Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

Projeto garante acessibilidade para deficientes visuais ao Portal de Serviços do Executivo

Projeto garante acessibilidade para deficientes visuais ao Portal de Serviços do Executivo

Nos últimos meses de 2018, uma equipe de desenvolvedores de software do Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc) recebeu um desafio novo. A missão: tornar o Portal de Serviços do Governo de Santa Catarina 100% acessível para deficientes visuais. Depois de muito de trabalho, a novidade está disponível desde o começo de dezembro.

Oportunidades

Próximos eventos

O primeiro boletim epidemiológico com dados da situação do mosquito Aedes aegypti, divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV), alerta que foram identificados 727 focos do mosquito em 75 municípios do Estado até o dia 12 de janeiro deste ano. O número representa 28,4% a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado.
 
Além do alto número de focos, o boletim alerta para uma queda de 42% no número de notificações no início deste ano, comparado com o mesmo período de 2018 (até 12 de janeiro). De acordo com o gerente de zoonoses da DIVE/SC João Fuck, as notificações alertam para possíveis casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya, o que facilita as ações de controle vetorial na região. “Os serviços de saúde precisam ficar atentos e notificar os casos suspeitos. É através das notificações que são desencadeadas as ações de controle ao mosquito”, destaca.
 
Diante do risco de epidemias das doenças transmitidas pelo mosquito, especialmente agora no verão, as ações devem ser intensificadas. A Secretaria de Estado da Saúde conta com profissionais de saúde, laboratórios, veículos, equipamentos e materiais informativos de forma a prestar apoio aos municípios nas ações locais. “Mas mesmo assim, é fundamental o envolvimento de todos para o controle do número de focos do mosquito”, salienta Maria Teresa Agostini, diretora da DIVE/SC.
 
Cenário epidemiológico
Em 2019, até o momento (dados atualizados em 12/01/2019), Santa Catarina registrou 56 notificações de dengue, oito foram descartadas e 48 continuam em investigação. Já em relação à chikungunya, oito casos foram notificados e continuam como suspeitos. Até a data de atualização do boletim, nenhum casos de zika foi notificado.

 
Informações para imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
(48) 3664-7406
(48) 3664-7402
(48) 3664-8385
 


Imagem: Divulgação

O Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) está com inscrições abertas para visitas mediadas e cinco oficinas de arte que oferecerá gratuitamente a crianças, jovens e adultos neste verão, por meio de seu Núcleo Educativo. O objetivo é oportunizar, neste momento de férias, visitas mediadas e oficinas, especialmente em diálogo com as exposições do 6º Prêmio Marcantonio Vilaça, para diferentes públicos interessados em interagir com a arte contemporânea e o Museu.

Serão oferecidas 15 vagas para cada dia e horário (ver cronograma abaixo). As inscrições nas oficinas propostas para crianças de faixa etária específica (de 7 a 10 anos) somente serão aceitas mediante o acompanhamento de adultos (familiares ou responsáveis). Os interessados podem inscrever-se nas visitas mediadas e oficinas que correspondem à respectiva faixa etária enviando os seguintes dados para o e-mail agendamentomasc@gmail.com:

-Nome completo e idade;
-Especificar a data desejada da visita mediada e oficina;
-E-mail e telefone (residencial/celular/comercial) para contato;
-Escolaridade;
-Profissão.

Cronograma das oficinas:

Oficina de escultura em papel para crianças
Faixa etária: de 7 a 10 anos
Dia: 23 de janeiro de 2018 (quarta-feira)
Horário: das 14h às 17h

Oficina de pintura para crianças
Faixa etária: de 11 a 13 anos
Dia: 24 de janeiro de 2018 (quinta-feira)
Horário: das 14h às 17h

Oficina de Fanzine para adolescentes
Faixa etária: de 14 a 17 anos
Dia: 29 de janeiro de 2018 (terça-feira)
Horário: das 14h às 17h

Oficina de pintura em aquarela com café
Público-alvo: adultos
Dia: 23 de janeiro de 2018 (quarta-feira)
Horário: das 19h às 21h

Oficina de pintura em aquarela com café
Público-alvo: adultos
Dia: 29 de janeiro de 2018 (terça-feira)
Horário: das 19h às 21h

Mais informações podem ser obtidas diretamente com o Núcleo Educativo do Museu pelo telefone (48) 3664-2633, de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h. O MASC está localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC), na Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600, bairro Agronômica, em Florianópolis (SC).

Informações adicionais para imprensa
Assessoria de Comunicação Fundação Catarinense de Cultura
Telefone: (48) 3664-2571 / 3664-2572
E-mail: imprensa@fcc.sc.gov.br
Facebook: www.facebook.com/FundacaoCatarinensedeCultura 
Twitter: www.twitter.com/fccoficial 


Foto: COMPDEC

Na manhã desta quarta-feira, 16, foi realizada na prefeitura de Grão Pará, uma reunião para a avaliação da situação da SC-370 e da Serra do Corvo Branco. Segundo o laudo apresentado pela equipe técnica da Secretaria de Estado da Defesa Civil, (SDC), o risco é considerado muito alto e a indicação é para a continuidade da interdição. Da mesma forma, o relatório sugere o monitoramento topográfico e visual diário para o acompanhamento da situação. “Para a liberação total da rodovia são necessárias obras estruturantes, de recomposição de aterro, contenção e reforço na sinalização”, explicou o geólogo da SDC, Humberto Alves da Silva.

Durante a reunião ficou acertado que a SC-370 e a Serra do Corvo Branco permanecem interditadas até que ações para a redução de riscos sejam realizadas. Dentre elas: impedimento de tráfego de veículos pesados, sinalização adequada, barreiras físicas a margem da rodovia, limpeza da drenagem, desvio na área de escorregamento, monitoramento diário e o fechamento durante a noite para o tráfego de todos os tipos de veículos. Após a conclusão destas ações a via será liberada parcialmente, ou seja, apenas durante o dia. Em paralelo será realizada a busca de uma solução definitiva.

Participaram do encontro representantes das prefeituras da região, das secretarias de Estado da Defesa Civil (SDC) e da Infraestrutura, Polícia Militar (PM), Corpo de Bombeiros Militar (CBMSC) e defesas civis municipais da região.

Segundo o secretário de Estado da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Junior, o problema da Serra do Corvo Branco se arrasta há décadas e a população não pode conviver mais com o alto risco que estão expostos todos os dias na SC-370 e na Serra do Corvo Branco. “Estamos juntos buscando o mais rápido possível a liberação do local. Entendemos a importância da via para os moradores da região, por isso, pedimos paciência, pois os órgãos estão trabalhando buscando a normalidade”, destacou o secretário.

A precariedade da Serra do Corvo Branco foi agravada no último sábado, 12, após uma forte enxurrada que atingiu os municípios de Grão Pará e Rio Fortuna. A interdição ocorreu na noite da última segunda-feira, 14, após a avaliação da equipe técnica da SDC. O bloqueio ocorre no trecho da SC-370, entre o distrito de Aiuerê, em Grão Pará, e o topo da Serra, em Urubici. A interdição está sendo realizada por barreiras físicas, com o apoio PMSC.

Informações adicionais para a imprensa
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - SDS
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br

Foto: Jonas Pôrto/Udesc

Nesta quarta-feira, 16, foram abertas as inscrições para o Processo Seletivo nº 01/2019 da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), com 11 vagas para professor substituto, em Balneário Camboriú, Florianópolis, Ibirama e Joinville.  As oportunidades são temporárias, com prazo de até quatro anos, em áreas como Ensino-Aprendizagem, Fisioterapia Cardiorrespiratória, Ciência da Informação, Programação, Projetos Mecânicos e Eletrotécnica. 

As inscrições podem ser feitas no site oficial, nos seguintes períodos: até 23 de janeiro pelos candidatos doadores de sangue e/ou medula, com isenção da taxa, e até 30 de janeiro pelos demais candidatos, por meio de boleto, no valor de R$ 100. Entre 11 e 13 de fevereiro, os candidatos da seleção da Udesc realizarão as provas escrita e didática, além de passarem por avaliação de títulos.

Mais informações

Os salários variam de acordo com a titulação e as horas contratadas. Mais informações sobre vagas, endereços e horários de atendimento podem ser obtidas no edital

Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010


Foto: Aires Mariga/Epagri

Está aberto até 15 de fevereiro o período de coleta de material para a análise foliar da macieira. Os produtores devem seguir uma série de procedimentos para que o resultado da análise seja mais preciso e confiável.

A análise foliar dá um retrato do estado nutricional da planta. “É algo semelhante ao que o médico pede ao seu paciente, como um exame de sangue ou uma ressonância magnética. Pela análise foliar, pode-se identificar algum nutriente que esteja deficiente ou em excesso. Tanto uma situação quanto outra interfere na produtividade e na qualidade da produção”, descreve Leandro Hahn, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Caçador.

O pesquisador da Epagri explica que cuidados na hora da coleta das folhas são fundamentais. Primeiro, é importante definir o que é uma amostra. É preciso separar os cultivares – ou seja, a amostragem da Gala é diferente da Fuji, por exemplo. Tem que distinguir, também, o porta-enxerto: para cada um, é uma amostra de folhas. Tem que separar, ainda, por idade de pomar. “Para cada variável dessas, é uma coleta diferente, uma amostra diferente”, esclarece Leandro. Cada amostra é composta por cem folhas colhidas de 20 plantas do pomar, ou seja, cinco folhas de cada planta.

Cuidados

É fundamental evitar a coleta de folhas de plantas da borda do pomar – o recomendável é retirar todas as folhas de plantas da parte de dentro. Também não se deve pegar folhas das partes inferior ou superior da planta: a coleta precisa ser feita na parte intermediária. O fruticultor tem que coletar a folha inteira, que é o limbo (a parte verde da folha) com o pecíolo (o galho que prende a folha à árvore).

Outro cuidado é evitar a coleta após fortes chuvas. É preciso esperar pelo menos uma semana para colher as folhas. Esse mesmo prazo deve ser respeitado após a aplicação de agrotóxico ou adubação foliar. Não devem fazer parte da amostra, folhas danificadas mecanicamente, atacadas por alguma doença ou inseto. Outra recomendação é não coletar folhas em pomares próximos a estradas, por causa da poeira. Também é recomendável evitar coletar folhas de ramos ladrões.

As cem folhas que formam uma amostra devem ser embaladas em um saco de papel e colocadas para secar à sombra por cerca de cinco dias. Depois, essa amostra deve ser entregue em um dos escritórios municipais da Epagri ou enviada para o Laboratório de Nutrição Mineral da Estação Experimental de Caçador (Rua Abílio Franco, 1.500, Bairro Bom Sucesso, Caçador – SC, 89501-032). Junto com a amostra devem ser fornecidas as seguintes informações: nome, endereço completo, CNPJ ou CPF, telefone e e-mail do agricultor. O produtor vai pagar R$45,00 pela análise de cada amostra.

O resultado da análise sai em um mês e a interpretação deve ser feita com ajuda de um engenheiro-agrônomo. “A partir do resultado da análise foliar, o profissional que atende o produtor deve fazer, caso necessário, uma recomendação de adubação corretiva, ainda no ciclo da cultura, especialmente via foliar, ou no ciclo de produção seguinte, via correção do solo”, finaliza Leandro.

Mais informações: Leandro Hahn, pesquisador da Epagri/Estação Experimental de Caçador. E-mail: leandrohahn@epagri.sc.gov.br, fone: 49 35616823.

Informações para a imprensa:
Cinthia Andruchak Freitas
Jornalista: (48) 3665-5344

Página 1 de 361

Conecte-se