WhatsApp Image 2019 01 14 at 16.48.58

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) está oferecendo oportunidade de trabalho para jovens de 18 a 22 anos, com Ensino Médio completo e sem antecendentes criminais. Está aberto o processo seletivo de agentes temporários 2019. As inscrições vão até o dia 28 de janeiro e a prova objetiva acontece no dia 17 de fevereiro.

O edital prevê 490 vagas para todo o estado, com um ano de contrato prorrogável por mais um. Os selecionados realizarão o curso de formação previsto para iniciar no dia 6 de maio. 

A formação de agentes temporários visa capacitar civis para a execução de trabalhos nas Centrais Regionais de Emergência (CREs), no atendimento telefônico e como auxiliar nas funções administrativas da PM.

A prestação dos serviços nas Centrais de Emergência, nas Centrais de Vídeomonitoramento e no serviço de auxiliar das funções administrativas se dará em turnos de serviços ou diariamente, totalizando 40 horas semanais e R$1.017,00 de remuneração.

Mais informações podem ser obtidas no edital pelo site www.pm.sc.gov.br/concursos.

Foto: Julio Cavalheiro/Secom

Santa Catarina apresenta redução nos índices de criminalidade nestes primeiros dias de janeiro se comparado com o mesmo período do ano passado (1º/01 a 14/01). Foram registradas quedas nas seguintes ocorrências: roubo - em 2018 foram de 522 e neste ano, 284; furto - 4.286 (2018) e 2.874 (2019). O número de vítimas de crimes violentos letais intencionais foi de 38 no último ano e 29 em 2019. As vítimas de homicídio também reduziram de 38 para 29.

O resultado foi divulgado pelo Colegiado Superior de Segurança Pública de Santa Catarina nesta segunda-feira, 14. O Boletim Semanal de Indicadores da Segurança Pública do Estado resume os principais índices de criminalidade - mortes violentas, roubos e furtos. O objetivo desta divulgação, que faz parte de uma política de transparência, em sintonia com o Governo Moisés, é fazer com que a população tenha acesso mais ágil à informação. Os indicadores serão distribuídos para toda a imprensa, semanalmente, e estarão disponíveis no portal da Secretaria de Segurança Pública.

O Colegiado é formado pelo coronel Araújo Gomes (Polícia Militar e Secretário de Segurança Pública), pelo delegado-geral Paulo Koerich (Polícia Civil), coronel João Valério Borges (Corpo de Bombeiros), diretor-geral Giovani Eduardo Adriano (Instituto Geral de Perícias) e pelo coronel Flávio Graff (diretor-geral da SSP).

Para o Colegiado, o Boletim faz parte de um modelo de Segurança Pública diferenciado, transparente, proativo e eficiente, que tem como objetivo facilitar o acesso da sociedade civil, que poderá acompanhar o desempenho com base nos resultados.

Foto: Maurício Vieira/Secom

O governador Carlos Moisés participou na tarde desta quinta-feira, 10, do ato que oficializou a realização de exames toxicológicos no local de apreensão de pequenas quantidades de drogas ilícitas em Santa Catarina. A assinatura do convênio entre a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o Tribunal de Justiça (TJSC) e o Ministério Público (MPSC) vai permitir um trâmite mais ágil de processos judiciais e, ao mesmo tempo, garantir aos técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP) maior dedicação nas perícias de casos complexos. A iniciativa é pioneira no Brasil. 

Atualmente, são realizados cerca de 18 mil laudos pelo IGP por ano em casos de crimes de menor potencial ofensivo. Com o convênio, as forças policiais passarão a contar com um kit que permitirá a realização do teste toxicológico no local da apreensão. Dessa forma, será possível constatar imediatamente, com o uso de reagentes químicos, se a substância apreendida trata-se ou não de droga ilícita como maconha, cocaína, crack ou skank. Em casos positivos, a substância ficará na cor azul. Quando não for constatada a presença da droga, o material fica rosa. O procedimento é semelhante ao que já ocorre nos principais aeroportos do mundo.

A assinatura do convênio ocorreu no gabinete da presidência do TJSC e contou com a presença do presidente da instituição, desembargador Rodrigo Collaço, do procurador-geral  do MPSC, Sandro José Neis, e dos integrantes do Colegiado Superior da Segurança: comandante-geral Araújo Gomes (PMSC), delegado-geral Paulo Koerich (Polícia Civil), comandante-geral João Valério Borges (Bombeiro Militar) e do diretor Giovani Eduardo Adriano (IGP).

Na avaliação do governador, a iniciativa é uma sinalização robusta de união de todas as forças institucionais em busca de um bem comum: o aumento da eficiência na prestação de serviços à população. Em seu discurso na solenidade, Moisés reiterou o compromisso de empoderamento dos agentes públicos e agradeceu os diferentes órgãos, que se despiram de vaidades para ajudar o Estado a alcançar um status de excelência no setor.

“Fico muito feliz com que o está acontecendo aqui hoje, porque esse é um dos passos que a gente vinha propondo no sentido de unir todas as corporações. Todas estão se despindo das suas condições e dizendo: ‘Nós queremos a eficiência’. Se a gente demanda um esforço e não entrega o resultado, precisamos rever os nossos caminhos”. Penso que estamos em um caminho de excelência na Segurança Pública. É Santa Catarina sempre na vanguarda de projetos exitosos”, afirmou o governador.

O desembargador Rodrigo Collaço salientou que o convênio permitirá uma redução de custos operacionais para o IGP, uma vez que, até hoje, era comum ocorrer perícias para quantidades muito pequenas de droga, como um cigarro de maconha, que se converteria na maior parte dos casos em um termo circunstanciado.

“Nós vamos liberar recursos e força de trabalho. Cerca de 40% das perícias que ocorrem hoje deixarão de ser realizadas. O que acontece hoje? Alguém é encontrado com um “baseado”. A Apreensão remete para o IGP, que faz um laudo provisório e depois tem que fazer um definitivo, que pode demorar meses. Quando o laudo definitivo vem para o processo, a situação já foi resolvida. Ou o cidadão recebeu uma pena de advertência ou foi obrigado a prestar serviços à comunidade. Então era um trabalho prestado que consume tempo e dinheiro e não servia para nada. Estamos eliminando essa inutilidade”, disse o presidente do TJSC.

Discurso na mesma linha foi proferido pelo procurador-geral Sandro José Neis. Segundo ele, ao cidadão comum o que importa é a eficiência na prestação do serviço, que ocorrerá de forma cristalina daqui para frente:

“É isso que nós estamos valorizando quando assinamos esse documento. Estamos acabando com uma burocracia desnecessária e dando condições que os peritos do IGP possam atender melhor casos de grande complexidade. Essas pequenas apreensões de droga, via de regra para consumo próprio, não chegam à fase de instrução processual. Então seria desnecessário uma prova mais robusta”, disse Neis.

O diretor Giovani Eduardo Adriano, do IGP, lembrou que a redução de custos se dará também em deslocamentos, uma vez que a equipe do IGP tinha de ir até o local da ocorrência para usar o reagente no material apreendido em muitos casos.

“Isso também vai liberar o nosso servidor para atuar em casos que exigem muito mais conhecimento científico. Vai deslocar do atendimento na rua para o atendimento interno. E quem ganha com isso é a sociedade. 80% desses casos se resolvem com um Termo Circunstanciado. E o laudo definitivo custa caro”, opinou Adriano.

Período de treinamento
O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Araújo Gomes, que também acumula o cargo de secretário da Segurança Pública, afirmou que as forças policiais passarão por um treinamento para manusear os kits e a prática deve ser estar 100% operacional até o fim de fevereiro. Os kits estarão disponíveis para as 295 cidades do Estado, com base de reposição.

O delegado-geral Paulo Koerich, por sua vez, destacou que a maior celeridade nos processos ajudará não somente o IGP, mas também os policiais, que poderão se dedicar a casos de maior relevância.

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Foto: Maurício Vieira/Secom

Os integrantes do Colegiado Superior de Segurança Pública de Santa Catarina foram apresentados oficialmente na manhã desta quinta-feira, 3, em Florianópolis. O ato ocorreu na sede da Secretaria de Segurança Pública após a primeira reunião de seus membros. O colegiado é formado pelo coronel Araújo Gomes (Polícia Militar), pelo delegado-geral Paulo Koerich (Polícia Civil), pelo coronel João Valério Borges (Corpo de Bombeiros), pelo diretor-geral Giovani Eduardo Adriano (Instituto Geral de Perícias) e pelo coronel Flávio Graff, que ocupará o posto de diretor-geral do conselho. O cargo de secretário de Estado da Segurança será ocupado no primeiro ano por Araújo Gomes, seguindo um sistema de rodízio anual que contemplará a Polícia Civil em 2020, o Corpo de Bombeiros em 2021 e o Instituto Geral de Perícias em 2022.

Nomeado secretário na quarta-feira, Araújo Gomes informou que o principal objetivo da criação do colegiado é garantir uma maior integração entre as instituições, fortalecendo a área-fim, que impacta diretamente na vida dos cidadãos. 

CONFIRA MAIS IMAGENS DA REUNIÃO E COLETIVA

"O Colegiado vai garantir que as estratégias integradas assegurem a segurança do cidadão catarinense, melhorando os índices de criminalidade, algo que já vem sendo conquistado nos últimos anos", afirmou.

O comandante-geral da Polícia Militar fez ainda uma analogia com a iniciativa privada. Segundo ele, o Colegiado funcionará como uma espécie de conselho de administração da pasta, enquanto o diretor-geral Flávio Graff se ocupará da gestão rotineira da Secretaria. Questões como alocação de recursos, investimentos, estratégias de combate à criminalidade e o acompanhamento de resultados serão feitos pelos integrantes do Colegiado.

Na reunião desta quinta-feira, o Colegiado avalizou o decreto que será editado nos próximos dias e que determinará a criação oficial do órgão. Também foi debatido um projeto de interligação comunicativa de todas as instituições da segurança pública com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) por meio de rádio. Outro objetivo traçado é a integração total dos bancos de dados até o mês de março.

Uma nova Lei de Organização Básica da Polícia Militar também foi elaborada, permitindo uma reestruturação da circunscrição das unidades da corporação em âmbito local, regional e estadual, usando as comarcas estaduais como base. 

"Isso garantirá maior governança da Segurança Pública no nível do chão de fábrica, onde tudo acontece", disse Gomes.

Divulgações semanais dos índices de criminalidade

Outra novidade apresentada nesta quinta-feira foi a mudança na periodicidade de divulgações dos principais índices de criminalidade - mortes violentas, roubos e furtos -, que passará a ser semanal. O objetivo é fazer com que a população tenha acesso mais ágil à informação e que os agentes públicos façam ajustes sempre que necessário.

Mais autonomia administrativa

Para o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, o principal benefício do novo formato é a maior autonomia proporcionada às instituições policiais. Segundo ele, ao ter mais liberdade para decidir os seus destinos, haverá uma valorização dos servidores públicos, o que impactará diretamente na entrega de serviços ao cidadão.

"Nós teremos condições de decidir sobre o emprego dos nossos recursos, sobre o emprego do nosso material humano, visando o atendimento do cidadão e dos nossos visitantes", disse Koerich.

Discurso semelhante foi dado pelo comandante-geral do Corpo de Bombeiros, João Valério Borges. Ele opinou que a criação do Colegiado dará maior projeção à corporação e a integração efetiva ajudará na tomada de decisões, desde a cúpula até os praças.

"Procuraremos estar sempre juntos nessas decisões importantes da Segurança Pública. Para o Corpo de Bombeiros Militar, poder integrar esse Colegiado vai ser uma coisa muito positiva".

Um dos mais empolgados com o novo formato de comando da Segurança Pública, o diretor-geral do IGP, Giovani Eduardo Adriano, disse que a autonomia administrativa permitirá o rearranjo de trabalhadores mais facilmente, já que antes era necessária a anuência do secretário de Estado.

"O IGP sempre foi considerado o patinho feio da Segurança Pública. Eu estou sentindo que esse momento vai permitir que a gente se coloque numa mesa de igual para igual. Vamos conseguir investir em mais tecnologia para solucionar mais crimes por meio da ciência", opinou Adriano.

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC

A Secretaria de Segurança Pública disponibiliza para download gratuito o Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social. O documento propõe que, para que sejam de fato efetivas as ações públicas de enfrentamento ao crime, elas precisam ser politicas estaduais e não apenas de governo. O Plano, segundo Alceu de Oliveira, secretário da SSP, nasceu da percepção e sucesso nas estratégias adotadas e resultados alcançados, e foi desenvolvido com sugestões da sociedade civil organizada, como os Consegs, do Tribunal de Justiça, do Ministério Público e de secretarias de estado da Defesa Civil, Justiça e Cidadania, Assistência Social e Educação.

 “O nosso plano tem a função de ser justamente um guia para a atuação das nossas forças de segurança nos próximos 10 anos”, afirmou o governador Eduardo Pinho Moreira.

Desde que assumiu o comando do Governo do Estado, os índices de criminalidade estão em queda: de homicídios em torno de 20% e de roubos em 30% aproximadamente em todo o Estado. “Mas não adianta correr na frente por um tempo se não houver folego para garantir resultados no médio e longo prazos”, escreveu o governador na abertura do livro, acrescentando: “É nesse contexto que desenvolvemos o Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social. Para que sejam de fato efetivas as ações, ela precisam ser politicas estaduais e não de governo." 

Na concepção deste documento, afirmou o secretário da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Junior, foi dada “ênfase às seguintes diretrizes: proteção à vida, buscando a redução de mortes violentas, da vitimização de agentes de segurança e da letalidade policial, da violência contra a infância e a juventude, da violência contra as mulheres e dos crimes praticados pelo preconceito; proteção ao patrimônio; enfrentamento ao crime organizado e combate ao tráfico de drogas  de armas; segurança das fronteiras e divisas e idealização de operações integradas, entre outros pontos”.

O Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social – 2018 /2018 já está disponível para download gratuito no seguinte endereço eletrônico: http://www.ssp.sc.gov.br/Plano_Estadual.pdf

Mais informações para a imprensa:
Vitor Hugo Louzado
Assessoria de Comunicação
Secretaria da Segurança Pública
Fone: (48) 3665-8183 / (48) 99118 9821
E-mail: vhlouzado@hotmail.com

 

 

Almoxarifado da universidade é referência no governo estadual - Foto: Luiz Eduardo Schmitt/Secom Udesc

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) assinaram termo de cessão do Sistema de Pedidos do Almoxarifado da Udesc para o uso corporativo da SSP pelo prazo de 12 meses. Desenvolvido pela Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação da Udesc (Setic), o sistema é usado para solicitação de materiais aos almoxarifados dos centros de ensino e da Reitoria.

Foto: James Tavares/Secom

Começou na manhã desta terça-feira, 18, uma das maiores mobilizações para prevenção e segurança em Santa Catarina, a Operação Veraneio 2018/2019. A solenidade de lançamento, na Avenida Beira-Mar Continental, em Florianópolis, contou com a presença de secretários de Estado, autoridades militares e demais envolvidos com a mobilização, que será colocada em prática durante a temporada de verão. A expectativa do Estado é receber cerca de cinco milhões de turistas nesse período.

Para oferecer serviços essenciais, e, especialmente, um ambiente mais seguro para as férias de turistas e cidadãos catarinenses, a Operação Veraneio vem aprimorando a forma de atuação e preenchendo necessidades que se apresentam a cada ano. Uma demonstração é a parceria com o Consulado e o Comando de Polícia de Missiones, na Argentina, que desde o ano passado facilita trâmites nas ocorrências envolvendo visitantes daquele país - que representam boa parte dos visitantes que veraneiam em Santa Catarina. Pela primeira vez, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte (SOL), irá disponibilizar uma cartilha com informações em Espanhol.

A Operação Veraneio 2018-2019 será coordenada pelo Gabinete de Gestão Integrada, presidido pelo secretário da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Junior. Além das polícias Civil, Militar e Rodoviária, Bombeiros, IGP e Detran, também atuarão de forma integrada às secretarias da Defesa Civil e da Justiça e Cidadania, além de Exército, Marinha, Aeronáutica, polícias Federal e Rodoviária Federal, bem como as prefeituras abrangidas por meio das guardas municipais.

A operação será realizada em 61 dos 295 municípios catarinenses, com investimentos de aproximadamente R$ 15 milhões. “É um aparato muito grande envolvido na operação e essa integração ocorre de maneira cada vez mais forte porque acreditamos em resultados cada vez melhores”, disse o secretário Alceu.

A expectativa do secretário de Turismo, Cultura e Esporte,Tufi Michreff Neto, também segue a linha de que será a mais eficiente dos últimos tempos. “Nós estamos bem preparados, Santa Catarina tem bons índices na Segurança Pública, que é o principal item quando um turista escolhe um local para visitar. Temos essa preocupação de garantir que outros serviços públicos estejam adequados, sob a premissa de que, para ser bom para o visitante, um Estado tem que ser bom para o seu cidadão”.

Segurança Pública

Cerca de nove mil profissionais de segurança pública e outros mil guarda-vidas contratados contarão com cerca de duas mil viaturas, sete helicópteros e três aviões, além de quadriciclos, motonáuticas e embarcações. A novidade deste ano envolve, com a expectativa da vinda de 1,5 milhão argentinos, policiais e bombeiros do país vizinho, também integrados à operação. A participação deles foi viabilizada por meio de convênio de cooperação na área de segurança pública entre Santa Catarina e a Província de Missiones (AR).

“Nós percebemos que as operações dos outros anos tinham dificuldades de integração entre as corporações, então, em 2018, começamos bem antes, com reuniões específicas e temáticas com a Marinha, por exemplo, que tinha dificuldade de fazer o flagrante por falta de um policial civil. Mudamos. Este ano, um delegado irá acompanhar as operações, agilizando os processos. Com essas integrações, não teremos esse problema específico”, explicou o secretário de Estado da Segurança Pública.

Para os 81 dias de operações, as corporações terão forte apoio tecnológico. Pela primeira vez um sistema de inteligência analítica foi adotado pela SSP. A plataforma tecnológica permitirá acompanhamento em tempo real das ações de segurança em andamento. As autoridades terão acesso online para acompanhamento permanente via tablet e smartfone.

Abastecimento de energia garantido

O presidente das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc), Cleverson Siewert, destacou que, além do crescimento do consumo e aumento da demanda de energia, entre dezembro e março, historicamente, são registrados os eventos climáticos que mais afetam o desempenho do fornecimento de energia. Por isso, a Celesc concentra esforços em três frentes: reforço do sistema, manutenção preventiva e ampliação do número de equipes para atendimento de emergências.

Para a temporada de verão, também há um acréscimo nas equipes de eletricistas, uma vez que o número de ocorrências aumenta em três vezes na comparação com as demais épocas do ano. Também é o período com maior dificuldade de deslocamento das equipes nas estradas e por isso a empresa vai contar com cerca de 300 funcionários a mais para atendimento da população.

Área da Saúde

Com a temporada aumenta também a possibilidade de problemas com doenças sazonais, tais como febre amarela, sarampo e também dengue. Por isso, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DiVE) está organizada com ações de vacinação, além de prevenção. O trabalho de eliminação dos focos já começou e deve seguir para evitar casos no Estado. A DIVE recomenda que os catarinenses entre nove meses e 59 anos sejam imunizados contra a febre amarela em dose única. Além disso, também existe atenção especial para a imunização contra o sarampo.

Fortalecendo o Turismo

Para esse ano, foi autorizado o retorno da obra do Centro de Atendimento ao Turista de Dionísio Cerqueira, que estava paralisada há dois anos. “Retomamos o investimento com uma ordem de R$ 587 mil, em um convênio com o Ministério do Turismo que vai permitir ao Estado atender adequadamente o turista estrangeiro que cruza a fronteira pelo município, para que possa ser bem atendido”, explicou o secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte.

Também foi lançado o contrato de prestação de serviço com o intuito de aumentar o número de praias no Programa Internacional de Certificação Ambiental Bandeira Azul, com um levantamento de 40 locais que serão classificados e executadas adequações necessárias para o Programa.

Além dos secretários da Segurança Pública e do Turismo, Cultura e Esporte, também acompanharam o lançamento da Operação Veraneio 2018/2019, nesta terça-feira, em Florianópolis, os secretários de Estado da Comunicação, Gonzalo Pereira, da Justiça e Cidadania, Leandro Lima, o delegado-geral de Polícia Civil, Marcos Flávio Ghizoni Júnior e o presidente da Casan, Adriano Zanotto.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC

Foto: Maurício Vieira/Secom

Com a presença do governador Eduardo Pinho Moreira e do secretário de Estado da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, a Polícia Civil divulgou nesta terça-feira, 18, um balanço com os números alcançados ao longo de 2018. Coube ao delegado-geral da corporação, Marcos Flávio Ghizoni Jr., apresentar os dados considerados bastante positivos, com uma queda de 22,1% nos homicídios no Estado.

Em todo o ano, a Polícia Civil apreendeu 3,8 mil armas, 39 mil projéteis, 16,1 toneladas de droga, realizou 21,2 mil prisões em flagrante e cumpriu 4,6 mil mandados de busca e apreensão e 5,2 mil mandados de prisão.

Na visão do governador, que aumentou o investimento anual na corporação para R$ 60 milhões — contra R$ 49 milhões em 2017 —, o trabalho realizado pela Polícia Civil de Santa Catarina é motivo de orgulho e necessita de uma valorização constante. Segundo Moreira, a redução da criminalidade no ano corrente ocorreu por conta do esforço de integração das forças de segurança, com participação decisiva do setor de Inteligência.

“A Polícia Civil é uma instituição que orgulha os catarinenses e que realiza um trabalho extraordinário, por isso essa redução significativa da criminalidade. E esse é um trabalho que não para”, afirmou o governador.

Em sua fala no auditório da sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), o delegado Ghizoni agradeceu a confiança depositada pelo governador e afirmou que não restam dúvidas de que foi possível reprimir, ao longo de 2018, uma onda de violência que pairava sobre o estado nos últimos anos:

“Nesses últimos dez meses, cumprimos aproximadamente 1,5 mandado de busca e apreensão por hora. É um dado estarrecedor, que mostra a efetividade do trabalho realizado. O que nós apresentamos hoje são dados concretos”.

Polícia Civil por Elas

A solenidade dessa terça-feira também marcou o lançamento do programa “Polícia Civil por Elas”, um conjunto de ações que promove acolhimento e acompanhamento de mulheres em situação de vulnerabilidade social e que sofreram violência doméstica. O programa será levado a todas as regiões do Estado por meio das DPCAMI (Delegacias de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso).

“Este é um trabalho exemplar para todo o país. Tivemos uma queda no número de feminicídios em 2018 e todos já estão com a autoria apurada. Esse trabalho de afinamento e prevenção passa a ser cada vez mais importante, afirmou o secretário Alceu. 

A delegada Patrícia Maria Zimmermann D´Ávila, coordenadora das DPCAMI no Estado, disse que o programa tem por objetivo propiciar um novo olhar sobre o enfrentamento da violência contra a mulher.

“Nós buscamos, por meio da escuta humanizada, o atendimento digno em um local adequado. Precisamos fazer com que a mulher rompa o silêncio e crie coragem para denunciar a violência que ela sofre e fazer esse enfrentamento, com grupos de mulheres”, disse a delegada.

A coordenadora das DPCAMI também salientou que haverá a criação de grupos de conversa com homens agressores, visando espaço para reflexão e mudança comportamental. Além disso, ocorrerá o acompanhamento das vítimas e um trabalho de orientação em escolas, visando uma redução futura dos índices.

Lançamento de livro e assinatura de convênio

O evento no auditório da SSP também marcou o lançamento do livro Segurança Pública, Sociedade e Sustentabilidade, que reúne artigos sobre o assunto, e a assinatura do convênio com universidades para a adesão à Rede Interativa de Ensino, Pesquisa e Inovação da Segurança Pública (Renasp).

“São trabalhos em paralelo, que darão suporte para muitas ações práticas que serão realizadas no futuro”, explicou o secretário Alceu.

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC

O delegado-geral Marcos Ghizoni apresenta nesta terça-feira, 18, a partir das 14h, o balanço de sua gestão à frente da Polícia Civil de Santa Catarina durante coletiva de imprensa. O evento contará com a presença do governador Eduardo Pinho Moreira e do secretário de Segurança, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, e será realizado na sala de reuniões da SSP (Secretaria de Segurança Pública).

Na oportunidade, também será lançado o programa “PC por Elas”, um conjunto de ações que promovem acolhimento e autonomia de mulheres em situação de vulnerabilidade social e pretende reduzir os índices estatísticos que, no último ano, apontaram 191 mil queixas de violência doméstica no Brasil.

O quê: coletiva de Imprensa para apresentação de balanço da Polícia Civil e lançamento da campanha “PC por Elas”
Quando: dia 18 de dezembro de 2018 (terça-feira), às 14h
Onde: sala de Reuniões da SSP - Bloco C – Ático, do Centro Administrativo da Segurança Pública, avenida Ivo Silveira, 1.521


Foto: Maurício Vieira/Secom

Uma das cidades mais seguras de Santa Catarina, Tubarão inaugurou nesta sexta-feira, 14, uma obra que deve contribuir para manter os índices de criminalidade em baixa. Com a presença do secretário de Estado da Segurança Púbica, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, e do delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Flávio Ghizoni Júnior, foi inaugurado o Complexo de Segurança Pública da cidade, na região das Oficinas.

A estrutura, que já abrigava a Delegacia Regional de Polícia, reúne agora também a reúne a DIC (Delegacia de Investigações Criminais), DPCAMI (Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso), CPP (Central de Plantão Policial), DTCA (Delegacia de Delitos de Trânsito e Divisão de Crimes Ambientais), Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) e o Setor de Identidade do IGP (Instituto Geral de Perícias).

O secretário Alceu destacou que o principal benefício da estrutura de 3,5 mil metros quadrados é oportunizar uma maior integração das forças de segurança, que permite otimizar esforços e melhorar os serviços. “A Polícia Civil tem se reinventado a cada dia. Mesmo com recursos escassos, ela tem otimizado suas forças e gerado excelentes resultados, sendo uma parceria importantíssima da sociedade”, disse o secretário.

Na visão do delegado-geral, o investimento de aproximadamente R$ 495 mil vai ajudar não só a Polícia Civil e a população, mas também a Polícia Militar, que não precisará se deslocar para locais diferentes no atendimento de uma ocorrência. “Todos os órgãos policiais agora trabalham no mesmo local. Não há gasto com o deslocamento de malotes de um lado para o outro, por exemplo, tornando a integração mais efetiva”, opina Ghizoni.

A delegada regional de Tubarão, Vivian Garcia Selig, lembrou da facilidade que a centralização dos serviços traz para os cidadãos da cidade. “A população não precisa se deslocar em sete unidades que estavam separadas em nosso município. Hoje temos 3,5 mil metros de complexo, com todas as unidades muito bem instaladas para que os cidadãos recebam o serviço de forma mais produtiva. Essa aproximação é necessária”.

Também presente ao evento, o prefeito Joares Ponticelli citou dados que colocam Tubarão entre as cidades mais seguras do Brasil e afirmou que a instalação do complexo ajudará a manter os bons índices no longo prazo. “Combater a violência precisa ser um mutirão permanente de toda a sociedade, não pode ser apenas desse ou daquele ente público. Esse complexo ajuda muito, porque dá mais conforto, dignidade e melhores condições de trabalho para o policial é melhor receptividade para o cidadão, que não precisa mais andar com GPS na mão para procurar o pedacinho da Segurança que precisa. Ele vem e encontra todos os serviços em apenas um local”.


Foto: Maurício Vieira/Secom

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC