Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Com a Palavra, o Governador - 17 de novembro de 2017

Com a Palavra, o Governador - 17 de novembro de 2017

O governador Raimundo Colombo fala sobre a ressocialização dos presos no estado, os resultados do agronegócio e o projeto piloto da Secretaria da Educação com a implantação do sistema de matrículas online.

Oportunidades

Próximos eventos


Foto: Epagri/Arquivo

A interdição da comercialização de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões devido à presença de toxina paralisante (PSP) no Litoral de Santa Catarina, anunciada na última semana pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, está mantida durante esta semana. Nesse caso, fica proibida a retirada, comercialização e consumo desses moluscos, inclusive nos costões e beira da praia.

De todos os 25 pontos analisados, quatro deram positivos e estão localizados em Penha, Porto Belo, Governador Celso Ramos e Balneário Camboriú.

“Todas as regiões continuam interditadas, mas nesta semana vamos ter uma noção mais clara da situação e saber se é possível liberar alguma área. No site da Cidasc, é possível acompanhar o boletim com as análises das regiões e ver se já estão liberadas”, destacou o gerente de Pesca e Aquicultura, Sergio Winckler da Costa.

“Como não temos uma noção da abrangência e de como se movimenta esse fenômeno, estamos fazendo o máximo de análises possíveis para que a gente possa ir desinterditando áreas que não foram contaminadas. Esse monitoramento já ocorre há quase 20 anos em três toxinas e é uma rotina. Santa Catarina é o único estado brasileiro que faz isso, apesar de alguns estados terem o cultivo, como Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Nenhum deles monitora e tem esse controle como aqui”, explicou o gerente.

O PSP é causado por toxinas do grupo saxitoxina que podem causar diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de sensibilidade nas extremidades corpo e, em casos severos, paralisia generalizada e óbito por falência respiratória. Os sintomas podem começar a aparecer imediatamente ao consumo dos moluscos contaminados. São estáveis e não são degradadas com o cozimento ou processamento dos moluscos.

Todos os moluscos filtradores, independente se são ou não cultivados, podem acumular as toxinas. É importante salientar que a presença da PSP na água não representa risco aos banhistas.

Sergio explica que é um fenômeno natural associado a uma corrente de água quente que chegou ao Litoral catarinense. “Essa corrente de água quente criou condições propícias para que esse micro-organismo se proliferasse em densidades elevadas o que causa esse fenômeno”, disse.

Leia também

>>> Cultivos de ostras e mexilhões estão interditados em SC devido à presença de toxina paralisante

Informações adicionais para a imprensa:
Rafael Vieira de Araújo 
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: rafael@secom.sc.gov.br  
Telefone: (48)  3665-3018 / 99116-8992
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Fotos: Jaqueline Noceti/Secom

Para fortalecer e ampliar a parceria comercial entre a China e o estado de Santa Catarina, o governador Raimundo Colombo recebeu, na tarde desta segunda-feira, 23, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Tang. Raimundo Colombo frisou que a relação internacional com a China já é bastante expressiva e que Santa Catarina tem interesse em novos investimentos, oferecendo, mesmo diante da crise econômica do país, um cenário atraente com indicadores de desempenho econômico e social acima da média nacional e da maioria dos outros estados brasileiros.

“Não aumentamos impostos e, com isso, não perdemos a competitividade, temos a menor taxa de desemprego do país e outros indicadores que tornam o nosso estado um cenário atraente para novos investimentos. Isso é muito importante e nos permitirá sair à frente no processo de retomada econômica”, destacou Colombo.

>>> Galeria de fotos

Charles Tang revelou que já se dedicou pessoalmente ao trabalho de aproximação entre a China e Santa Catarina. Ele foi um dos responsáveis em tornar Henan, na China, a província irmã de Santa Catarina, permitindo a realização de intercâmbios, acordos operacionais e convênios. Tang também conduziu importantes missões oficiais do Estado àquele país em busca de novas oportunidades de negócios. “A China tem ajudado a desenvolver seus parceiros com investimentos maciços”. Tang orientou que o Estado identifique as áreas em que deseja expandir e organize uma nova visita à China para oficializar parcerias e novos investimentos.

Balança Comercial SC-China

Em 2016, Santa Catarina exportou para a China US$ 854.412.589. Entre os principais produtos estão sementes e frutos oleaginosos, grãos, carnes, madeira, carvão vegetal, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos. As importações representam até agora US$ 3.232.634.391 e entre os produtos mais comprados da China pelo estado, destacam-se aparelhos e materiais elétricos, aparelhos de gravação e reprodução de som e imagem.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Fotos: Gerência de Construção / Casan

A Casan começou a mais uma importante obra do Plano de Melhorias Operacionais do Sistema de Abastecimento de Água de São José. No alto da Servidão Osni Valter José Pereira, no Bairro Forquilhinhas, é intenso o fluxo de caminhões e máquinas para terraplenagem da área que receberá um reservatório de 5 milhões de litros de água.

A entrada em operação deste reservatório está prevista para o Verão 2019, ampliando o abastecimento não apenas para o Forquilhinhas, mas também Potecas, Forquilhas, Flor de Nápolis, Picada do Sul, Sertão do Maruim e Distrito Industrial.


Foto: Renato Luis Vieira/Epagri

Um grupo de pesquisadores da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) desenvolveu uma técnica biotecnológica para eliminar viroses em plantio de alho, com a finalidade de obter sementes de alta qualidade genética e fitossanitária, evitando perda de produção e prejuízos econômicos. O projeto foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) no programa Universal de 2014, que atendeu projetos de todas as áreas do conhecimento.

Por ser propagado vegetativamente, o alho facilita a disseminação de vírus que favorecem o aparecimento de doenças complexas, devido ao acúmulo de diferentes espécies virais numa mesma planta. Essa condição leva à diminuição da produtividade e da qualidade do alho comercial. Como efeito da infecção, a planta tem menor desenvolvimento, com redução do peso dos bulbos, diminuindo a longevidade quando são armazenados. De acordo com a pesquisa, na maioria das lavouras de alho do Brasil existe um complexo viral formado, principalmente, por três espécies de vírus - OYDV, LYSVe GCLV -, que infectam as plantas de alho causando prejuízos aos produtores.

As taxas de eliminação dos três principais vírus com a técnica desenvolvida na Epagri, que alia a termoterapia à crioterapia, foram de 80% para o OYDV, 90% para o LYSV e de 100% para o vírus GCLV. Segundo Renato Luís Vieira, coordenador da pesquisa na estação experimental da Epagri de Caçador, essas taxas são consideradas satisfatórias, uma vez que são superiores às taxas obtidas com outros métodos de eliminação de vírus em plantas.

Como funciona

A técnica se baseia na criopreservação de tecido vegetal, que é a conservação de material biológico em ultra baixa temperatura, normalmente realizada em nitrogênio líquido a -196°C. “Essa técnica pode assegurar a conservação das plantas por longo período de tempo, uma vez que, nessas temperaturas, o metabolismo celular da planta fica paralisado”, explica o coordenador da pesquisa.

Na criopreservação de plantas de alho podem ser utilizadas sementes ou partes da planta em estágio inicial de crescimento, como gemas ou brotações. Após o período de conservação desejado, a planta é submetida a um processo lento de descongelamento e, depois de algumas etapas, as plantas podem ser cultivadas no ambiente a campo. O coordenador da pesquisa explica que “durante o processo de criopreservação de tecidos vegetais, as células infectadas com vírus, normalmente células com maior conteúdo de água, não resistem às baixas temperaturas, formando cristais e entrando em colapso por ocasião do descongelamento e, consequentemente, impedindo a sobrevivência de partículas de vírus presentes nestas células, sobrevivendo apenas as células sadias. Este processo denomina-se “crioterapia”.

Os pesquisadores identificaram que a técnica da criopreservação pode ser utilizada também para tratamento de plantas infectadas com vírus, mostrando mais eficácia ainda quando associada à termoterapia, que é uma técnica comum para eliminar viroses em plantas.

Etapas da Crioterapia

A técnica de crioterapia para eliminação de vírus em plantas consiste de cinco etapas:

1) congelamento do tecido vegetal infectado com vírus;
2) descongelamento;
3) regeneração do tecido vegetal, em laboratório, após o descongelamento (esta etapa consiste no cultivo in vitro do tecido descongelado para a obtenção da semente sadia);
4) transferência da semente obtida do cultivo in vitro para o solo, em casa de vegetação;
5) multiplicação massal de sementes livres de vírus em telados.

Os resultados, avanços e aplicações esperados a partir dessa pesquisa estão associados a vários fatores: o conhecimento dos processos de formação de sementes de alho in vitro; a regeneração das cultivares de alho, permitindo a expressão do verdadeiro potencial produtivo das mesmas e; a grande possibilidade de incremento médio de até 40% no rendimento comercial das lavouras de alho.

“A partir do momento em que o produtor de alho passar a utilizar sementes obtidas com esse processo de tratamento para formação de suas lavouras, o ganho socioeconômico será enorme”, afirma o coordenador de projetos da Fapesc, Gilberto Montibeller, que acompanhou os resultados do estudo. O plantio de alho em Santa Catarina é baseado no trabalho da família, e o estado participa com 22% da produção nacional, com 2,5 mil hectares cultivados. 

Informações adicionais para a imprensa
Jéssica Trombini 
Assessoria de Comunicação
Fapesc
Fone: (48) 3665-4832 
E-mail: jessica@fapesc.sc.gov.br
Site: www.fapesc.sc.gov.br


Fotos: James Tavares / Secom

Os secretários de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, e o adjunto da Saúde, Murillo Capella, entregaram na manhã desta segunda-feira, 23, na Fiesc, em Florianópolis, o Prêmio Educação e Saúde: I Concurso Escola Promotora de Saúde - Todos Contra o Aedes aegypti.  Foram premiados alunos, professores e escolas que apresentaram os trabalhos de destaque.

Cerca de 50 mil alunos e mais de 2,6 mil professores estiveram envolvidos no concurso, em escolas de 31 Gerências Regionais de Educação (Gered). Na ocasião, também foram homenageados os representantes de Santa Catarina selecionados pelo MEC para receber o Prêmio Professores do Brasil.

O Prêmio Educação e Saúde teve o objetivo de promover a reflexão e a construção de conhecimentos acerca da prevenção e do combate ao mosquito Aedes aegypti, da febre de chikungunya e da febre do zika vírus, articulando a temática da educação ambiental e da saúde.



>>> Mais imagens na galeria

“É uma ação integrada e muito importante para que possamos evitar que se alastrem as doenças transmitidas pelo mosquito. Foi um trabalho de grande mobilização, com os alunos, escolas e comunidades, que resulta agora com o reconhecimento dos resultados. Só temos que parabenizar pelo esforço de todos os envolvidos”, disse Deschamps.

Após passarem pela etapa regional, 71 trabalhos chegaram para a classificação da etapa estadual nas três categorias: trabalho pedagógico, produto de comunicação social impresso e produto de comunicação social audiovisual. Desses saíram os nove finalistas.

“Estamos premiando e reconhecendo o trabalho, a pesquisa, a criatividade e o empenho para combater o Aedes aegypti. Quero destacar essa integração escola e saúde. Sem educação, não há saúde, é impossível. É educar para ter saúde. Essa ação, que é reconhecida hoje, é extremamente importante para a juventude levar a mensagem de prevenção”, afirmou o secretário adjunto da Saúde.

Durante a avaliação final dos trabalhos sete profissionais julgadores das pastas da Saúde e Educação classificaram os trabalhos de acordo com critérios que variaram desde o impacto visual, até o nível de reflexão e discussão sobre mudanças de atitudes e práticas ambientais que foram promovidas pelos profissionais da educação no ambiente da comunidade escolar, em parceria com outras áreas do entorno da escola.

As três primeiras escolas, vencedoras da categoria Projeto de Trabalho Pedagógico, receberam um computador. Os alunos e professores primeiros colocados no produto de Comunicação Social categoria impresso e, categoria áudio visual receberam um tablet. 

A professora orientadora da EEB Bruno Heidrich, de Mirim Doce,  Neide Altino de França, vencedora na categoria Impresso com o trabalho Aedes aegypti? Aqui não!, destacou que o trabalho envolveu e contou com o apoio de todo o município. “Valeu a pena todo esforço e trabalho desenvolvido. Os alunos se envolveram e estão cientes do quanto é importante os cuidados com a não proliferação do mosquito”.

A aluna da EEB Cedrense, de São José do Cedro, Luana Carla Mattiello, faz parte da equipe dos vencedores na categoria áudio visual, com o trabalho Todos contra a Dengue EEB Cedrense. Ela relatou que o trabalho levou cerca de quatro semanas e envolveu muitos planejamentos. “Estamos felizes com o resultado. Além disso, mudou nossa visão e percepção a respeito do mosquito, e agora, sempre que percebemos algo errado na nossa comunidade alertamos. E o vídeo desenvolvido já foi apresentado para toda escola e até para comunidade, isso é um orgulho para nós”.

Vencedores

Categoria: Projeto de Trabalho Pedagógico

1° LUGAR

EEB Expedicionário Mario Nardelli, do Município Rio do Oeste

Com o Projeto: Dengue: Essa luta é sua também

Prof Orientador: Leonardo Mauricio Pisetta Gorges

2° LUGAR

EEB Francisco Maciel Bageston, do Município: Paial

Com o Projeto: Todos juntos no combate ao mosquito Aedes Aegypti

Profª Orientadora : Marilete Maria Feruck

3° LUGAR

EEB Walter Fontana do Município: Concórdia

Com o Projeto: Dengue: Sempre é hora de combater

Profª Orientadora: Maritania Rodio Schimidt

 

 Categoria: Produto de Comunicação Social: Categoria Impresso

1° LUGAR

EEB Bruno Heidrich, do Município Mirim Doce

Com o Projeto: Aedes aegypti? Aqui Não!

Prof ª Orientadora : Neide Altino de França

Alunos:

Joana Girardi da Silva

Marcela Hellen Mundt

Pâmela Cristina Mauricio Machado

Cintia Cristina Ignaczuk

Sabrina Simas Schilichting

2° LUGAR

EEB Prof. Jose Duarte Magalhães, do Município: Jaraguá do Sul

Com o Projeto: Dengue hoje! alunos e professores no combate a dengue. Venha você também ajudar essa causa!

Prof ª Orientadora: Katiane Rodrigues

Alunos:

Gabriela Eduarda Keunecke Bonatto

Gabriel Fábio Benvenutti

Jéssica Fernanda Tesche

Karoline Rauber

Suelen Tamara Porath

3° LUGAR

EEB Professora Maria da Gloria Silva, do Município: Içara

Com o Projeto: Homo Sapiens VS Aedes Aegypti

Prof ª Orientadora: Tamires Pavei Donadel Pignatel

Alunos:

Andriele Felisberto Joaquim

Filipe Mesquita Machado

Hercílio Vinicius Linhares Pedro

Larissa Aparecida do Nascimento

Victor Fernandes Moreira

Categoria: Produto de Comunicação Social: Categoria Áudio Visual

1° LUGAR

EEB Cedrense, do Município de São José do Cedro

Com o Projeto: Todos contra a Dengue EEB Cedrense

Prof ª Orientadora:  Giaeli Ane Zavaglia

Alunos:

Luana Carla Mattiello

Bruna Luíza de Oliveira

Daniel Schabbach Cavalheiro

Gabriel José Hohensee Skasinski

Vitória Cássia Hohensee Skasinski

2° LUGAR

EEB Cristo Rei, do Município: São João do Oeste

Com o Projeto: Vamos juntos vencer o mosquito Aedes Aegypti!

Prof. Orientador: Vandoir  Oeschsler

Alunos:

Rosemara Reichert

Rafaela Tamara Reinehr

Ronaldo Birk

Karoline Schutz

Cristiane Hackenhaar

3° LUGAR

EEB Julia Baleoli Zaniolo, do Município: Canoinhas

Com o Projeto: Dengue não é brincadeira: é uma doença rara e pode matar

Prof ª Orientadora: Ane Francelize Shulz

Alunos:

Adriano César Ribeiro da Silva

Alisson Dal Comune

Bruno Leite Gonçalves de Paula

Dominique R. B. Kellermann

Felipe Lourenço Miranda

Professores também são homenageados

Na sequência, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Educação, concedeu o Diploma Menção Honrosa pelo trabalho prestado à Educação aos professores catarinenses selecionados, pelo Ministério da Educação, para recebimento, em Brasília, do Prêmio “Professores do Brasil”. “É muito importante este reconhecimento. Temos professores que têm feito trabalhos incríveis e esses trabalhos precisam ser reconhecidos e compartilhados”, finalizou Deschamps.

Professora: Caroline Pereira

Escola: EEB Silva Jardim, do município de Alfredo Wagner

Título do Relato: As Aventuras de Eva Scheneider

 

Professora: Ana Maria Quinoto Imhof

Escola: EEB Feliciano Pires, no município de Brusque

Título do Relato: Alunos, Aves e um E-book

 

Professor: Marcos Fiorentin

Escola: EEF Padre João Rick, do município São João do Oeste

Título do Relato: INFODRONE: Sensoriamento Remoto como Ferramenta Pedagógica em Escola do Campo

 

Professora: Josiane Mendes Bezerra

Escola: EEB Maria Rita Flor, do município de Bombinhas

Título do Relato: Fazendo e Acontecendo: Pesca Artesanal da Tainha

 

Professor: Jairo Marchesan

Escola: EEB Professor Olavo Secco Rigon, do município de Concórdia

Título do Relato: Drenagem Pluvial na Escola

 

Professora: Alaíde Alves Leite

Escola: EEB Maria Rita Flor, do município de Bombinhas

Título do Relato: Projeto Curtas dos Bairros de Bombinhas/SC

Informações adicionais para a imprensa:
Elisabety Borghelotti
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: bety@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3014 / 98843-5460
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Informações adicionais para a imprensa
Edinéia Rauta
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Educação  - SED
E-mail: edineiarauta@sed.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-0353 / 3664-0161 / 3664-0356 / 9-9980-3136
Site: www.sed.sc.gov.br

Página 51 de 221