Fotos: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

O governador Carlos Moisés vistoriou os estragos provocados por uma forte tempestade nas cidades de Descanso e Belmonte, no Extremo Oeste catarinense, na tarde desta sexta-feira, 12. Desde a noite de quarta-feira, poucas horas após os eventos climáticos, equipes de diversos órgãos do Governo do Estado estão prestando suporte aos atingidos, que somam mais de 500 famílias nos dois municípios.

Além do fornecimento emergencial de lonas para as casas destelhadas, o governador confirmou o repasse de telhas e itens de assistência humanitária. Segundo Carlos Moisés, o Estado deverá homologar nos próximos dias os decretos de emergências assinados pelos prefeitos de Descanso e Belmonte.

>> Mais imagens na galeria 

“Nós temos termos de referências para a aquisição de materiais. Esse primeiro contato é para fornecer a assistência básica, como cestas básicas, lonas e telhas, para socorrer as pessoas. A partir de sábado, o material, como telhas, começa a chegar. Quando o evento é extenso, muitas vezes você não consegue adquirir o material na própria região. Com o tempo, outras intervenções mais adequadas poderão ser feitas”, disse o governador.

Carlos Moisés também salientou que o cooperativismo e a solidariedade do povo do Oeste catarinense serão fundamentais para a superação de mais essa adversidade. Ele lembrou que equipes de prefeituras de cidades vizinhas também se prontificaram a vir ajudar em Descanso e Belmonte.

“O Oeste é um exemplo a ser seguido por todo o Brasil. A Defesa Civil se faz assim, com as estruturas públicas e privadas de mãos dadas com a população, para que a gente possa socorrer aqueles precisam. Foi um momento assustador. Viemos aqui também para trazer a nossa solidariedade e nosso respeito ao povo do Oeste. Todas as estruturas do Governo do Estado vão estar à disposição”, acrescentou o governador.

Em seu roteiro pela região, o governador vistoriou os estragos no bairro Antonio Rech, o mais atingido na cidade de Descanso, onde inclusive um ginásio de esportes veio abaixo. Em seguida, foi até Belmonte, onde fez um sobrevoo pelas áreas atingidas nos dois municípios.

A Defesa Civil acompanhou também a situação em Iporã do Oeste, onde foram visitados os locais onde a força da enxurrada danificou e destruiu pontes. A DCSC se prontificou a fornecer kits de transposição (pontes) para que a malha viária do município volte à normalidade. Em Ipuaçu, já foram entregues cerca de 800 telhas e itens de assistência humanitária. Segundo o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, todas as demandas das prefeituras serão solicitadas, especialmente no que se refere aos kits de transposição.

“Ao todo, nós tivemos 27 municípios afetados. A partir de agora, começam as entregas dos kits de assistência humanitárias, além do restabelecimento e da reconstrução. Teremos também a liberação do FGTS. Os municípios já decretaram situação de emergência e nós já avaliamos in loco que, tanto em Descanso quanto em Belmonte, o Estado fará essa homologação nos próximos dias”, disse Batista.

Autoridades locais ressaltam atuação do Governo do Estado

O prefeito de Descanso, Sadi Bonamigo, destacou o auxílio fornecido pelos órgãos do Governo do Estado, tais como Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e as polícias Civil e Militar.

“Essa visita do governador nos traz expectativa e esperança. Ela foi importante, pois ele esteve nos dois municípios mais atingidos, nos trazendo amparo. Descanso nunca tinha passado por uma situação como essa. Com a ajuda do Governo do Estado, esperamos superar esse momento o mais rápido possível”, diz Bonamigo.

Quem também acompanhou a visita foi o prefeito de Belmonte, Genésio Bressiani. Ele disse que a presença do governador na região serve como um incentivo para que a população se sinta acolhida pelo poder público.

“É importante estar com as pessoas não apenas nos momentos normais, mas também nas dificuldades. Nosso município já decretou emergências três vezes nesse ano: pela pandemia de Covid-19, pela estiagem e agora pelo vendaval, mas tenho a certeza que superaremos todas essas dificuldades, com a ajuda do Governo do Estado”, diz Bressiani.

O deputado estadual Padre Pedro também acompanhou o roteiro, que incluiu um almoço com lideranças da região em São Miguel do Oeste. Segundo o parlamentar, o acontecimento climático foi uma experiência traumática para os moradores.

“Queremos ressaltar a importância da presença do nosso governador aqui, não apenas conhecendo os estragos, mas para estabelecer uma relação com as pessoas que passam por um momento difícil e complexo. É preciso trazer uma palavra de solidariedade e força, assim como tentar viabilizar a reconstrução, que foi um compromisso firmado pelo governador”, diz o parlamentar.

Força conjunta

Desde as primeiras horas o Governo do Estado colocou em ação uma força-tarefa formada pela Defesa Civil de Santa Catarina, Corpo de Bombeiros Militar, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável, Polícia Militar, Polícia Civil, Casan, Celesc e Epagri. A primeira ação foi a distribuição de lonas para as famílias atingidas. Um exemplo são os trabalhos realizados por equipes da Celesc na recomposição das linhas de distribuição de energia.

O órgão contabilizou cerca de 200 casas atingidas em Belmonte, já em Descanso foram visitados os bairros mais atingidos e em um primeiro levantamento foram contabilizadas 280 casas parcialmente atingidas. Galpões e estruturas metálicas tiveram os telhados arrancados. A força do vento também destruiu totalmente diversas residências. A tempestade derrubou árvores e postes de energia elétrica.  No total, 13 pessoas precisaram de atendimento hospitalar na região.


Foto: Cristiano Estrela / Secom 

Equipes técnicas da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) ainda apuram qual o fenômeno natural atingiu os municípios do Oeste e Extremo Oeste catarinense na quarta-feira. Informações preliminares apontam para possibilidade de microexplosão ou tornado em Descanso e vendaval em Belmonte.

>> Leia também:

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / CBMSC

As equipes do Governo do Estado seguem mobilizadas no trabalho de apoio aos municípios atingidos por fortes temporais no Oeste e Extremo Oeste catarinense na tarde de quarta-feira, 10. Durante esta quinta-feira, os profissionais entregaram itens de ajuda humanitária e atuaram para o restabelecimento de serviços aos moradores da região.

Estragos na rede de distribuição de energia elétrica

Em função dos fortes ventos e chuvas, a Celesc registrou ocorrências nas regiões de Concórdia, São Miguel do Oeste e Chapecó. Cerca de 5,6 mil unidades consumidoras estavam sem energia por volta das 16h desta quinta-feira, 11, sendo 4,6 mil em Concórdia e 53 em Chapecó. A previsão é que o sistema esteja totalmente restabelecido nas próximas horas.

Já em São Miguel do Oeste (919 unidades sem energia), a previsão para normalizar é entre esta quinta e sexta-feira, 12, devido à complexidade dos estragos, como postes caídos, cabos rompidos e árvores na rede. As equipes da Celesc estão em campo para o restabelecimento do sistema elétrico.

Tratamento e abastecimento de água

A Casan também registrou problemas no abastecimento e tratamento da água na região. As principais ocorrências foram registradas nos municípios de Descanso e Belmonte. Os sistemas de abastecimento de água da Casan ficaram sem energia por um longo período. Com isso, o tratamento de água chegou a ficar interrompido, mas retornou no fim da manhã desta quinta-feira, 11.

Na distribuição de água, partes de uma edificação foram arrancadas pelo vento e destruíram um medidor, desligando o sistema. Técnicos estão no local para providenciar o reparo.

Devido a uma nova queda de energia, o município de Descanso começou a ser atendido com carro-pipa. Caminhões estão abastecendo de Iporã do Oeste e São Miguel do Oeste levando água para Descanso.

As ocorrências também afetaram os municípios de Ipumirim, Tereza Tílias, Riqueza, Cunhataí, Coronel Freitas, Lindóia do Sul, mas a situação do abastecimento já foi normalizada.

Suporte aos atingidos

Efetivos do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina e as equipes da Defesa Civil atuam desde a noite da quarta-feira, 10, na assistência às famílias atingidas pelo desastre natural. O trabalho começou imediatamente com o envio de materiais como lona, telhas e colchões para as famílias dos municípios mais afetados, como Descanso, Belmonte e Ipuaçu. Somente em telhas de fibrocimento foram distribuídas mais de 700 unidades em Ipuaçu.


Entrega de telhas em Ipuaçu. Foto: Divulgação / DCSC

Os levantamentos sobre as necessidades de itens de ajuda humanitária ainda estão sendo realizados na região. O CBMSC permanece acompanhando a situação na região com equipes de força-tarefa em prontidão, caso haja necessidade de serem acionadas.

As Forças-Tarefa (FTs) do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) são equipes multidisciplinares, estruturadas para atendimentos em casos de situação extrema, desastres naturais ou calamidades públicas. São 14 equipes com 274 bombeiros militares, e subordinadas ao Subcomando Geral, responsável pela parte operacional da corporação.

Análise técnica em campo vai classificar fenômeno natural

Equipes técnicas da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) estão na região para apurar qual o fenômeno natural atingiu os municípios do Oeste e Extremo Oeste catarinense. Informações preliminares das imagens de radar analisadas pela equipe de meteorologistas da DCSC, juntamente com relatos, fotos e vídeos que chegaram à instituição, indicam para uma possível ocorrência de tornado. Entretanto, não se descarta a possibilidade de ter ocorrido uma microexplosão, ou até mesmo ambos os eventos. A confirmação será realizada após a realização de uma avaliação criteriosa de campo.

Equipes da Infraestrutura atuam nas rodovias

As equipes da Secretaria da Infraestrutura e Mobilidade, com apoio dos municípios, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar Rodoviária estadual, atuam para liberação de rodovias que sofreram estragos em função das fortes chuvas.


Foto: Divulgação / PMRv

Confira a atualização das 16h desta quinta-feira, 11:

- SC-157, no km 10,8: Formação de um buraco de grande proporção. Acionada empresa do contrato de conserva para ação emergencial.
- SC-496, km 8, no trevo de Belmonte: Houve queda de árvore. O problema foi solucionado ainda na quarta-feira, 10, com apoio da Polícia Rodoviária Estadual e poder público municipal.
- SC-386, Km 6: Queda de barreira. Problema foi solucionado na quarta-feira, 10, com apoio da Polícia Rodoviária Estadual e poder público municipal.
- SC-355, km 82: Queda de barreira. Trânsito liberado em duas pistas e lama foi retirada na tarde desta quinta-feira, 11.

Secretaria da Agricultura e Epagri fazem levantamento

A Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e a Epagri estão fazendo o levantamento dos impactos na área rural e na produção agropecuária. Desde quarta-feira, 10, técnicos mantêm contato com lideranças e representantes do setor produtivo para receber as principais demandas. A equipe estuda maneiras de apoiar os produtores rurais atingidos pelos temporais.

Municípios de Descanso e Belmonte foram os mais atingidos

Desde a última terça-feira, 09, a Defesa Civil emitiu alerta para um sistema de baixa pressão com potencial para fortes temporais em algumas regiões de Santa Catarina. Vários municípios do Oeste e Extremo Oeste registraram danos provocados por chuvas volumosas ou ventos de forte intensidade. Belmonte e Descanso foram os mais afetados.

No município de Descanso os ventos intensos atingiram residências. A tempestade também derrubou árvores e postes de energia elétrica. Diversas famílias ficaram desalojadas e foram para a casa de parentes.

Também registraram danos os municípios de Ipuaçu, Campos Novos, Coronel Freitas, Águas de Chapecó, São Carlos, Nova Itabeiraba, Saudades, Cunha Porã, Irani, Iporã do Oeste.

Confira os dados registrados nesta quarta-feira, 10:

BELMONTE 

- Cerca de 20% da cidade foi afetada na quarta-feira.

- Cerca 160 residências atingidas (15 propriedades na área rural do município)

- Quatro pessoas, entre elas, uma criança de dois anos de idade, ficaram feridas por escombros, estilhaço e queda de árvore sobre um veículo e foram conduzidas ao hospital. Os quadros de saúde dos feridos são estáveis.

DESCANSO

- Registro de ventos fortes com destelhamento de casas, queda de postes de energia elétrica e queda de árvores na quarta-feira. Foram 77 atendimentos no município. Cerca de 280 famílias atingidas.

- Nas duas cidades as equipes atuaram no isolamento em locais de risco e orientação à população.

- Houve destelhamento de parte do hospital, destruição e destelhamentos de instalações rurais (galpões, salas de ordenha, aviário, silos) e residências.

- 13 pessoas procuraram atendimento médico com escoriações ou abalo emocional.

- As situações mais críticas foram resolvidas durante o período noturno antes das primeiras 24 horas.

- Na manhã desta quinta-feira, 11, os trabalhos seguiram com cortes de árvores e nas ocorrências com menor potencial de risco, assim como limpeza das vias.

QUILOMBO

Registro de deslizamento de terra com obstrução de via.

IPUAÇU

Registro de fortes ventos e chuva intensa que causaram danos em edificações e alagamentos pontuais. Foram registrados destelhamentos de residências. As regiões mais atingidas foram Aldeia Pinhalzinho, Aldeia Olaria, Linha Salete, Linha Toldo Velho.

XANXERÊ

Registro de alagamentos em vários pontos do município afetando residências. Em linha Invernadinha, uma ponte foi levada pela força da água. Equipes do CBM fizeram o isolamento do local e atendimento às famílias afetadas.

>> Leia também:

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
E-mail: imprensa@secom.sc.gov.br
Site: www.sc.gov.br


Foto: Divulgação / CBMSC

O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) e Corpo de Bombeiros Militar (CBMSC), atua no apoio aos municípios atingidos por chuvas volumosas e fortes temporais no Oeste do Estado. A situação mais grave ocorreu nos municípios de Belmonte e Descanso, nesta quarta-feira, 10. Técnicos da Defesa Civil atuaram imediatamente no envio de materiais como lona, telhas e colchões para as famílias atingidas. Os levantamentos ainda estão sendo realizados nesta quinta-feira, 11, na região.

“Nossas equipes estão nas ruas para dar total assistência às famílias atingidas, fazendo os levantamentos das necessidades emergenciais para o Extremo Oeste”, informou o governador Carlos Moisés.

>> Confira análise preliminar da Defesa Civil sobre o fenômeno

Informações preliminares apontam que no município de Descanso os ventos intensos destruíram residências, uma escola, um ginásio e galpões. A tempestade também derrubou árvores e postes de energia elétrica. Diversas famílias ficaram desalojadas e foram para a casa de parentes.

Também registraram danos os municípios de Ipuaçu, Campos Novos, Coronel Freitas, Águas de Chapecó, São Carlos, Nova Itabeiraba, Saudades, Cunha Porã, Irani, Iporã do Oeste.

Sistema de baixa pressão atua no Estado

Desde a última terça-feira, 09, um sistema de baixa pressão está provocando fortes temporais em algumas regiões de Santa Catarina. Foram registrados grandes volumes pluviométricos que provocaram alagamentos e deslizamentos. A Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) se colocou a disposição dos municípios afetados. Foram registradas ocorrências em São Lourenço do Oeste, Canoinhas, Xanxerê, Irineópolis e Seara.

Técnicos fazem levantamentos

Os levantamentos estão sendo realizados, mas apenas poderão ser concluídos durante esta quinta-feira, 11, devido à distância de algumas comunidades e a dificuldade de acesso. Postes e árvores caídos interromperam os acessos. A Defesa Civil de Santa Catarina permanece de plantão para prestar o apoio aos municípios atingidos.

O Sistema de Monitoramento da DCSC emitiu alertas para a região atingida e acompanha a situação. Os meteorologistas estão analisando imagens dos radares meteorológicos e do levantamento de danos para definir o que ocorreu em Belmonte e Descanso. Existe a suspeita de possível tornado ou micro explosão, mas o fenômeno apenas poderá ser classificado após as avaliações desta quinta, 11.

Ocorrências

Nas últimas horas, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros Militar (CBM) atenderam ocorrências nas cidades de São Lourenço do Oeste, Ipuaçu, Quilombo e Xanxerê. Foi necessário emprego de embarcações e atuação da Força-Tarefa 14.

QUILOMBO
Registro de deslizamento de terra com obstrução de via.

IPUAÇU
Registro de fortes ventos e chuva intensa que causaram danos em edificações e alagamentos pontuais. Foram registrados destelhamentos de residências. As regiões mais atingidas até o momento são Aldeia Pinhalzinho, Aldeia Olaria, Linha Salete, Linha Toldo Velho.

XANXERÊ

Registro de alagamentos em vários pontos do município afetando residências. Em linha Invernadinha uma ponte foi levada pela força da água. Equipes do CBM fizeram o isolamento do local e atendimento às famílias afetadas.

Força-tarefa do Corpo de Bombeiros

As Forças-Tarefa (FTs) do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) são equipes multidisciplinares, estruturadas para atendimentos em casos de situação extrema, desastres naturais ou calamidades públicas. São 14 equipes com 274 bombeiros militares, e subordinadas ao Subcomando Geral, responsável pela parte operacional da corporação.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
E-mail: imprensa@secom.sc.gov.br
Site: www.sc.gov.br

 


Foto: Flávio Vieira Jr/ DCSC

O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC), entregou nesta quarta-feira, 10, o Plano de Contingência (PLACON) atualizado das pontes Colombo Salles e Pedro Ivo, que ligam o continente à Ilha de Santa Catarina. O ato foi realizado no Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD). O Plano visa mobilizar ações de resposta a possíveis situações de emergência que demandem a participação de diversos órgãos, de modo a minimizar os impactos na mobilidade urbana.

No PLACON estão previstas todas as ações necessárias em casos de incidentes nas estruturas. “Estamos preparados para os mais diferentes tipos de situações. Podemos acionar os serviços de emergência ou realizar alterações no fluxo de veículos e até mesmo a inversão de sentido nas pontes”, comentou o chefe da DCSC em exercício, Alexandre Corrêa Dutra. Segundo ele, a utilização da ponte Hercílio Luz também está prevista em casos extremos. “O Plano vem concretizar a importância da integração dos órgãos oficias para uma resposta mais organizada e rápida”, conclui.

Para a elaboração do Plano de Contingência foram realizadas várias atividades para operacionalizar todos os cenários, dentre elas, o teste e cronometragem de inversão de fluxo nas pontes. Foram analisados os piores quadros para garantir uma resposta mais rápida em casos de emergência.

“Se a mobilidade for prejudicada, podemos de forma programada executar ações para reduzir os impactos para as pessoas e os serviços públicos que utilizam a ponte, sempre com base no protocolo de operação estabelecido”, explicou o secretário de Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira. Ele completou dizendo que o PLACON é destinado para situações que demandam tempo elevado para a solução do problema como emergências, grandes manutenções, incêndios nas galerias e, até mesmo, acidentes envolvendo produtos perigosos.

A elaboração do documento teve a participação da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, da Prefeitura Municipal de Florianópolis, Casan, Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Corpo de Bombeiros Militar (CBMSC), Celesc, Ciasc, SC Gás, além da Defesa Civil e Guarda Municipal de Florianópolis.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Fotos: Divulgação / CBMSC

Em meio à pandemia e com a chegada do frio, a solidariedade é item fundamental. Uma forma de ajudar é participar da Campanha do Agasalho do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, que segue até o dia 17 de junho no estado. A doação de roupas, cobertores e outros materiais pode ser feita em todos os quarteis dos bombeiros, de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h.

Para prevenir a disseminação do novo coronavírus, algumas medidas foram adotadas neste ano, como redução dos dias e horários de entrega. Além disso, as caixas para arrecadação estarão em ambiente ventilado, de fácil acesso e sem contato com equipes. As pessoas que forem realizar a doação devem estar sozinhas, de máscara e os agasalhos devem estar em sacolas plásticas.

Para reforçar a segurança dos bombeiros e dos catarinenses que irão receber a doação, no último dia de doação, as caixas coletoras ficarão isoladas até completar o tempo de permanência do vírus em superfícies, e após esse período serão higienizadas.

Neste ano, os modelos da campanha são cães de busca e resgate, a exemplo do calendário 2020 da corporação. Cada quartel escolherá as instituições ou famílias que receberão as doações de sua região. A entrega será realizada entre os dias 22 e 26 de junho.

“Nós não podemos esquecer das pessoas que precisam de nós. Esta ação é uma tradição no CBMSC e é mais uma forma que podemos ajudar a sociedade. Por isso, pedimos a contribuição de todos, com os devidos cuidados, para a arrecadação dos agasalhos até o dia 17”, exalta o Comandante-Geral do CBMSC, coronel Charles Alexandre Vieira.



Serviço:
Campanha de Agasalho do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina
Quando: até 17 de junho, de segunda a sexta-feira
Horário: das 14h às 18h
Onde: em qualquer quartel dos bombeiros em Santa Catarina

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 


Foto: Divulgação/ Defesa Civil SC

A Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC), em conjunto com outros órgãos estaduais, entidades e empresas, realizou nesta quarta-feira, 03, e quinta-feira, 04, mais uma grande operação de logística que envolveu o transporte de 48.660 testes para Covid-19.

Com o apoio do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar, foram distribuídos 29.240 testes para os municípios de Concórdia, Chapecó, São Miguel do Oeste e Xanxerê. Com o apoio da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), foram transportados por via terrestre outros 19.420 exames para as cidades de Chapecó, Joaçaba e Videira.

“Conforme o protocolo para a gestão de desastre por infecção viral, em vigor desde 2019, a Defesa Civil recebe as demandas provenientes do Grupo de Ações Coordenadas (GRAC) e coloca em prática as ações de apoio e logística”, explicou o chefe da DCSC, João Batista Cordeiro Júnior. Segundo ele, a integração dos órgãos é fundamental para o sucesso das atividades realizadas. “Nosso foco é proteger os catarinenses”, finalizou.

Doações continuam a chegar

Em apoio à operação, o Sindicato das Empresas de Comércio Exterior do Estado de Santa Catarina realizou a doação de 4,4 mil litros de álcool em gel 70°, que já foram entregues no Centro de Logística, instalado no Centro de Ensino do Corpo de Bombeiros Militar. O sindicato também fará o repasse de óculos de proteção e máscaras descartáveis.

Nesta sexta-feira (05), está prevista ainda a chegada do primeiro lote com 280.000 máscaras de proteção doadas pelo Santander. Desse total, uma parte será repassada à Secretaria de Estado da Educação, que fará a entrega para alunos da rede estadual de ensino.


Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Fotos: Divulgação / CBMSC

O ano de 2020 está marcado pelo aumento expressivo das ocorrências de incêndios em vegetação em Santa Catarina, impactado principalmente pela estiagem. Neste ano, o fenômeno começou em março, sendo que normalmente era uma característica dos meses de agosto e setembro. Em maio de 2020, houve o maior registro de incêndios em vegetação dos últimos quatro anos. Foram 921 ocorrências, enquanto em 2018 foram 38 registros, 249 em 2017 e 84 em 2016.

Ainda segundo os dados do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), entre o dia 1º de janeiro e 31 de maio de 2020, foram 3.369 ocorrências de incêndio em vegetação, enquanto no mesmo período de 2019 foram 692 ocorrências. Já em 2018, foram 996 casos e 605 em 2017.

"A grande maioria dos incêndios em vegetação atendidos pelo CBMSC tem origem na ação humana, seja ela direta ou indireta: uma queimada, uma limpeza irregular de terreno ou até um resto de cigarro jogado na vegetação pode resultar em um grande incêndio", explica o comandante-geral do CBMSC, coronel Charles Alexandre Vieira.

O comandante-geral lembra ainda que a atuação dos bombeiros durante diversos dias para controlar esses incêndios retira as equipes de outras ocorrências. “Para se ter uma ideia, no último domingo todos os caminhões de Florianópolis estavam empenhados em ocorrências de combate a incêndio florestal. Fora isso, muitas vezes é necessário o reforço dos helicópteros e todas essas equipes e viaturas poderiam ser utilizadas para salvar vidas e não para o combate de um incêndio que poderia ser evitado”, reforça.

Cuidados que devem ser tomados

- Não iniciar queimadas, principalmente próximo a áreas de vegetação;

- Não queimar lixo, terrenos ou pastagens;

- Não jogar bitucas de cigarro na mata, nas ruas ou em beira de estradas;

- Não deixar garrafas de vidro em áreas de vegetação (o sol faz o efeito lupa e pode iniciar um incêndio);

- Ao fazer trilhas evite acender fogueiras, fogareiros e demais opções que possam propagar fogo na vegetação.

E não esquecer: incêndio florestal é crime, com previsão de multa e detenção a quem realizar queimadas.

>> Leia também:

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / Defesa Civil

O monitoramento climático realizado pela Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) teve um salto de qualidade e alcance para a população no último ano. Parte deste avanço se deve ao investimento realizado pelo Governo do Estado no reforço da equipe de meteorologistas que possibilitou a ampliação do acompanhamento e emissões de alertas. Atualmente essas atividades são realizadas 24 horas por dia.

Além disso, o órgão tem inovado com o uso de informações mais didáticas e de fácil compreensão, por meio de vídeos com animações e mapas.

A previsão de tempo emitida pela DCSC, a partir do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD), tem como foco a prevenção e o enfrentamento de desastres naturais. Para isso é focada na conscientização da população, fornecendo informações antecipadas sobre os eventos mais severos.

“O principal objetivo da Defesa Civil de Santa Catarina é preservar vidas e reduzir os prejuízos”, comentou o chefe da DCSC, João Batista Cordeiro Júnior. Segundo ele, ao abastecer os catarinenses com informações confiáveis, eles podem, de forma antecipada, buscar ações mitigatórias ou de preservação da vida.

Os dados são disponibilizados para a população no site e redes sociais da Defesa Civil e para os órgãos oficias em grupos de WhatsApp. Já os alertas mais severos, que exigem mais atenção, são enviados por mensagens SMS diretamente para os catarinenses. Com as informações, as pessoas podem se preparar com antecedência e até mesmo deixar as localidades que apresentam os mais riscos. A previsão do tempo e os alertas também são disponibilizados para a imprensa com o objetivo de alcançar o maior número de pessoas.

Conheça os níveis de alerta emitidos pela Defesa Civil de Santa Catarina

A previsão do tempo da DCSC é dividida em três níveis de acordo com a antecipação e severidade do evento.

Nível 1: É a previsão do tempo emitida diariamente às 5h. São informações descritas em textos e mapas das condições gerais do tempo. Ou seja, onde existe chance de chuva ou temporal, as temperaturas mínimas e máximas, direção e intensidade do vento, qual sistema meteorológico em atuação e a situação marítima.

O boletim traz informações do dia e a tendência para as próximas 48 horas.  Os dados são emitidos para as regiões do Extremo Oeste, Oeste, Meio Oeste, Planalto Sul, Planalto Norte, Litoral Sul, Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Litoral Norte, para facilitar a compreensão. Nos mapas são inseridos ícones para ilustrar o que está sendo previsto e descrito.

Já a situação marítima representa as condições de direção e altura das ondas, que poderão variar de calmo, com ondas de até meio metro de altura; pouco agitado, representando ondas até um metro e meio; agitado, referente à ondulação com até dois metros e meio; muito agitado com altura das ondas até quatro metros, e mar grosso com ondas acima de quatro metros.

Nível 2: É chamado de "Aviso Meteorológico" e tem como foco as condições atmosféricas de curto prazo que poderão ocasionar impactos mais severos (de 12 a 48 horas de antecipação). Ele é composto por uma breve descrição da situação meteorológica prevista, um mapa indicando as áreas que poderão ser afetadas e recomendações que deverão ser adotadas pela população.

A emissão destes avisos é realizada a partir das análises de diferentes fontes de dados pela equipe de meteorologistas e quando critérios específicos dos fenômenos, definidos a partir de estudos científicos, são observados. Inicialmente é emitida uma "Observação" (na cor amarela) que, a partir da análise de novos dados, poderá subir de nível para "Atenção" (cor laranja) e posteriormente para "Aviso" (cor vermelha), ou apenas ser atualizada.

Com as informações, a população e os coordenadores regionais da Defesa Civil de Santa Catarina poderão estar preparados para a tomada das medidas necessárias para mitigar os possíveis transtornos. São emitidos avisos meteorológicos de "Nível 2" para chuva volumosa, temporal, ventos fortes, baixa umidade relativa, calor intenso, mar agitado (com risco de ressacas) entre outros.

Nível 3: representa a previsão de curtíssimo prazo, com uma antecipação máxima de até seis horas, de forma localizada (para um município ou uma determinada área de abrangência). Os alertas são elaborados a partir de dados em tempo real (satélites, radares, estações meteorológicas, câmeras, descargas atmosféricas). Basicamente, o "Nível 3" é emitido para condições de chuva de grande volume, temporal, ventos fortes, alagamentos, enxurradas e deslizamentos, através de uma "Observação" em situações mais brandas, "Atenção" ou "Alerta" em casos mais severos.

Como realizar o cadastro para as mensagens SMS

Para receber notificações de emergência da Defesa Civil de Santa Catarina basta enviar uma mensagem de texto SMS para o número 40199, contendo no corpo do texto apenas o código de endereçamento postal (CEP) do local que deseja monitorar. Quem já possui cadastro não precisa se registrar novamente. Para incluir novo CEP, basta repetir o procedimento. O serviço é gratuito.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Divulgação / Defesa Civil

O Governo do Estado montou uma força-tarefa para prestar apoio aos 92 municípios de Santa Catarina que decretaram situação de emergência em função da estiagem. Desde o dia 12 de maio, o Grupo de Ações Coordenadas (GRAC) está atuando com o suporte de toda a estrutura de Governo no enfrentamento da seca que traz prejuízos à população.

De acordo com o chefe da Defesa Civil Estadual (DCSC), João Batista Cordeiro Júnior, o objetivo da força-tarefa é proporcionar uma resposta rápida aos municípios, considerando o impacto significativo. "A estiagem que está afetando todas as regiões catarinenses é a situação mais severa enfrentada nos últimos 14 anos", destaca.


Fotos: Divulgação / Defesa Civil de Santa Catarina

O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC), finalizou a montagem de mais três kits de transposição no Meio-Oeste catarinense. As pontes foram instaladas no município de Lindóia do Sul e beneficiam as localidades de Barra do Cotovelo, Linha XV de Novembro e Linha Maria Guinter. As estruturas têm capacidade para veículos com até 30 toneladas. No total foram investidos R$ 165.509,52.

Os kits de transposição substituíram antigas pontes precárias que foram comprometidas durante enxurradas na região. Para a instalação foram realizados estudos nos locais e um projeto foi desenvolvido para evitar o estrangulamento dos rios e construir acima da cota de inundação. Duas das pontes têm sete metros de comprimento por cinco de largura e a terceira, uma extensão de oito metros.

"Além de reforçar a segurança no deslocamento das pessoas que residem nessas localidades, as estruturas garantem o escoamento da produção e evitam que as comunidades fiquem isoladas durante eventos extremos", comentou o Chefe da DCSC, João Batista Cordeiro Júnior.

Segundo ele, além dos kits de concreto pré-moldado, o Governo do Estado está atuando de forma preventiva com o projeto dos kits de transposição metálicos fabricados com reaproveitamento do aço utilizado na reforma da Ponte Hercílio Luz em Florianópolis. "As pontes metálicas substituirão estruturas que apresentam risco para a população e também com base em critérios hidrológicos para melhorar a vazão dos rios durante enxurradas”, acrescentou.

Apoio da Defesa Civil é fundamental

Outra região que já foi beneficiada pelas pontes preventivas foi o Sul de Santa Catarina. Em maio de 2019 fortes chuvas atingiram o local, quando os municípios de Laguna, Pedras Grandes, Tubarão, Sangão, Jaguaruna, Imaruí e Treze de Maio decretaram situação de emergência. Durante o evento, várias pontes, pontilhões e tubulações que faziam parte da malha viárias dos municípios foram levados pelas águas. Muitas localidades chegaram a ficar isoladas.

"Com a situação sob controle, realizamos vistorias em todas as localidades e identificamos as estruturas que poderiam ser substituídas por kits de transposição para obstáculo", comentou o coordenador regional da DCSC, Anderson Martins.

Segundo ele, em resposta ao evento já foram instalados oito kits no município de Treze de Maio e em Jaguaruna outros três.

"A grande importância do kit é a segurança e longevidade do projeto, rapidez na montagem, melhor trafegabilidade e mobilidade nas localidades", completou o coordenador.

Projeto avança no estado

A DCSC já realizou a montagem de 400 kits de transposição em todo o estado e o projeto avança com a construção de outras 27 cabeceiras que receberão novas estruturas. Dentre elas, serão duas no município de Tubarão e três em Pedras Grandes, sendo que a cabeceira da localidade de Riacho já está concluída.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br