Foto: Flávio Jr /DCSC

O chefe da Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC), Aldo Baptista Neto, visitou nesta quarta-feira, 24, em Joinville, o local onde será instalado o novo radar meteorológico. O equipamento fará o monitoramento da Região Norte do Estado que possui características específicas de relevo e microclimas, além de ser uma das com maior densidade demográfica. Os dados que serão gerados serão utilizados na emissão de avisos e alertas de eventos extremos, completando a área monitorada pelos outros três radares em operação.

O novo radar será instalado no bairro Boehmerwald, junto à associação de moradores. O local foi escolhido a partir de um estudo realizado por uma empresa especializada.

O radar de banda X já foi licitado e adquirido por R$ 3,7 milhões da empresa Eletronics Corporation (EEC). Atualmente está sendo realizado o processo licitatório para a construção do sítio do radar e da torre para a instalação do equipamento, que terá 25 metros de altura. O projeto, orçado em R$ 1,2 milhão, abrange obras de cercamento, pavimentação, monitoramento de segurança, iluminação, construção da torre e equipamentos de informática.

O chefe da DCSC, Aldo Baptista Neto, ressaltou que o novo radar chega pra compor a rede tecnológica de monitoramento pra desastres naturais e assim ampliar e melhorar ainda mais a capacidade de alertas pra população. Além dos radares, a rede tecnológica da DCSC conta com informações de estações hidrológicas e meteorológicas, imagens de satélite, bem como de sistema de identificação de raios. “Quando conseguimos ser mais assertivos, ampliamos a segurança das pessoas fazendo com que essa convivência com os desastres naturais seja algo do nosso dia a dia. Com base nessas informações, o catarinense pode dar início ao planejamento familiar de emergência para situações de eventos naturais severos”, frisou.

O prefeito de Joinville, Adriano Silva, agradeceu a DCSC pelo investimento realizado na região, em reunião na prefeitura. “Com certeza Joinville vai estar mais segura com a instalação desse radar”, disse.

Silva também destacou a eficiência da parceria entre a DCSC e a Defesa Civil do município, que agiram de forma ágil aos eventos do dia 1º de janeiro deste ano. “Os órgãos conseguiram fazer o levantamento técnico e todos os relatórios para que a gente pudesse dar a liberdade para que o cidadão joinvilense buscasse os recursos no FGTS. Isso só se deu pela velocidade com que os times trabalharam”, completou.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Os cães Orion (caramelo), Léia (marrom, no meio) e Sasuke. Fotos: Divulgação / CBMSC

Três filhotes foram certificados e agora fazem parte da equipe dos cães do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, que totaliza nove labradores operativos, prontos para atuação. Os animais foram certificados nos dias 02 e 03 de fevereiro, em Lages, onde participaram da Certificação Estadual de Cães de Busca e Resgate do CBMSC, na categoria Busca Rural. Essa foi a primeira vez que a Serra catarinense recebeu uma edição da prova.

“Nós vamos levar as provas de certificação para os Batalhões que possuem o serviço de cães, para que seja cada vez mais conhecido nas regiões e também para que os cães tenham adaptação nos mais diversos terrenos e situações comuns ao estado de Santa Catarina”, explica o presidente da Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães, tenente-coronel Walter Parizotto.

Para que um cão fique ativo, de acordo com o novo regulamento internacional, é preciso que os binômios passem por três provas. A de nível V, que é para cães a partir de 15 meses, avalia as condições do animal durante a busca de uma vítima, além de passar por prova de obediência e destreza. Já a de nível A tem duas buscas, uma noturna, uma diurna e ainda a prova de obediência e destreza, com um grau a mais de dificuldade, em relação a outra.

A arbitragem da prova foi realizada pelo tenente-coronel Walter Parizotto e o capitão Alan Cielusinsky, ambos árbitros do Conselho Nacional de Busca, Resgate e Salvamento com Cães (CONABRESC).

