Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Medalha Zilda Arns

Medalha Zilda Arns

A medalha Zilda Arns é uma justa homenagem a quem dedica a vida para fazer o bem às pessoas. Nesta semana, o governador Eduardo Pinho Moreira entregou o título ao médium Divaldo Pereira Franco. Homem que desenvolveu um belíssimo trabalho caritativo, fruto da vontade de servir o próximo.

Oportunidades

Próximos eventos


Foto arquivo: Divulgação/São Paulo Cia de Dança

A secretária executiva da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Joinville, Simone Schramm, confirmou nesta quinta-feira, 25, o início das matrículas do primeiro curso técnico em dança oferecido pela rede estadual de ensino na maior cidade do Norte do Estado. As inscrições podem ser realizadas a partir do dia 29 de janeiro ao dia 9 de fevereiro na Escola de Educação Básica Professor Germano Timm, no Centro.

Para a secretária da ADR, a grade curricular vai preparar o aluno para atuar e executar a dança como bailarino, diretor ou assistente. “Ele vai obter conhecimentos dos diferentes gêneros e estilos de dança além do estudo acerca dos espaços cênicos e expressões”. Em dezembro do ano passado ocorreu à defesa para criação do curso junto Conselho Estadual de Educação (CEE).

“Vamos conseguir ofertar mais vagas, teremos uma turma no período da tarde com 30 alunos e à noite temos capacidade de receber entre 90 a 120 e isso depende da demanda da comunidade. Também é importante ressaltar que vencida a etapa do curso técnico em dança, continuamos buscando internamente, no Governo do Estado, uma forma de concretizar a formação de nível superior nesta modalidade para Joinville”, comenta Simone Schramm.

Poderão se inscrever nas vagas alunos de escolas públicas ou privadas, mas que tenham concluído o ensino médio ou que estejam cursando o segundo ou terceiro ano. A nova modalidade terá duração de um ano com total de 800 horas aula. As aulas iniciam no dia 15 de fevereiro conforme calendário da rede estadual de ensino das 13h30 às 17h30 e das 18h30 às 22h.

“O curso é uma novidade na rede estadual de ensino e vem sendo aguardado por muitos jovens, inclusive há uma lista de espera e essa formação profissional se dá concomitante para alunos do ensino médio ou egressos”, destaca a gerente da Gerência Regional de Educação (Gered) de Joinville, Lorena Rothbarth. Os interessados devem procurar a EEB Professor Germano Timm, na rua Orestes Guimarães, 406, no Centro, em Joinville.

A chamada pública dos professores será realizada no dia 8 de fevereiro, às 18 horas, no Centro de Educação Profissional Dario Geraldo Salles (Cedup), no bairro Itaum. “Profissionais com habilitação específica em dança e com experiência comprovada terão mais oportunidade porque vai contar a prova de títulos”, explica Maria Teresinha Serafim, supervisora de Desenvolvimento Humano da Gered. A contratação dos educadores está baseada na matriz curricular e na ementa do curso.

Documentos para matrícula:
- certidão de nascimento ou identidade;
- CPF para ensino médio (opcional para ensino fundamental);
- histórico escolar para novos alunos a partir do 2º ano do ensino fundamental;
- atestado de frequência para casos de transferência;
- cartão de vacina ou declaração;
- comprovante de residência;
- foto 3x4 opcional.

*Matriz curricular do curso técnico em dança

Módulo Curricular

Unidade Curricular (Disciplina)

CH

Módulo I

Anatomia e Cinesiologia

32

Criação, Direção, Produção e Montagem de Espetáculo e Evento

48

Cultura e Movimento

32

Dança Clássica e Moderna

64

Danças Brasileiras e Folclore

48

Estudos Experimentais Criativos da Dança

32

História da Dança

32

Interpretação Cênica

32

Música

32

Processo de Criação do Movimento

48

 Carga Horária do Módulo I - 400

Módulo Curricular

Unidade Curricular (Disciplina)

CH

Módulo II

Arte e Ludicidade no Processo Pedagógico

48

Criação, Direção, Produção e Montagem de Espetáculo e Evento

32

Dança Contemporânea, Étnicas, Arte e Cultura

64

Dança e Diversidade

48

Danças Brasileiras e Folclore

32

Direção de Palco e Contrarregra

32

Estudos Experimentais Criativos da Dança

32

Interpretação Cênica

32

Maquiagem, Figurino e Adereços

32

Prática de Montagem de Texto e Música

48

Carga Horária do Módulo II - 400

Carga horária total do Curso - 800h

*Ementas

Anatomia e Cinesiologia - Proporcionar ao aluno o conhecimento e a experiência prática na análise do movimento e das atividades motoras, assim como, no estudo da biomecânica e anatomofisiologia, relacionada ao movimento normal do corpo. Estudos de conhecimentos básicos sobre mecânica, análise cinética e cinemática corporais na sua relação específica com a prática de dança. Análise do movimento das articulações do corpo humano, as funções das suas estruturas musculoesqueléticas, grau de mobilidade e possibilidades em dança com vistas à prevenção de lesões.

Criação, direção, produção e montagem de espetáculo e evento - Montagem de espetáculo circense abrangendo a integralidade do processo artístico. Etapas de criação do espetáculo. Elementos da produção (roteiro, direção artística, coreografia, elementos cênicos e trilha sonora). Direção e Contrarregra. Informações do show/eventos, pré-produção, cronogramas, eventos, palco e cenografia, logística do evento, montagem e desmontagem. Condução do evento. Ordem das apresentações do evento. Passagem do som e luz. Planilha das informações importantes. Função de contrarregra de controle dos atores de dança e outros das cenas, acompanhamento do espetáculo e a responsabilidade pelos diversos cenários e suas mudanças. Organização dos móveis e sua disposição na cena. Controle e indicação do início e fim do evento. Manutenção dos móveis e equipamentos do evento. Conhecimentos sobre segurança, montagem e desmontagem de aparelhos e equipamentos de circo; manutenção, armazenagem e planejamento da preparação do espetáculo circense. Bases técnico-científicas: equilíbrio de forças, ângulos de tração, ações dinâmicas, forças absorventes em quedas.

Cultura e movimento - Estudo dos métodos de análise do movimento. Visão geral dos aspectos cinesiológicos fundamentais e que deverão ser usados de forma coerente na avaliação e/ou proposta de solução para problemas específicos na prática de dança. Estudo dos movimentos dos membros superiores. Desenvolvimento de conceitos morfológicos e fisiológicos fundamentais dos sistemas orgânicos do homem. Os aspectos relacionados ao aparelho locomotor e sistema nervoso serão enfatizados devido à especificidade da dança, como requisito do movimento. Fundamentos técnicos a partir de elementos da dança clássica, moderna e contemporânea. Improvisação. Noções e conceitos de composição em dança. História da dança: tradição, modernidade e pós-modernidade. Fundamentos técnicos a partir de elementos da dança clássica, moderna e contemporânea. A pesquisa e criação em dança. Dança: a teatralidade e as abordagens do corpo.

Dança clássica e moderna - Introdução e Conceito de Dança Clássica e introdução à dinâmica e a harmonia dos conceitos básicos de técnica clássica, abordando questões relativas a formas de ensino e a função de seus exercícios. Fundamentos teórico-práticos da dança moderna. Conhecimentos das técnicas e sistemas. Estudo dos principais teóricos da dança moderna. Técnicas de dança moderna. Compreensão das técnicas de dança moderna como recurso de preparação técnica e investigativa para a Dança. Metodologias de ensino das diferentes propostas técnicas. Organização lógica e função dos exercícios. Estabelecimento de relações entre os conteúdos específicos das diferentes propostas técnicas com a história, com outras experiências corporais, com o ensino da dança e com a cena. Observação de aulas.

 Danças brasileiras e folclore - Pesquisa e prática das manifestações populares, folclóricas e espetaculares. Introdução Etnologia. Iniciação e investigação ao estudo da mecânica e aprendizados gestual e corporal das manifestações folclóricas. Manifestações das espetacularidades das regiões brasileiras com o etnocentrismo. Pesquisas e investigações do estudo da mecânica e análise do movimento gestual brasileiro na perspectiva do Sistema Laban de Movimento (LMA). Montagem cênica coreográfica para dança folclórica 

Estudos experimentais criativos da dança - Estudos experimentais de figurinos alternativos para os diversos tipos de danças, clássica, modernas, contemporâneas, étnicas, populares, etc. Pesquisa de materiais expressivos e técnicas construtivas. Relação forma/função. Planificação de formas humanas. O figurino como elemento cênico.

História da dança - Estudo sobre a evolução da dança através do tempo, abordando diversos períodos da história e relacionando a dança com outras manifestações culturais daqueles períodos bem como aspectos sociais, políticos e econômicos. Técnica de dança, coreografia, história da dança ou artes corporais.

Interpretação cênica - A ação física. Objetivos e subtexto. Leitura ativa do texto dramático. Exercícios a partir de cenas. A composição da personagem. Ação física. Leitura ativa do texto dramático. Exercício com cenas. Técnicas interpretativas baseadas no distanciamento. Construção física da personagem. Texto físico. Construção de partituras de ação. Precisão. Equilíbrio. Oposição. Modos contemporâneos na construção da personagem.

Música - Relação entre dança e música, dentro do universo de concepções da composição coreográfica em relação às estruturas musicais. Análises em diversos focos de coreografias com recursos de vídeo e práticas de observação.

Processo de criação do movimento - Laboratório de experimentação cênica, propondo estudos específicos do trabalho do ator, na relação com diversos processos de criação da cena contemporânea, numa aproximação fronteiriça da dança com outras linguagens artísticas. Vivência de estratégias de improvisação com base em noções como dança criativa, dança livre, dança expressiva, dança espontânea e jogos corporais. Estudo dos diferentes segmentos do aparelho locomotor a partir de ações fundamentais. Desenvolvimento das habilidades técnico-interpretativas, promovendo uma consciência espacial e corporal e um aperfeiçoamento na variedade dinâmica e na expressão artística. Compreensão incorporada do movimento em seus elementos estruturais, desenvolvendo as habilidades de execução, articulação verbal e conceitual e observação. Segue uma abordagem baseada nas teorias de Rudolf Laban e outros estudiosos do movimento e de outras áreas do conhecimento. Elemento estrutural corpo. Elementos: estrutural espacial, estrutural dinâmica, estrutural relações, estrutural ações da dança.

Arte e ludicidade no processo pedagógico - Estudo e reflexão teórico-crítica sobre a dança, o jogo, o brinquedo e a brincadeira e suas relações com a aprendizagem e o desenvolvimento sociocultural, cognitivo e emocional nas escolas como discussão sobre o papel da dança e ludicidade na prática educativa. Vivência e análise da dança e brincadeiras na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, nos espaços de recuperação de saúde, nos eventos familiares e nos eventos sociais.

Dança contemporânea, étnicas, arte e cultura - Introdução ao ensino dos elementos básicos de Dança Contemporânea. Elementos de Dança Contemporânea. Elementos de dança contemporânea. Criação e produção de vídeo-dança. Exercício de consciência corporal na relação com o chão; o movimento coletivo e a musicalidade física; estudo do movimento. Elaboração de frases coreográficas; improvisação e criação do movimento pessoal. Estudo teórico-prático dos aspectos étnicos e culturais na Dança. A etnocenologia e a análise dos corpos em diferentes expressões da Dança. A dança como expressão da identidade étnica dos povos. Iniciação ao estudo das danças brasileiras por meio dos seus vocabulários e movimentos. Investigação e análise das manifestações tradicionais e populares que conferem sentido às principais danças do Brasil. Estudo, experimentação e análise de mecanismos corpóreos, com ênfase nos fatores de movimentos expressivos: reconhecimento de fluência e peso e refinamento da utilização de tempo, espaço. Ampliação do repertório pessoal corpóreo-vocal em sua expressão cênica e seu diálogo com o ritmo externo

Dança e diversidade - As atividades correspondem à vivência pelo aluno de atividades de caráter científico, cultural e acadêmico como seminários, exposições, participação em eventos científicos, estudos de casos, visitas, ações de caráter científico, técnico, cultural, artístico e comunitário, produções coletivas, relatórios de pesquisa dentre outras. A dança como atividade profissional: Atividade infantil, atividade psicomotora juvenil, atividade lúdica, Educação Especial, terceira idade como reconstrução da memória do idoso e o ressignificado de seu papel na sociedade e superação da marginalidade social do idoso. Paradigmas de saúde e determinantes sociais da saúde. Modelos de Sistemas de Saúde e formulação de políticas sociais: escolhas ético-políticas das sociedades.

Direção de palco e contrarregra - Informações do show/eventos, pré-produção, cronogramas, eventos, palco e cenografia, logística do evento, montagem e desmontagem. Condução do evento. Ordem das apresentações do evento. Passagem do som e luz. Planilha das informações importantes. Função de contrarregra de controle dos atores de dança e outros das cenas, acompanhamento do espetáculo e a responsabilidade pelos diversos cenários e suas mudanças. Organização dos móveis e sua disposição na cena. Controle e indicação do início e fim do evento. Manutenção do móveis e equipamentos do evento.

Maquiagem, figurino e adereços - A História da Maquiagem. Estudo e técnicas da elaboração da maquiagem. A maquiagem de efeito. A maquiagem como parte da composição do espetáculo. Maquiagem como instrumento fundamental que auxilia na criação do personagem e na transformação estética e linguagem de expressão dos atores. O maquiador junto com toda a produção do espetáculo acompanhando como concepção do figurino. A maquiagem com vistas a ressaltar e/ou criar elementos que ressaltem aspectos importantes para a compreensão do personagem. O maquiador como responsável pela pintura do rosto ou do corpo dos atores e atrizes. O figurino como um elemento importante da linguagem visual do espetáculo formado por, além das vestimentas, pelos acessórios. O figurino como compreensão do personagem, ele é carregado de simbologia e pode acentuar o perfil psicológico do personagem, objetivos e características da história. Os figurinos e acessórios utilizados em cena devem ser sempre coerentes com a época em que acontece a ação ou com o simbolismo que o diretor queira dar a ela. O figurinista como responsável pelas roupas, adereços e acessórios utilizados na dança.

Prática de montagem de texto e música - Diversidade e Discurso: aplicação dos conteúdos abordados no curso em uma montagem de um texto dramático. Realizar montagem onde se privilegie o trabalho de atuação e a aplicação prática dos conteúdos abordados nas disciplinas anteriores de interpretação, movimento e voz. Desenvolve a organização de movimentos isolados ou conjunto de movimentos em estruturas maiores voltadas para a criação de coreografias. Oficina de Música e Movimento com estudo dos parâmetros musicais no corpo. Treinamento auditivo, leitura. Princípios da rítmica, apreciação musical, oficinas de criação/improvisação aplicadas ao ensino da dança. Oficina de Rítmica Corporal com estudo do ritmo por meio de deslocamentos no espaço e movimentos corporais. Princípios da rítmica corporal. Coordenação temporal, coordenação espacial e rítmica por meio de exercícios práticos. Atividades que incluam a participação dos alunos em eventos dos seguintes tipos: congressos, seminários, colóquios, simpósios, encontros, festival, palestra, exposição e cursos de outra duração. Introdução à encenação.

Informações adicionais para a imprensa:
Ana Paula Keller
Assessoria de imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Joinville
E-mail: anakeller@jve.adr.sc.gov.br / imprensa@jve.adr.sc.gov.br
Telefone: (47) 3461-1225 / 99240-8064
Site: sc.gov.br/regionais/joinville


Foto: IGP/SC

O Instituto Geral de Perícias (IGP) de Santa Catarina apresenta o balanço das atividades e dados estatísticos referentes ao exercício do ano de 2017. O IGP é formado por quatro institutos: Instituto de Identificação Civil e Criminal, Instituto Médico Legal, Instituto de Criminalística e Instituto de Análises Forenses.

O ano de 2017 terminou com um montante de 116.591 exames periciais realizados pelo Instituto Geral de Perícias. De acordo com o diretor geral do IGP, Miguel Colzani, o ano confirmou a eficiência e a produtividade dos servidores. “Graças à dedicação dos funcionários obtivemos esses números expressivos. Os dados mostram a amplitude dos serviços que são prestados ao cidadão e ratificam o bom desempenho dos servidores e colaboradores do IGP. A expectativa para 2018 é manter o ritmo funcional, melhorando ainda mais o atendimento ao cidadão”.

Novos servidores, concurso público e processo seletivo

No âmbito dos Recursos Humanos, o Instituto Geral de Perícias admitiu, no exercício de 2017, 68 novos profissionais (61 auxiliares criminalísticos e sete auxiliares de laboratório), aprovados no concurso público de 2014.

Em novembro, o IGP realizou a prova do concurso público 001/2017 para o ingresso de novo 51 profissionais (49 vagas para os cargos de perito criminal, perito criminal bioquímico, perito médico-legista e perito odontolegista e duas vagas são para a função de papiloscopista). O resultado final sairá em 2018.

Ainda em 2017, no mês de dezembro, foi lançado o Processo Seletivo Simplificado que prevê a contratação temporária de 21 novos auxiliares de medicina legal. O resultado também será conhecido no ano de 2018.

Emissão de carteiras de identidade cresce 11%

No âmbito de suas atribuições constitucionais, compete ao IGP realizar o procedimento de identificação civil das pessoas, viabilizando a expedição da carteira de identidade que é emitida pelo Instituto de Identificação e conta com a parceria de prefeituras municipais através dos postos de identificação. Além das 31 centrais de atendimento do IGP, outros 262 postos conveniados se consolidaram no Estado, totalizando 293 unidades de serviço ao cidadão, aumentando 23 pontos em relação a 2016.

Em 2017, foram expedidas 639.007 carteiras de identidade, sendo 635.297 em atendimento regular nas unidades do IGP e 3.710 em ações sociais itinerantes. O número apresenta um recorde histórico e um crescimento de confecção do documento da ordem de 11%.

IML destaca-se pelo papel social

O trabalho desenvolvido pelo Instituto Médico Legal destaca-se pela relevância social. Muitos procuram o IML para buscar seus direitos, lutar pela sua cidadania. São pessoas que sofreram lesões em seus locais de trabalho, em acidentes de trânsito, vítimas de agressões originadas em conflitos e ainda vítimas de violência sexual.

No IML foram realizados 59.583 exames periciais, entre os quais 53.793 exames de lesões corporais. Outra missão importante do IML é identificar a causa da morte não natural, por meio de procedimentos periciais que fornecem subsídios para a instrução de inquéritos policiais e processos penais. Nessa área foram realizados 4.460 exames cadavéricos. Chama a atenção o número de vítimas em acidentes de trânsito que é praticamente o dobro em relação ao número de vítimas de arma de fogo: 1.411 contra 744.

Instituto de Criminalística diminui tempo de resposta

O Instituto de Criminalística atua em diversos ramos das Ciências Forenses, tais como Balística, Documentoscopia, Informática, Fonética, Papiloscopia, Identificação Veicular, exames em locais de crimes contra o meio ambiente, além dos serviços de pronto atendimento em locais de crimes contra a pessoa e contra o patrimônio.

A atividade pericial do Instituto de Criminalística é disponibilizada em 30 unidades, o que torna a estrutura de Santa Catarina uma das mais descentralizadas do país, gerando melhora substancial na diminuição do tempo de resposta aos serviços de pronto atendimento, principalmente naqueles que se revestem de maior gravidade, tais como os crimes contra a pessoa. No ano de 2017, o Instituto de Criminalística atendeu 31.087 ocorrências e expediu 25.506 Laudos Periciais.

Instituto de Análises Forenses aumenta a identificação de substâncias químicas

O Instituto de Análises Forenses atua nos procedimentos laboratoriais destinados à identificação de substâncias entorpecentes, dosagem alcoólica, exames toxicológicos, pesquisas indeterminadas, além da identificação humana através do DNA.

Além do laboratório central instalado na Capital, o IAF possui laboratórios em Joinville, Balneário Camboriú, Criciúma, Blumenau, Lages e Chapecó. Em 2017, foram realizados 25.921 exames periciais no Instituto de Análises Forenses envolvendo drogas, vestígios biológicos, exames toxicológicos e de DNA. A maioria para a identificação de substâncias químicas (21.499).

Balanço positivo em 2017

NÚMEROS DO IGP EM 2017:
Instituto de Identificação: 639.007 Carteiras de Identidade expedidas
Instituto de Análises Forenses: 25.921 perícias
Instituto Médico Legal: 4.460 Exames Cadavéricos e 53.793 Exames de Lesões Corporais
Instituto de Criminalística: 25.506 Laudos expedidos e 31.087 Exames Periciais realizados
Total Geral de Exames Periciais realizados em 2017: 116.591 

Informações adicionais para a imprensa
João Carlos Mendonça Santos
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Segurança Pública - SSP
E-mail: imprensa@ssp.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8183 / 98843-7615

Vandrei Bion
Assessoria de Comunicação IGP/SC
(48) 99980-9556


Foto: Jeferson Baldo/Secom

O ministro da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Torquato Jardim, lançou na manhã desta sexta-feira, 26, em Florianópolis, o projeto “Mulheres Livres” em parceria com o Governo do Estado de Santa Catarina e o Tribunal de Justiça (TJSC). O governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira e a secretária de Estado da Justiça e Cidadania, Ada Faraco De Luca, participaram do ato e assinaram o Termo de Cooperação. Santa Catarina é o segundo estado a participar do projeto, que já teve início no Paraná.

>>> Galeria de fotos

“O projeto quer buscar, nos presídios brasileiros, a verdadeira situação jurídica e social das mulheres, principalmente aquelas que têm filhos, seja qual for a idade, e filhos dependem da economia da família. O esforço aqui em Santa Catarina é expandir esse trabalho e buscar apoio do setor privado. Importante é que elas tenham a oportunidade de, voltando a liberdade, terem emprego e ocupação útil e reinseridas no mercado de trabalho”, enfatizou o ministro.

Eduardo Moreira destacou que o projeto permite que as pessoas reconstituam suas famílias com tranquilidade, sendo monitoradas por esse programa. “As mulheres presas ficam angustiadas com seus filhos do lado de fora, sem saber como estão sendo cuidados, dessa forma esse programa visa ressocializar as pessoas e dar uma oportunidade de reconstituir suas vidas”.

Instituído pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão ligado ao Ministério da Justiça, o projeto surge com o objetivo de desencarcerar mulheres privadas de liberdade que estão gestantes ou são mães de crianças na primeira infância. Outro objetivo é a inclusão na proteção social da mulher presa egressa do sistema prisional, garantindo assim a sua  reintegração ao mundo do trabalho.

Para a secretária Ada De Luca, o projeto é um dos mais importantes do ministério, porque é um tratamento mais humanizado para as mulheres presas. “Para a mulher grávida o tratamento será mais ampliado, porque elas sofrem muito com as instalações, pois é misto. Agora será inaugurada uma unidade em Criciúma somente para mulheres, o que vai facilitar o problema de vagas e o tratamento será outro, com sala de aleitamento, praticamente um berçário. A mulher que sai de lá deve ter a vontade de viver e não de cometer novos delitos”.

O “Mulheres Livres” não se encerra na fase de soltura de mães detentas. A proposta é oferecer assistência jurídica e treinamento profissional para que essas mulheres se tornem economicamente independentes. Em Santa Catarina, 339 mulheres detentas trabalham de um total de 982.

De acordo com o Ministério da Justiça, o Mulheres Livres se divide em quatro fases. A primeira coleta dados sobre o processo criminal; a segunda avalia a situação de cada uma das presas; a terceira julga e concede liberdade; e a quarta fase oferece assistência social e capacitação para que as egressas consigam chegar ao mercado de trabalho. O programa funcionará com apoio das Defensorias Públicas, órgãos federais,  estaduais, e municipais além do Judiciário e empresários.

Também participaram da cerimônia o diretor geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Carlos Felipe Alencastro Fernandes de Carvalho; o desembargador do TJSC, Roberto Lucas Pacheco; e o secretário-adjunto da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, Leandro Lima.

Informações adicionais para a imprensa:
Rafael Vieira de Araújo 
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: rafael@secom.sc.gov.br  
Telefone: (48)  3665-3018 / 99116-8992
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto de arquivo: Jaqueline Noceti / Secom

Com um saldo de 29.441 vagas, Santa Catarina foi o estado que mais gerou emprego no país em 2017. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, foram divulgados nesta sexta-feira, 26, confirmando o bom desempenho catarinense ao longo do ano passado. Os números representam a diferença entre contratações e demissões de profissionais com carteira assinada.

O governador Raimundo Colombo, que está em missão oficial nos Estados Unidos, comemorou o resultado. “Com certeza esta é maior conquista de 2017, nosso bom estado foi que mais gerou emprego no país. Isso mostra que nossa estratégia está certa, ao tomar decisões como não aumentar impostos para promover a competitividade do estado”, afirmou Colombo.

O governador ressaltou também a importância da tradição empreendedora catarinense para o bom desempenho. “Gostaria de cumprimentar todos os empreendedores, desde quem abriu uma pequena loja até os que estão à frente das maiores empresas, porque todos contribuíram para dar mais segurança à população do estado”, acrescentou.

No acumulado entre janeiro e dezembro de 2017, o saldo catarinense foi de 29.441 vagas. Os setores que mais se destacaram foram a indústria (com 12.443 vagas), o segmento de serviços (11.163) e o comércio (7.886). Os municípios que mais contribuíram para o resultado do ano foram Joinville (5.588); São José (2.517) e Chapecó (1.589).

Considerando apenas o resultado de dezembro, o desempenho do mês foi negativo (saldo de -22.278). O único setor com saldo positivo no mês foi o comércio, com 2.865 vagas. E a maior baixa de dezembro foi na indústria de transformação, com -15.182 vagas.

No Brasil, o resultado acumulado do ano foi de -20.832 vagas. Só em dezembro, o país teve saldo negativo de 328.539 postos.

Informações adicionais para a imprensa:
Alexandre Lenzi
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: lenzi@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-3018 / 98843-4350
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Claudio Thomas/Secom

As ações e as obras de prevenção aos desastres climáticos, realizadas pelo Governo de Santa Catarina, desde 2011, já estão no radar do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), agência líder da Organização das Nações Unidas (ONU). Esse foi o recado que o diretor regional do escritório do PNUD para a América Latina e Caribe, Lenni Montiel, transmitiu ao governador Raimundo Colombo, no fim da tarde desta quinta-feira, 25, na sede do órgão em Nova York, Estados Unidos.

>>> Galeria de fotos

Os secretários de Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, e de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond Vieira, participaram do encontro, que teve a presença também de Angelika Planitz e Ugo Blanco, técnicos do PNUD nas áreas de prevenção a desastres climáticos.

O governador explicou que o objetivo é buscar toda a experiência que o PNUD tem em relação à Defesa Civil e conquistar um selo de qualidade e reconhecimento pelo trabalho que está sendo realizado em Santa Catarina. “Essa maior integração e os resultados abrem portas para que o Estado possa alcançar novos financiamentos para dar continuidade à segunda fase de obras de prevenção no Vale do Itajaí”, afirmou Colombo.

O secretário de Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, lembrou que os catarinenses tem a maior perda per capita do Brasil em razão dos desastres naturais e busca soluções práticas capazes de criar uma política que torne Santa Catarina um Estado resiliente nas questões climáticas. Para reforçar o trabalho pela conquista da certificação, será realizado nos dias 13 e 14 de março, em Florianópolis, o 2º Seminário Internacional de Proteção e Defesa Civil, com foco na importância das políticas públicas na redução de riscos e desastres. Outro ponto, destacou Moratelli, é a inauguração do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres, em Florianópolis, marcada para o dia 15 de março.

O secretário convidou Lenni Montiel e os técnicos do PNUD para participar do seminário e deixou um convite especial para o secretário-geral das ONU, Antônio Manuel de Oliveira Guterres.

O diretor regional do PNUD, Lenni Montiel, elogiou o trabalho realizado por Santa Catarina. “Nos impressiona que o Governo de SC busque esse reconhecimento, porque a Defesa Civil do Estado representa um marco do que se faz no Brasil. É um orgulho ter a visita de vocês e de compartilhar as experiências”, destacou Montiel e acrescentou: “Estamos muito interessados em iniciar a conversação e encontraremos o caminho para realizar coisas conjuntas”. Salientou que a experiência catarinense na América Latina é muito importante, porque outros estados e países podem aprender com Santa Catarina.

Lenni Montiel informou que o escritório do PNUD no Brasil deverá enviar um grupo de trabalho à Florianópolis para discutir com o Governo do Estado como definir os caminhos para a certificação de Santa Catarina.

Antes de encerrar o encontro, o secretário de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond Vieira, destacou os índices econômicos de SC e entregou prospectos que apontam os excelentes resultados em todas as áreas.

Também participaram do encontro o secretário-adjunto da Defesa Civil, Fabiano de Souza, e o gerente de Assuntos Internacionais, Guilherme Bez Marques.

Esta foi a 16º missão internacional liderada pelo governador Raimundo Colombo desde 2011, sendo seis no atual mandato.

Na última terça, a comitiva liderada pelo governador Raimundo Colombo participou de duas reuniões na sede do Banco Mundial, em Washington. Na primeira, foi entregue a Carta Consulta da segunda etapa de obras que fazem parte do Projeto de Prevenção e Mitigação de Desastres de Santa Catarina para o diretor sênior do Banco Mundial, Ede Jorge Ijjasz-Vasquez. O dirigente afirmou que o Banco Mundial tem interesse em continuar investindo nos programas de prevenção de SC.

Ainda na terça, o governador foi recebido pela gerente do setor de agricultura para a América Latina e Caribe, Preeti Ahuja, e agradeceu pelo sucesso da primeira etapa do SC Rural, executado pelo Estado com o financiamento do Banco Mundial e disse que a intenção do Governo é deixar tudo encaminhado para a realização da segunda fase do programa a partir de 2019 e 2020. “O SC Rural é usado como modelo para outros estados pelo Banco Mundial”, elogiou Preeti Ahuja.

Na quarta, as ações do Governo de SC na Defesa Civil foram destaque no segundo dia do Seminário sobre Emergências Complexas e Desastres em Grande Escala, no Colégio Interamericano de Defesa, da Organização dos Estados Americanos, também em Washington. O governador fez a palestra de abertura do encontro, seguido de apresentação do secretário Rodrigo Moratelli.

>>> Missão liderada pelo governador Colombo trata dos programas de prevenção às cheias e do SC Rural com dirigentes do Banco Mundial nos EUA

>>> Em Washington, Colombo fala sobre experiência de SC com desastres climáticos durante evento da OEA

Informações adicionais para a imprensa
Claudio Thomas
Diretor de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação
E-mail: thomas@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 99161-6455
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC


 

Página 50 de 304