Estudantes de Administração Pública da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) desenvolveram uma solução com potencial de ajudar pesquisadores (na captação de recursos privados para suas pesquisas) e empresas (em obter incentivos fiscais nesse tipo de investimento). A ideia é usar a tecnologia digital para a juntar essas duas pontas: o projeto de pesquisa carente de financiamento e a empresa disposta a investir.

Bolsistas de Jornalismo da Uniplac atuam na produção do novo programa da Udesc - Foto: Heloíse Guesser

Nesta sexta-feira, 7, às 18h, a Rádio Udesc FM Lages 106,9 fará a estreia do programa "Conexão Udesc-Uniplac", que destacará ações das duas universidades na cidade e na região do Planalto Serrano, nas áreas de extensão, ensino e pesquisa, além de trazer informações de cultura, meio ambiente, saúde, música, agenda cultural e atualidades. De aproximadamente 15 minutos, o programa é resultado de uma parceria firmada entre a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e a Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac).

A Polícia Militar Ambiental em Lages realiza no fim da tarde desta quinta-feira, 6, a formatura da primeira turma do curso de Polícia Ostensiva Rural (CPOR). Os policiais especialistas em segurança no campo estarão aptos ao combate de crimes rurais, como abigeato, roubo de insumos agrícolas e máquinas.

A convite do Comandante-Geral da Polícia Militar Ambiental, Coronel Adilson Schlickmann Sperfeld, e do Comandante do 2° Batalhão da Polícia Militar Ambiental, Tenente-Coronel Jorge Luiz Haack, o Secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, palestrará aos formandos sobre as perceptivas, desafios e importância do agronegócio para Santa Catarina.

“Ao investir em segurança no meio rural nós estamos garantindo a continuidade do funcionamento da nossa economia, que gera milhares de empregos, renda e oportunidades no nosso estado. Esse policiamento ostensivo no meio rural vai dar uma grande contribuição, porque a segurança é um fator decisivo para motivar as pessoas a permanecerem no meio rural”, ressalta o secretário.

A formatura e a palestra ocorrem na sede da 1° Companhia do 2° Batalhão de Polícia Militar Ambiental em Lages, na rua Archilau Batista do Amaral, s/nº, bairro Universitário, às 18 horas.

Informações adicionais:
Paulo Henrique Santhias
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48)-3664-4417/ (48)-3664-4419 / (48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/

Aulas e avaliações do curso serão realizadas no Bairro Nova Esperança - Foto: Victor Lacombe/Secom Udesc

Nesta quarta-feira, 5, a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) iniciou as inscrições de uma edição especial do Vestibular EAD, que oferece 40 vagas de Pedagogia pelo Centro de Educação a Distância (Cead) no polo de apoio em Balneário Camboriú. Acesse a página de inscrições e confira o edital. As aulas e atividades avaliativas presenciais obrigatórias do curso da Udesc Cead serão realizadas nas instalações do Centro de Educação Superior da Foz do Itajaí (Cesfi), no Bairro Nova Esperança, e poderão ocorrer de segunda a sexta-feira, no período noturno, ou eventualmente nos sábados.

James Tavares/Secom

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) divulga nesta sexta-feira, 7, o primeiro Relatório de Balneabilidade da temporada 2018-2019. Aproveitando a abertura do período mais movimentado do ano no litoral catarinense, o órgão lança o site exclusivo para informações sobre monitoramento da qualidade da água do mar para banho humano, o balneabilidade.ima.sc.gov.br.

Apesar de permanecer realizando coletas e divulgando os resultados até mesmo na baixa temporada, de abril a outubro, quando os relatórios são mensais, a partir da proximidade do verão o Instituto intensifica a pesquisa nas praias catarinenses, com amostragens e análises efetuadas todas as semanas, apresentadas todas as sextas-feiras. 

Nesta primeira sexta de dezembro, dia 07, ocorre a disponibilização do Relatório 001 da temporada 2018-2019 e com novidades. A partir de agora serão acrescidos nos resultados quatro novos pontos de coleta, totalizando assim 219 locais averiguados nos 500 quilômetros da costa catarinense. Os pontos que passam a integrar a pesquisa de balneabilidade do IMA são 01 em Itapema, 01 em Palhoça, 01 em Zimbros, 01 na Praia da Vigia, em Garopaba.

O IMA realiza amostragens e ensaios nos municípios de Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Balneário Camboriú, Balneário Rincão, Barra Velha, Biguaçú, Bombinhas, Florianópolis, Garopaba, Governador Celso Ramos, Imbituba, Itajaí, Itapema, Itapoá, Jaguaruna, Joinville, Laguna, Navegantes, Palhoça, Passo de Torres, Penha, Piçarras, Porto Belo e São José.

Site Balneabilidade

O verão está chegando e para facilitar a escolha da praia, o IMA de Santa Catarina lança o site Balneabilidade com todas as informações sobre as condições da água do mar no litoral catarinense. A página pode ser acessado pelo endereço balneabilidade.ima.sc.gov.br e apresenta a situação de todas as praias monitoradas, ponto por ponto. Com recursos variados, o usuário pode consultar o último relatório, divulgado todas as semanas, além de saber o histórico do ponto escolhido.

De forma dinâmica, é possível navegar por todos os 500 quilômetros da costa catarinense e verificar a condição em cada um dos 219 pontos analisados pelo IMA. Além disso, é possível acompanhar a situação de cada balneário. Basta clicar em “praia” e definir a opção desejada.

O site foi totalmente desenvolvido por técnicos do Instituto do Meio Ambiente. Os relatórios continuarão sendo divulgados semanalmente também no site do IMA (www.ima.sc.gov.br).

Balneabilidade

Já é tradição. Antes de ir à praia, boa parte de moradores e turistas consulta as pesquisas de balneabilidade para saber em quais pontos é recomendado o mergulho. Realizado desde 1976, o monitoramento da qualidade da água do mar para banho humano analisa as águas de cada balneário e determina se estão próprias ou impróprias para o banho. Isto é, se estão contaminadas ou não por esgotos domésticos. A existência de esgoto é verificada por meio da contagem da bactéria Escherichia coli (E.c.) presente nas fezes de animais de sangue quente, que podem colocar em risco a saúde dos turistas e da população local.  

A coleta é realizada em 219 pontos da costa catarinense. O IMA seleciona os pontos de tal forma que todo o litoral seja avaliado, concentrando as coletas justamente nos locais mais suscetíveis de poluição - os de maior fluxo de banhistas. As coletas são feitas mensalmente de abril a outubro e semanalmente de novembro a março - o pico da temporada de verão.

Os técnicos fazem as coletas da água do mar a até 1 (um) metro de profundidade, na quantidade de 100 mililitros em cada ponto. O material coletado é submetido a exames bacteriológicos durante 24 horas. São necessárias cinco semanas consecutivas de coleta para se obter um resultado tecnicamente confiável.

Para as análises são levados em consideração aspectos como condições de maré, incidência pluviométrica nas últimas 24 horas no local, a temperatura da amostra e do ar no momento da coleta (parâmetro físico) e a imediata condução para a pesquisa em crescimento bacteriano. 

A água é considerada:

Própria: quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local, houver no  máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.

Imprópria: quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas, no mesmo local, for superior que 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros.

Foto: Jeferson Baldo/Baldo

Os bons resultados alcançados pela Polícia Militar na gestão do governador Eduardo Pinho Moreira foram motivo de comemoração e reconhecimento durante a última reunião-almoço do Conselho Estratégico da PMSC, realizada nesta quinta-feira, 6, na Casa D'Agronômica, em Florianópolis. Entre os números apresentados, Moreira destacou a queda dos principais índices de criminalidade, como a redução de 201 mortes violentas e de 5.019 roubos, além da diminuição de cerca de mil feridos nas rodovias estaduais na comparação entre 2018 e 2017.

“Escolhi como prioridades absolutas de minha gestão a Saúde e a Segurança, visando a preservação da vida, e vocês foram fundamentais para o sucesso e os resultados alcançados nesta missão. Pela respeitabilidade, a Polícia Militar é orgulho por onde a gente passa. São 201 mortes a menos que no ano passado, 201 vidas preservadas. Menos feridos nas estradas, menos furtos, roubos, mais tranquilidade para os catarinenses. A vocês, o meu muito obrigado”, disse o governador.   

O comandante geral da PM, coronel Araújo Gomes, ressaltou que pela primeira vez a corporação entrega para a sociedade resultados concretos e inéditos, apesar dos grandes percalços projetados para o período. “Todos diziam que seria um ano muito difícil para a corporação, desastroso pela falta de recursos e pelas dificuldades. Mas, pelo contrário, foi um de nossos melhores anos. Foram meses em que a vontade política, aliada à liberdade técnica para atuar, mostrou o quanto se pode entregar ao Estado e à sociedade catarinense quando se tem esse contexto. Destacar também a escolha feliz do secretário Alceu, que foi um grande facilitador”, disse o coronel.

De acordo com o comando da PM, o aumento de mortes em confronto com polícia era previsível em virtude das crescentes intervenções das forças de segurança contra o crime organizado. A Polícia Militar, no entanto, trabalha para reduzir esse índice.

Durante a reunião, o comando entregou ao governador uma placa de homenagem registrando os indicadores em queda de Segurança Pública catarinense.

Além dos 28 coronéis que compõem o Conselho Estratégico da Polícia Militar, também participou do encontro o secretário da Segurança Pública de Santa Catarina, Alceu Pinto de Oliveira. Foi a primeira vez em mais de 50 anos que um governador recebeu os representantes do alto comando da PM na residência oficial.

Números apresentados pela Polícia Militar

- 9571 furtos a menos que 2017

- 43 mortes a menos nas rodovias estaduais e redução superior a mil feridos em relação a 2017

- 201 menos mortes violentas do que em 2017, 96 a menos do que 2016 e 23 a menos do que 2015

- O número de operações subiu de 17 (2017) para 49 (2018), gerando 3.918 horas de operação.

- O número de armas apreendidas subiu 27%, 532 a mais do que em 2017

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br

Cidasc/Arquivo

Grande produtor de proteína animal, Santa Catarina encerra o mês de novembro com alta nas exportações de carne suína e de frango. Boa parte dos embarques foi destinado aos países asiáticos – China, Hong Kong e Japão – que vêm se tornando os principais mercados para as carnes catarinenses. No último mês, foram 124,7 mil toneladas exportadas por Santa Catarina, 36,9% a mais que no mesmo período do ano passado, gerando um faturamento que passa dos US$ 220 milhões.

Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, o bom desempenho do agronegócio demonstra que os mercados têm uma preferência pelos produtos do estado. “A excelência sanitária dos nossos rebanhos, a organização das cadeias produtivas e a logística confiável e eficiente se tornaram a marca registrada do agronegócio catarinense. Por isso, Santa Catarina responde por boa parte das exportações brasileiras de carnes”, ressalta.

A carne de frango continua sendo o principal produto da pauta de exportações. Em novembro, foram 92,6 mil toneladas embarcadas, 30,1% a mais do que no mesmo período de 2017. As receitas geradas superam os US$ 161,8 milhões, alta de 14% em relação a novembro do último ano. Os principais mercados para carne de frango catarinense foram Japão, Arábia Saudita e China – todos aumentaram as compras em novembro.

O grande destaque do mês foi o aumento nas exportações de carne suína. Em novembro, Santa Catarina embarcou 32,1 mil toneladas do produto – 61% a mais do que no mesmo mês de 2017. O faturamento com as exportações chegou a US$ 58,2 milhões, 33,6% de crescimento. Santa Catarina respondeu por 56% de toda carne suína exportada pelo Brasil – ou seja, mais da metade das exportações brasileira do produto são originárias de Santa Catarina.

Os principais mercados para carne suína catarinense são China, Chile e Hong Kong. A verdade é que quase todos os principais importadores de carne suína catarinense ampliaram suas compras em novembro. A China e o Chile, por exemplo, compraram, respectivamente, 295,5% e 159,2% a mais em relação a novembro de 2017.

Sanidade como diferencial

Único estado livre de febre aftosa sem vacinação, Santa Catarina tem acesso aos mercados mais competitivos do mundo. “Nós temos perdemos competitividade por causa da nossa dependência do milho vindo de outros estados, o que aumenta os custos das agroindústrias instaladas em Santa Catarina, porém nós temos um grande diferencial que é a qualidade e as garantias sanitárias. Com isso, temos preferência dos mercados Premium, como é o caso do Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos”, destaca Spies.

Acumulado do ano

Ao que tudo indica, o ano de 2018 irá encerrar com um saldo favorável para as exportações catarinenses de carnes. De janeiro a novembro, já foram embarcadas 966,9 mil toneladas de carne de frango e 297 mil toneladas de carne suína – um crescimento de 7,8% e de 17,1% em relação ao mesmo período de 2017.

O faturamento com as exportações de carne de frango já passa de US$ 1,6 bilhão, uma queda de 2,9% em comparação ao último ano. O resultado negativo pode ser explicado pela retração nas compras do Japão, principal destino do frango de Santa Catarina, e de outros países europeus e asiáticos. Por outro lado, China, Hong Kong, Arábia Saudita e Emirados Árabes aumentaram a quantidade importada.

Maior produtor nacional de carne suína, Santa Catarina responde por 51,2% do total exportado pelo país em 2018. De janeiro a novembro, foram 297 mil toneladas exportadas, com uma receita de US$ 554,2 milhões – sendo que a China responde por 36,2% desse valor.

A China vem se consolidando como o principal destino da carne suína catarinense. Ao longo do ano foram 104,8 mil toneladas enviadas ao país asiático – um aumento de 188,5% em relação ao mesmo período de 2017. Além disso, quase todos os principais importadores ampliaram suas compras este ano em relação ao ano passado.

De acordo com o engenheiro agrônomo do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Alexandre Giehl, as perspectivas são bastante positivas para 2019, tanto em função do fim do embargo russo, quanto pela possibilidade de aumento ainda mais significativo das importações chinesas.

Os números foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

Informações adicionais para a imprensa
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca 
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br

O secretário-adjunto de Estado da Educação, Gildo Volpato, participou do lançamento de dois e-books às equipes do Ensino Médio Integral em Tempo Integral (EMITI) nesta quarta-feira, 5. O ato foi realizado para cerca de 300 profissionais entre professores, diretores, gerentes, supervisores e coordenadores durante o encontro do II Seminário de Saberes e Práticas da Educação Integral de Santa Catarina. A edição dos materiais foi do Instituto Ayrton Senna, parceiro na implementação do EMITI em Santa Catarina desde 2017.

De acordo com o secretário-adjunto, os cadernos visam orientar às equipes do programa que atende cerca de 2.800 estudantes em 30 escolas da rede estadual. "É uma satisfação poder entregar materiais de apoio que constam a sistematização de aprendizados relacionados à gestão e ao acompanhamento das escolas do EMITI", destaca o secretário.

O E-book 12 - Apoio à Gestão Pedagógica e E-book 13 - Acompanhamento Regional e Formação de Equipes Escolares oferecem apoio sobre planejamento e estratégias às equipes pedagógicas, além de conter relatos de práticas das experiências, inovadoras realizadas pelos gestores durante a implementação do programa.

Sobre o Ensino Médio em Tempo Integral 

O Ensino Médio Integral em Tempo Integral (EMTI) é um programa oferecido pela Secretaria de Estado da Educação em parceria com o Ministério da Educação com apoio pedagógico do Instituto Ayrton Senna desde 2017 em escolas da rede estadual de ensino. Em 2018 foram 30 escolas e cerca de 3 mil alunos atendidos.

O programa trabalha por meio de áreas de conhecimento: Ciências Humanas e suas Tecnologias que inclui história, sociologia, geografia e filosofia, Linguagens e Códigos que inclui língua portuguesa e literatura, arte, educação física, línguas estrangeiras (inglês e espanhol) e arte, cultura, tecnologias/informática, Ciências da Natureza que inclui biologia, química e física e suas Tecnologias e Matemática e de um núcleo articulador.

O diferencial do EMTI é o fomento do protagonismo juvenil por meio de componentes curriculares presentes na matriz do currículo, que permitem a organização integrada e flexível do currículo,  como projetos: de vida, intervenção - com envolvimento da escola e comunidade, pesquisa e estudos  orientados.

Dafnée Canello

Secretaria de Estado de Educação

(48) 3664-0353/ 3664-0161 / 3664-0356 / 99682-6562

imprensa@sed.sc.gov.br

Estão abertas, até 1º de fevereiro de 2019, as inscrições para o Mestrado Acadêmico em Computação Aplicada, do Centro de Ciências Tecnológicas (CCT), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Joinville. O curso é totalmente gratuito e conta com  até 15 vagas. Os alunos poderão escolher entre três linhas de pesquisa: Engenharia de Software, Processamento Gráfico e Sistemas de Computação.

Jaqueline Noceti/Secom
 
Santa Catarina continua com o menor percentual de pobreza do país e ainda conseguiu reduzir o índice de 9,4% para 8,5% no último ano. Os dados, que colocam o Estado em uma posição privilegiada dentro do Brasil, constam na Síntese dos Indicadores Sociais, pesquisa de periodicidade anual divulgada nesta quarta-feira, 05, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A situação de Santa Catarina é ainda mais confortável quando comparada com a média nacional de pobreza, atualmente na faixa dos 26,5%.
 
A secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Romanna Remor, diz que a ação em conjunto com os 295 municípios é um dos principais fatores para que os índices catarinenses de pobreza estejam em queda, na contramão do que ocorre na maior parte do país. Ela ressalta ainda o trabalho de acompanhamento feito pelo Estado para garantir que a aplicação de recursos para a assistência social seja certeira e permita que uma situação de pobreza momentânea não se prolongue.
 
“Paralelo a isso, promovemos também a inserção no mercado de trabalho. Nosso Estado é campeão na geração de vagas de emprego e na recolocação de pessoas no mercado. Além da parceria com os municípios, também fazemos a compilação de dados por meio de business inteligence, com o apoio do Ministério Público, para que os recursos do Estado sejam utilizados de forma mais eficaz e os índices continuem a cair”, diz Romanna.
 
Avaliação semelhante também é feita pelo secretário Adenilso Biasus, responsável pelo Desenvolvimento Econômico Sustentável. Segundo ele, a diversidade econômica do Estado, com equilíbrio entre todas as regiões, permite que o acesso ao emprego e renda seja superior em Santa Catarina, na comparação com os demais Estados. Além disso, Biasus salienta a atuação do Executivo como um indutor do desenvolvimento e cita programas que facilitam a vida do investidor, como PRODEC e o Juro Zero, que fornece até R$ 3 mil sem juros para microempreendedores.
 
“O que eu mais escuto é que aqui o Estado ajuda, ao invés de atrapalhar. Nosso trabalho também é facilitado pela diversidade cultural e o desenvolvimento equilibrado de Santa Catarina. Isso tudo gera um ciclo virtuoso, que fará com esse índice de pobreza seja ainda menor no ano que vem”, aposta o secretário.
 
Parâmetro 
 
O IBGE considera pobre o cidadão que more em uma casa cuja renda per capita seja inferior a US$ 5,50 por dia, o equivalente a R$ 21,30 na cotação atual.
 

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC