Foto: Polícia Civil / Divulgação

A Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) desencadeou nesta sexta-feira, 17, a Operação Lavanderia. O objetivo é apurar lavagem de dinheiro por integrantes de uma organização criminosa que atua em Santa Catarina.

Ao longo do dia, estão sendo cumpridos 17 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça em Santa Catarina e no Paraná, nas cidades de Florianópolis, Palhoça, Gaspar, Blumenau, Chapecó e Joinville, além dos municípios paranaenses de Curitiba, Fazenda Rio Grande e Londrina.

Na ação desta sexta-feira, foram apreendidos R$ 16 mil em casas em Palhoça e em Joinville, documentos, cartas, bilhetes e comprovantes de depósitos bancários. São investigadas nove pessoas, além de uma empresa de fachada do ramo de transporte e que não possui sede. Os crimes investigados são lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo o delegado Antônio Seixas Joca, durante a investigação foram indiciados 21 integrantes de organização criminosa, quando foram obtidos fortes indícios de lavagem de dinheiro pelo chefe do grupo.

Diante disso, foi representado pela quebra dos sigilos bancários e fiscais, pelo bloqueio de contas e pela expedição dos 17 mandados de busca e apreensão. Assim, foi instaurado novo Inquérito Policial para apurar o crime de lavagem de dinheiro, onde se verificou a existência de uma empresa fantasma que movimentou, em um mês, cerca de R$ 7,2 milhões.

 “Eles pegam esse dinheiro da venda de drogas, do pagamento de dízimo da facção e tentam lavar, dar aparência lícita a ele”, afirma o delegado Joca.

Para o diretor da Deic, Luis Felipe Fuentes, a Operação Lavanderia é importante para reduzir a capacidade financeira das organizações criminosas em Santa Catarina. “Além disso, identifica pessoas que tentam manter a organização funcionando enquanto vários líderes se encontram presos”, destaca Fuentes.

A operação teve apoio da DIC de Chapecó, DIC de Blumenau e Delegacias de Joinville, Canil da PC-SC, além da Polícia Civil do Paraná, que deu cumprimento aos mandados de busca e apreensão no estado vizinho.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 

 


Fotos: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar de Santa Catarina recebeu o reforço de um importante aliado na tarde desta terça-feira, 14. Em uma cerimônia no Comando-Geral da PM, foi confirmada a transferência definitiva da posse do robô antibomba Teodor para a corporação. O ato teve a presença da governadora em exercício, Daniela Reinehr, que intermediou a cessão do equipamento. Também participaram da solenidade o secretário nacional da Segurança Pública substituto, Freibergue Rubem do Nascimento, o diretor da Força Nacional de Segurança Pública, coronel Antonio Aginaldo de Oliveira, o presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, delegado Paulo Koerich, o comandante-geral da PM, coronel Araújo Gomes, e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, Charles Alexandre Vieira.

>>> Mais imagens aqui 

A governadora em exercício, que recepcionou as autoridades federais ainda pela manhã, agradeceu à doação do Governo Federal e disse que a máquina ajudará não apenas na desativação de artefatos explosivos, mas também na preservação da vidas dos agentes de segurança.

“Esse equipamento será manutenido pelo Governo do Estado e agora vem de forma definitiva. Agradecemos à Senasp por ter feito essa cessão. O robô será essencial, pois é um equipamento que agrega muito não apenas na qualidade do trabalho do policial, mas também na Segurança Pública como um todo, ajudando a melhorar nossos índices”, destacou a governadora. 

O robô foi adquirido pelo Governo Federal por um custo aproximado de R$ 1,1 milhão. Ele pode chegar a dois metros de altura, sendo controlado remotamente a até um quilômetro de distância do local da intervenção. A operação da máquina ficará a cargo do Comando de Operações de Busca, Resgate e Assalto (Cobra), do Bope. 

Para o secretário nacional substituto, o fato de Santa Catarina ter conquistado padrões de excelência na área de Segurança Pública ajudou na escolha do Estado como destino do robô. Com a doação, Santa Catarina passar a ser um dos cinco estados do Brasil a possuir o aparelho. Segundo Nascimento, a política catarinense, com o Colegiado Superior, é destaque em nível nacional. 

“Eu e a governadora em exercício temos conversado bastante, e a nossa ideia é não se limitar apenas à doação de material, mas também buscar a capacitação de pessoal, com a entrada de mais recursos, de modo que a Segurança Pública esteja num nível bem acima do padrão latino americano. Santa Catarina é referência”, disse.

O comandante Araújo Gomes destacou que o robô, por utilizar uma tecnologia de ponta, trará mais efetividade no trabalho exercido pelos explosivistas do Cobra. Na opinião do coronel, a doação representa uma coroação do trabalho realizado pelas forças de segurança catarinenses: 

“O robô leva o nosso esquadrão antibombas a um novo patamar, semelhantes às principais forças do mundo que atuam com esse tipo de problema. Tudo isso é fruto do trabalho de cooperação do Governo do Estado com o Governo Federal”.

Em discurso, o presidente do Colegiado de Segurança Pública destacou a queda dos índices criminais de Santa Catarina e o desafio das instituições de segurança em mantê-los e melhorá-los.

“Todo equipamento que venha para agregar no trabalho das forças de segurança é bem-vindo. Nosso Estado tem apresentado queda nos índices de criminalidade e nosso dever é manter isso”, ressaltou Paulo Koerich.

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 





Foto: Julio Cavalheiro / Secom

A Polícia Civil anunciou nesta segunda-feira, 13, a Operação Aeroporto 1, que identificou e indiciou oito pessoas pelo roubo ao Aeroporto Quero-Quero, em Blumenau. Dos oito envolvidos indiciados, cinco estão presos, inclusive o responsável por organizar e reunir os assaltantes.

A maioria do grupo é formada por criminosos de São Paulo. O assalto aconteceu em 14 de março de 2019. Na ocasião, uma jovem de 22 anos foi morta e dois vigilantes da empresa de valores foram gravemente feridos. Foram roubados R$ 9,8 milhões, sendo considerado o maior roubo já registrado em Santa Catarina.

O trabalho de investigação foi realizado pela Divisão de Roubos e Antissequestro (DRAS) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) e pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Blumenau.

>> Mais fotos na galeria

“Foram oito meses em que os assaltantes planejaram o crime. E nós, cumprindo a nossa missão, estamos agora dando a satisfação à sociedade e iremos continuar a trabalhar. A população pode confiar na sua polícia e aqueles que transgridem a legislação não devem duvidar das forças de segurança do Estado de Santa Catarina, porque nós estamos trabalhando”, destacou o presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, Paulo Koerich, em entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira, na Deic.

Segundo o delegado Anselmo Cruz, a Operação Aeroporto 1 está relacionada à conclusão da primeira fase da investigação, em que foram identificadas e indiciadas oito pessoas. Destas, quatro atuaram na pista do aeroporto com fuzis AK 47 e com munição calibre .50. Entre os envolvidos também está um funcionário da empresa de vigilância, que repassou informações aos assaltantes.

“Esses criminosos são responsáveis pelos maiores assaltos no Brasil nos últimos anos. Acreditamos que no roubo em Blumenau atuaram ao menos 15 criminosos. Estamos montando um quebra-cabeça de mais de 20 mil peças, um trabalho muito grande e complexo da Polícia Civil de Santa Catarina que está sendo feito com integração entre outras polícias, a Polícia Federal e o Ministério da Justiça. São criminosos interestaduais e até com atuação internacional”, ressaltou o delegado da DRAS/DEIC, Anselmo Cruz. 

Os crimes pelos quais serão responsabilizados são latrocínio (roubo seguido de morte), tentativas de homicídios contra dois vigilantes, associação criminosa, posse de material explosivo, porte de armamento pesado, entre outros. Os investigadores não têm dúvidas que os bandidos agiram no assalto para matar os vigilantes – foram disparados ao menos 15 tiros contra o carro-forte.

A polícia apurou que o dinheiro levado saiu de Santa Catarina e foi para São Paulo. Na fuga, os bandidos usaram uma ambulância e um caminhão de lixo para levar o dinheiro e o armamento. O mesmo grupo também agiu em um assalto no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). Nos próximos dias, um novo inquérito policial será aberto pela Deic para apurar o envolvimento de mais pessoas.

Também participaram da entrevista coletiva o diretor da Deic, delegado Luis Felipe Fuentes, e o delegado da DIC de Blumenau, Rodrigo Raitez.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / Polícia Civil

A Polícia Civil de Santa Catarina desencadeou nesta sexta-feira, 10, a Operação Feliz Mano Novo, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. A ação foi realizada para coibir uma organização criminosa gaúcha que começou a atuar no Sul catarinense com tráfico de drogas, roubos e homicídios.

Foram cumpridos 18 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça e uma pessoa foi presa em flagrante, totalizando 19 presos. Além disso, dois suspeitos tiveram prisão decretada, mas ainda não foram localizados.

Segundo o delegado responsável pela investigação, Luis Otávio Pohlmann, também foram cumpridos 20 mandados de busca e apreensão. Arma, drogas (cocaína e crack) e dinheiro foram apreendidos. As ações aconteceram nos municípios catarinenses de Sombrio, Balneário Gaivota, Santa Rosa do Sul e Araranguá, além de Torres, Osório, Montenegro e Santa Maria, no estado vizinho.

A operação mobilizou 100 policiais, sendo 60 policiais civis catarinenses e 20 gaúchos e 20 policiais militares de Santa Catarina. Também foram empregados 20 viaturas policiais, o Serviço Aeropolicial (SAER) e o Canil da Polícia Militar.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 

 

 


Fotos: Divulgação / PMSC

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) irá entregar, neste mês, 122 viaturas adquiridas com recursos dos convênios de trânsito e emendas parlamentares. A medida irá renovar a frota de viaturas de 49 municípios catarinenses, beneficiando 52 Organizações Policiais Militares (OPM) no estado.

Todos os automóveis são de licitações por pregão eletrônico promovido pela Diretoria de Apoio Logístico e Finanças (Dalf) da PMSC e custeados com recursos dos convênios de trânsito. Além destes veículos, quatro viaturas foram adquiridas com recursos de emendas parlamentares, sendo três Ford Ecosport e uma motocicleta Honda CRF1000 Africatwin.

Ainda nesta semana, serão distribuídas 18 Chevrolet Trailblazer, nove caminhonetes Ford Ranger e, até o fim de janeiro, 83 veículos Renault Duster, uma caminhonete Renault Oroch e sete motocicletas Honda CRF1000 Africatwin.

Além disso, até o fim de 2019, foram entregues 10 automóveis Ford Ka Hatch, duas vans Fiat Ducato e duas motocicletas Honda CB500x, também de licitações e adquiridos com recursos dos convênios de trânsito.

No total, os processos licitatórios promovidos pela Dalf em 2019 entregarão 136 viaturas para atividade operacional em diversas regiões do estado.

As aquisições irão contemplar as OPM dos seguintes municípios: Água Doce, Araranguá, Balneário Camboriú, Balneário Rincão, Blumenau, Brusque, Caçador, Campos Novos, Capinzal, Capivari de Baixo, Chapecó, Concórdia, Criciúma, Curitibanos, Florianópolis, Forquilhinha, Fraiburgo, Gaspar, Guaramirim, Herval D’Oeste, Ibicaré, Içara, Indaial, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joinville, Lages, Maravilha, Navegantes, Orleans, Ouro, Penha, Piratuba, Porto Belo, Quilombo, Rio do Sul, Rio Negrinho, Santa Cecília, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, São João Batista, São José, São Miguel do Oeste, Schroeder, Tijucas, Timbó, Videira, Xanxerê e Xaxim.

Informações adicionais para imprensa:
Assessoria de Imprensa
Marcelo Passamai
Polícia Militar de Santa Catarina - PMSC
E-mail: ccschefia@pm.sc.gov.br e ccssubchefia@pm.sc.gov.br
Fone: (48) 3229-6920/3229-6921
Site: www.pm.sc.gov.br 


Fotos: Julio Cavalheiro / Secom 

O delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, assumiu na manhã desta segunda-feira, 6, a presidência do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial. A transmissão do cargo ocorreu durante uma solenidade no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis, pouco antes da coletiva do governador Carlos Moisés com as perspectivas para 2020. No modelo de Colegiado, criado pela atual gestão, cada uma das quatro instituições exerce a presidência por um ano, sem a existência da figura do secretário de Estado.

Em 2019, o cargo foi ocupado pelo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Araújo Gomes, que passou o bastão para Koerich. Em 2021, será a vez do comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, atualmente ocupado pelo coronel Charles Alexandre Vieira, que será seguido pelo perito-geral do IGP, Giovani Eduardo Adriano.

Para Paulo Koerich, o desafio para 2020 na área da Segurança Pública será manter os índices de criminalidade em queda. Ele diz que as forças públicas seguirão atuando de maneira coordenada. “Nós vamos continuar o trabalho que foi iniciado, somando esforços para transformar Santa Catarina em um estado ainda mais seguro. Nós também vamos intensificar o uso da inteligência artificial e aprimorá-la. Dessa forma, será possível fazer previsões em relação aos índices de criminalidade e buscar coibir os crimes violentos”, afirmou Koerich.

>> Mais fotos disponíveis na galeria 

Na visão do coronel Araújo Gomes, o ano de 2019 foi especial pelo fato de Santa Catarina voltar a ter um índice de homicídios inferior a 10 para cada 100 mil habitantes. Segundo ele, apenas São Paulo também atingiu essa marca. Ele destacou que é possível manter homicídios, roubos e furtos em queda.

“Essa é uma tendência que se iniciou há 18 meses e deve ser mantida. As forças de segurança têm adotado estratégias que ajudaram a alcançar esses resultados. A transmissão do cargo para o delegado Paulo Koerich ocorreu de forma muito natural e o trabalho continuará de maneira integrada a serviço da população”, disse.

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 


Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

Santa Catarina teve importantes avanços nos indicadores de segurança pública em 2019. Além de ter investido em equipamentos de tecnologia da informação, a Secretaria de Estado da Segurança Pública conseguiu reduzir os índices criminais e atuou no desenvolvimento de ferramentas para atender a população catarinense de forma mais ágil e dinâmica, com o aplicativo PM Cidadão e a nova carteira de identidade.    

A Secretaria de Estado da Segurança Pública atua de forma coordenada através da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e com o Instituto Geral de Perícia. Para prestar serviços de qualidade para a sociedade catarinense utiliza diversas ferramentas com o uso intensivo da tecnologia. Um exemplo disso é o projeto de videomonitoramento Bem-Te-Vi, que reforça a capacidade de monitoramento nos espaços públicos pelo estado.

O sistema mantém 3.040 câmeras cadastradas em Santa Catarina, com 2.753 delas ativas. Ao todo são 140 municípios atendidos com este serviço e 471 clientes conectados. Neste ano, a SSP adquiriu equipamentos de tecnologia da informação, que ampliam a capacidade de processamento e armazenamento nos maiores municípios catarinenses, como São José, Florianópolis, Blumenau, Joinville, Criciúma e Chapecó. Com isso, a capacidade média de gravação aumentou de oito para 16 dias de gravação, o que permite um maior número de buscas de imagens nos servidores do programa Bem-Te-Vi.


Foto: Aurelio de Oliveira / PMSC

PMSC - Redução de crimes letais, roubos e furtos

Os números da Polícia Militar revelam uma redução nos principais indicadores de crimes pelo estado. Até 8 de dezembro, foram registrados 461.101 boletins de ocorrências, 45.107 prisões em flagrante e o cumprimento de 7.161 mandados de prisão. Também foram contabilizados 756 crimes letais em Santa Catarina, o que representa uma redução de 14% na comparação com o mesmo período de 2018, ou seja, 128 vidas preservadas.  A incidência de roubos ficou em 6.265, indicando uma redução de 31%. Em relação a furtos, houve diminuição de 12%, com 36.552 furtos em 2019. Também foram recuperados 4.954 veículos e apreendidas 2.072 armas neste ano. 

“A PMSC  age sempre de forma proativa, com engajamento contínuo dos efetivos e meios em ações de abordagens policiais nos logradouros públicos, barreiras, bloqueios, varreduras, pente-fino, fiscalização de estabelecimentos de diversão, na fiscalização de apenados, dentre outros”, afirma o comandante-geral, coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes Junior.

Como parte do trabalho preventivo, a Polícia Militar realizou 73.857 visitas comerciais, 35.983 escolares, 22.359 dentro do Programa Rede Catarina e 20.304 residenciais e ou condominiais. Ao todo foram 694.263 programações operacionais, 151.375 rondas, 218.018 policiamentos, 193.863 operações, 26.043 fiscalizações entre situações de apenados e de medidas protetivas e 934 ações do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, o Proerd.

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) também lançou neste ano o aplicativo que facilita a interação do cidadão catarinense na solicitação de atendimento. Com o PMSC Cidadão, o usuário pode enviar vídeos, fotos e áudios, que irão gerar as ocorrências. O PMSC Cidadão também promove, além de denúncias de forma anônima, as ações de proteção à mulher vítima de violência doméstica e familiar, dentro do Programa Rede Catarina de Proteção à Mulher.


Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

Corpo de Bombeiros Militar

O ano de 2019 também foi de muitas atividades e atendimentos do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. Dentro do quadro de Ações Operacionais foram registrados 109.302 atendimentos pré-hospitalares, 13.022 ações preventivas, 9.933 salvamentos, buscas e resgates e 9.383 combates a incêndios entre janeiro e outubro de 2019. Já o Batalhão de Operações Aéreas atendeu a 976 ocorrências, com 776 vítimas atendidas diretamente em um total de 850 horas/voo. O Batalhão registrou uma média de tempo resposta de 11 minutos.

O quadro de Ações Ordinárias e Extraordinárias do CBMSC apresentou números significativos também. A Operação Brumadinho, por exemplo, se desenvolveu em 52 dias, com o emprego de 43 Bombeiros Militares e 14 Forças-Tarefas.Já a Operação Veraneio registrou 4,8 milhões de prevenções, com o registro de 42.120 ocorrências de água-viva, 2.848 salvamentos, além de atendimento a 2,2 mil crianças dentro do Projeto Golfinho, com o emprego de 204 guarda-vidas civis por dia. 

Dentro do programa de Alerta Vermelho, foram 49.450 pessoas orientadas, 31.241 participantes de palestras, 25.375 folders distribuídos, 13.498 residências visitadas e 52 Eventos.

No quadro de Prevenção e Segurança Contra Incêndio foram atendidos 278 municípios. No total, foram 469.901 atendimentos em segurança contra incêndio, sendo 361.854 vistorias, o que totalizou a atuação de 400 bombeiros militares. No período, cerca de R$ 1 bilhão em bens foram salvos em prevenção e combate. 

Polícia Civil

No período de janeiro a outubro, a Polícia Civil realizou 454 operações, principalmente contra o tráfico de drogas (27,97%), homicídios (9,69%) e furto e roubo (9,25%). No total, foram mais de 97 mil procedimentos policiais, que resultaram na apreensão de 140 armas, 1.808 mandados judiciais e 1.132 mandados de prisão. 

Neste período foram apreendidos 6,8 quilos de maconha, 105 quilos de cocaína, 55 quilos de ecstasy, 15 quilos de Skank, 35 quilos de crack, 394 micropontos de LSD e 79 unidades de “pé” de maconha. 

Instituto Geral de Perícias (IGP)

O IGP concentrou suas ações na melhoria dos serviços para a população. Em 2019 um dos destaques foi o projeto de desenvolvimento da nova Carteira de Identidade. O documento trouxe mais benefícios para os catarinenses, como a inclusão do nome social sem alteração do registro civil. Além disso, permite o registro de deficiências, fator RH, identificação do idoso, números de outros documentos e “QR Code”.

O IGP também realizou 82.093 exames, 69.081 laudos e nomeou novos profissionais, sendo 94 peritos e dois papiloscopistas. Foram 465.262 carteiras de identidades confeccionadas e 21 ações sociais desenvolvidas neste ano, envolvendo campanhas para identificação de moradores de rua, população carcerária e carteiras de identidade para os mais vulneráveis.

Informações adicionais para a imprensa
Savas Apóstolo
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Segurança Pública - SSP
E-mail: imprensa@ssp.sc.gov.br
Fone: (48) 36658183/ (48) 984230139
Site: www.ssp.sc.gov.br; www.facebook.com/segurancapublicasc
@segurancapublicasc

 


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Com a proximidade do Natal, muitos consumidores devem dar preferência para as compras pela internet. Evitar trânsito e não precisar ficar nas filas dos caixas são algumas das vantagens desse tipo de compra. Para não cair em golpes, é preciso estar atento. Ao comprar em um site que não é seguro, além de chance de prejuízo, o presente pode nunca chegar. 

Não se deixar levar pelas ofertas anunciadas como imperdíveis é a principal dica da Polícia Civil de Santa Catarina para evitar golpes nas compras on-line. É preciso controlar o impulso e desconfiar de preços muito abaixo do mercado, como explica diretor de Inteligência da instituição, delegado Alfeu Orben:

“Os golpistas se aproveitam do momento para induzir os consumidores ao erro. Desconfie de ofertas com valores fora do mercado. É aconselhável acompanhar o preço das mercadorias. A melhor forma de evitar problemas é a prevenção. Na dúvida, busque os canais de comunicação das lojas e faça contato por telefone”, recomenda o policial.

O diretor de Inteligência da Polícia Civil do Estado dá outras dicas:

- Sempre fazer a compra e acessar ofertas pelo site oficial da loja, nunca em páginas diferentes; 
- Abrir o site oficial em outra página do navegador, nunca pela página indicada no anúncio da compra;
- Ter cuidado com os anúncios. Eles podem direcionar o consumidor para páginas falsas;
- Nunca clicar em links enviados por e-mails.  Eles redirecionam para páginas falsas. Elas também geram boletos, só que o pagamento é direcionado para a conta do golpista;
- Prestar atenção no endereço da página. Ele deve conter o nome oficial do estabelecimento, seguido pela extensão “.com.br”.  Páginas falsas podem ter o mesmo nome, porém com outra extensão. Exemplos: nomedaloja.net e nomedaloja.org
- Verificar se o site oferece uma conexão segura. O ideal é aparecer um cadeado fechado no canto superior esquerdo da página, antes do endereço.

Outras informações sobre como evitar golpes nas compras on-line podem ser obtidas no site da Polícia Civil e nas redes sociais. 

Informações adicionais para a imprensa
Fabiana de Liz
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: fabianadeliz@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3003
Site: www.sc.gov.br  
www.facebook.com/governosc e @GovSC





Foto: Mauricio Vieira / Secom

A Polícia Civil realizou na noite desta quarta-feira, 11, a formatura de 34 novos delegados de polícia em Santa Catarina. A solenidade ocorreu na Academia da Polícia Civil (Acadepol), em Florianópolis, e contou com a presença de autoridades, convidados e familiares. Durante a cerimônia também foi realizado o lançamento do Planejamento Estratégico 2019-2023 da Polícia Civil.

O delegado-geral, Paulo Koerich, destacou o bom momento para a instituição e enfatizou os desafios da atividade policial. Segundo Koerich, após o término do curso de formação, que segue com atividades até 20 de dezembro, os delegados terão 15 dias em trânsito até a apresentação nos locais onde atuarão, em janeiro de 2020. A distribuição aos municípios será por critérios apresentados pelas diretorias da Polícia Civil.

Também fizeram parte da mesa o presidente do Colegiado de Segurança Pública e Perícia Oficial, coronel Araújo Gomes; a diretora-geral da Secretaria de Segurança Pública, delegada Luciana Pinto Maciel; a delegada-geral adjunta, Ester Coelho; o diretor da Acadepol, Alfredo Ballstaedt; o deputado estadual Maurício Eskudlark, e a desembargadora do Tribunal de Justiça Rosane Portela Wolff. O gerente de Formação, Aperfeiçoamento e Ensino a Distância da Acadepol, delegado André Luiz Bermudez Pereira, foi o paraninfo da turma. Já o orador foi o delegado Gilmar Bonamigo.

Os 34 delegados aprovados em concurso público começaram o curso de formação em junho deste ano. Para chegar ao curso de formação, eles passaram por cinco etapas: teste objetivo e subjetivo de conhecimento técnico; teste de capacidade física; teste psicotécnico; teste de conhecimento técnico na modalidade oral, e por fim, rigorosa investigação social. Após aprovados no certame, ingressaram na Acadepol, em Canasvieiras, para o curso de formação profissional com duração de sete meses. Foram 1.247 horas de aulas, qualificando os alunos em mais de 30 disciplinas.

Informações adicionais para imprensa:
Diogo Vargas
Assessoria de Comunicação
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8708 / (48) 99119-8960
Site: www.pc.sc.gov.br 


Foto: Divulgação / Polícia Militar

O governador Carlos Moisés anunciou, no início da tarde desta quarta-feira, 11, a chamada de 500 alunos soldados e 35 alunos oficiais da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) no dia 6 de janeiro de 2020. O reforço é resultado do concurso público realizado neste ano. A partir dessa data, eles iniciarão os respectivos cursos de formação para ingressar no quadro da corporação. O anúncio foi realizado após análise da Secretaria da Fazenda sobre o impacto financeiro da decisão para o exercício de 2020.

"Estamos cumprindo com nosso compromisso de fortalecer a segurança pública. O impacto na desse chamamento será positivo, porque, além da tecnologia, precisamos de policiais perto dos cidadãos, nos bairros, nas comunidades. Neste ano, já chamamos mais bombeiros, policiais civis, delegados de polícia, peritos do Instituto Geral de Perícias, fizemos concurso para agentes prisionais e o mais importante é que estamos fazendo tudo de forma muito responsável", explica o governador.

Pagamento do 13º salário é confirmado

Carlos Moisés também confirmou o pagamento do 13º salário de todos os servidores ativos e inativos no dia 17 de dezembro e os salários deste mês no dia 30. "A gente vê alguns Estados não conseguindo pagar ainda o 13º de 2018, atrasando os salários do mês, e aqui nós estamos fazendo um grande esforço para tomar decisões sempre avaliando com muita responsabilidade os impactos financeiros", ressalta.

Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda, serão desembolsados R$ 391 milhões - total líquido, com descontos de impostos - para o pagamento do 13° salário aos ativos e inativos. No total, são 141.521 servidores que receberão o 13º, segundo dados da Secretaria de Estado da Administração. 

"Trabalhamos durante todo o ano para honrar nossos compromissos e, principalmente, manter a folha dos servidores em dia. Cumprimos o cronograma estabelecido no início de 2019 e, ainda, conseguimos adiantar metade do 13° salário", acrescentou o secretário da Fazenda (SEF/SC), Paulo Eli.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC