Foto arquivo: Divulgação / SDC

O Governo Federal garantiu R$ 3,5 milhões para as ações emergenciais na rodovia SC-108, em Guaramirim, no trecho onde houve um deslizamento que resultou na interdição da via em fevereiro deste ano. A informação foi repassada pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, ao governador Carlos Moisés e aos secretários de Estado Lucas Esmeraldino (Desenvolvimento Econômico Sustentável) e Diego Goulart (Articulação Nacional), nesta terça-feira, em Brasília, DF.

A destinação dos recursos foi solicitada na semana passada. “Apresentamos todo o plano ao Governo Federal, por meio da Defesa Civil de Santa Catarina. Pedimos ao ministro Canuto uma interferência, via Ministério da Economia, para trazer R$ 3,5 milhões para o socorro imediato desta rodovia. Vamos dar uma resposta rápida à cidade de Guaramirim, que está sendo muito prejudicada”, assegura Moisés, que viajou a Brasília para participar de reunião do Fórum de Governadores.

A Secretaria de Estado da Infraestrutura e a Defesa Civil de Santa Catarina trabalham em parceria para encontrar a melhor solução técnica para a recuperação do trecho. O secretário de Estado da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, explica que a ideia é fazer um regime diferenciado de contratação. Dessa maneira, se viabiliza projeto e execução da obra em um único contrato, o que agiliza o processo. Ele ainda acrescenta que nesta quarta-feira, 24, um técnico da Defesa Civil irá até o local, para avaliar se a pista pode ser liberada parcialmente. Devido às chuvas na região, é necessário o monitoramento das condições de drenagem da pista para garantir a segurança dos motoristas e moradores das proximidades. Não havendo nenhum risco e em condições climáticas favoráveis, o trecho será liberado. 

Segundo o ministro Canuto, houve sensibilidade por parte do Governo Federal quanto à necessidade imediata da liberação do recurso. “Tivemos o empenho necessário e Santa Catarina pode ficar tranquila, que os R$ 3,5 milhões já estão reservados para a contenção das encostas e recuperação da pista, para que o trânsito logo seja liberado”, afirma Canuto.

O trecho afetado fica entre os quilômetros 34 e 35 da rodovia, que liga Guaramirim a Blumenau.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br

 Foto: Divulgação/CBMSC

Nesta sexta-feira, 12, o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina realizará a solenidade de formatura do curso de formação de oficiais da corporação, além da entrega de medalhas de mérito para bombeiros militares de destaque.

Após dois anos de curso, 14 aspirantes a oficiais serão formados, em uma cerimônia que acontecerá no Centro de Ensino Bombeiro Militar, em Florianópolis. Esta é a primeira turma de oficiais que conclui o curso no Governo Moisés e Daniela Reinehr.

Serviço:
O quê: Formatura de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina
Quando: sexta-feira, 12 de abril, 10h
Onde: Centro de Ensino Bombeiro Militar (Rua Lauro Linhares, 1213 – Trindade – Florianópolis)

Informações adicionais à imprensa:
Tenente BM Ian Triska
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
(48) 3665-8424 / (48) 99189-7081
ccssubch@cbm.sc.gov.br 
www.cbm.sc.gov.br 

A Secretaria de Estado da Defesa Civil (SDC) iniciou, nesta semana, a instalação de novos kits de transposição (Pontes) em municípios que foram atingidos por desastres naturais. A primeira estrutura, medindo 12 metros, foi instalada na terça-feira, 9, na comunidade Rio Antinha, em Itaiópolis. Nesta quarta-feira, 10, foi finalizado o kit de nove metros na comunidade Margem Esquerda, em Witmarsum.  Na próxima quinta-feira, 11, ocorre a instalação da segunda estrutura em Witmarsum, na Linha Paiol (Centro). No dia 17 de maio, será a vez de Coronel Freitas.

As estruturas de concreto são pré-fabricadas e custam 50% menos que os padrões existentes no mercado. A instalação é resultado de convênio entre as prefeituras, que ficam responsáveis pela construção das cabeceiras, e a SDC, que faz o transporte e montagem.

Os kits são viabilizados por meio do Fundo Estadual da Defesa Civil de Santa Catarina (Fundec). São várias opções de tamanho, dentre elas de seis metros de comprimento por cinco de largura (6x5 metros), cotadas em R$ 41.801,34 , de 9X5 metros ao custo de R$ 59.945,29, de 12X5 com o valor de R$ 76.855,90, e 15X5, avaliadas em R$ 98.573,78.

"O principal objetivo da Defesa Civil é substituir pontes e pontilhões destruídos durante eventos adversos climáticos por kits de transposição", comentou o secretário da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Jr. Segundo ele, esta ação traz normalidade na mobilidade das regiões contempladas, que muitas vezes ficam isoladas, e também facilita o escoamento da produção nos municípios com rotas mais confiáveis.

No total, a Defesa Civil já realizou a instalação de 370 kits transposição em todo o estado, o que representa o investimento de R$ 21 milhões. No momento, estão em andamento o processo para a instalação de outros treze kits, todos em fase da construção das cabeceiras.

Durante agenda em Brasília, secretário visitou o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres

Buscar recursos para projetos de proteção civil e agilidade nas ações com os municípios catarinenses foram os principais objetivos do secretário de Estado da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, na agenda de trabalho realizada em Brasília nesta quarta-feira, 27.

O primeiro encontro foi com o diretor do departamento de obras hídricas, Stanley Rodrigues Bastos, buscando viabilizar recursos dos termos de compromissos vigentes. Da mesma forma, apresentar o Plano Diretor de Prevenção de Riscos e Desastres de Santa Catarina.

Já na Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil o encontro foi com a diretora do Departamento de Articulação e Gestão, Karine Lopes, e com o diretor do Departamento de Obras de Proteção e Defesa Civil, Paulo Falcão. O secretário destacou o fortalecimento das ações de capacitação e educação que estão sendo implementadas pela Secretaria em Santa Catarina e aproveitou para sanar questões sobre prazos de execução dos planos de trabalho enviados ao Governo Federal.

"Nossa principal estrutura de proteção e Defesa Civil é a Barragem de José Boiteux, que precisa de cuidados urgentes", comentou João Batista, ao informar sobre o impasse que envolve a estrutura. Segundo ele, além da construção de novas estruturas de proteção e defesa civil, é necessário manter em perfeitas condições as existentes. "O investimento em novos projetos deve privilegiar, além das grandes obras, as ações de prevenção, preparação e mitigação”, frisa o secretário.

Em seguida, em reunião com a coordenadora-geral de restabelecimento e reconstrução, Rosilene Cavalcanti, a conversa foi voltada para a SC-108 e para o aprimoramento do plano de trabalho para captação de recursos para reconstrução da rodovia que permanece interditada.

Ainda na Capital Federal também foi realizada visita ao Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad). Durante reunião com o coordenador-geral de Gerenciamento de Desastres, Aldo Baptista Neto, o secretário catarinense tratou dos alinhamentos entre a Defesa Civil de Santa Catarina e o Cenad.

A última agenda foi no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), onde foi solicitada agilidade no licenciamento de obras de contenção de cheias.

Informações adicionais para a imprensa
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) reuniu, nesta quinta-feira, 21, os militares e os cães de busca que atuaram nas buscas  em Brumadinho (MG), para uma coletiva de imprensa, realizada no Centro de Ensino Bombeiro Militar, em Florianópolis.

O comandante-geral do CBMSC, coronel Edupércio Pratts, relatou como se deu a mobilização da corporação para atuação Brumadinho e destacou o papel dos Bombeiros na resposta ao desastre.

“A missão em Brumadinho não terminou. Nós recebemos, ontem (quarta-feira), o pedido do Comando-Geral de Minas Gerais para que o suporte do CBMSC seja mantido. Porém, fizemos questão de prestar contas sobre tudo o que já foi feito até a manhã de hoje. Os resultados continuarão aparecendo, nós continuaremos atuando, mas a partir de agora mais pontuais, seguindo a necessidade do CBMMG”, esclareceu.


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Também prestaram esclarecimentos na coletiva de imprensa o subcomandante-geral, coronel Charles Alexandre Vieira e o tenente coronel Walter Parizotto, coordenador das forças-tarefa.

Esta quinta também foi de homenagens na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc). O deputado estadual Onir Mocellin  propôs a entrega de uma moção de aplauso ao Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, em especial aos Bombeiros que atuaram em Brumadinho.

Acionamento em Brumadinho

No dia 25 de janeiro o rompimento de uma barragem afetou drasticamente a cidade de Brumadinho (MG), e também mudou a rotina do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), com um pedido de ajuda.

 O ofício, vindo do comando-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), no dia 29 de janeiro, solicitou auxílio com o envio de bombeiros militares especializados em intervenções em áreas deslizadas. O governador Moisés prontamente assinou a ordem de missão e permitiu que as forças-tarefa do CBMSC se deslocassem para Minas Gerais.

“A partir de uma experiência que nós já temos, de bombeiro militar, nós sabemos que em locais onde há desastre o envio de tropas e de apoio deve ser combinado com quem está no destino, até para que não se leve para aquela região mais um problema, de gestão de acomodações. Aguardamos o sinal daquele Governo, colocamos o apoio à disposição. Depois de algum tempo eles nos solicitaram que o apoio fosse iniciado”, declarou o governador.

O início dos trabalhos

No dia 30 de janeiro, a primeira equipe chegou a Brumadinho e os trabalhos foram iniciados, com estudo de área, reconhecimento do local com os cães para analisar a situação e traçar a estratégia a ser empregada junto com o CBMMG. A situação era difícil, por conta do terreno totalmente alagado e instável.

“Nas primeiras horas o CBMMG nos colocou a par da operação e repassou recomendações importantes a respeito de segurança. Na chegada ficamos impressionados com a dimensão daquele cenário, a quantidade de lama, a dificuldade de nos locomover nos locais, mas traçamos as estratégias e fizemos o nosso melhor”, recordou o capitão Clemente Michels.

No dia seguinte, 31 de janeiro, logo nas primeiras horas de trabalho em campo, o cão Hunter, tutoreado pelo cabo Fumagalli, foi acionado para as buscas e em pouco tempo encontrou o primeiro corpo.

“Na primeira hora de trabalho o Hunter conseguiu realizar uma indicação. Lembro que no local tinha muita lama, a gente não conseguia visualizar a vítima e nem tinha acesso, mas o cão a todo momento indicando, com a mudança de comportamento dele, que naquele local havia uma vítima submersa na lama. Com muita dificuldade montamos toda a estrutura para acessar, após muitas horas de trabalho conseguimos retirar o corpo. A partir desse momento o cão começou a se adaptar ao local, ao trabalho e outras fez outras indicações”, conta o Cabo Fumagalli.

Buscas com os cães

Um dos destaques de atuação nesta missão, os cães do CBMSC são reconhecidos e certificados internacionalmente e os cuidados com os animais são tão importantes quanto com os humanos.

Além dos tutores terem noções de primeiros socorros caninos, para a atuação em Brumadinho foi desenvolvida, pela Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães, uma cartilha ilustrada com orientações de prevenção, indicando exercícios de aquecimento antes das atividades, além de massagens para recuperação muscular e anti estresse para os animais. Os tutores também foram orientados sobre os suplementos vitamínicos, vacinas e produtos que devem ser utilizados antes e depois da atuação.


Foto: CBMSC / Divulgação

Em mais de 50 dias de missão apenas dois cães necessitaram afastamento. Iron, que passou por uma pequena cirurgia de remoção de um espinho na pata dianteira e Barney, que teve constatadas pequenas alterações nos exames diários e assim ele foi retirado da missão nos últimos dias, por precaução, sem prejuízos para a saúde do animal.

O CBMMG montou uma estrutura completa para atendimento dos cães com veterinários, hospital de campanha, exames, laboratório e todos os dias os animais foram higienizados e assistidos. Além disso, o CBMSC também manteve o acompanhamento da saúde dos Labradores com os médicos veterinários soldado Josclei Tracz, tutor do cão Iron e soldado Andreza Amorim Moraes.

Os cães passarão por uma nova bateria de exames, com coleta de sangue e análise laboratorial.

Atividades

Durante os dias de trabalho, os militares catarinenses realizaram mapeamentos das áreas, criaram estratégias para a busca de vítimas, aplicando os conhecimentos desenvolvidos em Santa Catarina. Além disso, o CBMSC também realizou desmanches manuais e hidráulicos, procedimento de retirada de água ou lama, para facilitar o trabalho ou acesso ao local afetado e identificação de documentos.

Foram encontradas 17 vítimas, além de centenas de segmentos de corpos, encaminhados para que sejam feitos exames de DNA para identificação. Também foram encontrados um container frigorífico, tratores, veículos, maquinários e animais vivos.


Foto: CBMSC / Divulgação

“Com o passar do tempo, mais difícil ficaram as buscas aos corpos no local e consequentemente demandou mais estratégia e o serviço de cães”, relatou o tenente coronel Parizotto, coordenador das forças-tarefa.

Drones

As equipes técnicas de intervenções em áreas deslizadas também realizam as buscas com drones. Santa Catarina foi o único Estado – além de Minas Gerais – a realizar as buscas no local utilizando as aeronaves não tripuladas e pilotadas remotamente. O CBMSC usou três drones, com três pilotos para o local. Os pilotos catarinenses são certificados pela corporação, que tem curso próprio para busca utilizando os equipamentos.

Saúde dos profissionais

A saúde dos bombeiros militares que foram deslocados para a missão será monitorada por meio de exames laboratoriais, realizados pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em uma parceria entre o CBMSC e a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Por terem passado longos períodos em contato com lama e rejeitos de mineração, é importante examinar para diagnosticar possíveis índices elevados de metais no sangue.

“Depois de devidamente orientados pelo Ministério da Saúde e autoridades do Estado de Minas Gerais, as Secretarias de Estado da Saúde estão disponibilizando a coleta e a análise laboratorial de sangue. Depois desses resultados poderemos traçar uma estratégia de cuidados de saúde”, esclareceu o secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino.

“A saúde dos profissionais que participaram da operação Brumadinho é uma preocupação da corporação e seguirá monitorada”, afirmou o coronel Edupércio Pratts, comandante-geral do CBMSC.

Além dos exames, que começaram no dia 18 de março, haverá também suporte psicológico. A partir dessas primeiras avaliações, os militares que necessitarem de apoio terão acompanhamento continuado.

“O acompanhamento da saúde dos militares deve ser realizado, por isso, logo no início da Operação Brumadinho, buscamos parceria com a Secretaria da Saúde para viabilizar os exames necessários”, destaca o coronel Charles Alexandre Vieira, subcomandante-geral do CBMSC.

Dados da missão Brumadinho:

Organização das Forças-Tarefa: início 27/01
Assinatura da ordem de Missão pelo governador Moisés: 29/01
Bombeiros Militares deslocados para o local: 43
Equipes de Força-Tarefa deslocadas: 04
Cães: 07
Equipamentos: 04 viaturas de busca, 03 drones (com 03 pilotos), 1 caminhão de ajuda humanitária, 01 ônibus para traslado

Texto: Melina Cauduro
Fotos: CBMSC/Divulgação

Informações para a Imprensa:
Comunicação Social do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina
(48) 98843-4427

 Foto: James Tavares/ Secom/ Arquivo

Santa Catarina amanhece com calor e umidade nesta quitna-feira, 7. A previsão do tempo da Epagri/Ciram alerta para temporais localizados de verão em todas as regiões, a partir das 12h até a meia-noite.

Conforme os meteorologistas Marcelo Martins e Laura Rodrigues, a previsão é de pancadas de chuva com descarga elétrica e risco de temporais, acompanhados de rajadas de vento acima de 70 km/h e queda de granizo. Condição de chuva moderada a forte em alguns momentos, em localidades isoladas, com acúmulo de chuva de 30 mm a 50 mm. 

Recomendações da Defesa Civil

Tempestades: proteja-se em local abrigado, longe de placas, de árvores, de postes de energia e de objetos que possam ser arremessados. Se não encontrar um abrigo, agache-se com os pés juntos, com a cabeça encostada no peito ou entre os joelhos e as mãos cobrindo as orelhas ou apoiadas nos joelhos. Se estiver na praia, jamais fique na água. Em casa ou qualquer outro local abrigado, desligue os aparelhos eletrônicos, não use o telefone, fique longe das janelas e lembre-se, o banheiro em alvenaria é o melhor local durante uma tempestade.

Alagamentos/inundações: evite o contato com as águas e não dirija em lugares alagados. Evite transitar em pontilhões e pontes submersas e cuidado com crianças próximas de rios e ribeirões.

Enxurradas: não fique próximo às margens de rios e ribeirões, principalmente em regiões de relevo acentuado, montanhoso e pequenos vales, pois muitas vezes há temporais intensos sobre os topos e cabeceiras, gerando repentinamente grande quantidade de água num curto espaço de tempo. Este tipo de evento adverso apresenta grande poder destrutivo, podendo arrastar veículos, pessoas, animais e mobílias por vários quilômetros. A força das águas pode ainda provocar o rolamento de blocos de pedras, arrancar árvores, destruir edificações e causar deslizamentos de terra nas margens.

Deslizamentos de terra: deve ser observada qualquer movimento de terra ou rochas próximas a suas residências, inclinação de postes e árvores e rachaduras em muros ou paredes. Neste caso, é recomendável que a família saia de casa e acione a Defesa Civil Municipal 199 ou Corpo de Bombeiros 193.

Qualquer problema deve ser comunicado à coordenadoria municipal de Defesa Civil, através do telefone de emergência 199, Corpo de Bombeiros 193 ou Polícia Militar 190.

 Foto: Julio Cavalheiro/ Secom/ Arquivo

Após um feriado de Carnaval de altas temperaturas e pancadas de chuva isoladas pelo Estado, a Quarta-feira de Cinzas, 6, mantém previsão de sol e calor. De acordo com a Epagri/Ciram, o dia será de tempo típico de verão.

Até sexta-feira, a expectativa é de sol e pancadas isoladas de chuva, com trovoadas no período da tarde e noite, comuns na estação. A temperatura fica elevada em todas as regiões do estado. O vento sopra de nordeste e noroeste, fraco e moderado. A previsão é da meteorologista da Epagri/Ciram, Marilene de Lima,

A tendência para a próxima semana, de 9 a 18 de março, é de uma boa parte do período com chuva, mais frequente do Meio-Oeste ao Litoral, na maioria das vezes associadas ao calor da tarde (trovoadas de verão). Conforme o meteorologista da Epagri/Ciram Marcelo Martins, no sábado e domingo, 9 e 10, haverá chuva bem distribuída, estendo-se ao Extremo Oeste e Oeste de Santa Catarina, devido à instabilidade associada à passagem de uma frente fria. A temperatura segue elevada na maior parte do período.

Qualquer problema deve ser comunicado à coordenadoria municipal de Defesa Civil, através do telefone de emergência 199 ou Corpo de Bombeiros 193.

 

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) é destaque na busca e resgate utilizando os cães, a cinotecnia, com reconhecimento e certificação internacional. Hoje, a corporação conta com sete cães certificados pelo International Rescue Dogs Organization (IRO).

O treinamento dos animais é feito exclusivamente com feedback positivo, sem quaisquer maus-tratos, tanto na questão de obediência, quanto a parte técnica. Para os cães uma busca é uma brincadeira.

"Mais do que uma eficiente ferramenta de busca, os cães do CBMSC são parte da instituição e da família do bombeiro condutor"

soldado BM Andreza
,
médica veterinária do CBMSC

A saúde dos animais é controlada por uma Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães e os veterinários mantêm uma rotina de acompanhamento.

Exames de check-up são realizados anualmente nas universidades parceiras, que possuem o curso de Medicina Veterinária, como a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), em Lages e a Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), em Xanxerê. Durante esses momentos, os cães são acompanhados pelos seus condutores, além de dois veterinários cinotécnicos do CBMSC.

“Os condutores, a coordenadoria e a equipe de saúde animal estão sempre em contato e acompanhando os cães, com trocas de informações, para prevenir doenças e manter a saúde física e também mental dos nossos animais. Cada cão tem o veterinário de confiança nas suas cidades, mas mantemos um acompanhamento conjunto, para segurança do cão”, explica a médica veterinária do CBMSC, soldado Andreza Amorim Moares.

A corporação utiliza cães da raça labrador, por conta do olfato apurado, além do temperamento dócil, entre outros fatores. “Os cães vivem na casa dos seus tutores, são socializados e treinados diariamente. Muitos convivem com crianças diariamente. Mais do que uma eficiente ferramenta de busca, os cães do CBMSC são parte da instituição e da família do bombeiro condutor”, diz a soldado Andreza.

Seleção de filhotes

Os labradores são animais de grande porte e que podem ter algumas enfermidades genéticas, como, por exemplo, atrofia de retina e displasia de cotovelo. Para a atuação no CBMSC existe um rigoroso controle, para garantir que os animais adultos tenham plenas condições para buscas.

“Essas doenças são cuidadosamente monitoradas por meio de exames. Nosso objetivo é não deixar entrar no nosso plantel doenças genéticas, que podem ser evitadas por meio de prévios exames e cruzamentos planejados”, detalha Andreza.

Os cães do CBMSC são de uma mesma linhagem de labradores, com uma árvore genealógica que apresenta uma genética favorável para o desenvolvimento das atividades.

“Nosso processo de seleção de filhotes ele é bem complexo. Nós começamos a análise a partir dos pais, escolhendo aqueles animais com o perfil que desejamos e cruzamos sempre os melhores, dentro do nosso parâmetro e com toda segurança necessária aos animais. Além dessa seleção daqueles com o melhor desempenho, também são escolhidos aqueles que não possuem probabilidade de terem problemas genéticos”, destaca o coordenador da atividade no em Santa Catarina, tenente-coronel Walter Parizotto.

Aposentadoria

Em torno dos oito anos de vida os labradores são aposentados das buscas e passam a trabalhar apenas na cinoterapia, que é a terapia assistida por cães em hospitais, além de treinarem os outros cães para a atividade de busca e salvamento.

Cartilha desenvolvida para prevenção em Brumadinho

Os tutores de cães de busca, durante o curso de Cinotécnico, recebe noções de primeiros socorros caninos e também aprende sobre comportamento animal, cuidados e a manutenção que se deve ter com os cães durante toda sua vida.

Para a atuação em Brumadinho, a Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães desenvolveu uma cartilha ilustrada, com as orientações de prevenção, indicando exercícios de aquecimento antes das atividades, além de massagens para recuperação muscular e anti-stress para os animais. Nesta cartilha, os tutores também foram orientados sobre os suplementos vitamínicos, vacinas e produtos que devem ser utilizados antes e depois da atuação.

Um dos trechos da cartilha diz: “Lave o cão com o shampoo antisséptico indicado após cada dia de trabalho, fazendo a higiene dos ouvidos e da cavidade oral. As massagens e suplementos são importantes para diminuir a dor muscular e manter a performance do cão no dia seguinte. Dentro do possível, siga as orientações da cartilha. Ela foi feita com muito zelo para minimizar os riscos desta ocorrência”.

Os binômios catarinenses (dupla de bombeiro militar e cão) são destaque na missão de Brumadinho. Até o momento sete cães foram empregados nas buscas. Os cães são avaliados todos os dias ao retornarem para a base.

Atendimento imediato ao cão Iron

Durante as buscas, em Brumadinho, na segunda participação do cão Iron, um espinho perfurou a pata dianteira direita do animal, exigindo uma cirurgia de emergência para a retirada. Iron foi o único animal que se feriu durante a missão, mas o pronto atendimento fez a diferença.

A cirurgia de remoção foi realizada em um hospital de campanha, montado no local, por uma equipe de médicos veterinários, que está à disposição. Além disto, o tutor de Iron, soldado Josclei Tracz, também é veterinário e acompanhou todo o procedimento ao lado do companheiro.

“Está tudo bem com o Iron, ele está se recuperando. A previsão inicial é que ele possa retornar as atividades normalmente a partir de dez dias da cirurgia. Agora, ele retorna para Santa Catarina e segue em repouso”, explicou Parizotto.

Para substituição, os cães Hunter e Barney foram acionados novamente, e chegaram a Minas Gerais na sexta-feira, 1º. Eles foram levados pela Força Aérea Brasileira (FAB).

Texto: Melina Cauduro

Informações adicionais à imprensa:
Tenente BM Ian Triska
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
(48) 3665-8424 / (48) 99189-7081
ccssubch@cbm.sc.gov.br 
www.cbm.sc.gov.br 

Visita a PCH Volta Grande, em Rio Negrinho - Foto: Defesa Civil/SC

O Governo do Estado de Santa Catarina realiza, por meio da Secretaria da Defesa Civil, a fiscalização de barragens no território catarinense. A ação faz parte da política do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD) de identificação de possíveis riscos no estado. Nesta nova fase, que inicia em março, as ações preventivas se intensificam com a atualização de informações sobre estas estruturas.

As visitas às barragens serão realizadas pelos coordenadores regionais, que farão a coleta de dados. Dentre os pontos analisados estão a identificação da existência do Plano de Ação de Emergência (PAE) e obtenção de cópia dos Planos para análise sobre a efetividade da mesma. Também será verificada a preparação das comunidades para as execuções.

"Um relatório já está sendo preparado pela Secretaria de Desenvolvimento Sustentável (SDS) desde ano passado sobre a identificação das estruturas de barragens em Santa Catarina. Agora, em paralelo, vamos verificar as obrigações em relação à segurança e preparação das comunidades", explicou o secretário da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior.

Segundo ele, o Corpo de Bombeiros Militar (CBMSC) também está finalizando uma norma técnica de segurança sobre o assunto. "Isso mostra a preocupação do Governo do Estado com todos os fatores que podem colocar a população em risco", completou.

Está prevista a visita técnica em cerca de 136 estruturas, mas o diretor de Monitoramento Gestão e Desastres da SDC, TC Sandro Nunes, não descarta a possibilidade da existência de barragens não identificadas pela Agência Nacional das Águas: "O último relatório da ANA foi realizado em 2017 e as informações são fundamentais para o planejamento das ações dos municípios e da população catarinense".

De acordo com a destinação do uso da barragem, existe um órgão federal específico que fiscaliza a estrutura. No caso de captação de água para consumo humano, animal ou agricultura, a responsabilidade é da Agência Nacional das Águas (ANA). As estruturas para o descarte de minério ficam a cargo da Agência Nacional de Mineração (ANM) e as estruturas usadas para a produção de energia elétrica ficam subordinadas a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Informações adicionais para a imprensa
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br

Nesta quarta-feira, 27, o Corpo de Bombeiros Militar com sede em Xanxerê celebra 17 anos de ativação no estado. O quartel era vinculado ao 6º Batalhão até dezembro de 2015, data em que se emancipou como 14º BBM. A região ganhou destaque com a criação do Centro de Referências de Desastres Urbanos (CRDU) e Laboratório de Estudos de Incêndios Florestais (LEIF), além de ser referência em cinotecnia (busca e resgate com cães), busca terrestre e certificações, entre outros.

Pioneiro no país, o Laboratório de Estudos de Incêndios Florestais foi criado em dezembro de 2018 para fomentar e fortalecer os estudos na área com equipamentos que simulam a velocidade e expansão do incêndio conforme as condições do vento, clima e relevo. O projeto conta com a parceria da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável e Governo de Santa Catarina. A obra física foi inspirada no laboratório referência na cidade de Coimbra, em Portugal.

O aniversário da sede foi marcada pela primeira queima de material para estudos. "Esta queima tem uma grande significado. Foi o pontapé inicial para estudos científicos. No futuro, esperamos colher frutos com produções científicas relacionadas à incêndios florestais, e áreas relacionadas. Quem ganha com esta estrutura e os estudos ali realizados é a corporação, os bombeiros militares, e toda a sociedade" diz Major BM Zevir, membro da coordenadoria de incêndios florestais do CBMSC.

Para o Ten Cel BM Walter Parizotto, presidente da coordenadoria de incêndios florestais e comandante do 14BBM (sediado em Xanxerê), é uma grande conquista para a cidade e para o batalhão também: "Iremos trazer cursos de incêndios florestais para a região, assim como fizemos com o CRDU. É mais um passo para o desenvolvimento local e também acadêmico da corporação. A queima inaugural no dia em que o quartel completa 17 anos de atuação tem um significado especial e diferenciado".

O Centro de Referências de Desastres Urbanos, único no Estado, é referência no treinamento de bombeiros para salvamentos em deslizamento de terra e em desastres naturais urbanos. Inaugurado em 2013, o local possui alojamento, canil, refeitório, cozinha, sala de aula, reserva de materiais, pista para treinamento de salvamento em altura e pista para treinamento em espaço confinado e deslizamentos. No CRDU, bombeiros e cães que atuam em operações de buscas por pessoas são treinados para o resgate, atraindo profissionais de todo o país.

Sobre a localização do quartel, o Comandante do 14º BBM, Tenente Coronel Parizotto, explica que Xanxerê e região são suscetíveis a eventos naturais de grande magnitude, como o tornado que acometeu a cidade em 2015. “É importante que o treinamento e atuação sejam constantes para que a guarnição continue aprendendo e ensinando”, declara o Comandante.

Compõem a jurisdição da unidade os quartéis de Xanxerê (sede), São Lourenço do Oeste, Xaxim, Campo Erê, São Domingos, Abelardo Luz, Faxinal dos Guedes e Ponte Serrada, englobando o atendimento de 31 municípios.

Informações adicionais à imprensa:
Tenente BM Ian Triska
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
(48) 3665-8424 / (48) 99189-7081
ccssubch@cbm.sc.gov.br 
www.cbm.sc.gov.br