Os binômios - dupla entre bombeiro militar e cão de busca - aprovados nesta edição foram:

Soldado David Canever e cadela Léia, de Porto União, pertencente ao 9º Batalhão de Bombeiros Militar, com sede em Canoinhas.

Soldado Luciano Rangel e cão Orion, de Lages, pertencente ao 5º Batalhão de Bombeiros Militar, com sede em Lages.

Soldado Guilherme Galli e cão Sasuke, de Otacílio Costa, pertencente ao 5º Batalhão de Bombeiros Militar, com sede em Lages.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 

 

 


Foto: Flávio Vieira Jr /DCSC

O Radar Meteorológico do Vale, localizado no município de Lontras, voltou a operar no último sábado, 30. O equipamento permanece em funcionamento assistido, ou seja, acompanhado pela empresa responsável pela manutenção. Para o retorno da normalidade foi realizada a troca de um rolamento que é considerado fundamental.

Nesta terça-feira, 02, o chefe da Defesa Civil de Santa Catarina, Aldo Batista Neto, vistoriou a estrutura do Radar do Vale e acompanhou o funcionamento do equipamento e a manutenção da estrutura. O Radar do Vale compõe o grupo de equipamentos utilizados no monitoramento e emissão de alertas em Santa Catarina. Para que passasse por manutenção, uma estratégia utilizando outros radares, sistemas e equipamentos foi colocada em prática para manter o monitoramento meteorológico.

Durante a vistoria, o chefe da DCSC reforçou o compromisso do Governo do Estado em melhorar cada vez mais a rede de monitoramento e alerta de desastres naturais. “O nosso foco é fornecer informações confiáveis para que os cidadãos possam estar preparados para as mais diferentes situações. Assim vamos reduzir prejuízos e preservar vidas”, destacou.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Fotos Divulgação/ CBMSC

Oficiais e praças do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) e da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) foram promovidos na manhã desta sexta-feira, 29. Os 37 militares, dois oficiais e seis praças do CBMSC e 10 oficiais e 31 praças da PMSC, receberam o reconhecimento na presença da vice-governadora, Daniela Reinehr, do presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, coronel BM Charles Alexandre Vieira, do comandante Geral da PMSC, Coronel Dionei Tonet, e de familiares.

A promoção representa a manifestação de prestígio e consideração aos militares e é o símbolo maior almejado, denotando dedicação e esmero na execução do serviço. Além disso, o ato de promoção representa o reconhecimento pela responsabilidade empregada pelo militar no dia a dia da profissão.

A vice-governadora Daniela Reinehr reconheceu o trabalho integral dos profissionais nas corporações em ocorrências como tragédias climáticas e eventos de combate à criminalidade. Ela também homenageou as famílias dos policiais e bombeiros.

“É preciso marcar que esta transição na vida dos oficiais e praças demanda grande dedicação, para manter-se o serviço de excelência prestado pelas forças de segurança de Santa Catarina, com o compromisso de cuidar das vidas e da segurança dos catarinenses. Nosso agradecimento especial aos familiares que, resilientes, fortes e otimistas, dão suporte aos nossos policiais e bombeiros”, destacou a vice-governadora.

O coronel BM Charles Alexandre Vieira afirmou que a ascensão hierárquica representa um marco na carreira militar. "Cada graduação, cada insígnia conquistada é balizada por inúmeras lembranças, dificuldades superadas e por desafios vencidos. Que o triunfo de hoje, merecidamente exaltado por este ato solene, registre o início de uma nova fase, com novas missões e também novas responsabilidades", disse.

A solenidade de promoção na Capital foi restrita, respeitando todos os protocolos sanitários indicados pela Secretaria de Estado da Saúde. O evento foi realizado em ambiente aberto, no Centro de Ensino Bombeiro Militar, e transmitido pelo Youtube. Entre as autoridades, também participaram da cerimônia o secretário de Estado da Administração, coronel da PM Jorge Eduardo Tasca, e o deputado coronel Mocelin.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
E-mail: imprensa@secom.sc.gov.br
Site: www.sc.gov.br

 


Foto: CBMSC

O incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, fez as equipes dos Corpos de Bombeiros Militar reforçarem suas atividades técnicas em todo o país, incluindo Santa Catarina. A tragédia, que completou oito anos e deixou 242 mortos, revelou sérias irregularidades na casa noturna e chamou a atenção para a necessidade de fortalecimento das normas de segurança em lugares fechados.  

As chamas começaram por conta do uso de artifícios pirotécnicos em um ambiente fechado, atingindo a espuma que foi utilizada como revestimento acústico do local. Segundo a perícia, a espuma liberou Cianeto, um gás tóxico que intoxicou as vítimas. Além do incêndio, havia problemas como falta de saídas de emergência e de sistemas preventivos, superlotação e alvarás vencidos.

Em 2017, foi sancionada a Lei Federal 13.425, chamada de Lei Kiss, que estabeleceu diretrizes gerais para a segurança contra incêndio e pânico em espaços comerciais, edificações e áreas de reunião de público. A legislação reforça que cabe aos Corpos de Bombeiros Militar de cada Estado aprovar projetos preventivos e fiscalizar o cumprimento das normas de segurança.

Como funciona a prevenção em Santa Catarina

Em Santa Catarina já existiam normas e procedimentos de segurança contra incêndio. Porém, logo após a tragédia, houve uma nova resposta governamental. Foi aprovada a Lei Estadual 16.157, de 7 novembro de 2013, e editado o Decreto nº 1957/2013, que regulamenta a medida. A lei estabeleceu o poder de polícia adminsitrativa ao Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), dispôs sobre as normas e os requisitos mínimos para a prevenção e segurança contra incêndio e pânico e definiu sanções aos responsáveis dos imóveis que descumprirem as normativas.

Essas instruções normativas são frequentemente estudadas e analisadas pela Diretoria de Segurança Contra Incêndio (DSCI), possibilitando um atendimento completo e garantindo a proteção dos cidadãos.

Ações realizadas pelo CBMSC

Os estabelecimentos possuem a fiscalização do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, de acordo com a necessidade apontada nas leis, porém também são feitas ações preventivas pontuais. No verão, por exemplo, são realizadas ações de fiscalização no período noturno, em municípios turísticos, garantindo que as normas sejam cumpridas.

São analisados, nestes casos, se o local se encontra com a capacidade de público condizente com o que foi aprovado no projeto pelo CBMSC; se os sistemas preventivos vitais estão instalados e em funcionamento; se as saídas de emergência estão desobstruídas; e se há utilização de artefatos pirotécnicos no interior da edificação, o que é expressamente proibido.

Além disso, foi criado o Centro de Pesquisa e Inovação do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) para análise de novas tecnologias e ensaio de materiais que podem ou não ser utilizados, garantindo ainda mais segurança aos cidadãos.

>>> Corpo de Bombeiros Militar altera instruções normativas com o foco na desburocratização

O que fazer se perceber irregularidades em um local?

Ao presenciar um local de concentração de público e perceber que não existem indicações de saídas de emergência, que possivelmente o local está com a capacidade permitida de público acima do indicado nas placas (que devem estar visíveis) ou qualquer outra irregularidade que possa colocar a vida das pessoas em risco, denuncie.

Os canais de contato são as Polícias Militar, pelo telefone 190, ou Civil, pelo 181, e também o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, pelo telefone 193.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 

A Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) esclarece que, em conjunto com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, mantém um diálogo aberto com o Centro de Operações do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí-Açu (CEOPS), pertencente a Universidade Regional de Blumenau (FURB). Com o objetivo de apoiar a operação e manutenção da rede de monitoramento caso exista viabilidade financeira e operacional.

