O Treinamento de Cães de Busca e Resgate, com ênfase na área de Restos Mortais, foi realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC),  na cidade de Curitibanos.

As aulas, que ocorreram de 9 a 13 de setembro, foram ministradas pelos bombeiros militares catarinenses cabo Ronaldo Fumagalli e capitão João Emiliano de Moura e teve  duração de 40 horas/aula, divididas em teoria e prática. Participaram 27 bombeiros militares e dois policiais civis dos estados de Santa Catarina, Amazonas, Amapá, Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul.

Após o desastre de Brumadinho, a busca de restos mortais ganhou destaque nacionalmente, já que necessitou do apoio dos cães para a localização e resgate de corpos de vítimas que se encontravam muitas vezes soterradas. Os binômios catarinenses estiveram presentes nesta operação e por isto são referência na atividade.

Além disso, este tipo de habilidade é utilizado também na localização de vítimas de afogamento, deslizamento de terra, estruturas colapsadas, suicídio e também em situações de crimes com ocultação de cadáver.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
(48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 

Foto: Divulgação/Defesa Civil

A Defesa Civil de Santa Catarina realizou a montagem de mais um kit de transposição, dessa vez na comunidade de Urubuquara, em Garuva, no Norte de SC. A estrutura substitui uma antiga ponte de madeira sobre o Rio Cupim na Estrada Barão do Rio Branco, que foi atingida por uma forte enxurrada. A ação é resultado da parceria entre a Defesa Civil de SC e a Prefeitura de Garuva. O município realizou a construção das cabeceiras e o órgão estadual fez a montagem do kit pré-moldado de concreto. A ponte, com 10 metros de comprimento e cinco metros de largura, é avaliada em R$ 63,6 mil.

"Já foram instaladas 381 pontes em todo o estado e a previsão é que sejam entregues mais 33 kits de transposição até o final deste ano", destaca o chefe da Defesa Civil estadual, João Batista Cordeiro Júnior, que acompanhou o trabalho de instalação da estrutura. O kit de transposição foi montado em menos de duas horas e foi projetado para permitir uma vazão maior do rio e assim suportar grandes enxurradas.

No total, 45 famílias serão diretamente beneficiadas pela ação. Segundo a moradora da comunidade Cleusa Pereira Ferreira de Oliveira, a antiga ponte representava diversos problemas. "Era bem complicado, quando chovia fazia buraco na cabeceira da ponte", relembra. A estrutura é o único acesso da localidade e também para a Fazenda Esperança, local de recuperação de dependentes químicos. "Era difícil. Nós precisamos deste trajeto e vai ser bom para todo mundo", completa a dona de casa. 

Já o gerente de um hotel fazenda da região Sidnei de Castro Bertoni acredita que a nova ponte vai impulsionar a economia da região. "Era o que nós precisávamos. Vai facilitar o acesso das empresas e dos moradores, vai engrandecer o bairro e não vamos mais ter problema em dia de chuva", comenta.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Fotos: Julio Cavalheiro / Secom

A cooperação dos órgãos do Estado foi fundamental para o controle do incêndio que devastou aproximadamente 800 hectares de vegetação no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis. A avaliação é do governador Carlos Moisés, que concedeu uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, 12, poucas horas depois do fim da ocorrência no município de Palhoça. Ele exaltou o trabalho realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar, pela Polícia Militar Ambiental, pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA) e pela Defesa Civil estadual. 

O incêndio, que começou na manhã de terça-feira, foi combatido por 162 bombeiros, 90 policiais ambientais, 18 funcionários do IMA, oito representantes da Defesa Civil, além do apoio de duas guarnições da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Também foram empregadas dezenas de viaturas no combate ao fogo, além dos helicópteros Arcanjo (Bombeiro) e Águia I (Polícia Militar). Mais de 250 mil litros de água foram utilizados no trabalho. 

“Acreditamos que foi uma operação exitosa. Esse incêndio serviu também para fazer uma avaliação de como o governo conversa entre si. O resultado tem sido bom. Queremos implantar planos de contingência conectados entre as agências. Isso faz com que a resposta seja mais rápida”, avaliou Carlos Moisés. 

O governador ainda acrescentou que a ocorrência desta semana atingiu menos de 1% da área total do parque. Os incêndios na região não são incomuns. Desde 2004, outras três ocorrências de grande porte ocorreram no parque, sempre com área danificada superior a 900 hectares.

“Infelizmente essa ocorrência não é uma novidade para Santa Catarina. Os últimos três incêndios na região superaram os 800 hectares. É um local de difícil combate ao fogo, pois é alagadiço”, acrescentou Moisés. 

Na avaliação do comandante-geral dos bombeiros, coronel Charles Vieira, a baixa umidade relativa do ar dificultou o trabalho para debelar o fogo, e a situação ainda exige cautela, embora não haja mais nenhum foco ativo.

“Foi um incêndio de grandes proporções. Além da baixa umidade do ar, tivemos um vento nordeste muito forte, que fez com que as chamas se propagassem. As equipes precisaram se dividir para fazer esse trabalho de combate”, explica Vieira. 

O chefe da Defesa Civil, coronel João Batista Cordeiro Júnior, ainda ressaltou que o local é alagado, o que também dificultou o trabalhos dos Bombeiros. “Diante disso, podemos afirmar a resposta foi rápida e efetiva”, ponderou.

Apuração das causas

O governador Moisés determinou ainda que seja realizada uma perícia para apurar a causa do incêndio. Caso haja ação humana e o responsável seja identificado, ele pode pegar uma pena de três a seis de prisão. 


Fotos: Mauricio Vieira  / Secom

Na avaliação do presidente do IMA, coronel Valdez Rodrigues Venâncio, outro aprendizado com a ocorrência é a necessidade de se ampliar uma plano de educação ambiental, para que as populações vizinhas aprendam mais sobre a importância de áreas de preservação. 

“Precisamos também regularizar muitas áreas. É preciso tirar isso do papel de fato e de direito. Com as áreas regularizadas, o Estado pode partir até para concessão delas”, disse Venâncio. 

A recuperação da área atingida deve levar de dois a três anos, dependendo da espécie, de acordo com o comandante da Polícia Militar Ambiental, coronel Marcelo Pontes. “Agora faremos o monitoramento do local, para traçar os programas de recuperação. A avaliação do que realmente foi perdido será feita com base no relatório dos Bombeiros. Só assim teremos condições de afirmar o dano real da fauna e flora”, explicou Pontes. 



O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior unidade de conservação de proteção integral do Estado, foi criado em 1975 para proteger a biodiversidade rica da região e os mananciais hídricos que abastecem as cidades da Grande Florianópolis e do Sul do Estado. Ocupa cerca de 1% do território catarinense e abrange áreas dos municípios de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí e Paulo Lopes. Fazem parte do Parque as ilhas do Siriú, dos Cardos, do Largo, do Andrade e do Coral, e os arquipélagos das Três Irmãs e Moleques do Sul.

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

Fotos: Mauricio Vieira/Secom

O incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis, está sob controle graças à mobilização do Estado e trabalho integrado de profissionais do Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Militar, Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (IMA) e bombeiros comunitários. Em sobrevoos realizados por drones e pela aeronave Arcanjo, do Corpo de Bombeiros, durante a madrugada e manhã desta quinta-feira, 12, não foram localizados novos focos de incêndio.

Nestes voos, foram identificados apenas pequenos focos remanescentes em áreas já queimadas e sem possibilidade de se alastrar. As equipes de plantão, comandadas pelo 10º Batalhão de Bombeiros Militar, com sede em São José, trabalharam durante toda a noite, em rondas a cada 30 minutos, vistoriando as estradas Velha, Morretes e Espanhola.

:: MAIS IMAGENS NA GALERIA

O incêndio florestal começou por volta das 10h de terça-feira na maior Unidade de Conservação Estadual de proteção integral de Santa Catarina. O balanço da operação será repassado em uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, que será realizada pelo Centro de Informações Públicas (CIP) do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD), e terá a presença do governador Carlos Moisés. Na manhã desta quinta-feira o CIGERD encontra-se no status operacional “Nível 2”, ou seja, seguindo protocolos de integração das agências envolvidas.

Nos dados levantados até a tarde de quarta-feira, 277 mil litros de água haviam sido usados pelo Corpo de Bombeiros Militar e cerca de 500 hectares da unidade de conservação tinha sido atingidos pelo incêndio. Porém, o levantamento mais exato da área queimada deve ser feito nesta quinta-feira, diante do controle das chamas.

Cerca de 30 bombeiros militares e comunitários seguem fazendo rondas na região e as forças-tarefa (FT 04) de Criciúma e de Balneário Camboriú (FT 13) continuam de prontidão. A Polícia Civil irá instaurar um inquérito para investigar causas do incêndio florestal e eventuais responsabilidades.

 

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior unidade de conservação de proteção integral do Estado, foi criado em 1975 para proteger a biodiversidade rica da região e os mananciais hídricos que abastecem as cidades da Grande Florianópolis e do Sul do Estado. Ocupa cerca de 1% do território catarinense e abrange áreas dos municípios de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí e Paulo Lopes. Fazem parte do Parque as ilhas do Siriú, dos Cardos, do Largo, do Andrade e do Coral, e os arquipélagos das Três Irmãs e Moleques do Sul.

Serviço:

Coletiva de Imprensa sobre incêndio no Parque da Serra do Tabuleiro
Data: Quinta-feira, dia 12 de setembro
Horário: 14h
Local: Centro de Comunicação do CIGERD, Avenida Ivo Silveira 2320, Capoeiras, em Florianópolis.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br

 
Foto: Divulgação/CBMSC

Um trabalho integrado envolvendo o Corpo de Bombeiros Militar, a Polícia Militar, o Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (IMA) e os bombeiros comunitários está em curso desde essa terça-feira para combater o incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior Unidade de Conservação Estadual de proteção integral.

O fogo começou por volta das 10h de terça-feira. A atuação conjunta das forças de segurança e do IMA foi fundamental para evitar que o fogo atingisse residências, na região da Pinheira, ameaçando áreas próximas da Serra do Tabuleiro. Devido ao forte vento, as ações permanecem para conter as chamas.

:: VEJA GALERIA DE FOTOS

As equipes do IMA e da Polícia Militar Ambiental trabalham por terra para controlar pequenos focos, enquanto o Corpo de Bombeiros atua em solo e com o helicóptero Arcanjo, e a Polícia Militar, com o Águia, no combate ao fogo.

A força-tarefa que estava mobilizada para auxiliar o Governo Federal no combate aos incêndios na Amazônia está em Santa Catarina e à disposição do Estado para atuar no Parque da Serra do Tabuleiro.

Uso de drones

Drones também estão sendo usados para auxiliar nos trabalhos. A previsão é que o combate continue por mais dois dias para o controle total das chamas. Até as 16h desta terça, 277 mil litros de água haviam sido usados pelo Corpo de Bombeiros Militar.

“Temos uma equipe de profissionais que está, nesse momento, trabalhando arduamente combatendo os focos de incêndio. São altamente capacitados e preparados para uma missão como essa. Nossa prioridade é a segurança dos moradores no entorno da área atingida pelo fogo”, afirma o governador Carlos Moisés.


Foto: Claudia Xavier / IMA

A Polícia Civil irá instaurar um inquérito para investigar causas e eventuais responsabilidades. O Instituto Geral de Perícias (IGP) também está pronto para auxiliar nesta apuração.

A estimativa é que o incêndio já tenha atingido cerca de 500 hectares. Uma avaliação detalhada será realizada com drones e imagens aéreas, após o controle das chamas.

A Defesa Civil do Estado alerta que as condições climáticas do momento, com tempo seco e vento, faz com que as chamas se alastrem com facilidade, por isso pede à população que não acenda fogo algum.

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior unidade de conservação de proteção integral do Estado, foi criado em 1975, com base nos estudos dos botânicos padre Raulino Reitz e Roberto Miguel Klein, para proteger a biodiversidade rica da região e os mananciais hídricos que abastecem as cidades da Grande Florianópolis e do Sul do Estado.

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro ocupa cerca de 1% do território catarinense. Abrange áreas dos municípios de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí e Paulo Lopes. Fazem parte do Parque as ilhas do Siriú, dos Cardos, do Largo, do Andrade e do Coral, e os arquipélagos das Três Irmãs e Moleques do Sul.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Divulgação / CBMSC

Após muito teste, o cão Orion, de Jundiaí (SP) foi o escolhido para ser o novo filhote do soldado do Corpo de Bombeiros Militar de SC (CMBSC), Luciano Rangel, que atua no Batalhão de Lages. O novo filhote, que será treinado para a atuação em ocorrências de busca e resgate, chegou nessa semana à corporação. 

O presidente da Coordenadoria de Busca e Resgate com Cães, tenente coronel Walter Parizotto, explica que não é uma tarefa simples a escolha dos cães.

 Foto: Defesa Civil/SC

O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil (DC/SC), realizou nesta quarta-feira a instalação de um kit de transposição na localidade de São Luiz, município de Treze de Maio. A estrutura, de 15 metros de extensão por 5 de largura e orçada em R$ 103.523,76, substitui uma antiga ponte danificada por uma forte enxurrada que afetou a malha viária local. Nesta quinta, 5, será instalado uma segunda estrutura na cidade, desta vez no Rio Perdoná, com custo de R$ 57.200,12. 

