Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Com a Palavra, o Governador - 15 de setembro de 2017

Com a Palavra, o Governador - 15 de setembro de 2017

O Governador Raimundo Colombo fala sobre o saúde em Santa Catarina e a retomada na economia.


Oportunidades

Próximos eventos

O novo bloco do Hospital Regional do Oeste (HRO) em Chapecó está com a obra física 98% concluída e já começa a receber o mobiliário. Nesta quarta-feira, 20, foi descarregada a primeira carga de módulos especiais em MDF, devidamente preparadas para o ambiente hospitalar, cerca de 8,5 toneladas. A montagem inicia pelo sétimo andar - destinado à oncologia. A estimativa é que até a primeira quinzena de dezembro seja finalizada a instalação em todo o prédio. O investimento do Governo do Estado no mobiliário é de aproximadamente R$ 1,5 milhão, com recursos via Badesc.

A expectativa é que os módulos sejam transportados em nove cargas, no total serão 55 toneladas. A montagem em cada andar deve levar até 10 dias. A empresa vencedora da licitação é a Bentec, de Joaçaba, com polo industrial em Bento Gonçalves.

O bloco cirúrgico terá cortinas de ar no campo cirúrgico, que garantem a purificação do ambiente e segurança do paciente. Este é um sistema adotado em grandes hospitais de referência em alta complexidade.

A secretária executiva da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) Chapecó, Astrit Savaris Tozzo, avalia que a obra trará muitos benefícios com atendimento na alta complexidade. “É um hospital moderno, com muita qualidade, trazendo mais segurança para os usuários”, destaca.

Chapecó - Novo bloco do Hospital Regional do Oeste recebe primeira parte dos mobiliários

A obra

O Governo do Estado já garantiu o investimento de aproximadamente R$ 40 milhões, sendo cerca de R$ 28,2 milhões na obra física, R$ 1,5 milhão no mobiliário e R$ 9,2 milhões em equipamentos nacionais – em fase de convênio. O investimento em equipamentos importados está estimado em R$ 19 milhões.

Segundo o presidente da diretoria executiva da Associação Hospitalar Lenoir Vargas Ferreira, Severino Teixeira da Silva Filho, este investimento fará uma grande diferença para toda a população regional, com aumento na capacidade de atendimento em até 60%. “Com esta nova obra vamos poder fazer muito mais em várias áreas onde há necessidade, em que hoje os pacientes têm que buscar esta solução em outras cidades e regiões”, destaca.

De acordo com o Plano de Trabalho, a obra física compreende a construção do novo bloco, implantação do preventivo de incêndio e urbanismo da rua Florianópolis. A construção do novo bloco foi concluída, os sistemas de climatização estão em fase final de testes. A implantação do preventivo de incêndio que liga a ala nova a antiga do hospital está com processo para licitação em tramitação, compreende duas passarelas, hall de escada e sistema preventivo de incêndio.

A nova ala tem nove andares, irá aumentar a capacidade de atendimento com mais 156 novos leitos. O HRO contará com novos leitos para UTI Geral, UTI pediátrica, para o setor de coronária, salas cirúrgicas, leitos para tratamento intensivo de alta complexidade, para oncologia de longa duração, leitos para quimioterapia de curta duração e para recuperação pós-cirúrgica.

Mais informações para a imprensa:
Andréia Cristina Oliveira
Assessoria de Comunicação
Agência de Desenvolvimento Regional de Chapecó
Fone: (49) 2049-7427 / 99938-6966
E-mail: imprensasdrcco@gmail.com
Site: sc.gov.br/regionais/chapeco


Foto: Epagri / Divulgação

A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) promove nesta sexta-feira, 22, o 5º Seminário Regional da Bananicultura, em Massaranduba. A qualidade do solo dos bananais e a organização e a sustentabilidade econômica da atividade serão discutidos com produtores e técnicos no salão de festas da Igreja São João Bosco, das 9h às 16h.

Será lançado o boletim “Banana, recomendações técnicas para o cultivo no litoral norte de Santa Catarina”. Também está prevista saída em campo e palestras. O evento conta com apoio da Prefeitura de Massaranduba, da Associação dos Produtores de Banana (Aprobam) e Cooperativa dos Agricultores Familiares (Cooperbam).

Joinville - Maior produtora de banana do Estado, região Norte recebe seminário sobre cultivo da fruta

Na região Norte, a cadeia produtiva da bananicultura é formada por 1.758 famílias dos municípios de Araquari, Barra Velha, Corupá, Garuva, Guaramirim, Jaraguá do Sul, Joinville, Massaranduba, São Francisco do Sul, São João do Itaperiú e Schroeder. O município com maior produção é Corupá. A safra de 2016 movimentou mais de R$ 270 milhões nas 11 cidades.

O valor bruto gerado pela produção deste setor é de 74,6% do total catarinense, já que a região Norte é a maior produtora de banana de Santa Catarina. Atualmente, é responsável por 58% da produção estadual, tendo como mais comercializadas a Caturra e a Prata 85% e 15%, respectivamente.

De acordo com o engenheiro agrônomo e gerente regional da Epagri de Itajaí Ricardo José de Negreiros, a previsão é que a safra de 2017 supere a produção de 430 mil toneladas no ano passado. “A razão do prognóstico é que as condições climáticas ajudaram no plantio este ano, com chuvas bem distribuídas e um inverno mais ameno.”

Programação

9h30: Abertura

9h45: Como manter e melhorar a qualidade dos solos dos bananais? – Rafael Ricardo Cantú, com engenheiro agrônomo da Epagri e doutor em fertilidade do solo;

10h45: Organização e Sustentabilidade Econômica da Bananicultura no Norte Catarinense, com Eliane Cristina Muller, diretora da Asbanco;

11h40: Lançamento do boletim técnico Banana – Recomendações técnicas para o cultivo no litoral norte de Santa Catarina;

13h30: Saída a campo.

Informações adicionais para a imprensa:
Ana Paula Keller
Assessoria de imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Joinville
E-mail: anakeller@jve.adr.sc.gov.br / imprensa@jve.adr.sc.gov.br
Telefone: (47) 3461-1225 / 99240-8064
Site: sc.gov.br/regionais/joinville

Acontece no dia 27 de setembro, das 8h às 12h, no Parque Malwee, em Jaraguá do Sul. O encontro irá reunir jovens da microrregião de Jaraguá do Sul (Corupá, Guaramirim, Jaraguá do Sul, Massaranduba e Schroeder) e contatá com as palestras "Juventude, realização profissional e sucessão" e "Como fazer a regularização ambiental da propriedade".



A soja invade o meio rural catarinense e avança nas áreas antes destinadas ao plantio de milho. O crescimento das lavouras de soja chega a uma média de 6% ao ano e na safra 2017/18 deve chegar a 706 mil hectares plantados – mais do que o dobro da área destinada ao milho grão, por exemplo. Os números foram apresentados pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca nesta quarta-feira, 20, e fazem parte das estimativas iniciais de safra elaboradas pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

Os agricultores catarinenses devem destinar 318 mil hectares ao plantio de milho grão – 12% a menos do que na última safa. Por conta disso, a produção também ficará menor, em torno de 2,6 milhões de toneladas – 16,5% menor do que na safra 2016/17. Essa tendência é observada também nos outros estados do Sul: o Paraná já anuncia uma diminuição de 33% na área cultivada de milho e o Rio Grande do Sul espera 23% de queda.

A redução na colheita tem impacto direto no setor produtivo de carnes em Santa Catarina. Como maior produtor nacional de suínos e segundo maior produtor de aves, o estado consome em média seis milhões de toneladas de milho todos os anos. “Nós temos que pensar em alternativas para atender a demanda da cadeia produtiva de carnes. Encontrar rotas alternativas para que o milho chegue com um preço mais competitivo em Santa Catarina”, ressalta o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa

Entre os motivos que fazem os agricultores abandonarem o cultivo de milho grão estão os altos custos de produção e o preço abaixo do esperado na última safra, fatores que tornaram a soja mais atrativa. “Isso não é uma surpresa. Os agricultores também fazem suas contas e optam pelo que é mais rentável. Como o milho estava com um preço menor este ano, os produtores escolheram plantar soja”, explica Sopelsa.

A soja ganha cada vez mais espaço em Santa Catarina. Em média a área destinada ao grão aumenta 6% todos os anos e já chega a 706 mil hectares na safra 2017/18. A produção também deve ser ampliada e chegar a 2,5 milhões de toneladas – ficando bem perto da produção de milho – e superando o recorde atingido na última safra. Hoje em Santa Catarina as maiores áreas destinadas ao plantio de soja estão em Campos Novos, Abelardo Luz e Mafra.

Milho Silagem

O milho destinado à produção de silagem, utilizado na alimentação de bovinos de corte e leite, também vem numa crescente em Santa Catarina. Na próxima safra é esperada uma colheita de 9,6 milhões de toneladas de massa verde em 226 hectares plantados. Com destaque para as regiões de Chapecó e São Miguel do Oeste, que juntas respondem por 48% da área plantada de milho silagem do Estado - explicado pela grande produção leiteira.

O aumento na produção de milho silagem é impactado também pelo Programa Terra-Boa, da Secretaria da Agricultura. Boa parte das sementes de milho disponibilizadas é utilizada para produção de silagem. Só este ano serão 220 mil sacas de sementes de milho liberadas pelo Programa.

Arroz Irrigado

A área plantada de arroz irrigado deve ser muito próxima do que aconteceu na última safra. Serão 148 mil hectares destinados ao cultivo do grão. Os agricultores ainda estão em ritmo de preparo de solo para semeadura, com algumas áreas mais adiantadas como no Litoral Norte. A safra deve girar em torno de 1,1 milhão de toneladas de arroz.

Feijão 1ª safra

A área plantada no Estado com feijão 1ª safra terá um pequeno aumento de 2% e deve fechar em 46 mil hectares, com 96 mil toneladas colhidas. Os principais municípios produtores são Campos Novos, Abelardo Luz e São José do Cerrito.


Informações adicionais para a imprensa:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48)-3664-4417/ (48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/


Foto: James Tavares/Secom

Para os dois últimos dias do inverno, quarta e quinta-feira, 20 e 21, a previsão da Epagri/Ciram indica sol em todas as regiões, com nevoeiro no início do dia e menor nebulosidade no Oeste. A temperatura segue elevada em todas as regiões, com máximas chegando a 35°C. O vento sopra de Nordeste a Norte, fraco a moderado e com rajadas mais intensas no Litoral.

Para o primeiro dia da primavera, sexta-feira, 22, a previsão é de sol com aumento de nuvens em todas as regiões. Há condição de chuva fraca à noite no Sul do estado. A temperatura diminui um pouco em relação aos dias anteriores. O vento soprará de Nordeste a Noroeste, fraco a moderado e com rajadas mais intensas do Oeste ao Sul.

Para o sábado, a previsão é de tempo encoberto, com chuva fraca do Oeste ao Sul, devido à aproximação de uma frente fria do Rio Grande do Sul para Santa Catarina. Nas demais regiões, sol com aumento de nuvens e chuva fraca à noite. A temperatura estará amena. O vento soprará de Noroeste a Sudeste.

Tendência de domingo, 23, a terça-feira, 3 de outubro

A umidade do ar vai retornando gradativamente ao estado, favorecendo a condição de chuva para SC, de forma mal distribuída e especialmente nos últimos dias de setembro. As temperaturas ficam mais elevadas no final do período.

A Epagri/Ciram recomenda o acompanhamento diário dos boletins e informações disponibilizados no site.

Situação dos rios

Uma das preocupações com a falta de chuva são os níveis dos rios em Santa Catarina. O pesquisador de hidrologia da Epagri/Ciram, Guilherme Miranda, informou que há rios com os níveis de água extremamente baixos. “A chuva prevista para os próximos dias não será suficiente para suprir o déficit hídrico das bacias hidrográficas”, informou.

Os municípios com rios em estado de emergência são: de Forquilhinha, Chapadão do Lageado, José Boiteux, São João Batista, Orleans, São Martinho, Passos Maia, Rio das Antas, Camboriú e Tangará. Também há cidades com rios em situação de alerta: Otacílio Costa, Canoinhas, Salete, Taió, Timbó, Tubarão, São Carlos, Joaçaba, Concórdia e Rio Negrinho.

>>> Aviso hidrológico mostra situação dos rios que sofrem com a estiagem em SC

Economia de água

Desde a última semana, a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) solicita que a população economize água tratada por conta da estiagem que atinge todas as regiões doeEstado. Desde maio, o volume de chuvas no Estado é considerado abaixo da média.

Dicas de economia de água:

- Tome banhos rápidos e feche o chuveiro ao se ensaboar. Chuveiro aberto por 15 minutos consome 135 litros de água.
Feche a torneira ao escovar os dentes e ao fazer a barba.

- Não lave a louça com água corrente: passe rapidamente água nas louças, ensaboe os pratos e utensílios. Abra a torneira apenas para enxaguar.

- Não lave roupa com água corrente. Trabalhe utilizando o tanque.

- Só ligue a máquina de lavar louça ou a de lavar roupa com capacidade total: o consumo é igual se ela não estiver cheia.

- Não use água como vassoura. Em calçadas e áreas pavimentadas, primeiro varra a sujeira, depois lave com a utilização de um balde. Com mangueira, em 15 minutos são desperdiçados cerca de 280 litros de água.

- Não use mangueira, mas balde e pano para lavar o carro. E em épocas de estiagem evite lavar seu automóvel.

- Reaproveite a água usada para outros fins, como lavar calçadas.

- Molhe o jardim com regador, sempre ao amanhecer ou à noite, assim elas aproveitarão melhor a água. Regar as plantas nas horas quentes resulta em elevadas perdas por evaporação.

- Não jogue água nas ruas: água não é pavimentação.

- Regule a válvula de descarga: esse cuidado pode reduzir o consumo pela metade.

Mais informações para a imprensa:
Central de Meteorologia
Epagri/Ciram
Fone: (48) 3665-5007 e (48) 3665-5172
E-mail: contatociram@epagri.sc.gov.br
Site: www.ciram.epagri.sc.gov.br
Facebook

Página 1 de 141