No dia 9 de dezembro de 2020 as entidades participaram de uma reunião, organizada pelo Comitê da Bacia do Rio Itajaí, para discutir as condições operacionais da rede de monitoramento e alerta do Vale do Itajaí, operada pelo CEOPS/FURB. Na oportunidade, a DCSC levantou a necessidade de avaliar o interesse e as condições técnicas do CEOPS em continuar a operar a rede.

Da mesma forma, foi solicitado que o Centro apresentasse um diagnóstico da situação e a proposta técnica e financeira para a recuperação e manutenção. Destaca-se que, até o momento, a DCSC não recebeu nenhuma comunicação oficial do CEOPS/FURB apontando o interesse de continuidade da operação da rede. Apenas foi repassado, na tarde do dia 26 de janeiro, por meio do Comitê da Bacia do Rio Itajaí,  o “possível” interesse e a cópia de uma proposta técnica financeira desatualizada elaborada em 2019.

O CEOPS afirma que as informações precisam ser atualizadas com base em vistoria em todas as estações, mas esse trabalho está fora de cogitação. É importante levar ao público que o custo apontado pelo documento, que está desatualizado, para a reforma das estações e manutenção das atividades, repassado pelo Centro, é de R$ 652.590,00. Deste montante podemos exemplificar como custos de gestão administrativa e operacional do Projeto, por 12 meses, a quantia de R$ 130.000,00, e para compra de equipamentos novos, como computadores e notebooks, R$ 232.900,00.

Atualmente, apenas duas das 16 estações do CEOPS estão operacionais, sendo que a grande maioria dos pontos monitorados pelo Centro coincidem com a rede da Agência Nacional das Águas (ANA). Se existe uma entidade que já realiza o monitoramento destes pontos, se torna necessário avaliar a viabilidade e quais os benefícios que o repasse de recursos para o CEOPS/FURB vai trazer para o sistema de alerta de cheias no Vale do Itajaí, já que estamos tratando recursos públicos.

O CEOPS já teve uma participação importante no monitoramento de inundações do Vale do Itajaí, mas também passou por falhas em eventos críticos. Após problemas na operação durante as cheias de 2008, a SDM, antiga Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, apoiou a modernização do sistema operacional. Já nas cheias de 2011, entre agosto e setembro, quando o Vale do Itajaí, em especial o Alto Vale, foi severamente afetado por inundações, uma falha no sistema de telemetria da rede do CEOPS prejudicou o monitoramento da Bacia Hidrográfica.

 É possível afirmar que o Vale do Itajaí é uma das bacias hidrográficas do Brasil com a maior densidade de estações de monitoramento. Por ser um sistema descentralizado, monitorado por diversas agências, reduz a dependência de uma única instituição para operar e manter o sistema de monitoramento e alerta da bacia. Nos últimos anos, diversas entidades públicas, privadas, municipais, estaduais e federais investiram na implantação de redes de monitoramento. Atualmente, o Vale do Itajaí conta com 287 estações pluviométricas ativas (que medem a chuva) e 105 estações fluviométricas (que medem os níveis dos rios).

O setor elétrico possui o maior número de estações de nível (31), em seguida vem a Agência Nacional das Águas (ANA) (17), CEOPS (16), Prefeitura de Itajaí (9) e Prefeitura de Brusque (3). Um novo Plano de Operação das Barragens de Taió, Ituporanga e José Boiteux foi elaborado com base em estudos hidrológicos e hidráulicos. Para apoiar o Plano, que minimiza as cheias no Vale do Itajaí, no final de 2020 a Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) instalou outras três estações nas Barragens de Taió e Ituporanga.

A DCSC ressalta que neste ano também está sendo prevista a aquisição e instalação de mais 15 estações hidrológicas, a maioria situada no Vale do Itajaí. O resultado destas ações pode ser comprovado em dezembro de 2020 quando a operação das Barragens possibilitou que o rio fosse estabilizado em 6,89 metros em Rio do Sul. Os estudos indicam que, sem a operação das barragens, o nível do rio poderia ter atingido 8,39 metros. Desta forma o monitoramento hidrológico realizado pela DCSC e a operação das barragens reduziu prejuízos e preservou vidas.

Hoje, o Estado de Santa Catarina conta com um setor de meteorologia e hidrologia que atua 24 horas por dia e sete dias por semana para prestar um serviço dedicado de monitoramento e alerta para a população. A DCSC também implantou um Sistema de Previsão de Eventos Hidrológicos Críticos em 13 municípios do Vale do Itajaí (Taió, Ituporanga, Agronômica, Rio do Sul, José Boiteux, Rodeio, Ascurra, Benedito Novo, Rio dos Cedros, Timbó, Blumenau, Brusque e Itajaí). A instituição permanece à disposição para esclarecer qualquer dúvida.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Flavio Vieira Jr/Defesa Civil

Equipes do Corpo de Bombeiros de Militar de Santa Catarina e da Defesa Civil estadual estão mobilizadas para o atendimento das ocorrências relacionadas às fortes chuvas que caem sobre parte do Estado neste domingo, 24. A região mais atingida é a Grande Florianópolis, onde foram registradas pelo menos três ocorrências de deslizamento, uma delas com vítimas de soterramento. No final da tarde foi confirmado que duas pessoas, mãe e filha, morreram após um deslizamento de terra e desabamento de um muro, no bairro Saco Grande, na Capital.

"O volume de chuva que caiu, especialmente na Grande Florianópolis, foi muito grande e estamos acompanhando os desdobramentos na região, com todas as nossas equipes de prontidão. É necessário que a população também mantenha o alerta e acione os Bombeiros ou a Defesa Civil assim que preciso", destaca o governador Carlos Moisés.

Desde o começo da manhã, o Corpo de Bombeiros mantém o estado de alerta, com equipes de prontidão. A Força-Tarefa 01, do 1º Batalhão de Bombeiros Militar, com sede na Capital, já foi acionada para suporte às ocorrências. Outra região que está em alerta nos últimos dias é a do Vale do Itajaí, porém a situação é estável até o momento.


Foto: CBMSC

“Nós estamos alertas e prontos para atender as ocorrências no estado. O Corpo de Bombeiros Militar já está monitorando a situação de Santa Catarina nestes últimos dias e seguirá enquanto for necessário”, afirma o Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, coronel Charles Alexandre Vieira, que também preside o Colegiado Superior de Segurança Pública.

“Em caso de emergência as pessoas podem nos acionar pelo telefone 193. Reforçamos apenas o pedido para que as pessoas não fiquem em áreas de risco, não transitem em locais alagados e se antecipem para evitar tragédias, ainda pedimos para aquelas que estão em segurança, que fiquem em suas casas”, complementa.


Foto: Flavio Vieira Jr/Defesa Civil

As equipes do Governo do Estado seguirão monitorando a situação nos próximos dias em razão do encharcamento do solo, quando a probabilidade de ocorrências de deslizamento e desmoronamento aumenta.

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Divulgação / DCSC

Começou nesta sexta feira, 22, a obra de estabilização das cabeceiras da ponte na SC-340 entre Dona Emma e Presidente Getúlio. O primeiro objetivo da empresa contratada é realizar intervenções para a liberação do trânsito de veículos pesados em meia pista ainda nesta sexta-feira e, assim, possibilitar o escoamento da produção local.

Em função da movimentação de maquinário, caminhões e operários, a Defesa Civil de Santa Catarina (DCSC) solicita atenção especial de motoristas que circulam neste trecho da rodovia. A fiscalização no local está sendo realizada pela Polícia Militar Rodoviária.

Para o retorno da normalidade será realizada a construção de blocos de pedras para contenção do solo, remoção da vegetação, pavimentação e sinalização. O projeto contempla ainda a execução de uma galeria e recuperação da rodovia no km 216,25. O planejamento aponta que a liberação das duas pistas deve ser realizada em até quatro dias de atividades.

“O Governo do Estado e a DCSC estão focados na solução da situação. A obra é considerada complexa para que a estrutura remanescente da ponte não seja danificada durante os trabalhos”, comentou o chefe da DCSC, Aldo Baptista Neto. De acordo com ele, o projeto busca garantir segurança na via de forma ágil para suprir os anseios e necessidades da comunidade.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Defesa Civil de SC realizou serviços de topografia no local neste mês. Foto: Divulgação / DCSC

Nesta quinta-feira, 21, foi assinada a ordem de serviço para a recuperação da drenagem e das cabeceiras da ponte localizada no km 215,7 na SC-340, entre Presidente Getúlio e Dona Emma. Os recursos foram garantidos junto ao Governo Federal. No total serão investidos R$ 574.142,74.

O projeto prevê a realização de serviços de enrocamento em pedra para evitar movimentação do solo, drenagem e pavimentação. Nesta sexta-feira, 22, a empresa responsável fará a avaliação da área para o início dos trabalhos, que devem durar quatro dias até a liberação do trânsito.

Logo após as fortes chuvas que atingiram o Alto Vale no dia 17 de dezembro, os técnicos da DCSC iniciaram as atividades. No dia 23 de dezembro enviaram o Plano de Trabalho para o Governo Federal e o documento foi aprovado em cerca de cinco dias. Entre os dias 28 de dezembro e 18 de janeiro a Defesa Civil Nacional realizou os procedimentos para o repasse dos recursos que foram depositados na última segunda-feira, 18.

“Neste intervalo a Defesa Civil estadual agilizou e fez todos os procedimentos necessários para o início da licitação e levantamento topográfico para agilizar os trabalhos. A empresa foi escolhida por meio da modalidade simplificada de licitação que é mais curta e ágil para fazer a contratação do serviço”, comentou o chefe da DCSC, Aldo Baptista Neto.

Segundo ele, logo após a chegada dos recursos, a DCSC venceu o restante das exigências legais e burocráticas do Sistema de Aquisição com a parceria da Secretarias de Estado da Fazenda, Administração e do Grupo Gestor de Governo. Após a publicação no Diário Oficial do Estado, foi possível a conclusão do processo licitatório e a emissão da ordem de serviço para o início das obras.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: ascom@defesacivil.sc.gov.br
Site: www.defesacivil.sc.gov.br

Nas últimas 72h, desde a manhã de segunda-feira, 18, a chuva não deu trégua em Santa Catarina. Nas regiões da Grande Florianópolis, Vale do Itajaí, Planalto Norte e Litoral Norte, a chuva foi mais persistente, com totais elevados de 100mm a 170mm, quase o esperado para todo o mês de janeiro no Planalto Norte e praticamente a metade da chuva esperada nas demais regiões. Houve registro de alagamentos e deslizamentos devido ao solo encharcado.

Nas demais regiões, os valores de chuva foram menos significativos. A chuva está sendo causada por forte convergência de umidade no estado, associada a um cavado (área de baixa pressão) e à circulação marítima (transporte de umidade do mar para o continente).

A situação ainda é de atenção até sexta-feira, 22, devido à persistência da chuva em Santa Catarina, com totais mais elevados, especialmente na Grande Florianópolis, Médio e Baixo Vale do Itajaí e Litoral Norte.

No fim de semana, o sol aparece entre nuvens na maioria das regiões, e a chuva ocorre mais em forma de pancadas na tarde e noite (típicas de verão). No entanto, não se descarta a possibilidade de temporais localizados.

Acumulado de chuva em Santa Catarina das 11h do dia 18/01 às 10h do dia 21/01/2021:

Fonte: Estações meteorológicas automáticas monitoradas pela Epagri/Ciram, INMET, ANA, Casan e outras instituições. Dados sujeitos à correção posterior.

>>> Mais informações no site ciram.epagri.sc.gov.br

Mais informações para a imprensa:
Gisele Dias
Assessoria de imprensa 
Epagri
Fone: (48) 3665-5147 / 99989-2992
E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
Site: www.epagri.sc.gov.br