Compartilhe

Ao término da reunião Devolutiva e Evolutiva da V Conferência Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, nesta sexta-feira, 6, no Instituto Federal Catarinense de Rio do Sul, foi concebido o Plano de CTI para Santa Catarina. Os representantes governamentais, empresariais, acadêmicos e da sociedade civil, debateram sobre ações estratégicas para o setor.

Após analisar 450 propostas nas mesorregiões catarinenses, o plano buscou atender às necessidades regionais em articulação multi-institucional e resultou nos seguintes termos, conforme quatro esferas.

Em Institucionalização e Inovação, propôs desenvolver modelo de governança do sistema de CTI com restauração do Concite; fortalecer a identidade dos atores de CTI através do engajamento criando agendas conjuntas e instâncias de ações para promover investimentos e financiamentos permanentes, consolidar a rede inovadora promovendo políticas de propriedade intelectual e mapeando ações de capacitação.

Quanto ao Mercado e à Educação, constam linhas para ampliar relações entre universidades e empresas; criar benefícios fiscais para projetos; aprimorar o marco regulatório; potencializar a participação de pesquisadores e empresários com associações e entidades; criar fundo de financiamento para disseminar políticas de apoio à CTI; fortalecer o ensino das Ciência nas escolas, provocar demandas de cursos profissionalizantes e desenvolver alinhamento entre os setores produtivo e as instituições de ensino; expandir programas de bolsas de estudos em pesquisas e desenvolver linhas de fomento.

Em Ciência e Infraestrutura o plano prevê incluir Ciência já no ensino fundamental; desenvolver estratégias para obter incentivos setoriais, identificando as prioridades regionais; promover compartilhamento da infraestrutura entre os agentes e sua aplicabilidade; criar fóruns para divulgar pesquisas, desenvolver mecanismos entre demanda e pesquisadores para formar uma rede de conhecimento e informação através de comitês de integração para fomentar eventos e desenvolver projetos e pesquisas; desenvolver fundos locais para financiar infraestrutura em PDI e universalizar seu uso; desburocratizar marco regulatório e diversificar a matriz de transporte estimulando parcerias para ampliar o serviço.

Em Desenvolvimento Regional o plano inclui tornar as cidades atrativas cultural e turisticamente com produção de arte e cultura, ocupando espaços e capacitando instituições via Conselhos Regionais; consolidar vocações regionais pela inovação a partir de pesquisas e estudos; promover o empreendedorismo em campanhas de conscientização sobre leis específicas e levar conhecimento às escolas sobre direitos humanos.

Quando ao Sistema de Saúde o plano buscará fortalecer boas práticas, integrar os sistemas federal-estadual e municipais; assegurar assistência plena e contínua à população; promover prevenção através de campanhas; planejar inovação fornecendo tecnologias; além de promover lideranças e gestores empresariais e fomentar a fixação de pesquisadores na indústria e no setor governamental.

Ao final do encontro, organizado pela Fapesc e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável, o coordenador executivo da Conferência de Ciência, Tecnologia e Inovação, Roberto Pacheco, alertou a todos sobre o último encontro em dezembro na Fapesc para delinear definitivamente o Plano de CTI para Santa Catarina.

Informações adicionais para a imprensa:
Homero Buzzi
Assessoria de Comunicação
Agência de Desenvolvimento Regional de Rio do Sul
E-mail: imprensa@rsl.adr.sc.gov.br
Telefones: (47) 3526-3014 / 99905-6336 
sc.gov.br/regionais/riodosul