Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

Vigas de metal retiradas da Hercílio Luz serão usadas na construção de outras pontes

Oportunidades

Próximos eventos


O preço do tomate caiu 32,39%, de acordo com o ICV - Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O preço médio dos alimentos ficou mais baixo no mês de agosto em Florianópolis. O dado faz parte do Índice de Custo de Vida (ICV), calculado pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). De acordo com o indicador, a redução média foi de -0,1% frente a julho. Quando se considera apenas a alimentação dentro de casa, a queda é maior: -0,68%. O índice acumulado desde janeiro está em 2,42%, enquanto o dos últimos 12 meses ficou em 3,21%.

Na divisão por produtos, o preço do tomate caiu quase um terço (-32,39%). Além dele, os destaques são a beterraba (-16,87%), a alface (-8,37%), a couve-flor (-5,74%) e a batata inglesa (-1,50%) na comparação com o mês anterior.

Quando são levados em consideração todos os itens, a inflação média para a Capital catarinense ficou em 0,16% em agosto na comparação com o mês anterior. Trata-se de um resultado 0,05 ponto percentual abaixo do registrado em julho (0,21%). O índice de agosto também foi bem menor que o do mesmo mês em 2018 (0,60%).

Redução na conta de luz

Segundo o coordenador do Índice de Custo de Vida (ICV/Udesc Esag), Hercílio Fernandes Neto, outro ponto que ajudou a manter a inflação em patamares baixos foi a redução na conta de luz residencial de quase 10%, determinada pela Aneel no final de agosto. 

“O panorama de agosto foi de uma inflação abaixo do esperado. A luz geralmente sobe nessa época do ano, e o que ocorreu foi o inverso. A sazonalidade de alguns produtos também contribuiu para a variação negativa da alimentação”, explica Neto.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br


O comerciante Francisco Prim acredita que a identificação contribui para o comércio, levando mais segurança aos consumidores - Fotos: Alisson Fitch / SAR

Conhecidas pela qualidade, as frutas e as hortaliças produzidas em Santa Catarina ganham mais um diferencial competitivo. A partir de agora, os consumidores poderão saber detalhes sobre o cultivo dos vegetais, inclusive o local onde foram produzidos e informações sobre o uso de agrotóxicos. A identificação de origem da produção vegetal se dá por um processo de rotulagem, que já conta com a adesão de todos os produtores cadastrados na Centrais de Abastecimento do Estado de Santa Catarina (Ceasa).

O uso de mecanismos que garantem a identificação de origem dos alimentos se tornou obrigatório para os produtores rurais de todo país e os catarinenses já estão se adequando às novas exigências. Ao longo da última semana, técnicos da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizaram fiscalizações na Ceasa e confirmaram que grande parte dos produtos de SC possuem o rótulo de identificação de origem.

"A identificação de origem é fundamental para protegermos a sociedade de produtos de qualidade insatisfatória. O trabalho desenvolvido pela Secretaria da Agricultura, Cidasc, Epagri e Ceasa colocam nosso Estado à frente de outros estados nesse controle e nós corroboramos a fiscalização atual do Ministério da Agricultura porque essa ação dará credibilidade ao trabalho desenvolvido e ajudará para avançarmos na melhoria da produção", destaca o presidente da Ceasa, Angelo Di Foggi.



Desde o ano passado, a identificação de origem de frutas e verduras se tornou obrigatória – regulamentada pela Portaria Conjunta SES/SAR nº 459, de 7 de junho de 2016. Toda a cadeia produtiva de produtos vegetais frescos destinados à alimentação humana deve ter identificação de origem, para fins de monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos, em todo o território estadual.

Para o comerciante Francisco Prim, o rótulo de identificação traz mais responsabilidade para os produtores e também mais segurança para os consumidores. “A gente vê bastante responsabilidade do produtor porque aquilo que ele vai vender para o consumidor, ele também leva para a casa dele e consome lá. É o que eu faço, o que eu vendo aqui eu levo para a minha casa, para os meus netos, para toda a minha família”, afirma.

e-Origem

Em uma iniciativa pioneira, Santa Catarina oferece uma ferramenta gratuita para que os agricultores comprovem a procedência da produção e atendam às exigências legais. Lançado em 2017, o e-Origem é um sistema on-line e autodeclaratório onde os produtores conseguem fazer a identificação das frutas e verduras de forma prática e simples.

De acordo com o secretário adjunto da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo Miotto, além de trazer um diferencial competitivo para a produção catarinense, o e-Origem atende a uma necessidade da sociedade na busca por alimentos mais saudáveis.

“Santa Catarina teve uma iniciativa pioneira e inovadora. Nós percebemos que os consumidores estão exigindo alimentos mais seguros e oferecemos uma ferramenta gratuita para incluir os agricultores catarinenses nesse processo, para que não fiquem à margem dessa exigência legal".

Com o sistema da Cidasc, o produtor faz seu cadastro e preenche as informações sobre a sua produção de frutas e verduras, automaticamente é gerado um código específico para a identificação de origem dos seus produtos. O programa traz ainda um modelo de caderno de campo para impressão e oferece exemplos de etiquetas e cartazes para exposição em pontos de venda.

O sistema permite ainda que os consumidores tenham acesso às informações da produção de maneira fácil e rápida. A etiqueta dos alimentos traz um QR Code, que mostra quem produziu aquela fruta ou verdura, onde foi produzido, a data da colheita e quem é o comerciante.

"O e-Origem dá um suporte para o produtor catarinense, é o primeiro passo para a identificação do produto. Todo produto vegetal catarinense pode ser cadastrado, identificado pelas etiquetas com o nome, lote e origem do produto de forma eletrônica", explica o engenheiro agrônomo da Cidasc, Mario Veríssimo.

“É importante ressaltar que os técnicos da Epagri e Cidasc estão prontos para dar todo suporte ao produtor catarinense, com informações ou ajuda para cadastrar seus produtos no e-Origem", complementa.

Fiscalização na Ceasa

Os técnicos da Cidasc e do Ministério da Agricultura, verificaram dados das notas fiscais e dos rótulos nas caixas de mercadorias na Ceasa.

Além da identificação de origem e do caderno de campo, no qual o produtor faz os registros de todos os insumos utilizados, passou a ser cobrado também o cadastro de quem vende essas frutas e verduras. A identificação de origem dos vegetais é requisito obrigatório para quem quer comercializar produtos na Ceasa.

Informações adicionais para a imprensa:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural
imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48)-3664-4417/(48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br 
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/

 
Foto: Arquivo/Casan

O governador Carlos Moisés decretou, na manhã desta segunda-feira, 9, luto oficial de três dias em razão do falecimento do ex-deputado federal e ex-presidente da Casan Walmor de Luca. Ele morreu nesta segunda, em casa, em Florianópolis. 

O corpo será velado na Capela Funerária do cemitério do Itacorubi, em Florianópolis, das 16h até as 22h desta segunda-feira. Depois, o corpo segue para a Câmara de Vereadores de Içara, onde será velado a partir das 8h de terça, 10. As últimas homenagens serão realizadas às 16h, durante a cerimônia de cremação no Crematório Millenium, em Içara.

Natural de Içara e casado com a deputada estadual Ada de Luca, Walmor de Luca foi deputado federal entre 1975 e 1991, secretário de Estado da Saúde em 1989 e 1990, presidente da Telesc de 1993 a 1995, e presidente da Casan entre 2003 e 2011. Ele deixa duas filhas e três netas. No decreto, Moisés faz menção aos "notáveis e relevantes serviços prestados e sua destacada atuação na vida pública catarinense".

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br

 


Foto: Mauricio Vieira / Arquivo / Secom

A partir da próxima segunda-feira, 16, o trânsito na rotatória da BR-280, no acesso com a SC-108, em Guaramirim sentido Jaraguá do Sul, terá  alterações. A preferência de tráfego passará a ser de quem está circulando na rótula. O trecho faz parte do perímetro urbano da BR-280, entre Guaramirim e Jaraguá do Sul.

A medida será implementada com o intuito de melhorar o fluxo de veículos e reduzir as filas formadas em horários de pico. Atualmente, a preferência do trânsito na rotatória é de quem trafega no sentido Leste-Oeste da BR-280. 

A mudança no trânsito começou a ser feita no início de agosto, após a autorização para retomada das obras de duplicação, melhoramentos e restauração do trecho estadualizado da BR-280, entre Guaramirim e Jaraguá do Sul. Os trabalhos são contemplados pelo programa Novos Rumos, um pacote de intervenções estratégicas do Governo do Estado para melhorar a infraestrutura rodoviária em Santa Catarina.

As sinalizações horizontal e vertical identificarão a alteração no trânsito, que será monitorada pela equipe técnica da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, por meio da Coordenadoria Regional Norte.

Mais informações para imprensa:
Patricia Zomer
Vanessa Pires
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade
(48) 3664-2008 / 9-9995-8494
ascom.sie@gmail.com


Foto: Divulgação / CBMSC

Após muito teste, o cão Orion, de Jundiaí (SP) foi o escolhido para ser o novo filhote do soldado do Corpo de Bombeiros Militar de SC (CMBSC), Luciano Rangel, que atua no Batalhão de Lages. O novo filhote, que será treinado para a atuação em ocorrências de busca e resgate, chegou nessa semana à corporação. 

O presidente da Coordenadoria de Busca e Resgate com Cães, tenente coronel Walter Parizotto, explica que não é uma tarefa simples a escolha dos cães.

Página 11 de 562

Conecte-se