Fotos: Thiago Andrade/ ImetroSC

A Operação Posto Seguro deflagrada nesta terça-feira, 16, fiscalizou 30 postos de combustíveis em seis cidades do Estado. Destes, quatro foram autuados e tiveram bombas interditadas por abastecerem uma quantidade menor do que marcava, ou por estarem com o lacre Inmetro rompido. A operação foi formada por agentes do Instituto de Metrologia de Santa Catarina (Imetro), Polícia Civil, e Secretaria de Estado da Fazenda, além da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Os agentes percorreram postos em Florianópolis, São José, Itajaí, Joinville, Itapema e Porto Belo. O objetivo foi apurar a qualidade e a quantidade de combustíveis comercializados, além de verificar denúncias de fraudes fazendárias. Os proprietários dos locais notificados têm um prazo para regularizar a sua situação, sujeitos multas e até o fechamento do estabelecimento.

O presidente do Imetro, órgão vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), o subtenente Rudinei Floriano, realça a importância das fiscalizações para garantir a segurança dos usuários. “A Operação Posto Seguro será contínua, a fim de verificar e garantir a qualidade dos combustíveis, a integridade das bombas e as possíveis adulterações na composição dos produtos”, destaca Floriano.

O secretário da SDE, Lucas Esmeraldino, ressaltou que uma das atribuições do Imetro é fazer com que a sociedade tenha acesso a produtos de confiança. “Isso promove relações de comércio justas e incentiva a competitividade no Estado. As Operações são fruto de ações de inteligência em conjunto para reprimir e reduzir as irregularidades que prejudicam o consumidor'', frisou.

A ação coordenada pelo Imetro, em parceria com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Delegacia Crimes contra a Fazenda (Defaz), envolveu mais de 100 agentes.

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sds.sc.gov.br



De 9 a 18 de agosto, Florianópolis será a capital nacional da economia criativa. A cidade receberá o Floripa Conecta, um conjunto de 35 eventos interconectados de tecnologia, gastronomia, design, marketing, música e turismo. Idealizada por entidades da iniciativa privada e com apoio do Governo do Estado, o projeto tem por objetivo possibilitar a troca de expertises entre todos esses segmentos, além de movimentar a economia em um mês de baixa temporada.

Os detalhes foram apresentados pelas entidades organizadoras ao governador Carlos Moisés na tarde desta sexta-feira, 12. “Estamos gerando empregos, temos uma taxa de desocupação muito menor que a dos outros estados. O Brasil está nos observando como exemplo de um estado inovador e o Floripa Conecta vem reforçar essa percepção”, enaltece Moisés.

:: CONFIRA OS DETALHES E A PROGRAMAÇÃO NO SITE FLORIPA CONECTA

A reunião também teve a participação do secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), Lucas Esmeraldino, e da presidente da Santur, Flavia Didomenico.

Entidades unidas na organização

Além do apoio do Estado, o evento tem como organizadores a Associação Empresarial de Florianópolis (Acif), Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Florianópolis, Fundação Certi, Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Sebrae e Prefeitura de Florianópolis.

Na avaliação do secretário da SDE, é essa união de esforços que vai garantir o sucesso do Floripa Conecta. “É um evento que nos chama atenção por atrair tantas entidades em um só propósito, conectando economia criativa, gastronomia, turismo, tecnologia. O Estado será um grande apoiador, por meio da SDE e da Santur. Vamos nos consolidar como referência, muita gente vai observar o que acontece aqui em Santa Catarina e negócios vão ser gerados”, projeta Esmeraldino.

Inspiração nos Estados Unidos

O Floripa Conecta é inspirado no SXSW, realizado anualmente em Austin, no Texas, Estados Unidos. O evento costuma ter 70 mil pessoas inscritas, mas atrai 400 mil visitantes durante o período, movimentando a economia local. Em Santa Catarina, a expectativa é receber até 100 mil pessoas, podendo gerar um movimento de até R$ 100 milhões.

“O objetivo é dar luz a diversas iniciativas relacionadas à economia criativa. Teremos eventos desde inovação a uma das mais importantes feiras de tatuagem da América Latina. Também haverá eventos de música, cultura, alguns pagos, outros gratuitos. Este é um pouquinho do espírito do Floripa Conecta”, explica o coordenador, Marcelo Bohrer.

