Peterson Paul/ Secom

A reunião entre o governador Carlos Moisés e deputados da bancada do Oeste, na manhã desta quinta-feira, 21, em Florianópolis, foi mais uma demonstração de atuação integrada para o bem do cidadão catarinense. Acima de qualquer ideologia ou sigla partidária, a demanda prioritária apresentada ao governador – o projeto de ampliação e reforma do aeroporto Serafim Bertaso de Chapecó – terá uma rede de atuação técnica e política entre o município, o Estado e o Governo Federal, para que seja implementada melhorando a segurança e o acesso dos usuários.

“O aeroporto não é só de Chapecó, é de Santa Catarina, do Brasil e, sobretudo, do cidadão. As pessoas não querem saber se o projeto está travado, se a obra vai atrasar. A nossa obrigação é resolver o problema e garantir que o cidadão tenha mais qualidade e segurança”, avaliou o governador Moisés, garantindo que o Estado vai assegurar o valor da contrapartida no projeto, estimado em aproximadamente R$ 2,2 milhões.

De acordo com o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, é a primeira vez que o Governo do Estado se posiciona como um dos protagonistas de uma demanda prioritária da região Oeste, agregando líderes políticos, empresariais e técnicos. “Para nós, essa já é a grande notícia. Não é só liberar recursos, mas construir essa rede de sinergia que vai garantir um acompanhamento do processo, reduzindo a burocracia e intervindo quando necessário. Quem ganha é o cidadão catarinense”, comemorou Buligon.

Na prática, além da contrapartida financeira do Estado, o governador Moisés designou uma equipe técnica da secretaria de Infraestrutura para fazer a interlocução entre os entes envolvidos e os ajustes técnicos no projeto para dar mais agilidade. “Mas vamos pensar sempre à frente. Não é só ampliar o terminal, vamos melhorar a segurança, as condições operacionais de pouso e decolagem, buscar mais alternativas de modernização”, determinou o governador.

O projeto de ampliação e reforma do aeroporto de Chapecó, que já está na secretaria de Aviação Civil (SAC), está orçado em aproximadamente R$ 11 milhões. O prefeito Buligon expressou que a meta é, no futuro, entregar o aeroporto à iniciativa privada e ainda internacionalizar a estrutura.

“Foi uma reunião extremamente positiva. Saímos mais unidos e fortalecidos pela causa do bem comum de uma região que tanto produz e contribui com Santa Catarina”, enfatizou a deputada Marlene Fengler, que coordena a bancada parlamentar do Oeste.

Acompanharam a reunião, na residência oficial do governador, a vice-governadora Daniela Reinehr, os secretários de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler, e da Casa Civil, Douglas Borba, além dos presidentes da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, e da Fecomércio, Bruno Breithaupt. Também participaram os deputados estaduais: Marcos Vieira, Luciane Carminatti, Fabiano da Luz, Altair Silva, Moacir Sopelsa, Mauricio Eskudlark, Padre Pedro, Nilso Berlanda, coronel Mocelin e Valdir Cobalchini.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Nesta quarta, 20, equipes do IGP atuaram em conjunto com agentes da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), da Divisão de Investigação Criminal (DIC), no cumprimento de mandados de busca e apreensão nas residências de dois investigados pelo crime de armazenamento e compartilhamento de pornografia infantil.

As ações aconteceram nos bairros Ilha da Figueira e Três Rios do Sul, em Jaraguá do Sul. Com equipamentos, os agentes do Instituto Geral de Perícias realizaram análise dos dispositivos de informática e constataram a presença de material impróprio, permitindo a prisão em flagrante de dois homens, um de 32 e outro de 37 anos. A investigação, por parte da Polícia Civil, começou em setembro, após queixa feita por meio do Disque Denúncia (181).

“No período da investigação, o investigado de 32 anos compartilhou cerca de 168 arquivos e 95% deles eram de exploração sexual infantil, com imagens de meninos e meninas. Com relação ao investigado de 37 anos, compartilhou cerca de 500 arquivos com 95% de pornografia infantil. Ambos tinham uma vida social regular e empregos formais”, conta a delegada Cláudia Gonçalves de Lima.

Os dois homens não tinham nenhuma correlação, ou seja, atuavam de forma distinta. A delegada adverte que a internet não é terra sem lei e que há legislação para punir os crimes cometidos por meio da rede de computadores. Denúncias podem ser feitas na DPCAMI ou pelo número 181.

Informações adicionais para a imprensa: 
Karin Fabiani
Assessoria de Imprensa
Instituto Geral de Perícias - IGP
E-mail: imprensa@igp.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8498 / 99944-5373

 

O governador Carlos Moisés se reuniu com deputados federais e senadores que integram o Fórum Parlamentar Catarinense para tratar dos assuntos prioritários para Santa Catarina, como a destinação de mais recursos para estados e municípios. O encontro foi realizado em Brasília nesta quarta-feira, 20, onde Moisés também participou do Fórum dos Governadores.

A inversão do Pacto Federativo foi defendida por Moisés, com a desconcentração dos recursos públicos da União para favorecer cidades e unidades federativas, que são os principais responsáveis por atender as demandas da população. “Hoje, os estados precisam de dinheiro novo, de maior flexibilidade nos seus orçamentos. Cerca de 95% dos orçamentos públicos estaduais estão vinculados, com verbas amarradas, e os governos não têm capacidade de fazer investimento”, relatou o governador.

Moisés reforçou que a prioridade para Santa Catarina são os investimentos em obras estruturantes, carro-chefe para o atendimento às outras necessidades dos cidadãos. “A gente entende que o estado precisa investir em infraestrutura para promover o desenvolvimento e, com isso, aquecer a economia e ter mais recursos para a saúde, para a segurança, para a educação, para todos os interesses públicos. Essa é a nossa bandeira de governo”, reiterou Moisés.

Informações adicionais para imprensa:
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3042
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Foto: Peterson Paul/Secom

Em Brasília, o governador Carlos Moisés participou, nesta quarta-feira, 20, do Fórum de Governadores. A pauta principal do encontro que reuniu os ministros da Economia, Paulo Guedes, da secretaria de Governo, general Santos Cruz, e o secretário especial do Ministério da Economia, Rogério Marinho, foi a saúde fiscal dos estados. Moisés destaca que é preciso inverter a ordem de distribuição dos recursos, priorizando estados e municípios, onde são atendidas as demandas da população. A reforma da previdência também foi tema da encontro entre os governadores.

Um dos grupos de trabalho vai se dedicar ao enfrentamento à crise fiscal dos estados, pauta que converge os interesses da maioria das unidades federativas, uma vez que muitos já decretaram situação de emergência financeira. O governador Moisés vai representar a Região Sul nos encontros: “Santa Catarina também enfrenta sérias dificuldades, é uma necessidade comum entre os estados, precisamos urgentemente trazer os recursos para onde as pessoas estão”.  

Moisés explicou que, além das dificuldades com o pagamento da folha e do aprovisionamento do 13º salário dos servidores, sem dinheiro novo no caixa dos estados, a capacidade de investimento fica reduzida. “Precisamos de maior flexibilidade. Cerca de 95% dos orçamentos públicos estaduais estão vinculados, com verbas amarradas por lei”, comentou.

Os governadores, divididos em grupos, vão tratar também dos temas e sugestões envolvendo a reforma previdenciária, da Lei Kandir, de modo a minimizar as perdas acumuladas em compensações financeiras aos estados exportadores, e da renegociação das dívidas com a União. Os governadores afirmam que são ações emergenciais necessárias para evitar um colapso nas contas públicas.

Uma nova reunião de governadores está prevista, no dia 19 de março, “para deliberar sobre as medidas emergenciais de socorro fiscal aos estados e o saneamento das contas públicas”, pontuou o governador Carlos Moisés, que foi acompanhado pelo secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba em Brasília. 

