seletivo Especial, além do edital e do calendário de matrícula. Confira no site.

Para efetivar a matrícula, o candidato classificado deverá observar as instruções que serão enviadas por meio do e-mail informado na ficha de inscrição, observando as datas
previstas no calendário de matrícula. Os documentos deverão ser digitalizados e enviados sem cortes, em formato PDF, entre 27 e 28 de abril.

O candidato aprovado em lista de espera que desejar continuar inscrito no Vestibular de Verão 2021 deverá manifestar interesse pela vaga de 26 de abril a 5 de maio, seguindo as instruções que virão por e-mail.

Mais detalhes sobre a matrícula podem ser conferidos no site Passei na Udesc. Os candidatos aprovados ingressarão no primeiro semestre letivo de 2021 da graduação da Udesc, que será iniciado em 17 de maio.

Três critérios

Por causa da impossibilidade de aplicar provas presenciais, o Vestibular de Verão 2021 adotou o mesmo formato de seleção utilizado no Vestibular de Inverno 2020. Com isso, permitiu aos candidatos a possibilidade de escolher um destes três critérios de avaliação:

  • Nota geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): apenas para candidatos que prestaram a prova do Enem em 2017, 2018 ou 2019;
  • Média final do vestibular da Udesc: apenas para candidatos que prestaram a prova do Vestibular de Inverno 2019 ou do Vestibular de Verão 2020 da Udesc e que não foram reprovados ou eliminados. Todos os candidatos que foram classificados ou aprovados em lista de espera podem se inscrever, com livre escolha de curso e opção dentro do Programa de Ações Afirmativas;
  • Média final geral de conclusão do ensino médio: apenas para candidatos que já concluíram o ensino médio. Essa média final precisará estar dentro de um padrão de nota de 0 a 10. Os candidatos que tiverem outro padrão de nota, com conceitos diferentes, terão de apresentar, além do histórico escolar, uma declaração da sua instituição com a conversão para o padrão de 0 a 10.


Mais detalhes sobre os três critérios de avaliação podem ser vistos no item 3 do edital. Nas vagas de cada um deles, há reserva de 30% pelo Programa de Ações Afirmativas da Udesc, sendo 20% para os candidatos que fizeram todo o ensino médio na rede pública e 10% para candidatos negros.

Cursos com vagas

Confira os cursos presenciais da Udesc com vagas no Vestibular de Verão 2021:

  • Balneário Camboriú (Cesfi): Administração Pública e Engenharia de Petróleo;
  • Chapecó (CEO): Enfermagem e Zootecnia - Ênfase em Produção Animal Sustentável;
  • Florianópolis (Ceart): Artes Visuais (Bacharelado), Artes Visuais (Licenciatura), Design Gráfico, Design Industrial, Moda, Música (Bacharelado em Piano; Violão; Violino ou Viola; Violoncelo; e Licenciatura) e Teatro (Licenciatura);
  • Florianópolis (Cefid): Educação Física (Bacharelado), Educação Física (Licenciatura) e Fisioterapia;
  • Florianópolis (Esag): Administração, Administração Pública e Ciências Econômicas;
  • Florianópolis (Faed): Biblioteconomia - Habilitação Gestão da Informação, Geografia (Licenciatura), História (Bacharelado), História (Licenciatura) e Pedagogia;
  • Ibirama (Ceavi): Ciências Contábeis, Engenharia Civil e Engenharia de Software;
  • Joinville (CCT): Ciência da Computação, Física (Licenciatura), Matemática (Licenciatura), Química (Licenciatura), Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Engenharia (Civil; de Produção e Sistemas; Elétrica; e Mecânica);
  • Lages (CAV): Agronomia, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Florestal e Medicina Veterinária;
  • Laguna (Ceres): Engenharia de Pesca e Arquitetura e Urbanismo;
  • Pinhalzinho (CEO): Engenharia de Alimentos;
  • São Bento do Sul (Ceplan): Engenharia de Produção - Habilitação Mecânica e Sistemas de Informação.

Confira os cursos institucionais da Udesc na modalidade EAD com vagas:

  • Chapecó (Cead): Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia – Ênfase em Gestão Ambiental e Sustentabilidade;
  • Criciúma (Cead): Pedagogia e Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia – Ênfase em Metodologias e Tecnologias Aplicadas à Educação a Distância;
  • Ibirama (Cead): Pedagogia.

Ao todo, a Udesc ofereceu 1.265 vagas pelos cursos presenciais e 160 pelos cursos institucionais na modalidade EAD. Saiba mais no Guia de Cursos Udesc.

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas na página oficial do vestibular e com a Coordenadoria de Vestibulares e Concursos da Udesc (Covest), pelo e-mail vestiba@udesc.br.

Acompanhe as notícias do vestibular pelo Facebook, pelo Instagram, pelo Twitter e pela Udesc em Rede.

Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010