O kit é pré-moldado e fabricado em concreto e a instalação é resultado de convênio entre a prefeitura, que ficou responsável pela construção das cabeceiras, e a Defesa Civil, que realizou o transporte e a montagem. Viabilizados por meio do Fundo Estadual da Defesa Civil de Santa Catarina (Fundec), os kits de transposição são disponibilizados com várias opções de tamanho aos municípios atingidos por desastres naturais. 

No total, a Defesa Civil já realizou a instalação de 378 kits em todo o estado, o que representa o investimento de R$ 21,9 Milhões. Apenas este ano já foram entregues 10 kits, com o investimento de R$ 764.083,88. Estão em andamento 51 processos para a instalação de outras estruturas, todas em fase da construção das cabeceiras, além de outras 11 em processo de documentação. A estimativa é que até o final do ano sejam instalados mais 36 kits com o investimento de R$ 3.204.402,76. 

"Estas estruturas são dimensionadas para resistir a fortes tempestades garantindo a normalidade da mobilidade e também facilita o escoamento da produção nos municípios com rotas mais confiáveis", comentou o Secretário de Estado da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Jr. 

Segundo ele, a Defesa Civil também está inovando com o reaproveitamento do aço utilizado na reforma da Ponte Hercílio Luz para a construção de pontes metálicas que serão distribuídas aos municípios catarinenses. "É uma ação que busca a valorização dos recursos públicos, sustentabilidade e prevenção. As pontes metálicas irão substituir, de forma preventiva, antigas pontes e pontilhões de madeira e terão o custo médio aproximado de R$ 6 mil. Nossa estimativa é entregar 835 estruturas aos municípios", finalizou.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br

Foto: Flávio Vieira Júnior/Defesa Civil 

Os recursos para a reforma da barragem de José Boiteux, no Alto Vale do Itajaí, estão garantidos. O Governo Federal empenhou nesta semana os R$ 4,6 milhões para que o Estado de Santa Catarina, por meio da Defesa Civil, dê início a uma solução aguardada há pelo menos 27 anos. A barragem de José Boiteux é a maior estrutura de controle de cheias do Brasil e a principal do sistema que protege o Alto Vale do Itajaí contra enchentes. Ela represa as águas dos rios Dollmann e Hercílio (Itajaí do Norte).

A capacidade total de armazenamento da barragem é de 357 milhões de metros cúbicos de água. As obras iniciaram em 1972 e a estrutura foi inaugurada em 1992 pelo Governo Federal, que deixou algumas pendências.

A busca pela solução começou com o envio, por meio da Defesa Civil catarinense, de dois planos de trabalho. O primeiro de R$ 16 milhões para a fiscalização e finalização da construção do canal extravasor, que não foi concluído pela União, e o segundo, de R$ 5 milhões, para a reforma do comando hidráulico e das estruturas físicas da barragem que foram inutilizados, totalizando R$ 21 milhões. 

Agora, o Estado aguarda apenas a conclusão da análise, por parte da Fundação Nacional do Índio (Funai), dos termos de referência das obras do canal extravasor e do estudo de impacto sócio ambiental, a maior reivindicação das comunidades indígenas do entorno da barragem, que serão custeados com recursos do Estado. Após a aprovação, os processos licitatórios serão lançados.

Busca por soluções

"Encaramos esse desafio de colocar um ponto final nesta situação", declarou o chefe da Defesa Civil de Santa Catarina, João Batista Cordeiro Júnior. Segundo ele, houve uma determinação do governador Carlos Moisés para solucionar todos os problemas que envolvem a barragem. "Iniciamos os trabalhos em duas frentes: com as comunidades indígenas que residem no entorno do lado da barragem e junto ao Governo Federal na busca dos recursos necessários", destacou.

João Batista explicou que todas as negociações foram acompanhadas pela Funai e pelo Ministério Público Federal (MPF). "Mostramos à comunidade que nosso objetivo era solucionar a situação definitivamente e o principal compromisso firmado foi a efetivação do estudo de impacto socioambiental no valor de R$ 1,7 milhão, por parte do Estado. Esse trabalho vai apontar todas as necessidades da região", disse.

Antes mesmo do início do estudo, a Defesa Civil de Santa Catarina realizou o cadastramento de todas as famílias e estruturas que podem ser afetadas pela barragem durante a operação. "Pela primeira vez foi realizado esse trabalho e, hoje, conhecemos o quadro completo e complexo do entorno de José Boiteux", reforçou o Chefe da Defesa Civil.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Ricardo Wolffebüttel / Secom

O material metálico usado no trabalho de restauração da ponte Hercílio Luz terá um destino nobre com a conclusão dos trabalhos na Velha Senhora. Todo o aço que serviu de sustentação para a restauração do cartão postal servirá de base para a construção de até 835 pequenas pontes no interior do Estado. O número foi divulgado esta semana após um levantamento realizado pelo consórcio responsável por fazer o plano de corte, o beneficiamento do material, os projetos básicos e a montagem dos kits. 

Segundo o chefe da Defesa Civil, coronel João Batista Cordeiro Júnior, no momento estão sendo recebidas as demandas com as necessidades dos municípios. Até o momento, cerca de 50 prefeituras já procuraram o Governo do Estado com interesse nos kits. As pontes terão até 12 metros de comprimento e substituirão pontes precárias, em sua maioria feitas de madeira.

“Estamos recepcionando as demandas dos municípios e avaliando a precariedade das estruturas. Como contrapartida, a obrigação dos municípios é fazer as cabeceiras, montar a logística para buscar os kits e fazer a execução”, conta Batista.

Para receber os kits, os municípios precisam atender a alguns requisitos, sendo os principais deles: as rodovias que receberão as pontes precisam estar oficialmente na malha rodoviária municipal e a administração precisa ter uma Defesa Civil instituída. As exigências constarão de uma Instrução Normativa que está sendo elaborada pelo Governo do Estado.

Economia e durabilidade

Outro ponto destacado por Batista no reuso das estruturas metálicas é a economia. Cada kit terá um custo de aproximadamente R$ 5,8 mil, ao passo que um kit de concreto para uma ponte de seis metros custa aproximadamente R$ 50 mil. Além disso, as estruturas de madeira demandam uma manutenção mais cara do que as estruturas metálicas:

“Faremos pontes preventivas também. Quando a Defesa Civil faz uma obra, executa sempre visando a resiliência. Os vão não serão menores que as margens dos Rios, para evitar represamento de água sobre a estrutura. Serão pontes sustentáveis”.

A expectativa da Defesa Civil é que os primeiros kits comecem a ser entregues dentro de 80 dias.

>>> Leia mais:

Última transferência de carga é concluída com sucesso e Ponte Hercílio Luz volta a estar suspensa

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

 Foto: Flávio Vieira Júnior/Defesa Civil

A Defesa Civil de Santa Catarina (DC) realizou o lançamento do Sistema de Ensino à Distância (EaD) da instituição. Os primeiros cursos serão de Condução de Veículos Oficias, que já está em andamento, e o de "Proteção e Defesa Civil", que terá início no começo de setembro e, inicialmente, será voltado para os coordenadores regionais do Estado. O evento foi transmitido por videoconferência para as 20 regionais da pasta.

"Há muitos anos a DC se preocupa em capacitar o público interno e externo com diversas ações como a Defesa Civil na Escola e Seminários Nacionais", diz o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, que exalta a ampliação de possibilidades com o EaD. "Estamos estendendo nossos horizontes e levando a Defesa Civil cada vez mais perto das pessoas, mostrando a importância da prevenção, mitigação no gerenciamento de riscos e desastres", completou.

A iniciativa tem como foco final capacitar líderes comunitários, professores das escolas públicas, voluntários, coordenadores estaduais e municipais de Defesa Civil. Por meio, da EaD, o órgão vai superar obstáculos, promovendo o processo de construção de conhecimentos evitando ou reduzindo desastres. "O principal propósito é proteger a vida e o patrimônio do cidadão catarinense, estabelecendo uma sociedade mais resiliente", finalizou.

Já o diretor de gestão de educação da DC, Alexandre Corrêa Dutra, falou sobre o Curso de Proteção e Defesa Civil, que será dividido em quatro lições: Sistema Nacional, Estadual e Municipal de Proteção e Defesa Civil; Gestão de Riscos; Gestão de Desastres; Gestão Administrativa, Financeira e Jurídica de Defesa Civil. Ele explicou que o objetivo é capacitar os coordenadores para atuar de forma eficaz nas ações de gestão de riscos e desastres. "Este momento é muito importante, porque a partir de agora iniciamos uma nova fase. A EaD vai levar nosso trabalho para todos os cantos de Santa Catarina", destacou.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br