Informações adicionais para imprensa:
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

 Banco de imagens Dive/SC

 

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV) da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES/SC), alerta para o risco de reintrodução do vírus do sarampo no Estado. Vários casos da doença têm sido relatados dentro e fora do país. Este fato, aliado às baixas coberturas vacinais, traz risco de reaparecimento de enfermidades que já haviam sido eliminadas ou erradicadas do Brasil. Em Santa Catarina, o último caso de sarampo foi registrado em 2013 em um paciente com histórico de viagem internacional.

“Mesmo que existam grupos mais vulneráveis, é importante ressaltar que toda pessoa não vacinada e que nunca teve doença é suscetível a contrair o sarampo, por isso é essencial que todos estejam com as suas carteirinhas de vacinação em dia”, afirma o médico infectologista da Dive/SC, Fábio Gaudenzi de Faria.

Em 2018, foram aplicadas 81.213 doses da vacina tríplice viral em crianças de 1 ano de idade, o que corresponde a 85,21% de cobertura vacinal (dados preliminares) em Santa Catarina. A meta era imunizar pelo menos 95% do público-alvo (criança de um ano a menores de 5 anos de idade). A vacina protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Acima dessa faixa etária foram aplicadas 444.729 doses da vacina tríplice viral no estado. No mesmo ano foram aplicadas 60.651 doses da vacina tetraviral, que protege contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela. Os números correspondem a uma cobertura vacinal de apenas 63,64% (dados preliminares).

Entenda o caso

O Ministério da Saúde foi notificado pela Secretaria Estadual de São Paulo de casos suspeitos de sarampo em tripulantes do navio no sábado, 15. No domingo (16/02), novos passageiros embarcaram com destino a Balneário Camboriú (SC), na segunda-feira, 18, e Porto Belo na terça-feira, 19. Os estados de São Paulo e Santa Catarina, com apoio da Anvisa, realizaram investigação dos casos no navio e coletaram amostras de sangue, urina e secreção nasofaríngea para realização de exames.

As amostras seguiram para o Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo, e para o Laboratório Central (Lacen/SC) para investigação. O laboratório de referência nacional, Fiocruz, no Rio de Janeiro, também processará os exames para nova confirmação dos casos.

Além disso, a Secretaria Municipal de Saúde de Balneário Camboriú (SC) vacinou, na segunda-feira, 18, 1.113 tripulantes dentro do navio que não estavam vacinados ou que não puderam comprovar a vacinação.

Outras considerações

As vacinas ofertadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) estão disponíveis durante todo o ano, exceto a da gripe, que faz parte de uma campanha e exige um período específico de proteção, que é antes do inverno.

A caderneta de vacinação é o único documento que precisa ser apresentado na hora de receber as vacinas. Mas a perda desse documento não impede que crianças, adolescentes e adultos sejam vacinados. “Para resgatar as informações contidas na caderneta de vacinação que foi perdida, basta procurar a unidade de saúde onde foram administradas as vacinas anteriores e solicitar a segunda via”, relata Maria Teresa Agostini, diretora da Dive/SC.

A Dive/SC ainda reforça que todos os pais e responsáveis têm a obrigação de atualizar as cadernetas de seus filhos, em especial das crianças menores de cinco anos que devem ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina. São 19 vacinas disponíveis gratuitamente pelo (SUS) que protegem contra mais de 30 diferentes tipos de doenças.

Informações sobre as doenças

Sarampo

Doença muito contagiosa, causada por um vírus que provoca febre alta, tosse, coriza e manchas avermelhadas pelo corpo. É transmitida de pessoa a pessoa por tosse, espirro ou fala, especialmente, em ambientes fechados.

 

Rubéola

Doença contagiosa, provocada por um vírus que atinge principalmente crianças e provoca febre e manchas vermelhas que se espalham na pele. Também pode ocorrer o aparecimento de gânglios no pescoço. É transmitida pelo contato direto com pessoas contaminadas.

 

Caxumba

Doença viral, caracterizada por febre e aumento de volume de glândulas responsáveis pela produção de saliva e, às vezes, de glândulas que ficam sob a língua ou a mandíbula. É transmitida pela tosse, saliva, espirro ou fala de pessoas infectadas.

 

Informações adicionais para a imprensa
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
Assessoria de Imprensa
Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
Instagram: @divesantacatarina Facebook: Dive Santa Catarina
Fone: (48) 3664-7406/(48) 3664-7402/(48) 3664-7385
Site: www.dive.sc.gov.br

Governadores em encontro com os ministros do STF - Foto: Felipe Sampaio/SCO/STF

Em agenda em Brasília, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva, participou de reunião no Supremo Tribunal Federal (STF) para discutir questões relativas aos repasses aos Estados em razão da desoneração das exportações (Lei Kandir). A matéria é objeto da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 25, julgada pelo Plenário em novembro de 2016. Além de Moisés, outros 11 governadores se reuniram com o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, e o ministro Gilmar Mendes, relator da ADO, nesta terça-feira, 19.

“Santa Catarina recebeu somente R$ 51,4 milhões em 2018, mas se sabe que a perda é muito maior, pois o Estado é grande exportador de fumo, madeira serrada, carnes e ainda precisa ressarcir os créditos de ICMS acumulados na produção destas mercadorias”, argumenta o governador de Santa Catarina.

Inicialmente, a Constituição da República afastava a incidência do ICMS nas operações de exportação apenas de produtos industrializados. Em 1996, a Lei Complementar 87/1996 estabeleceu a desoneração do ICMS sobre as exportações de forma mais ampla para abranger também os produtos in natura e semi-industrializados. E, para compensar os estados e os municípios, criou um sistema de repasse de recursos da União.

Em dezembro de 2003, a Emenda Constitucional (EC) 42 acrescentou o artigo 91 ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). O dispositivo prevê que o montante do ressarcimento deve ser definido em lei complementar e que 75% do repasse da União a cada Estado caberia aos governos estaduais e 25% às administrações municipais. Estabelece ainda que, após a edição da lei complementar, o percentual destinado aos Governos dos Estados seria elevado a 80%.


Na ADO25, ajuizada em 2013, o governo do Pará sustentava omissão do Congresso Nacional na edição da lei complementar prevista na EC 42 e pedia que o STF determinasse a adoção imediata das providências legislativas necessárias à sua elaboração. Outros 13 Estados se juntaram à causa, entre eles Santa Catarina, na condição de amici curiae no processo, pois o tema é de interesse geral dos entes federados: Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Sergipe.

“É importante que o Supremo Tribunal Federal resolva definitivamente sobre a obrigação da União de ressarcir os Estados pelas perdas decorrentes da falta de regulamentação da Lei Kandir. Está em questão o equilíbrio e a cooperação no Pacto Federativo”, ressalta a procuradora-geral do Estado (PGE/SC), Célia Iraci da Cunha.

Omissão

Em novembro de 2016, ao julgar procedente a ADO25, o Plenário do STF declarou a mora do Congresso Nacional e estabeleceu prazo de 12 meses para a edição da lei complementar. Caso isso não ocorresse, caberia ao TCU fixar em caráter provisório o montante total devido e a cota devida a cada ente federativo, até a edição de lei. Próximo do término do prazo determinado, a União peticionou nos autos pedindo que fosse prorrogado por 24 meses ou, alternativamente, que fosse reconhecido que o prazo começou a contar após a publicação do acórdão (18/8/2017), com a prorrogação por mais 12 meses.

O Estado do Pará, autor da ADO, defende a impossibilidade da prorrogação de prazo e sustenta não haver fundamento quanto ao pedido prorrogação por 12 meses a contar da publicação do acórdão, uma vez que a jurisprudência do STF entende que o prazo começa a correr a partir da publicação da ata da sessão de julgamento (14/12/2016). Também em petição nos autos, o Estado de Minas Gerais pediu que o TCU seja notificado para começar a dar cumprimento à decisão, tendo em vista o término do prazo.

*Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF)

Divulgação / CBMSC

A Operação Veraneio em Santa Catarina, que iniciou em 4 de outubro e segue até 11 de março, mobilizou até agora pelo menos 51 viaturas, quatro aeronaves, 24 embarcações e 37 quadriciclos para reforçar o atendimento durante a temporada no estado. Cerca de 1.700 guarda-vidas civis estão à disposição do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC). Por dia, 1.146 profissionais atuam nas operações para garantir a segurança de catarinenses e turistas nas praias.

De 4 de outubro de 2018 a 18 de fevereiro de 2019, foram registrados 27 óbitos em água doce e 19 em água salgada. Apenas três situações aconteceram em áreas com cobertura de guarda-vidas do CBMSC. Neste mesmo período da temporada passada, foram registrados 11 afogamentos seguidos de óbito em água salgada, sendo apenas dois em áreas patrulhadas. Em áreas de água doce, no mesmo período, ocorreram 18 óbitos, um deles em área patrulhada.

Os dados ressaltam a importância da conscientização do público para que evite locais sem postos de guarda-vidas. Costões, rios, lagos e piscinas, por exemplo, são locais frequentados por banhistas e que também oferecem risco à vida.

Participam da Operação Veraneio, além do (CBMSC), as polícias Civil, Militar e Rodoviária, IGP, Detran, assim como as secretarias da Defesa Civil, da Justiça e Cidadania, também Exército, Marinha, Aeronáutica, polícias Federal e Rodoviária Federal. As prefeituras das áreas atendidas também atuam por meio das guardas municipais.

Dentre outras ações, o CBMSC reforça o efetivo no Litoral do Estado por meio das transferências temporárias de militares e da atuação dos guarda-vidas civis nas praias e balneários. A Operação Veraneio para o Corpo de Bombeiros não se encerra no dia 11 de março e os trabalhos são divididos em três etapas – pré, alta e pós-temporada.

Prevenção

Durante a Operação Veraneio, o Corpo de Bombeiros Militar da Santa Catarina atua também com atividades de prevenção e conscientização. Para jovens e crianças com idade de 9 a 13 anos, foi o criado o Projeto Golfinho, que reúne atividades educativas para prevenir afogamentos em piscinas, rios, lagos e praias. As aulas são gratuitas e têm duração de quatro dias, com instruções de prevenção e conscientização sobre os perigos do mar, além de orientar para o exercício da cidadania e preservação meio ambiente. O projeto comemorou 20 anos de criação em 2018 e já certificou cerca de 35 mil alunos no Estado, somente no último ano.

Além deste projeto, todo o serviço de salvamento aquático é voltado para a prevenção, com atuação dos guarda-vidas nas praias buscando evitar afogamentos e consequentemente resgates. Desta forma, são colocadas bandeiras nos postos sinalizando a condição geral da praia, seguindo a seguinte orientação:

Bandeira Verde – risco baixo de afogamento;
Bandeira amarela – risco médio de afogamento;
Bandeira vermelha – risco alto de afogamento.

As bandeiras são colocadas também na orla da praia, e indicam pontos de perigo com a bandeira vermelha e pontos seguros para banho, com bandeira verde. Há ainda a bandeira lilás, que indica a presença de águas vivas na praia.

Além deste artifício, o CBMSC coloca placas de sinalização em locais em que não há a presença de guarda-vidas, ou que apresentam risco elevado para o banhista – e não é indicado o banho no local.

Informações adicionais à imprensa: 
Tenente BM Ian Triska 
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
(48) 3665-8424 / (48) 99189-7081
ccssubch@cbm.sc.gov.br 
www.cbm.sc.gov.br 

As inscrições para o Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Joinville iniciam na próxima segunda-feira, 25. Para ingresso no segundo semestre de 2019, os interessados deverão se inscrever até 31 de março, pelo formulário no site.

O Mestrado tem duração de dois anos e é voltado a profissionais portadores de diploma de graduação em Licenciatura Plena em Ciências, Computação, Informática, Física, Matemática e Química, bem como portadores de diploma de graduação em áreas afins que comprovem atuação docente na Educação Básica, Ensino Profissionalizante ou Ensino Superior. Os candidatos formados em áreas afins, e que não estejam atuando na docência, poderão se inscrever desde que tenham atuado por no mínimo dois anos (consecutivos ou não) ao longo dos últimos dez anos.

São oferecidas até 23 vagas dispostas em duas linhas de pesquisa: Ensino, aprendizagem e formação de professores e  Tecnologias Educacionais. As inscrições homologadas serão divulgadas no dia 17 de abril no mural do Bloco A da Udesc Joinville no site do Mestrado.

O processo seletivo terá três etapas, cada uma delas eliminatória: avaliação do anteprojeto; análise de documentação (avaliação do currículo lattes e do histórico escolar de graduação, avaliação do memorial descritivo) e arguição.

O edital, com todas as informações sobre a seleção, está disponível na página do curso. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail ppgecmt.cct@udesc.br ou pelo telefone (47) 3481-7851.

Assessoria de Comunicação da Udesc Joinville
E-mail: comunicacao.cct@udesc.br
Telefone: (47) 3481-7930

Foto: Julio Cavalheiro/Secom

O atendimento no Instituto de Identificação do IGP está mudando para melhor. O sistema de agendamento, que já funciona no estado inteiro e chegou em um primeiro momento como opção para evitar filas, veio para ficar. Visando melhor qualidade e eficiência nos serviços prestados à população, aos poucos o atendimento por ordem de chegada deixa de existir em algumas cidades catarinenses.

Na próxima segunda-feira, 25, o posto da Coloninha, na Capital, passará a atender somente pelo novo sistema. No dia 04 de março a mudança acontece na unidade do Itacorubi, em Florianópolis, e unidades de Palhoça e Brusque, que deixam de despachar por ordem de chegada.

Para tal, o cidadão que desejar fazer a sua Carteira de Identidade deverá acessar o endereço eletrônico (clique aqui) e seguir as orientações, escolhendo data e horário. O atendimento sem o agendamento prévio será realizado apenas nos casos de urgência comprovada (doença, seguro, INSS, financiamento habitacional, viagem etc). Esta foi a forma que o IGP encontrou de facilitar o processo, sem esperas prolongadas.

O atendimento é realizado somente com agendamento prévio nas unidades de Araranguá, Caçador, Campos Novos, Jaraguá do Sul, Joaçaba e Lages, com excelentes resultados de satisfação do público. Nas unidades de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Curitibanos, Joinville, Palhoça, São Bento do Sul e Videira, o sistema ainda é misto. Devido aos bons resultados nas unidades citadas acima,porém, também passarão ao atendimento exclusivo mediante marcação em breve.

Imagem: Divulgação/IGP

Informações adicionais para a imprensa:
Karin Fabiani
Assessoria de Imprensa IGP
E-mail: imprensa@igp.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-8498 / 99944-5373

 

A Polícia Civil realizou na manhã desta terça-feira, 19, diligências na região de Rio do Sul em investigação que há dois meses apura crimes de sonegação fiscal. A ação foi coordenada pela DFAZ (Divisão de Crimes Fazendários), braço investigativo de DEIC (Diretoria Estadual de Investigações Criminais), que funciona desde janeiro deste ano e é comandada pelo delegado Pedro Mendes.

A operação teve o apoio de agentes da DIC (Divisão de Investigação Criminal) de Rio do Sul , Delegacia de Taió, IGP (Instituto Geral de Perícias) e Secretaria de Estado da Fazenda.

A DFAZ cumpriu quatro mandados de busca e apreensão em empresas do ramo moveleiro da região de Rio do Sul e residência dos sócios, com o intuito de apurar crimes de sonegação fiscal, falsificação de documentos e falsidade ideológica.

Durante as buscas foram apreendidos diversos documentos bem como a quantia de R$ 11 mil em espécie. O total da sonegação será calculado com a análise dos documentos, dando sequência ao inquérito policial.