Para o presidente da Acif, Rodrigo Rossoni, o projeto tem potencial para se tornar uma referência internacional. “Queremos transformar Florianópolis e Santa Catarina no hub de economia criativa para toda a América Latina. Aqui nós já temos tecnologia, uma grande força no turismo, gastronomia, cultura, esporte, música, tudo integrado. Isso nós já temos de nascimento no nosso ambiente, por isso Florianópolis é o lugar ideal para ser a economia da economia criativa na América Latina, quiçá do mundo inteiro”, considera Rossoni.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC

 Vista aérea de Rio do Sul - Foto: Cleber Stassun/ Prefeitura de Rio do Sul

Só quem vivenciou uma enchente sabe o significado de perder o que foi conquistado com tanto suor e trabalho. Cientes da importância de um plano de contingenciamento de cheias para a população do Alto Vale do Itajaí, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (SDE), em uma força-tarefa com o Instituto do Meio Ambiente (IMA) e a Defesa Civil do Estado de Santa Catarina, deu andamento ao projeto de melhoramento fluvial na cidade de Rio do Sul que estava parado desde 2014.

O estudo, entregue nesta quinta-feira, 11, pelo secretário do Desenvolvimento Sustentável, Lucas Esmeraldino, ao presidente do IMA, Valdez Venâncio, com a presença do chefe da Defesa Civil de Santa Catarina, João Batista Cordeiro Junior, e do secretário adjunto da SDE, Amandio João da Silva Junior, propõe soluções para a contenção de cheias na região, um problema grave e histórico no município. Após a fase de licenciamento pelo IMA, a SDE deve liberar recursos na ordem de R$ 3,8 milhões para a execução das obras.

“A região do Alto Vale, principalmente a cidade de Rio do Sul, espera muito por este projeto, e a SDE, seguindo as premissas do governo Moisés, em uma sinergia com o IMA e a Defesa Civil, vai dar sequência a este licenciamento, após o desengavetamento do projeto tão esperado pela população. Só quem passou por uma enchente e quem sofreu a perda de vidas e de bens materiais sabe a importância destas obras”, destaca Esmeraldino.

Reunião deu andamento ao projeto - Foto: Gustavo Amorim/SDE

Amandio também reforçou a importância da obra. “Em 2011, eu e uma comunidade inteira perdemos tudo em uma catástrofe e hoje me sinto privilegiado em poder, ao lado do secretário Lucas, trazer este projeto de volta que vai fazer com que os anseios da população de Rio do Sul, conhecida como a capital do Alto Vale Itajaí, tenha, de fato, o andamento acelerado e necessário para desassorear o rio e fazer as margens. Tenho convicção que a sociedade ficará muito mais feliz e segura com o andamento destas obras”, reforçou Amandio.

O chefe da Defesa Civil do Estado lembrou que os problema das enchentes é recorrente e um pedido histórico da população do Alto Vale. “Rio do Sul é bastante impactada pelas enchentes e, diante do apelo da população, para esta questão de limpeza do rio Itajaí-Açu, resgatamos um projeto que havia sido iniciado em 2014 e, agora, passará pela análise do IMA”, lembra João Batista.

Para o presidente do IMA, a obra será positiva não só para Rio do Sul, mas também para Santa Catarina. “A SDE e a Defesa Civil nos apresentaram uma necessidade da população para o controle de cheias e reduzir os riscos na região. Por ser uma obra emergencial, ela será analisada com este perfil”, ressaltou Valdez Venâncio. 

 Foto: Gustavo Amorim/SDE

Mônica Foltran - Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE

Mais informações para a imprensa:
Mônica Foltran
Assessoria de Comunicação
Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDE
Fone: (48) 3665-2261 / 99696-1366
E-mail: jornalistamonicafoltran@gmail.com
Site: www.sds.sc.gov.br

  Foto: Júlio Cavalheiro/Secom

Com o objetivo de combater a sonegação de impostos por um grupo que vendia bebidas alcoólicas no litoral catarinense, foi deflagrada nesta quinta-feira, 11, a Operação “Triângulo das Bebidas”. A ação teve por objetivo cumprir 11 mandados de prisão temporária e outros 27 de busca e apreensão em Santa Catarina, em Goiás e no Distrito Federal. Segundo as estimativas, foram sonegados pelo menos R$ 70 milhões, além de multas e juros. 

>>>> CONFIRA MAIS IMAGENS NA GALERIA DE FOTOS <<<<

De acordo com a investigação, os sonegadores usavam empresas de fachada no Centro-Oeste do país para não pagar os impostos. A triangulação das notas ocorria por conta de Goiás e do Distrito Federal não utilizarem o sistema de Substituição Tributária (ST), em que o imposto é recolhido na indústria. É o que explica o diretor de Administração Tributária da Secretaria da Fazenda, Rogério de Mello Macedo da Silva.

“Eles armaram um esquema de triangulação envolvendo estados que não estão na Substituição Tributária. Então o produto teoricamente saía do estado produtor (na maioria dos casos em São Paulo) para Goiás ou Distrito Federal, onde eles montavam uma empresas de fachada, e enviavam para estabelecimentos de pequeno porte existentes aqui em Santa Catarina. Tudo isso ocorria apenas no documento fiscal, porque a bebida estava chegando direto em um atacadista (beneficiário do esquema). Quando a nota fiscal chegava na empresa (idônea), ela não tinha a menor ideia do que estava acontecendo”, esclarece o diretor.

A investigação teve início há mais de um ano, porém a suspeita é de que as fraudes ocorressem desde 2015, pelo menos. Durante a operação desta quinta-feira, ocorreu uma prisão em flagrante de um suspeito que tinha duas armas de fogo em casa. Também foram localizados aproximadamente R$ 1,6 milhão em cheques e R$ 240 mil em dinheiro.

O núcleo duro do esquema ficava na cidade de Palhoça e atuava em um atacadista especializado em bebidas alcoólicas, notadamente “bebidas quentes”, como vodka, whisky, cachaça, entre outros. Os suspeitos responderão por crimes contra a ordem tributária, lavagem dinheiro, falsidades e associação criminosa. “Era um esquema muito bem estruturado, eles tinham um poder de organização bem grande”, afirma o coordenador-geral do Gaeco/SC, promotor Alexandre Reynaldo de Oliveira Graziotin. 

O trabalho foi realizado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), uma força-tarefa composta por Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal, IGP e Secretaria de Estado da Fazenda. Também fez parte do grupo a Procuradoria Geral do Estado (PGE), que atuará agora para reaver os valores aos cofres públicos.

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

  Foto: Mauren Rigo/ Casa Civil

O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, e o chefe da Casa Civil, Douglas Borba, participaram de mais uma reunião com a Comissão de Finanças e Tributação da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), nesta quinta-feira, 11. Foram atendidos individualmente 16 setores da cadeia produtiva catarinense com o objetivo de discutir os benefícios fiscais concedidos pelo Governo do Estado. “A rodada de hoje foi muito positiva. Desde fevereiro, estamos conversando com todos os segmentos da economia catarinense, junto com a Fiesc, e agora com o parlamento para encontrarmos as soluções necessárias para prospectar cada vez mais a economia catarinense”, declarou Eli.

Representantes das indústrias de cerâmica vermelha, aço, laticínios, bovinos, suínos, aves, pesqueiro, água mineral, café, trigo, erva-mate, papel e celulose, autopeças, informática, têxtil, além dos atacadistas, apresentaram suas demandas e questionamentos em relação ao Projeto de Lei (PL) 174/2019. O texto é acompanhado de anexos que detalham os itens e setores que recebem incentivos fiscais, que podem ser concedidos na forma de isenção ou redução da alíquota e créditos presumidos.

A principal preocupação apresentada pelos empresários foi sobre a competitividade dos produtos em relação aos outros Estados. A presidente do Sindicato da Indústria de Torrefação e Moagem do Café de Santa Catarina (Sindcafé/SC), Michele Poli, enfatizou que uma das dificuldades é estimular o consumo dos produtos de Santa Catarina. “Nós, empresários catarinenses, temos que produzir para ganhar mercado e competir com outros Estados, como Minas Gerais e São Paulo, não restringir nossa economia apenas ao mercado interno”, disse.

De acordo com o secretário Paulo Eli, para que o Estado continue competitivo, é necessário construir a nova política industrial de Santa Catarina. “Já iniciamos este processo, queremos elaborar uma legislação mais simples, afinal hoje há mais exceções que regras na legislação tributária. Além disso, queremos construir barreiras tarifárias, protegendo assim a nossa economia”, esclareceu. O secretário garantiu, ainda, que os setores que não tenham sido atendidos nos projetos enviados à Alesc, serão contemplados em um novo PL ou por meio de Medida Provisória (MP), em agosto.

Os deputados estaduais, Milton Hobus e Marcos Vieira, elogiaram a proposta do Governo do Estado, em abrir o tema para discussão com os parlamentares.  “Estamos dando um voto total de confiança e votaremos a favor do PL 174, pela forma como o processo está sendo conduzido”, disse Hobus. O chefe da Casa Civil, Douglas Borba, enfatizou que o Poder Executivo continuará mantendo o diálogo aberto, com clareza e transparência. “Temos como pauta prioritária trazer mais competitividade para o setor produtivo catarinense”, concluiu.

Informações adicionais:
Assessoria de Comunicação da Secretaria da Fazenda
Michelle Nunes
Fone: (48) 3665-2575/ (48) 9929-4998
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Sarah Goulart
E-mail: sgoulart@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2504/ (48) 98843-8553
Site: www.sef.sc.gov.br 
FACEBOOK: 
facebook.com/fazendasc

 Fotos: Mauricio Vieira/ Secom

O Governo publicou nesta quarta-feira, 10, no Diário Oficial do Estado, o edital para contratação de empresa que irá prestar o serviço de deslocamento de servidores catarinenses na região da Grande Florianópolis. A exemplo de outros estados que já adotaram este modelo de transporte por meio de aplicativo, a economia gerada com manutenção veicular, depreciação da frota, aluguel de veículos, custos operacionais e de mão de obra deve chegar a R$ 5 milhões em 12 meses, cerca de 40% dos gastos atuais. 

:: VEJA GALERIA DE FOTOS

A nova modalidade de transporte é um dos objetivos de gestão do governador Carlos Moisés, por se tratar de uma forma mais transparente e menos onerosa de realizar o deslocamento dos servidores por necessidade das atividades funcionais. "A melhoria na entrega dos serviços aos cidadãos passa também pela eficiência de gestão do próprio Estado. Por isso, buscamos ações que resultem em mais transparência, menos burocracia e mais efetividade da máquina pública", afirma o governador.

De acordo com o secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca, o Estado passará a pagar o serviço de transporte por quilômetros rodados. Ele explica que o edital foi precedido de um rigoroso estudo da equipe da diretoria de Patrimônio da Secretaria da Administração. "Buscamos nos modelos que já deram certo o melhor para ser adaptado à realidade catarinese. O servidor que precisará se deslocar por motivo de serviço, acionará o transporte e o roteiro será previamente conhecido pela empresa. No final da corrida, será computada a distância percorrida e o pagamento será efetuado posteriormente pelo Estado." O secretário também afirma que o processo de licitação prevê a contratação da empresa que tiver a melhor proposta. A ideia é que o acionamento seja feito por meio de um aplicativo, semelhante ao que ja vem sendo aplicado por empresas no mercado atualmente, explicou.

O pregão eletrônico está marcado para o dia 30 de julho. Inicialmente, o novo modelo de transporte passará a funcionar para deslocamentos dentro da Grande Florianópolis. Mas a previsão é estender para todo o Estado ja a partir do próximo ano.

Informações adicionais para imprensa
Krislei Oechsler
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Administração - SEA
E-mail: comunicacao@sea.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-1636 /(48) 99105-4085
http://www.sea.sc.gov.br 

 Foto: Julio Cavalheiro/Secom

O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, compareceu na tarde desta segunda-feira, 08, a uma reunião da Comissão de Finanças e Tributação da Assembleia Legislativa (Alesc) para explicar os objetivos e reflexos do Projeto de Lei 174/2019. Aos deputados, Eli afirmou que o PL restitui os incentivos fiscais setoriais, excluindo apenas aqueles que foram concedidos de maneira individualizada - a despeito das demais empresas do setor. O secretário também respondeu a dúvidas dos deputados sobre o projeto.

Segundo Eli, o PL 174/2019 é pautado pela isonomia, para que todas as empresas catarinenses possam competir em igualdade de condições. O secretário ainda refutou leituras de que a sua aprovação causaria desemprego ou uma fuga de empresas do estado.

“A governo está muito seguro do que estamos fazendo. Temos a certeza de que nenhuma empresa vai sair do estado. Nosso objetivo é dar segurança jurídica para quem paga certo”, afirmou Eli a jornalistas.

O secretário relembrou ainda que a redução dos incentivos fiscais foi avalizada pela Alesc, que validou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para que a renúncia fiscal baixe dos atuais 25% para 16% no ano de 2022. Isso significa uma redução de benefícios na ordem de R$ 500 milhões por ano.

Eli garantiu que o PL, que será votado na Alesc no dia 17 de julho, não trará prejuízos à competitividade das empresas catarinenses e relembrou desafios a serem vencidos pela administração estadual. Atualmente, o déficit da Previdência Estadual é de R$ 305 milhões por mês, enquanto a dívida estadual com a União exigirá um desembolso neste ano de R$ 2,4 bilhões.

“Estamos com um projeto de saneamento financeiro do Estado. A primeira coisa que nós atacamos foram as despesas. Queremos um Estado do tamanho necessário, respeitando o Teto dos Gastos. Não vamos deixar a despesa pública crescer”, afirmou.

Segundo dados da Fazenda, em 2018 os benefícios fiscais em Santa Catarina corresponderam a a aproximadamente R$ 5,8 bilhões. Em fevereiro deste ano, o governador Carlos Moisés da Silva instituiu o Grupo de Trabalho de Benefícios Fiscais (GTBF), para analisar as renúncias fiscais. Os critérios utilizados na revisão incluem a relevância social e econômica de cada item constante da legislação tributária, para decisão da continuidade ou não dos mesmos.

“Desde 2018 foram criados 88 mil empregos e abertas 175 mil novas empresas no Estado. Esses resultados já são reflexos da nova política industrial que estamos construindo, de forma transparente e aberta, com as entidades e setores de Santa Catarina”, diz Eli.

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

Os 345 lotes, entre veículos, mobiliários, sucata e outros bens móveis que compõem o primeiro leilão totalmente digital do Estado serão novamente colocados à venda nesta terça-feira, 9 de julho, a partir das 09h. A oferta de lances havia sido iniciada na última quinta-feira, 3, quando as negociações foram interrompidas em virtude de problemas técnicos no site. Todos os participantes foram comunicados da suspensão e terão nova oportunidade. 

Importante destacar que o leilão será retomado de onde parou. Ou seja, os pré-lances são válidos e serão considerados. Todos os lotes serão reapresentados à venda, uma vez que o sistema caiu antes da efetivação de alguma proposta.

Este é o primeiro leilão totalmente digital realizado pelo Governo catarinense, o que possibilita a participação de pessoas de diversas partes do Brasil e até mesmo de outros países, sem necessidade de deslocamento físico. 

Além disso, foi aberto um prazo para os interessados visitarem os bens e certificarem o estado de conservação e aparência dos produtos. Em caso de outros problemas técnicos, o leilão poderá ser novamente interrompido. Nesse caso, todos os participantes serão novamente avisados de uma nova data. A expectativa é que o leilão supere a arrecadação prevista de R$ 1,2 milhão.

Informações adicionais para imprensa
Krislei Oechsler
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Administração - SEA
E-mail: comunicacao@sea.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-1636 /(48) 99105-4085
http://www.sea.sc.gov.br 

Um aplicativo inovador de promoção à educação ambiental desenvolvido em Santa Catarina em parceria entre diversos órgãos serviu como case durante a VII Conferência Internacional sobre Criatividade (ASOCREA), IX Fórum Internacional de Escolas Criativas (RIEC) e II Seminário de Resiliência (AIRE), em Barcelona, nesta quinta-feira, 04 de julho.

Com o nome de “Polinize Ideias”, o APP, baseado em um Portal, mas ainda em fase de desenvolvimento, tem a missão de divulgar informações voltadas para a educação ambiental, entre as quais: instituições, iniciativas, pontos de coleta seletiva, reciclagem, descarte de lixo eletrônico, hortas comunitárias, parques, museus, jogos educativos, entre outras.

A ideia chamou a atenção de acadêmicos da Facultat d'Educació na Universitat de Barcelona, que convidaram os organizadores da ferramenta para apresentar o aplicativo no “Mercado de Experiências”, seção do seminário com a participação da comunidade e considerado uma experiência criativa. 

“Ferramentas como estas cumprem seu papel educacional e possibilitam acesso e a conscientização das pessoas, contribuindo para mudanças significativas nas estruturas sociais, econômicas e culturais, um grande desafio na atual situação da educação ambiental no Brasil e que estamos cientes da importância para o estado”, destaca o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), Lucas Esmeraldino.

A pedagoga responsável pelo projeto na SDE, Maureen Albina Gonçalves, explica que a ideia do APP surgiu a partir do Portal de Educação Ambiental de Santa Catarina, elaborado pela Universidade do Vale de Itajaí (UNIVALI) e idealizado nas reuniões da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de Santa Catarina (CIEA/SC), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Recheado de notícias e atividades voltadas para o público catarinense, principalmente a respeito do que é realizado em Educação ambiental no Estado, por escolas, associações, organizações não governamentais, entidades públicas e privadas, o Portal é mantido pela CIEA/SC e pela SDE. 

O Portal ganhou espaço na internet e já recebeu mais de 200 projetos criativos. Na sua próxima fase, passará a ser transferido a uma nova plataforma, um aplicativo para aparelhos eletrônicos.  

“A tecnologia tem invadido leigos e profissionais das mais diversas áreas do conhecimento, o celular tem se mostrado uma grande ferramenta educativa e, cada vez mais, aplicativos disponíveis informam, ensinam e ajudam na complementação do conhecimento”, explica a Coordenadora Especial de Integração e Planejamento Ambiental, Thays Saretta Sulzbach.

 Foto: Cristiano Estrela/Secom

Santa Catarina terminou o primeiro semestre deste ano com números positivos para o comércio exterior. Entre janeiro e junho, as exportações catarinenses cresceram 10,7% na comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto no Brasil houve um recuo de 3,5%. Em números absolutos, as vendas de Santa Catarina para o exterior somaram US$ 4,51 bilhões contra US$ 4,07 bilhões no primeiro semestre do ano passado. Apenas em junho, a alta foi de 1,3% em relação ao mesmo mês do ano passado.

No acumulado do semestre, as carnes de aves representam 24% das exportações catarinenses, mais de três vezes acima da carne suína, com 8%, na segunda posição. Soja (7%), partes de motor (4,5%) e motores elétricos (4,3%) completam a lista.

O secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gôuvea, comenta o destaque do agronegócio catarinense na pauta de exportações: "Isso prova da qualidade dos nossos produtos e da competência dos nossos produtores rurais, da iniciativa privada e do Governo do Estado. Santa Catarina é referência internacional pelo cuidado extremo com a sanidade animal, o que abre as portas de países muito competitivos e exigentes. A produção catarinense está ganhando cada vez mais espaço no mercado internacional."

O principal destino das exportações catarinenses no primeiro semestre foram os Estados Unidos, com 14,6%. Em seguida aparecem a China (13,9%), o Japão (5,1%), a Argentina (4,8%) e o México (3,6%).

Na visão do secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino, o resultado demonstra o potencial da economia catarinense. “Nossos empreendedores tem uma veia exportadora muito forte. Isso faz de Santa Catarina um Estado diferenciado. Estamos trabalhando para ajudar para que esses números sigam melhorando, o que auxilia toda a cadeia econômica”, diz Esmeraldino.

Além das exportações, as importações catarinenses também tiveram um aumento, de 8,9%, para um total de US4 8,1 bilhões. Os dados são Observatório da Indústria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC