Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Com a Palavra, o Governador - 17 de novembro de 2017

Com a Palavra, o Governador - 17 de novembro de 2017

O governador Raimundo Colombo fala sobre a ressocialização dos presos no estado, os resultados do agronegócio e o projeto piloto da Secretaria da Educação com a implantação do sistema de matrículas online.


Oportunidades

Próximos eventos


Foto: Polícia Civil 

Duas operações especiais realizadas pela Polícia Civil nos dias 7 e 8 de setembro resultaram em mais de 100 prisões, além da apreensão de armas e drogas. Foram envolvidos mais de 300 policiais de todo o Estado e cerca de 50 viaturas. O balanço dos trabalhos foi divulgado oficialmente nesta segunda-feira, 11. 

“As últimas semanas no Estado foram de desafios para a Segurança Pública. É por isto que a Delegacia Geral da Polícia Civil, com enorme satisfação, vem a público agradecer o excepcional trabalho desenvolvido pelos policiais civis de SC no combate aos grupos criminosos que provocaram a justiça com seus atentados”, afirma o delegado geral da Polícia Civil, Artur Nitz.

Na quinta-feira, dia 7 de setembro, foi realizada e a ação Independência, tendo como resultado cinco flagrantes e 47 pessoas detidas. Líderes da organização criminosa, dentro e fora das unidades prisionais, assim como responsáveis por transmitir ordens para as ações criminosas, foram os principais alvos. Os detidos foram autuados em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, posse de munição de calibre restrito e participação em organização criminosa. Foram realizadas diligências nas cidades de Florianópolis, São José, Navegantes, Joinville, Blumenau, Ilhota e Criciúma.

E na sexta, dia 8, foi promovida a operação Hidra de Lerna, com seis flagrantes e 59 pessoas detidas. Também foram apreendidos aparelhos celulares, drogas, coletes balísticos, armas de fogo e evidências que subsidiarão investigações. 

“Não é um passo conclusivo, mas é com toda a certeza importantíssimo para desestabilizar a hierarquia dessas facções criminosas. É importante ressaltar que Polícia Civil não se faz em trabalhos pontuais, mas se faz todos os dias, como nossas contínuas ações de fiscalizações e a repressão de infrações penais denunciam nesta página e em outras redes sociais institucionais. Estamos sempre presentes”, acrescentou o delegado geral Artur Nitz.

Informações adicionais para a imprensa
Clarissa Margotti
Assessoria de Imprensa
Polícia Civil - PC
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2313 / 99968-9600
Site: www.policiacivil.sc.gov.br

 


Fotos: Ricardo Lunge/ADR Blumenau

Em mais uma manhã de estudos no Centro de Educação Profissional Hermann Hering (Cedup) de Blumenau, o aluno Lucas Matheus Schlichting, 17 anos, está construindo seu futuro. Estudante do terceiro ano de mecânica industrial, ele já tem traçada a sua carreira. ”Não existem limites para as questões de mecânica industrial, que sempre está em inovação, e tenho muitas possibilidades para desenvolver este trabalho”, disse.

Lucas Matheus, ao lado do pai - que já é formado em mecânica industrial no mesmo Cedup -, desenvolve seus trabalhos na empresa da família. O professor do curso, José Antônio Amorim, lembra que, ao se formar, o aluno tem a capacidade de interpretação de desenhos e a fabricação de peças mecânicas.

Cedup Blumenau prepara jovens para o mercado de trabalho

Com 1,7 mil alunos, o Cedup de Blumenau oferece, além do ensino médio, três cursos profissionalizantes, através do Ensino Médio Integrado à Educação Profissional (Emiep). São eles: informática, mecânica e administração. O diretor Osvaldo da Silva Sobrinho destaca que um aluno formado no Cedup entra na sociedade como um cidadão preparado para a vida. “O mercado de trabalho e o vestibular acabam sendo suas metas, devido à capacitação que o aluno recebe”, avalia.

O gerente de Educação, Eliomar Russi, destaca a importância dos cursos profissionalizantes oferecidos. ”É de fundamental importância os cursos técnicos que estão disponíveis no Cedup, pois são voltados para o mercado de trabalho e têm um currículo que visa suprir a demanda das empresas da região”, informa.

Hoje, são aproximadamente 100 vagas de emprego oferecidas por empresas que entram em contato com a unidade escolar em busca de alunos. Os empregos oferecidos vão desde estágios até contratos de trabalho, principalmente para alunos que estão em seu último ano de curso.

Informações adicionais para a imprensa:
Ricardo Lunge
Assessoria de Imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Blumenau
E-mail: imprensa@bnu.adr.sc.gov.br
Telefone: (47) 3378-8175 / 99232-6300
Site: sc.gov.br/regionais/blumenau


Foto  de arquivo: Márcio Henrique Martins / FCC

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (SOL) expressam profundo pesar pelo falecimento da artista plástica Eli Heil, aos 88 anos, ocorrido na tarde deste domingo, 10, em Florianópolis. Pintora, desenhista, escultura e ceramista, Eli edificou um legado sem precedentes na história das artes visuais brasileiras, projetando Santa Catarina para além das suas divisas e fronteiras.

Autodidata, como sempre costumava se apresentar, Eli nasceu no município de Palhoça em 1929. Na juventude, formou-se professora de educação física e, a partir da década de 1960, protagonizou o despertar da sua condição de artista. Em suas próprias palavras “a arte é a expulsão dos seres contidos, doloridos, em grandes quantidades, num parto colorido”. Sua forma de criar alcançava uma dimensão que tornava difícil a tarefa de classificá-la. Quando convidada para expor na 16ª Bienal Internacional de São Paulo, realizou um trabalho de tamanha comoção que foi registrado no catálogo oficial como “arte incomum”.

Às margens da SC-401, em Florianópolis, mais precisamente na freguesia de Santo Antônio de Lisboa, onde viveu até o fim dos seus dias, Eli edificou o seu mundo particular: O Museu O Mundo Ovo de Eli Heil, que reúne o seu acervo fantástico de mais de 3 mil obras

Por ocasião dos seus 85 anos, em 2014, O Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) abriu seu espaço para receber aquela que foi a última das 14 exposições individuais que Eli realizou na instituição. Na ocasião, a retrospectiva repassou a produção de mais de cinco décadas da artista. A relação entre o Masc e Eli Heil pode ser definida como daquelas amizades que superam o tempo e pautam uma existência. A instituição foi a casa de Eli, o museu onde ela mais expôs sendo, consequentemente, a artista com mais individuais realizadas no espaço.

Era a década de 1960, quando o então Museu de Arte Moderna de Florianópolis (MAMF), embrião do que viria a ser o MASC , dava seus primeiros passos e lá estava Eli expondo seus trabalhos sob a curadoria de Ylmar Corrêa Neto e Adriano Pauli. O MASC, que em 2018 celebrará seus 70 anos de criação, pode ser considerado também um dos tantos “filhos de luz” que a arte de Eli legou ao mundo. “A obra de Eli é carregada de singularidade. E vai muito além de contextos simbólicos. Ela traduz a singular personagem que Eli representa. Em especial, a sua forte espiritualidade”, disse a diretora de Difusão Artística da FCC, Mary Garcia.

Ao tomar conhecimento do falecimento de Eli Heil, o artista plástico, jornalista, crítico e editor Bené Fonteles manifestou a sua admiração e pesar: “E de uma pureza original. Os céus estão em festa assim devia estar sua terra em gratidão.”

Neste momento de dor e saudades, a Fundação Catarinense de Cultura e a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte expressam a sua solidariedade aos amigos e familiares da artista, especialmente seus filhos, netos e bisnetos. E se junta a toda classe artística para manifestar um profundo sentimento de gratidão por tudo o que fez e representou para as artes visuais catarinense e nacional. E mais ainda, por tingir de um colorido visceral o universo que a cercou e provando que um mundo, seja novo, seja ovo e libertário é possível.

Informações adicionais para imprensa
Marcos Espíndola
Assessoria de Comunicação
Fundação Catarinense de Cultura
Telefone: (48) 3664-2572
E-mail: imprensa@fcc.sc.gov.br 
Site: www.fcc.sc.gov.br 
Twitter: www.twitter.com/fccoficial   
Facebook: www.facebook.com/FundacaoCatarinensedeCultura 


Fotos: Epagri/Arquivo

A produção de morangos em sistema semi-hidropônico suspenso é a mais nova tecnologia da Epagri a integrar a plataforma de boas práticas para o desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/ONU). Essa é a nona tecnologia da Epagri a integrar a plataforma, um espaço de disseminação e compartilhamento de iniciativas replicáveis de boas práticas desenvolvidas na região Sul do Brasil.

O sistema difundido pela Epagri tem várias vantagens, entre elas melhor utilização do espaço na pequena propriedade com bons resultados econômicos, adaptação à realidade da mão-de-obra disponível na propriedade e produção em períodos diferenciados das épocas tradicionais. Outro grande diferencial é a produção de morangos com maior qualidade e menor risco de contaminação. 

O cultivo de morango em sistema semi-hidropônico suspenso apresenta boa produtividade com rápido retorno econômico. A rentabilidade se destaca. Para cada R$ 1 empregado na atividade, existe um retorno da ordem de R$ 1,04 no primeiro ano e R$ 3,44 no segundo. Outro aspecto importante do sistema é a produtividade, que fica na média de um quilo por planta/ciclo.

Além de lucrar mais, o agricultor também ganha qualidade de vida com a utilização do sistema, graças à otimização de mão de obra e melhor ergonomia. Como o sistema é suspenso, o profissional não precisa se abaixar para lidar diariamente com as plantas. A manutenção de uma postura mais adequada evita dores nas costas e outros problemas associados.

Além das vantagens descritas, a prática é condizente com os preceitos de sustentabilidade. Ela proporciona melhor utilização dos recursos disponíveis, através do uso criterioso e menos intenso de insumos químicos, o que resulta na obtenção de produtos limpos e de qualidade. 

De acordo com pesquisadores da área, não se pode precisar onde o sistema começou. São registradas iniciativas no Rio Grande do Sul, no final da década de 1990. A partir de 2001, pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho contribuíram para ajustar a tecnologia de produção. Na região Oeste de Santa Catarina, a Epagri é pioneira na implantação da prática.

O material, que atualmente está disponível em português na plataforma, em breve será traduzido para inglês, espanhol e francês.

>>> Conheça a produção de morangos em sistema semi-hidropônico na plataforma da FAO

Mais informações e entrevistas
Sonia Toigo, extensionista rural da Epagri em Jundiá: (49) 3341-0000

Informações adicionais para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Epagri
Gisele Dias
Fone: (48) 3665-5147 / (48) 99989-2992
E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
Cinthia Andruchak
Fone: (48) 3665-5344
E-mail: cinthiafreitas@epagri.sc.gov.br
Isabela Schwengber
Fone: (48) 3665-5407
E-mail: isabelas@epagri.sc.gov.br
Site: www.epagri.sc.gov.br


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

O programa Juro Zero e a chegada do navio Cap San Juan, com 331 metros de comprimento, ao Porto de Imbituba, no Sul do Estado, foram os destaques do programa Com a Palavra, o governador dessa semana. O governador Raimundo Colombo falou que as duas ações representam importantes oportunidades de crescimento econômico, competitividade e geração de renda para o Estado.

“Santa Catarina trabalhou e se preparou muito para este momento, e, agora, definitivamente, estamos na rota das grandes embarcações com destino aos maiores mercados comerciais do mundo”, disse Colombo. A cada semana um navio chegará a Imbituba dentro da nova linha comercial. Serão 13 navios se revezando na nova linha, saindo de Busan, na Coreia do Sul, e passando por países como China, Singapura, Malásia, Argentina e Uruguai, além do Brasil, antes de retornar para Coreia do Sul. O governador salientou que a nova linha traz competitividade e passa a ser uma alternativa importante pra quem importa e exporta.

Sobre o programa Juro Zero, Colombo explicou que, diferente dos grandes empresários, o pequeno e micro empreendedor muitas vezes têm dificuldades de acessar linhas de financiamento e sofrem com processos burocráticos. “Com esse programa, o Estado paga o juro e dá a esse pequeno empresário uma ajuda importante de desenvolver seu negócio, se tornar competitivo e contribuir com a geração de renda e emprego no Estado”, observou Colombo, ao acrescentar que não se trata de uma obra física, mas de uma ação de governo fundamental para o desenvolvimento econômico e social.

Desde 2011, o programa Juro Zero já distribuiu cerca de R$ 200 milhões em empréstimos para aproximadamente 77 mil pequenos empresários em todo o Estado. O Juro Zero disponibiliza até R$ 3 mil em linha de crédito para MEIs formalizados com receita anual inferior a R$ 60 mil. Este valor pode ser parcelado em até oito prestações. Se as sete primeiras forem pagas em dia, a última, que corresponde aos juros, é quitada pelo Governo do Estado.

Veja a íntegra da entrevista nos canais oficiais do Governo do Estado no Vimeo e no Youtube. O áudio do programa pode ser acessado na Rádio Secom.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Página 72 de 199